Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ROSEMARY DO LULA É PREDADORA!


A ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha divulgou nota à imprensa nesta quinta-feira, 29, em que nega as acusações feitas contra ela pela Polícia Federal. "Enquanto trabalhei para o PT ou para a Presidência da República, nunca fiz nada ilegal, imoral ou irregular que tenha favorecido o ex-ministro José Dirceu ou o ex-presidente Lula em função do cargo que desempenhavam", diz. Fonte: Estadão.

Na última sexta-feira, Rosemary e o advogado-geral da União adjunto, José Weber Holanda Alves, braço direito do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, foram indiciados pela Polícia Federal após a Operação Porto Seguro. Segundo interceptações telefônicas, Rose operava valendo-se de sua influência no governo federal.  Fonte: Estadão.

Eles perderam noção do que seja imoral ou ilegal.  O chefe Lula, fez escola.  Para beneficiar os companheiros do partido ou mesmo empresários amigos da cúpula do Partido dos Trabalhadores, as coisas ilegais ou imorais passam a ser à serviço do Estado.  A tese criado pelo "padrinho" Lula é negar sempre, para se livrar dos malfeitos.  Malfeitos é a palavra inventada pela presidente Dilma, para designar a "ladroagem do dinheiro público".  

Acredita a presidente Dilma que basta afastar os malfeitores dos cargos que ocupam para "inocentá-los" das imoralidades e ilegalidades cometidas, o mais vil dos crimes, o da ladroagem do dinheiro do contribuinte.  O caso da Rosemary do Lula, vai terminar como outras demissões ocorridos nestes últimos 2 anos do governo Dilma.  Fora do governo, mas agora na inciativa privada, vão trabalhar como consultores informal da República, assim como fazem o Lula, José Dirceu, Antonio Palocci e outros.

O Palácio do Planalto quer fazer parecer que a Rosemary é uma pessoa de segundo time, mas não foi, nem é e nem será.  Se a Rosemary Noronha foi secretária do José Dirceu por anos a fio no Partido dos Trabalhadores e fez 23 viagens internacionais acompanhando o presidente Lula, peixe miúdo não é!  O fato de ela ter feito ligações constantes para o Lula, reforça a tese de que ela é peixe graúdo, ou melhor uma "sobrinha" dele.  Não acredito nos comentários que correm a boca pequena, do suposto envolvimento do presidente Lula com a Rosemary.  Ela é tubarão mesmo, uma predadora!  

Rosemary do Lula é uma predadora!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

PETROBRAS VALE MENOS QUE AMBEV!


O mercado voltou a considerar que cerveja vale mais que petróleo. Esta semana, a Ambev não só voltou a ultrapassar a Petrobrás, como também superou a colombiana Ecopetrol, tornando-se assim a companhia aberta de maior valor de mercado da América Latina, avaliada em US$ 120,1 bilhões (R$ 249,9 bilhões), conforme a consultoria Economática. Fonte: Estadão.

No pregão desta terça-feira, 27, as ações da Petrobrás tiveram queda de 1,65%, baixando o valor de mercado da companhia para US$ 118,36 bilhões (R$ 246,3 bilhões). A Ecopetrol fechou o dia valendo US$ 119,5 bilhões. Fonte: Estadão

Já a Petrobrás vem se desvalorizando por conta do preços dos combustíveis que, segundo a Quantitas Asset Management, estão defasados em cerca de 25% por falta de reajustes. Na Colômbia, a Ecopetrol reajusta preços mensalmente conforme a variação no mercado internacional. Fonte: Estadão.

"Enquanto a Petrobrás vê atrasos em seus projetos futuros do pré-sal, a Ambev aproveita o crescimento de sua receita em termos reais", diz Marcel Mitsuo Kussaba, chefe da área de análise de investimentos da Quantitas. Fonte: Estadão.

Lembrando que a Ambev faz parte da ABInbev que é uma companhia de bebidas Belga-Brasileira formada em 2004 através da fusão da empresa brasileira Ambev e belga Interbrew, com sede em Bélgica, cujo principal executivo é o brasileiro Carlos Brito na condição de CEO. Fonte Wikipédia. 

Não tem muito o que comentar.  A Petrobras valia o dobro da Ambev após a capitalização da Companhia para aumentar a participação do Estado, levado ao efeito pelo presidente Lula.  A gigante Petrobras, orgulho de todos os brasileiros, construida à duras penas pelo contribuinte brasileiro, desde 1953, tornara-se uma Companhia à beira de sucateamento, em função de exercer o papel de instrumento de política monetária do governo Dilma.  

Presidente Dilma insiste em tentar controlar o mercado num ambiente de livre mercado, como se isto fosse possível. O controle do mercado só é possível por um determinado período e em ações pontuais.  Dilma controla o câmbio deixando real apreciado, controla financiamento subsidiado, Bolsa Empresário, via BNDES.  Presidente Controla o preço dos combustíveis.  E agora, ela quer controlar as tarifas de energia elétrica.  Não vê, a presidente Dilma, que numa economia de mercado, como é no Brasil e no mundo globalizado, o engessamento imposto por período longo, causa desequilíbrio estrutural e fica o país fica refém do sistema "controlado".  Como ferver a panela de pressão, sem a válvula de segurança.  Uma hora explode!

Este blogueiro toma iniciativa de chamar a atenção, já que nenhum economista de renome tem coragem de denunciar o fato, sobre a economia "engessada". Tenho convicção de que estamos "entrando" no terreno (período) perigoso, em persistindo numa economia de mercado "controlado" pelo governo. Única vantagem, momentânea, è que a economia engessada provoca "falsa" sensação de "poder" e de "bem estar".   Tudo, para manter a popularidade da Dilma, com vista às eleições de 2014.  Isto não pode perdurar!

É triste, mas é uma realidade incontestável.  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

POR QUE DILMA TEM MEDO DA VERDADE?


Mais uma vez, a presidente Dilma, adota a estratégia de blindar o seu nome dos escândalos que envolvem os seus auxiliares diretos.  A Dilma fez de tudo para evitar convocação da Rosemary Noronha, chefe do gabinete da  Presidência da República em São Paulo e o segundo na hierarquia da Advocacia Geral da União, José Weber Holanda Alves para serem ouvidos como convidados pelo Senado da República.  Vamos tentar achar a justificativa. 

Dilma, demitiu todos agentes públicos envolvidos na Operação Porto Seguro da PF, inclusive a Rosemary e José Weber.  O caso ganhou notoriedade porque a chefe do gabinete Rosemary, segundo apurou a PF, é amiga íntima do presidente Lula.  Segundo o levantamento do jornal Folha de São Paulo, ela, Rosemary teria acompanhado o presidente Lula em 23 países do mundo, durante o período da gestão Lula.  Mostrou também, segundo a imprensa, a sua estreita ligação com o José Dirceu, chefe do mensalão.


O efeito Rosemary é mais para espuma do que para a faxina.  Presidente Dilma, com a demissão da Rosemary matou 2 coelhos numa cajadada só.  Expôs ao ridículo o presidente Lula e de quebra queimou o seu ex-aliado José Dirceu.  O Planalto pode até fomentar as investigações sobre a Rosemary, até porque, ela era considerada, segundo se apurou "escaninho" particular do presidente Lula.  Dilma fez a sua parte demitindo-a sem pestanejar, para desvincular o seu nome do Lula.  O episódio, serviu para Dilma, decolar a sua carreira solo na política, queimando o seu antecessor Lula. Mas, as investigações não poderão se aprofundar, porque os irmãos da Rosemary foram defendidos com unhas e dentes pelo Planalto na indicação destes nas Agências reguladoras, ANA e ANAC.


Este vai ser, apenas, mais um escândalo que vem à tona, nesses 2 anos de mandato da presidente Dilma.  Como fizera com os 9 ministros suspeitos de terem praticados ladroagem de dinheiro público, os agentes públicos serão penalizados com as demissões.  A presidente, diz que não aceita os "malfeitos" e impõe penalidade que termina em demissão dos envolvidos.  Nada mais.  Preocupa-se em poupar e blindar o seu nome dos escândalos, não aprofundando em investigações que envolveram e envolvem os seus ex-auxiliares diretos.  Assim, os marqueteiros do Planalto, tentam vender imagem da Dilma como "o paladino" da moralidade pública.  Até que estão conseguindo, pois o povo enxerga como os marqueteiros querem.  

O buraco está mais embaixo.  Está ficando para trás, o escândalo Carlinhos Cachoeira, que envolve o destino de cerca de R$ 450 milhões de Caixa 2, da empreiteira Construtora Delta.  Ficou para trás, também, o escândalo que envolveu o ministro Alfredo Nascimento dos Transportes e do Luís Antonio Pagot do DNIT, que teria movimentado R$ 47 bilhões, no ano eleitoral de 2010, com forte suspeita de superfaturamento.  O Planalto não quer investigar o Fernando Cavendish da Delta para esclarecer sobre o destino do Caixa 2, e nem quer investigar os demais empreiteiros do DNIT com obras superfaturadas, apontadas pelo TCU.  Pelo que parece, morreu na casca o escândalo do DNITduto. Muito estranho.  Por que tem medo das investigações mais profundas?  Muito estranho, mesmo!

Dilma tem chance de mostrar que não concorda com os malfeitos, mandando apurar, de verdade, todos os escândalos que vieram à tona e que mereceram demissões de agentes públicos.  Demissões, só, não bastam.  Se tomadas atitudes sugeridas, passarei do lado dos 77% que aprovam a Dilma como administradora pública.  Até lá, permaneço do lado dos 23% que a desaprovam.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

terça-feira, 27 de novembro de 2012

DILMA. ADMINISTRAÇÃO ESTRAMBÓTICA


Estamos chegando no final do ano de 2012, exatamente no meio do mandato da presidente Dilma.  Já podemos fazer avaliações técnicas sobre sua administração, destes últimos 2 anos.  Independente de que cada um possa fazer o seu juízo de valores, vou elencar algumas das conquistas, das pendências e dos erros cometidos pela equipe que compõe a administração petista.

 1. Corrupção 1.  Corrupção come solto na administração federal, comandada pela Dilma, muito mais do que na administração Lula de 2002 a 2010.  A eleição dela própria e de alguns dos governadores da base aliada terminaram exitosas, sobretudo, em função do apoio financeiro proveniente do Caixa 2 das obras do DNIT, licitadas e pagas em 2010.  

2. Corrupção 2. Foram demitidos 9 ministros com suspeita de corrupção, no entanto, nenhuma providência fora tomada para aprofundar nas investigações.  A norma da administração Dilma, neste campo, é apenas demitir das funções públicas os malfeitores.  Faxina da presidente Dilma é varrer para debaixo de tapetes, nada mais.  Não se preocupa em buscar o dinheiro desviado, nem colocar em cadéia os agentes públicos envolvidos.

3. Improbidade administrativa. O mais recente episódio envolvendo chefe da representação da presidência da República em São Paulo, bem como o envolvimento do adjunto imediato do chefe da Advocacia Geral da União mostra que a improbidade administrativa acontece nas antes-salas do gabinete da presidente da República, tal qual acontecia na gestão do seu antecessor, o presidente Lula.

4. Câmbio.  Dilma como seu antecessor Lula, continua a trabalhar com o câmbio apreciado.  Maioria dos institutos de estudos econômicos aponta a apreciação do real perante o dólar entre 15% a 20%. O principal concorrente, a China, trabalha com o câmbio depreciado em cerca de 20%, portanto o efeito dos produtos importados daquele país se torna dobrado a desfavor do Brasil.  Enxergo nisso, como o principal erro sistémico da política econômica do governo petista.  Tudo para deixar o povo viver no mundo de fantasia.  

5. Taxa Selic.  A taxa básica de juros que o BC trabalha, mesmo ao nível de 7,25% ao ano, ainda é alta, comparativamente a outros países desenvolvidos do mundo.  O Brasil, ainda está entre os 5 países que paga as mais alta taxa de juros para financiamento das suas dívidas internas.  Para agravar ainda mais a situação brasileira, o governo optou por manter Reserva Cambial muito alta.  As nossas Reservas beiram os US$ 400 bilhões, sendo que cerca destas, 50% é aplicado em títulos do Tesouro americano recebendo remuneração de 0,25% ao ano.

6. Bolsa Empresário.  O Tesouro subsidia o BNDES com o dinheiro tomado à taxa Selic, quase R$ 400 bilhões, aos investimentos produtivos, emprestando aos empresários beneficiário com à base da taxa TJLP ou menor.  Os 70% do volume de empréstimos são destinados às mega empresas, brasileiras ou transnacionais.  O restante 30% são pulverizados em mais de 65.000 empresas de pequeno porte.  Dilma imita o Robin Hood, ao avesso.

7.  Impostos.  Os impostos no Brasil, são as mais altas do mundo, comparado com os dos países nórdicos, onde o Estado dá proteção social, de verdade.  Isto onera o custo dos produtos industrializados, tornando os produtos brasileiros incompetitivos no exterior e no Brasil.   Somado ao efeito causado pela apreciação do real, o gravame dos impostos tornam efeitos devastadores.  Criamos empregos na China, em resumo.  

8. Infraestrutura.  O setor elétrico vinha merecendo atenção dos sucessivos governos no Brasil, no entanto, o viés pode mudar com as recentes medidas de redução tarifária, feitas à toque de caixa.  
   O mega projeto trem bala Rio - São Paulo é exemplo de projeto megalomaníaco, que afronta a total carência e de sucateamento do transporte ferroviário no Brasil.  
   As rodovias são mal conservados, observados de norte a sul, e encarecem os produtos brasileiros, tanto para mercado interno como para exportações.  As construções de rodovias, viraram apenas como fontes importantes de Caixa 2 para os agentes públicos responsáveis.

9. Petrobras.  A Companhia está sendo sucateado, obedecendo a política monetária equivocada da Dilma, servindo de instrumento para conter a inflação.  A Companhia está compelido a vender os ativos filé mignon, no Golfo do México, para investir no seu maior projeto de exploração que é o pré-sal.  Ao abandonar a política salutar, como fazem todas companhias do mundo, de praticar preço de "paridade" com o preço do commodity, a Dilma optou em sucatear a Petroibras, construída com suor de todos brasileiros durante 6 décadas adotando uma gambiarra chamada preço de "convergência".  Com tudo isto, hoje, a Petrobras vale metado do que valia em 2007.  

10. Eletrobras. O sistema elétrico estava trabalhando num ambiente interessante aos investidores institucionais e ou domésticos.  O sistema elétrico, com exceções de alguns apagões, vinha investindo e trabalhando com eficiência.  Isto, até a recente medida anunciada pela Dilma de redução tarifária.  Tudo feito de maneira estrambótica.  A própria Eletrobras que responde por 67% de geração de eletricidade do Brasil, foi pego no contra-pé.  Em poucos dias, a Eletrobras que, também, foi erguida com vários empréstimos compulsórios tomado junto aos consumidores,  hoje vale grosso modo 1/3 do valor de 2007.  A Dilma impôs condições para as concessionárias, mas nada fez para reduzir os impostos, que corresponde a 45% do valor da tarifa. Dilma, costuma trabalhar com chapéu alheio. 

11. Educação. Saúde e Segurança Pública.  Nada mudou nos 2 anos de adminitração Dilma.  Os setores essenciais à população, continuam merecendo da Dilma, como as últimas prioridades.  Sobre os temas, nem é preciso comentar aqui, porque os meios de comunicação vem monstarando "ao vivo", todos os dias, tanto que o povo já perdeu a noção de referência do que é certo ou do que é errado.  Nestes 3 segmentos da vida cotidiana, existem envolvimento de 3 esferas do poder, portanto a responsabilidade não recai somente à administração federal, no entanto, esta nada faz para mudar o cenário.

12. Em tudo isto, há ausência do Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para orientar esta e as futuras gerações.  O que existe é um PPA que não é seguido.  Existe também colchas de retalhos com o nome pomposo de PAC, que Lula associou à presidente Dilma, para emplacar eleição dela como presidente da República.  É um verdadeiro PAC que pariu !

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12   

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

DILMAgate PODE CONTAMINAR O PIB DE 2013!


O cenário externo é aquele que todos já conhecem, EEUU no início de recuperação econômica, Europa ainda no estado de estagnação e a China com crescimento ligeiramente superior ao do 2012.  Nada que justifique a expansão acentuada da economia do Brasil, dentro do cenário externo adverso, pelo contrário, indica crescimento moderado para o ano de 2013A economia brasileira depende muito do perfomance dos commodities no mercado mundial, sendo assim num cenário previsto, nada justifica o otimismo do governo Dilma, que prevê o crescimento do PIB brasileiro em 4,5%

Fatos novos. O episódio do indiciamento da chefe do escritório de representação da presidência da República e indiciamento do imediato do chefe da Advocacia Geral da União (AGU) em escândalos favorecendo agentes públicos e privados,  podem dar início a uma série de escândalos de desvio de dinheiro público, em níveis nunca dntes vistos.  Diante do cenário de participação dos escalões máximos do governo Dilma nos escândalos, os agentes privados postergarão as decisões de investimentos até que sejam esclarecidos os fatos suspeitos.

A CPMI do Cachoeira demonstrou a existência de gigantesco esquema de desvio de dinheiro público, sobretudo pela existência de cerca de R$ 450 milhões em Caixa 2 da Construtora Delta, uma das empreiteiras do esquema DNIT.  Anteriormente, por este motivo, o diretor geral do órgão Luis Antonio Pagot foi demitido, sem que as investigações prosperassem.  Sobre o mesmo escândalo, o do DNIT, foi demitido o ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, pelo mesmo motivo, sem que fosse feito investigações mais sérias.  Apenas foram afastados das funções públicas, os agentes públicos envolvidos, sem aprofundamento das investigações, quer pelo MPF ou pela Polícia Federal.  A CPMI foi enterrado, sem depoimentos de principais agentes públicos ou privados envolvidos, com muita estranheza.

Com o julgamento do processo mensalão pelo STF, e com condenação das pricipais figuras do partido de sustentação do governo, parece ter acordado os "peixe miúdos" do esquema de corrupção que assola o país.  O esquema de Caixa 2 para financiamento das eleições consagradas vencedoras em 2010, via DNIT, envolvem centenas de agentes públicos e privados "peixe miúdos" além daquelas indicadas na CPMI do Cachoeira.  São movimentações de mais de 170 empreiteiros que foram compelidos a contribuir, em forma de Caixa 2, para as campanhas eleitorais dos partidos de sustentação do governo, à época, do final do governo  Lula. 

Isto tudo, virá à tona, no decorrer do ano de 2013, criando instabilidade política no governo central.  Creio eu, será o maior escândalo de corrupção do país, que estará para ser "implodido".  Estão minando águas pelas fissuras da barragens levantadas pelas notórias figuras da República.  É o escândalo virá à tona, de qualquer parte do país, por qualquer "caseiro" ou qualquer "motorista", figuras "usadas" para concretização dos esquemas de lavagem de dinheiro oriundos do Caixa 2.

É meu desejo que tudo isto não tivesse acontecendo no Brasil, mas por outro lado, uma hora o país teria que recuperar a dignidade perdida.  Uma coisa é certa, o Brasil é muito maior que qualquer agente público, com popularidade em alta. 

No entanto, Dilmagate pode contaminar o PIB de 2013!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter:  @sakamori12

domingo, 25 de novembro de 2012

LULA E DILMA NÃO SERÃO CANDIDATOS EM 2014


O eleitorado lembra mais da presidente Dilma Rousseff (PT) do que de seu padrinho político para a sucessão de 2014. Em pesquisa do Ibope, Dilma foi citada espontaneamente por 26% dos eleitores como candidata preferida à Presidência em 2014. Do lado da oposição, apenas três nomes superaram o traço na espontânea: dois tucanos, José Serra (4%) e Aécio Neves (3%), e uma ex-presidenciável que está sem partido, Marina Silva (2%). Juntos, os demais nomes citados somam 2%. Fonte: Estadão.

Presidente Dilma não será candidata à presidência da República em 2014.  Os fatos conspiram contra ela.  O primeiro fato é a disposição do STF, demonstrada, no julgamento do processo penal conhecido como mensalão, que dá margem para abrir um novo processo  que investigará os recursos Caixa 2, agora não mais do mensalão mas sobre processo eleitoral do ano de 2010.  

As eleições da presidente Dilma e seus aliados políticos foram feitos com o dinheiro não contabilizado oriundo das contribuições não oficiais dos empreiteiros do DNIT.  A CPMI do Cachoeira já demonstrou a ponta do "iceberg", através de um dos empreiteiros do DNIT, a Construtora Delta.  O montante levantado pelo sigilo bancário somente da Construtora Delta e da quadrilha do Carlos Ramos, é de R$ 450 milhões.  

O enterro da CPMI do Cachoeira, aberta contra vontade da presidente Dilma, apenas para satisfazer o ego do presidente Lula na tenttiva de chamuscar o nome do seu desafeto político Marconi Perillo, acabou o tiro saindo pela culatra.  A CPMI revelou a existência desta montanha de dinheiro, em forma de Caixa 2, somente da Construtora Delta, que teria financiado as campanhas dos aliados políticos como governador do Rio, Sérgio Cabral.  Tem indícios fortes de que o dinheiro da Caixa 2 teria financiado, também, a campanha dos seus desafetos políticos.  Enfim, todos ajudaram a enterrar a CPMI, tanto a situação ou a oposição.

Parece que os novos ventos estão soprando no Brasil, demonstrado pela decisão soberana do STF no caso mensalão.  O recente episódio do indiciamento sob suspeita de corrupção, da chefe da representação da presidência da República em São Paulo, bem como do substituto eventual do Advogado Geral da União, Luis Adams, pelos juízes federais e procuradores do MPF, vem a demonstrar que tem chance de prosperar o prosseguimento das investigações de Caixa 2 da Construtora Delta, apesar do enterro da CPMI do Cachoeira. 

A Construtora Delta, veio à tona, porque estava lavando o dinheiro através do contraventor Carlos Ramos.  Outros empreiteiros do DNIT, que financiaram as campanhas dos aliados políticos da presidente Dilma, lavaram dinheiro da mesma forma como a Delta, com outros contravendores.  Testemunhas do caso DNIT não faltam, à começar pelo Luis Antonio Pagot, diretor do DNIT em 2010, que distribuiu as obras para fins eleitoreiros.  Junto com o diretor do DNIT tem o testemunho de funcionários das 170 empreiteiras que contribuíram para eleger os aliados do presidente Lula e da presidente Dilma.  Vão aparecer, ainda, os "caseiros" e os "motoristas" que foram testemunhas oculares da financiamento ilícito das campanhas eleitorais com dinheiro oriundos do do DNIT, sob forma de Caixa 2.  Instrumento para isso, estão à disposição no COAF, basta as autoridades constituídas quererem investigar.  

Diante dos fatos que venham acontecer no futuro imediato, e tenho convicção de que acontecerão porque acredito nas instituições da República, o presidente Lula e a presidente Dilma, declinarão das indicações para concorrer à eleição de 2014.  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12