Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

PETROBRÁS. A VERDADE SOBRE SUA SITUAÇÃO ECONÔMICA


Falando ainda sobre o resultado da Petrobrás.

"Esse resultado mostra que a política de preço é danosa para a companhia e para o setor", disse Ricardo Corrêa, analista da Ativa Corretora. Desde 2003, a Petrobras evita elevar o preço dos combustíveis no mesmo ritmo dos preços internacionais do petróleo para não pressionar a inflação no país. Fonte: Folha.

Concordo com a afirmativa de que a política de preço é danosa para a Petrobrás, conforme Ativa Corretora.  No entanto, discordo da segunda parte da afirmação.  A Petrobrás evita elevar o preço dos combustíveis não para segurar a inflação.  A inflação está dentro das metas do Banco  Central.  A Dilma tem um objetivo, fazer que os seus aliados políticos ganhem eleições municipais custe o que custar.  Quer ao mesmo tempo manter a sua "popularidade" em níveis sem precedentes.  Uma espécie de "salvadora da pátria".  

Em carta aos investidores, Graça Foster reiterou seu "comprometimento" com a paridade internacional de preços do petróleo. A estatal reajustou os preços da gasolina e do óleo diesel em junho, mas a alta não foi considerada suficiente para reduzir a antiga defasagem nos preços.
Segundo Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, apesar dos últimos aumentos da gasolina e do diesel, os dois combustíveis mantêm defasagem de cerca de 14% e 17%, respectivamente, em relação aos preços internacionais.  Fonte: Folha.

Mais uma mentira da dupla Dilma/ Foster, dizer que tem "comprometimento" com a paridade internacional de preços do petróleo.  A cada litro de combustível que a Petrobrás vende tem um prejuízo de 14% a 17% conforme analista do CBI, no que concordo.  Isto considerando, o valor de dólar de hoje (03.08.2012) e de preço internacional de óleo.  E o que fizeram até hoje. Nadica, de nada. Apenas um aumento pequeno no mês de junho.

Tem mais dois variáveis, que diz respeito ao mercado financeiro e de commodities, que podem agravar a situação da Petrobrás ainda mais, se efetivamente não ajustar os combustíveis no curtíssimo prazo.  Um dos variáveis é a taxa de câmbio.  Ela, apesar de intervenções do BC, não vai estacionar neste patamar.  O outro variável, já comentei aqui no blog, é o fato de preço internacional de óleo vem sofrendo aumentos sucessivos, apesar da estagnação da economia global.  

O que pode ser feito, para a saúde da Petrobrás. O exemplo vem dos EEUU, a política de combustíveis é de completo realismo.  Nada de mitigações. O povo americano, paga os preços dos combustíveis, uma semana após o reajuste no mercado internacional de commodities, seja para cima ou para baixo.  Paga o preço real, sem o subsídio do governo ou melhor do contribuinte.  Lá o Obama, se quiser ganhar eleições terá que ser com ou sem aumento de combustíveis.

Presidente Dilma, sua fama de "gerentona" (sic) acabou.  Não adianta querer mitigar o prejuízo colocando a culpa no seu antecessor, o presidente Lula.  A senhora já vem governando o país e a Petrobrás há 1 ano e 7 meses.  Se quisesse fazer ajustes já deveria ter feito há algum tempo.  Nem queira colocar a culpa no presidente Sérgio Gabriele, antecessor da Graça Foster na companhia.  Vai ficar muito feio para senhora!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi prof. da UFPR
Twitter: @sakamori10

Um comentário:

  1. Concordo, e se aliar a isso tudo o emparelhamento político da Petro em detrimento da gestão técnica, tem-se o resultado vergonhoso que vemos.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.