Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

O Plano B do Lula e Dilma.


Os dois que compõe o núcleo central da facção criminosa que tomou conta do Palácio do Planalto estão muito preocupados. Circulam notícias de que o Lula da Silva vai fazer viagem ao exterior entre os dias 5 e 13 de dezembro, segundo revista Época. O destino seria Alemanha e Espanha. Por outro lado, a presidente Dilma cancelou viagem oficial para Vietnã e Japão e vai retornar ao Brasil na madrugada desta terça-feira.

A casa está caindo para a facção criminosa comandada por Lula da Silva e Dilma. A prisão do pecuarista Bumlai, amigo de Lula e prisão do Senador Delcídio, líder do governo Dilma, pegou de surpresa o comanda da facção criminosa que tomou conta dos poderes da República nos últimos 13 anos.


Ambas personagens, presos nesses últimos dias, sabem demais sobre as maracutaias do PT. Se até a poderosa Andrade Gutierrez preferiu o caminho da delação colaborativa para fazer acordo de leniência, é de esperar que o pecuarista Bumlai acostumado com o "bem bom" e o quase ex-Senador Delcídio que poderá virar réu do juiz federal Sérgio Moro, mais dias, menos dias, vão optar pela delação colaborativa para não ter que passar alguns anos na prisão. Isto é que apavora o Lula da Silva e a Dilma.

A Dilma não está voltando para aprovar projetos do governo no Congresso Nacional, como ela justifica perante a imprensa. Dilma vem ao encontro do Lula da Silva para traçar estratégia em comum para o Plano B. Isto é plano para enfrentar as novas situações, se de fato ocorrer a delação colaborativa do Bumlai e do Delcídio. O Plano B do Lula da Silva e da Dilma pode passar por pedido de "asilo político" a algum país amigo. A situação de ambos é insustentável.

Ossami Sakamori














domingo, 29 de novembro de 2015

Brasil, junte-se a nós!


De repente, o Brasil acordou com a dura realidade da política. O efeito Delcídio ecoou no meio político como suicídio coletivo dos petistas. A população mais letrada ficou chocada com a gravação da conversa entre o filho do delator colaborativo Nestor Ceveró com o Senador da República e dois advogados. A conversa retrata a mais cruel realidade brasileira. Nada disso, me espanta. Nada disso, está fora da normalidade política brasileira. 

Espanta-me quando a imprensa divulga como notícia inédita, a prisão dos marginais como Bumlai e Delcídio. Quantos Bumlai's e Delcídio's não estão escondidos nos escaninhos dos poderes da República? O Brasil inteiro sabe que o podridão permeiam os gabinetes dos três poderes da República. A população conhece a realidade. A população sabe apontar as pessoas que envergonham a República. As instituições da República não aguenta carregar este peso, por muito tempo. 

Os Delcídio's e os Bumlai's frequentam acintosamente o centro do poder da República, o Palácio do Planalto. São estes que adentram ao gabinete da presidência, sem cerimônia, sem agendamento. Para os que fazem parte da facção criminosa ou organização criminosa, a porta do Palácio do Planalto está aberta, escancaradamente. Em contrapartida, para o povo, o acesso às autoridades estão protegidos pelos tapumes metálicos. 

Os Delcídio's e os Bumlai's mandam na República. Estes tem acessos fáceis aos membros da facção criminosa aparelhados nos três poderes da República. Estes ditam a regra e as leis. Alguns destes sucumbem no meio do caminho como Eike Batista ou André Esteves. Como que, para auto-proteção, rapidamente, estes são descartadas, como "papel higiênico" usado. Se antes, serviam para limpar a sujeira dos poderosos. Quando estes são pegos em fragrante, vão para a lata do lixo, inservíveis que são para outras missões. 

A facção criminosa que tomou conta do Palácio do Planalto, agem tal qual facção criminosa dos morros da cidade do Rio de Janeiro. Lá são milicianos e traficantes que comandam os bolsões de pobreza da cidade "maravilhosa" (sic). Cá, são os Delcidio's e Bumlai's que comandam o lucrativo esquema de arrombamento de cofres públicos. Os números, estão sendo revelados, devagar, para doer menos para a população. Falou-se em R$ 6 bilhões. Depois em R$ 20 bilhões. Os números vão aumentando a cada fase da Operação Lava Jato. E a conta sempre vai sobrar para o contribuinte pagar.

Que País é este que, diante de tanta evidência de ladroagem, a presidente da República, Dilma Rousseff, permanece no poder? O Brasil virou a piada do mundo global. O Brasil de hoje, não é mais digno de todos nós, infelizmente. Quero o meu Brasil de volta! A imprensa acovarda, mas nós não vamos nós render! Fazemos parte dos 92% da população que desaprova a Dilma. 

Os Delcídio's ou os Bumlai's são apenas peças secundárias da República. O Brasil precisa, urgentemente, extirpar o mal pela raiz e colocar o Lula e a Dilma nos mesmos destinos dos já citados.

#JunteSeaNos

Ossami Sakamori











@SakaSakamori

sábado, 28 de novembro de 2015

Onde foi parar o dinheiro do BNDES.


Esta matéria é reprodução da matéria publicada neste blog no início deste ano. Vale relembrar de algumas obras no exterior, financiadas pelo BNDES, maior parte delas, com interferência direta do Lula da Silva, na condição de presidente da República ou como apenas como lobista da empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato. 

1) Porto de Mariel (Cuba)




Valor da obra – US$ 957 milhões (US$ 682 milhões por parte do BNDES). Empresa responsável – Odebrecht


2) Hidrelétrica de San Francisco (Equador)




Valor da obra – US$ 243 milhões
Empresa responsável – Odebrecht


3) Hidrelétrica Manduriacu (Equador)




Valor da obra – US$ 124,8 milhões (US$ 90 milhões por parte do BNDES).
Empresa responsável – Odebrecht


4) Hidroelétrica de Chaglla (Peru)




Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 320 milhões por parte do BNDES).
Empresa responsável – Odebrecht


5) Autopista Madden-Colón (Panamá)




Valor da obra – US$ 152,8 milhões
Empresa responsável – Odebrecht


6) Aqueduto de Chaco (Argentina)




Valor da obra – US$ 180 milhões do BNDES
Empresa responsável – OAS


7) Soterramento do Ferrocarril Sarmiento (Argentina)




Valor – US$ 1,5 bilhões do BNDES
Empresa responsável – Odebrecht


8) Linhas 3 e 4 do Metrô de Caracas (Venezuela)




Valor da obra – US$ 732 milhões
Empresa responsável – Odebrecht


9) Segunda ponte sobre o rio Orinoco (Venezuela)





Valor da obra – US$ 1,2 bilhões (US$ 300 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht


10) Barragem de Moamba Major (Moçambique)





Valor da obra – US$ 460 milhões (US$ 350 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Andrade Gutierrez


11) Aeroporto de Nacala (Moçambique)




Valor da obra – US$ 200 milhões ($125 milhões por parte do BNDES)
Empresa responsável – Odebrecht


12) BRT da capital Maputo (Moçambique)



Valor da obra – US$ 220 milhões 

(US$ 180 milhões por parte do BNDES)

Empresa responsável – Odebrecht


13) Hidrelétrica de Tumarín  (Nicarágua)




Valor da obra – US$ 1,1 bilhão (US$ 343 milhões)
Empresa responsável – Queiroz Galvão


14) Projeto Hacia el Norte – Rurrenabaque-El-Chorro (Bolívia)




Valor da obra – US$ 199 milhões
Empresa responsável – Queiroz Galvão


15) Exportação de 127 ônibus (Colômbia)




Valor – US$ 26,8 milhões
Empresa responsável – San Marino


16) Exportação de 20 aviões (Argentina)




Valor – US$ 595 milhões
Empresa responsável – Embraer


17) Abastecimento de água da capital peruana – Projeto Bayovar (Peru)




Valor – Não informado
Empresa responsável – Andrade Gutierrez


18) Renovação da rede de gasodutos em Montevideo (Uruguai)




Valor – Não informado
Empresa responsável – OAS


19) Via Expressa Luanda/Kifangondo




Valor – Não informado
Empresa responsável – Queiroz Galvão



Enquanto isto, no Brasil, as obras de infraestrutura que não saem do papel.

Ferrovia Norte-Sul


Transposição do São Francisco.


O ex-presidente Lula da Silva, informa que a fortuna acumulada, no mínimo, em R$ milhões, se refere às palestras feitas, curiosamente, nos países que receberam os financiamentos suspeitos do BNDES.

A ligação perigosa entre Lula da Silva e empreiteiros envolvidos na Operação Lava Jato, é coisa antiga. 

Ossami Sakamori













A lista da Andrade Gutierrez



A imprensa noticiou que a Andrade Gutierrez, uma das empresas investigadas pela Polícia Federal, dentro da Operação Lava Jato, vai fazer acordo de delação colaborativa, que possibilita acordo de leniência, para a empresa continuar fornecendo serviços para o governo federal. 

O acordo de delação premiada prevê leniência sobre os crimes praticados pela empreiteira nas diversas obras do governo federal, não só à Petrobras, mas também nas obras vinculadas ao Ministério de Minas e Energia e obras da Copa 2014. O valor da indenização a ser paga pela Andrade Gutierrez segundo imprensa é de R$ 1 bilhão. O pagamento de multa, embora R$ bilionário, não isenta a empresa de "omitir" informações. 

Até por conta deste blog, as diversas fontes de informações me fornecem informações, para que eu possa fazer o meu juízo de valor sem ter medo de errar. No caso da empresa Andrade Gutierrez, a lista das figuras notórias que fazem parte do esquema de corrupção no âmbito do governo federal são os que seguem abaixo. 

Lula da Silva, como lobista de obras do BNDES no exterior.


Dilma Rousseff, ministra de Minas de Energia do governo Lula.


Senador Edson Lobão, ministro de Minas e Energia do governo Dilma.



 Senador Eduardo Braga, foi líder do governo no Senado Federal e atual ministro de Minas e Energia.



Banqueiro André Esteves, articulador financeiro das empreiteiras da obra da Usina Belo Monte.


A imprensa fala em obras da Copa 2014, mas não tenho informações suficiente para indicar nomes, aqui. No entanto, vale salientar que todas obras da Copa 2014 foram executadas em RDC - Regime Diferenciado de Contratação, que permite aditivos de até 100% ao valor originariamente contratado. 

Se, no acordo de delação premiada não constar os nomes mencionados acima, a delação foi "seletiva", portanto não mereceria a celebração do acordo de leniência. O valor da multa, não isenta o delator de "omitir" informações. Já estou sentindo cheiro de acordão. Tomara que eu esteja errado. Vamos acompanhar o caso, de perto. 

Ossami Sakamori