Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

ELEIÇÕES 2014. JANTAR COM DILMA PAGO COM DINHEIRO PÚBLICO!


O jantar regabofe, supostamente, em homenagem ao senador José Sarney, não sei a que motivo, foi feito no Palácio Jaburu, residência oficial do vice-presidente Michel Temer.  A reunião foi para aproximar Dilma aos membros do PMDB que se acham preteridos na escolha de nomes para compor a administração petista, com vista às eleições de 2014.  Reproduzo notícias da Folha e na sequência comento.

Uma das últimas a entrar e a primeira a sair, a presidente Dilma Rousseff compareceu nesta quarta-feira (27) ao jantar de homenagem ao senador José Sarney, no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente Michel Temer. A homenagem foi promovida pelo PMDB. Fonte: Folha.

O jantar é apenas um de uma série de eventos com vistas à campanha de 2014. Depois de ser lançada à reeleição pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em evento do PT na semana passada, Dilma reensaiou nesta semana uma aproximação com o PMDB. Fonte: Folha.

A presidente chegou ao Jaburu às 21h52 e permaneceu quase uma hora na casa de Temer. Jantou numa mesa redonda ao lado de Sarney, do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, do presidente do Senado, Renan Calheiros, da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, e da ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais). Fonte: Folha.

Entre os mais de 80 convidados, ministros peemedebistas, ministros petistas, governadores, deputados e senadores --e o ministeriável Gabriel Chalita, deputado federal e principal aliado de Temer no PMDB paulista. Fonte: Folha.

Comentário.

Está certo que a campanha presidencial de 2014, já começou.  Se a campanha está dentro ou fora da legislação eleitoral, não vem ao caso.  Os expoentes da oposição ao governo Dilma, também, estão com campanha na rua.  É um jogo, que os pretendentes consideram de vida ou morte, como se fosse jogo de interesse pessoal de cada participante do "circo".  Porém, o comentário nada se refere a este aspecto.  O enfoque é outro. Explico.

Um jantar desse, não sai por menos de R$ 200,00 por pessoa.  Considerando 80 comensais, os gastos desse regabofe custou aos cofres públicos, nada mais, nada menos que R$ 16.000,00.  O valor é ridículo, diante de roubalheira na Petrobras em R$ 2 bilhões.  Mas tem um significado muito marcante.  A inconveniência e desprezo dos gastos públicos para atender interesses pessoais é a marca desse jantar.  No caso, interesse pessoal da presidente Dilma e do Michel Temer, vice.

A presidente Dilma, além de fazer campanha para sua reeleições contando muitas mentiras ou meias verdades, utiliza-se acintoza e despudoradamente o dinheiro público, que é meu e seu, para benefício próprio, dela.  Não adiante, depois de ser cobrado pela mídia, dizer que o partido vai "reembolsar".  Caso positivo, o partido vai reembolsar com o dinheiro do Fundo Partidário, que é abastecido pelos contribuintes.  Deu na mesma! Somos nós é que pagamos a conta da campanha presidencial da Dilma.

O contribuinte é quem paga as contas do regabofe da Dilma, com vistas à sua reeleição.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12 

DILMA É DEMOLIDORA DE EMPRESAS!


A Vale ícone de empresa em eficiência, sucumbiu aos fatores negativos da política econômica do governo Dilma.  A Companhia não culpa o governo Dilma, mas o principal fator do desequilíbrio financeiro é sem dúvida a defasagem do câmbio.  Os preços internacionais de minério de ferro, mantém, no mesmo patamar de preço considerado histórico dos últimos 10 anos.  Leiam o noticiário na sequência e comentário no final.


Num cenário de produção estagnada, preços menores, consumo mundial retraído (especialmente da China), pagamento extra de tributos e rebaixamento do valor de ativos, a Vale viu seu lucro cair 74,3% em 2012. Fonte: Folha.

O resultado ficou em R$ 9,7 bilhões, abaixo dos R$ 37,8 bilhões de 2011 -melhor ano para as finanças da mineradora em sua história. Foi o pior desempenho desde 2004. O tombo de 2011 para 2012 superou a redução do lucro da Petrobras (36%). De outubro a dezembro, houve prejuízo de R$ 5,6 bilhões, maior perda trimestral já registrada pela companhia. Fonte: Folha.

A mineradora revisou ainda para baixo o valor minas e unidades de produção de alumínio, níquel e outros ativos (perda de R$ 13,2 bilhões) e sofreu com impacto negativo do câmbio (R$ 4,1 bilhões). Boa parte do prejuízo foi assumido no quarto trimestre. Fonte: Folha.

Comentário.

Está certo que a Vale fez a faxina nos seus passivos, pagando alguns tributos judicializados, tirou do armário alguns esqueletos e contabilizou-os no último trimestre do ano de 2012, mas o resultado foi menor do que o esperado.  

A Companhia enfrenta, como demais indústrias brasileiras, o aumento do custo de produção, acima da inflação oficial, IPCA.  Os custos industriais acompanham índices setoriais, sempre acima do IPCA. As empresas exportadoras, que é o caso da Vale, sofrem ainda mais com o câmbio defasado.  Eu já afirmei, inúmeras vezes, que o dólar deveria estar, no mínimo, no patamar de R$ 2,60.  Não há empresas industriais exportadoras que resistam com o câmbio entre R$ 1,90 a R$ 2,00, nova banda informal do BC.

O erro sistêmico da política econômica da Dilma, denunciada por mim, desde a criação deste blog, em fevereiro de 2012, vem causando, desindustrialização no País.  A participação da indústria no PIB que era de 25% no início do governo Lula, agora está em 17%, segundo CNI.  O setor de serviços cresceu significativamente no mesmo período, compensando de certa forma a criação de novos empregos no País.  Não significa que o quadro permaneça o mesmo, no período futuro.  O quadro está mudando.

Enquanto isso, poucos setores, como a indústria automobilística nunca ganharam tanto dinheiro quanto agora.  As montadoras contam com a desoneração fiscal há 1 ano.  Nunca remeteram os dividendos para suas matrizes quanto ao ano de 2012.  E os preços de veículos no mercado interno, não acompanha os preços dos veículos dos países de origem, são muito mais caros aqui do que lá.  Isto, faz parte, também, da política econômica equivocada que favorece aos investidores estrangeiros.

O erro sistêmico da política econômica da Dilma, já colocou na lona as empresas como Petrobras e Eletrobras.  A Petrobras sofre do mal da defasagem de preço na bomba, deixando a Companhia próximo de alcançar o grau de risco no rating.  O sistema Eletrobras não consegue absorver o custo da geração de termoelétricas, sobretudo com a desastrada antecipação da renovação de concessões para baixar tarifa na ponta do consumo, impondo prejuízo às empresas do setor.  

Bem, a Petrobras foi o primeiro da lista, veio a Eletrobras e agora a Vale, para puxar o cordão das empresas com problemas.  São empresas carros chefes do Brasil.  Atrás destes virão outras empresas menores, porque padecem da mesma doença, a de ter que enfrentar o câmbio defasado.  Não adianta, o governo ou os analistas de plantão, tentar justificar a saúde financeira das empresas citadas com outros fatores periféricos.  Ninguém ataca o principal fator da desagregação do patrimônio público e privado, que é o câmbio defasado.  Parece que a orquestra toca somente a música que agrada aos ouvidos da Dilma.  

Dilma é demolidora de empresas!  Vale ainda o título que dei a Dilma numa de minhas matérias: Dilma a rainha da sucata!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

PETROBRAS. DILMA SABIA DA ROUBALHEIRA DE R$ 2 BILHÕES!


O caso é de polícia, no meu entender.  Prejuízo de US$ 1 bilhão, grosso modo RS$ 2 bilhões, é que os dirigentes da Petrobras causaram ao patrimônio público.  Á época do maracutaia, o presidente da Petrobras era o Sérgio Gabrielli e presidente do Conselho de Administração, atual presidente da Republica, Dilma Rousseff.  Leiam a reportagem e comentário que segue.

O Ministério Público apresentou ao Tribunal de Contas da União (TCU) representação contra a Petrobrás sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006. O Estado apurou que o prejuízo da companhia pode ser de cerca de US$ 1 bilhão. A presidente Dilma Rousseff presidia o Conselho de Administração da Petrobrás na época da aquisição.  Fonte: Estadão.

O processo foi motivado por reportagem do Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, de julho de 2012, mostrando que a refinaria foi adquirida em 2005 pela Astra/Transcor, uma trading belga da área de energia, por US$ 42,5 milhões. A mesma unidade foi vendida à Petrobrás no ano seguinte, em duas etapas, por US$ 1,18 bilhão, embora valha cerca de dez vezes menos. Fonte: Estadão.

A refinaria é um dos ativos que a Petrobrás pretendia vender no exterior de forma a angariar recursos para o pré-sal brasileiro. A venda está temporariamente suspensa. No balanço do quarto trimestre, a Petrobrás lançou uma baixa contábil de R$ 464 milhões referente à refinaria, portanto valor que já reconhece como perdido. Fonte: Estadão.

Comentário.

Se o País fosse sério, as investigações não estariam correndo no TCU, mas no STF.  Tudo isso é manobra para ganhar tempo.  Enrolar para o fato criminoso prescrever.  É a velha tática utilizada pela dupla Lula/Dilma, para verem-se livre das condenações.  Quanto mais tempo demorar, a condenação é incerta.  No caso em aprêço, tem os digitais das pessoas envolvidas, o Sérgio Gabrielli e Dilma Rousseff, porque ambos homologaram a operação fraudelunta.  

O caso aqui, não é de incompetência, mas de roubalheira explícita. Roubalheira aprovada pelos Sérgio Gabrielli e Dilma Rousseff.  Não adianta querer jogar a culpa nos subalternos.  Não adianta, também, justificarem-se de que "nada sabia", porque os processos com volume financeiro tão elevado, passam não só pelo crivo e autorização formal, mas também, com certeza, a operação que causou o rombo de RS$ 2 bilhões, tivera autorização informal, antes da concretização do negócio.

Dizer que dentro do prejuízo de R$ 2 bilhões não houve roubalheira é, de no mínimo,  considerar o povo brasileiro de "ignorante", "lobotomizado", sem nenhuma capacidade de pensar.  Só falta a presidente Dilma vir ao público e dizer que "nada sabia" das maracutaias que resultou no maior "roubo" da história deste País.

O presidente da Alemanha, caiu pela origem inexplicada de US$ 1 milhão.  O presidente Nicolas Sarkozy da França teve sua residência e escritório devassada pela polícia francesa, pelo eventual recebimento de US$ 1 milhão, via Caixa 2, da dona de uma indústria de perfumes.  E nós estamos falando de R$ 2 bilhões e nada acontece!  Dentro deste contexto, sou obrigado a engolir a famosa frase do Charles De Gaule de que o "Brasil não é país sério".  Fazer o que!  O Brasil não é mesmo país sério!

Dilma sabia da roubalheira de R$ 2 bilhões da Petrobras, isto é fato.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

ELEIÇÕES 2014. O CIRCO ESTÁ ARMADO!



O circo está armado no planalto central, para os atores, 2 ex-presidentes e a atual presidente da República, respectivamente FHC, Lula e Dilma.  Eles são as principais atrações do picadeiro.  FHC com fraque, Lula e Dilma com indumentaria de palhaço com nariz vermelho.  Cada um querendo chamar para si a atenção da platéia.

Última a falar no ato de comemoração dos 33 anos do PT e de seus dez anos à frente do governo federal, a presidente Dilma Rousseff fez um longo discurso em que defendeu suas ações sociais, citou várias bandeiras do governo e fez pesadas críticas à oposição. "Nós não herdamos nada, o (ex-) presidente Lula. Nós construímos", disse Dilma. Fonte: Folha.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu nesta terça-feira (26) a declaração de seu antecessor no cargo, Fernando Henrique Cardoso, de que a presidente Dilma Rousseff é  
ingrata ao negar a herança dos governos do PSDB. Para o petista, FHC deve ficar "quieto" e ajudar a presidente a comandar o país. Fonte: Folha.

Questionado ontem sobre o discurso de Dilma na festa dos 10 anos do PT, em São Paulo, em que a presidente afirmou não ter herdado nada da gestão tucana, FHC afirmou: "O que é que a gente pode fazer quando a pessoa é ingrata? Nada. Cospe no prato que comeu. Meu Deus". Fonte: Folha.

Curiosamente, os três atores são filhotes da ditadura militar de 1964.  A maioria da população, nem viveu os velhos tempos.  Nem sabe exatamente o que ocorreu à época.  Eu sei do meu tempo.  Fiz faculdade de engenharia entre 1964 a 1968.  Participei do Daep - Diretório Acadêmico de Engenharia do Paraná.  Éramos militantes, discretos, mas atualizados sobre o momento político que vivíamos. Lembro-me do Ato Institucional número 5.  Lembro-me da Assembléia da Ibiúna.

Muitos militantes, da esquerda à época, ou foram para cadeia ou tiveram que se refugiar em alguma embaixada.  É o caso da FHC que teve que fazer périplo pelo mundo na condição de asilado, sobretudo no Chile.  É também, o caso da Dilma que cumpriu pena na cadeia do DOPS e posteriormente foi se abrigar no exterior.  Nem saberia afirmar em que país ela andou.  Enfim, veio a anistia e todos os refugiados políticos voltaram ao país.  Dilma e FHC são produtos da mesma ditadura militar, são os filhotes dela.

Como empresário, pós graduado, vivi momentos das greves dos metalúrgicos de São Bernardo, comandada pelo sindicalista Lula, barbudo.  Lula, à época, era ousado.  Lula tinha liderança.  Foi preso por conta do movimento sindical.  Curiosamente, foi visitado e auxiliado pelo FHC para sair da cadeia.  FHC já era acadêmico na USP, em sociologia.  Lá para trás, faziam parte da mesma turma, que lutavam pela volta de democracia no País.  Pontos positivos para ambos.

Os tempos mudaram, mas as pessoas não.  São os mesmos, os filhotes da ditadura, não no sentido ideológico, mas como produto do nefasto tempo da história brasileira.  Nestes termos, sou também, por que não?  A verdade é que a ditadura militar, de certa forma, cerceou criação de novas lideranças políticas.  O País padece desse pesadelo.  Não apareceu ainda, novas lideranças, com ideias do mundo contemporâneo.  São ideologias tacanhas que permeiam a administração pública.  

Infelizmente, os principais atores são as mesmas figuras carimbadas dos tempos da ditadura militar que, oficialmente acabou em 1984.  Discutem entre si, o confronto de ideias de 3 décadas passadas, o socialismo e liberalismo.  O foco de ambos partes é a discussão da teoria "neo-liberal".  O mundo econômico de hoje, está dentro da "bolha financeira", alavancada e inflados pelos especuladores em 9 vezes o valor da economia real.  Teoria neo-liberal, só pode sair da boca desses "dinossauros". Ressuscitar John Mainard Keynes é como buscar o "Flintstones" nas cavernas.  

Infelizmente, o povo não tem cultura, com 55 milhões de analfabetos funcionais e 22 milhões de miseráveis, com perdão da palavra, é a platéia que continuam aplaudem, de um lado FHC e de outro Lula e Dilma.  A política brasileira, está transformando o Brasil no circo.  As principais atrações, são hoje, os candidatos à presidência em 2014.

Antes que me mandem de volta para o Japão (sic), transformo a política brasileira em caricatura, pois não aguento mais o "status quo".  Ao contrário do que muitos tiram ilações sobre meus pensamentos, interpretando-os ao "pé da letra", afirmo que não compactuo com nenhum pensamento tacanho, atrasado, fora do tempo, míope, inadequado ao mundo real contemporâneo.  Tenho melhor percepção do mundo moderno do que os "palhaços" do picadeiro, até por exigência pessoal e comercial.

Anunciamos! Senhores e senhoras! As atrações de hoje: FHC, Lula e Dilma! Aguardem os próximos espetáculos!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

ÍNDICE DE DESEMPREGO. DILMA MENTE!




Diante da saída de trabalhadores temporários do mercado de trabalho, a taxa de desemprego subiu para 5,4% em janeiro --havia sido de 4,6% em dezembro, a mais baixa da série história do IBGE, iniciada em março de 2002. Os dados são da Pesquisa Mensal de Emprego do instituto e foram divulgados nesta terça-feira.  Fonte: Folha.


A taxa de janeiro deste ano, porém, é a mais baixa para o mês em dez anos. O primeiro resultado do IBGE para janeiro é de 2003, já que esta série foi iniciada em março de 2002. Em 2012, o percentual havia ficado em 5,5%. Fonte: Folha.

Com esse cenário, o número de pessoas ocupadas cresceu 1,2% em janeiro na comparação com igual mês de 2012 e caiu 1,2% em relação a dezembro. De dezembro para janeiro, 293 mil trabalhadores perderam seus empregos. Fonte: Folha.

Comentário.

Presidente Dilma, acho que eu fugi da escola. A minha conta de matemática, não fecha, de jeito nenhum.  Eu acho que vou rasgar o meu diploma de engenharia.  Tantos anos estudando e não consigo fechar fechar a equação de primeiro grau, quando se trata de  número de desempregado no Brasil.  

Não sou economista, mas sei que existe 2 índices de desemprego, um calculado pelo DIEESE e outro pelo IBGE, o primeiro se refere a região metropolitana de São Paulo e o segundo índice nacional resultado da Pesquisa Mensal de Desemprego do instituto.  O índice do IBGE que a Dilma utiliza para balizar o número de desempregado no País.

Tive curiosidade de levantar o número de desempregado, considerando o número de 5,4%, calculado pelo IBGE.  Pelo índice, chega-se a conclusão de que em janeiro havia 1 milhão 318 mil desempregados, em nível nacional.  Para uma população de 194 milhões de habitantes, o número é pífio, quase como pleno emprego. O Brasil deve ser um País, uma maravilha!  

O que não me entra na cabeça é que exista 22 milhões de miseráveis, com perdão da palavra, que tem ganho per capita menor que R$ 70,00 por mês.  Não entendi bem, essa conta.  Só tem 1 milhão e 318 mil desempregados, mas tem 22 milhões de miseráveis!   Eu acho que a Dilma está querendo me engambelar.  Uma das duas, ou eu estou louco ou ela é mentirosa.  Qual será a hipótese correta?

Dilma mente! Caso contrário, me levem para o sanatório!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

DILMA MENTE SOBRE JUROS DA DÍVIDA PÚLBICA!


Segundo levantamento feito pelos repórteres Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado, por sinal um trabalho bem feito, mostra que a taxa Selic mascara a referência usada pelos noticiários em geral, sobre o custo de carregamento da rolagem de juros do Tesouro Nacional.  Lembrando que a taxa Selic está em 7,25%, enquanto o custo médio de juros da Dívida Pública Mobiliária Federal em janeiro estava em 11,77%.  Leiam o noticiário e comentário na sequência.


Apesar da queda da taxa Selic, o custo médio da Dívida Pública Federal (DPF) está em alta. O custo médio em 12 meses até janeiro subiu de 11,55% em dezembro para 11,77% em janeiro. Já o custo médio da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) em 12 meses passou de 11,30% para 11,31% no mesmo período.Fonte: Estadão.


De acordo com divulgação feita nesta segunda-feira pelo Tesouro Nacional, a participação de investidores estrangeiros na DPMFi subiu de 13,72% em dezembro de 2012 para 14,41% do estoque em janeiro deste ano, totalizando R$ 264,85 bilhões. Fonte: Estadão.

O grupo previdência apresentou também um crescimento na participação do estoque da DPMFi subindo de 15,98% para 17,14% no período. As instituições financeiras, por outro lado, apresentaram queda na participação no estoque da dívida de 30,09% em dezembro para 26,71% em janeiro. Fonte: Estadão.

Os fundos de investimento aumentaram a participação de 24,65% para 25,24%, apesar do valor absoluto em estoque ter caído para R$ 463,84 bilhões. Fonte: Estadão.

Em relação aos títulos que compõem a dívida, a parcela atrelada à taxa Selic (taxa flutuante) subiu para 22,92% do total. Em dezembro, o estoque desses papéis, que o governo quer reduzir para 14% até o fim do ano, estava em 21,73%. Fonte: Estadão.

Comentário.

Atrás dos fatos levantados pela Agência Estado coloca em dúvida as declarações, repetidas vezes, feitas pela equipe econômica e pela própria presidente Dilma de que os juros estão em baixa.  É uma meia verdade ou melhor uma mentira inteira.  Como pode ver na reportagem acima, no que eu já tinha conhecimento, a média de juros que o governo Dilma pagos para para manter a Dívida Pública Federal está em alta.  Enquanto a taxa referência é de 7,25%, a taxa real é de 11,77%.  E o juro real está em trajetória ascendente.

E o que tem isto a ver com isso com o restante da economia?  Tem muito a ver.  Significa que o Brasil dispende, considerado somente a dívida líquida, cerca de RS$ 225 bilhões ao ano em juros para manutenção do seu endividamento.  Como pode ver, o famigerado Superávit Primário de cerca de R$ 140 bilhões, nem de longe cobre os jutos do estoque da dívida.   

As distorções já aparecem quando o governo anuncia o estoque da DPMF ou DPF, em R$ 1,925 trilhões.  O número foi usado por mim para cálculo do dispêndio dos juros pagos pela União acima.  O número da dívida pública federal, na realidade, é resultado de "gambiarra" feita pela equipe econômica, pois que do montante da dívida pública é descontado a Reserva Cambial. Portanto, a dívida pública bruta é muito maior.  Diga-se de passagem, a parte da União da Reserva Cambial, é aplicado em título do tesouro americano à taxa de 0,25% ao ano.  A Reserva Cambial muda diariamente, mas está beirando os US$ 400 bilhões.  Então, já viu, não é?  

A consequência mais grave nesta história, é o montante do Bolsa Empresário, concedido, sua maior fatia, a uma meia dúzia de empresário chegado ao Palácio do Planalto, entre os quais Henrique Meirelles do JBS e menino Eike Batista do EBX.  Desde 2009, o governo já injetou cerca de R$ 400 bilhões no BNDES, com finalidade específica de atender a estes empresários, a juros subsidiados de 3,5% ao ano.  Dilma é Robin Hood ao inverso. Tira dos pobres (contribuintes) para dar para os ricos (Meirelles, Eike e companhia).

Se o governo paga 11,77% ao ano pelo dinheiro repassado, o prejuízo é (11,77% - 3,5%) = 8,27% ao ano.  Na prática, Robin Hood ao inverso, no montante anual de R$ 33 bilhões.  Dinheiro que poderiam ter ido para edução, saúde e segurança pública. Curiosamente, o número é maior que o dispêndio em Bolsa Miséria de RS$ 22 bilhões.  Não tenho razões de denominar os empréstimos subsidiados do BNDES de Bolsa Empresário?  Estou certo ou não?

Viro "macaco" se alguém da equipe econômica da Dilma, contestar os números apresentados.  Não adianta vir com os "jeitinhos" para contrapor os números apresentados.  Não adianta usar da "semântica" para tentar mascarar ou justificar os "considerandos" dos números apresentados por mim.  Posso ter errado em alguns décimos os números, pois que o governo Dilma os guarda a "sete chaves".  Só BC e Fazenda sabem exatamente o número real.  Os números passado ao povo são aquelas que já sofreram ajustamentos "na coxa".  Tudo para manter a popularidade da Dilma em alta.

E aqui vou tecer críticas aos principais candidatos à presidência pela oposição.  Nenhum desses candidatos, atém-se aos números dos "jeitinhos" para fazer crítica contundente.  Ficam discutindo o genérico, mas sobre o essencial nada se fala.  Pode ser que eles, os candidatos à presidência, quando conquistarem o poder façam exatamente como faz a Dilma, vai dar "jeitinhos" para enganar o povo.  Cadê os articulistas e comentaristas "ícones" da televisão para  fazer a análise dos fatos?  Claro, tem algumas exceções.  Ainda bem, não estou solo. 

Não tenho pretensão de ser o dono da "verdade".  Qualquer contestação poderá ser feita no rodapé deste, no espaço reservado para comentários.  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, com habilitação em economia e estatística. Twitter: @sakamori12

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

LULA SERÁ CANDIDATO À PRESIDÊNCIA, EM 2014!



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começa, na próxima quinta-feira, um roteiro de viagens para intensificar a articulação com a base aliada em torno do palanque de Dilma Rousseff, lançada por ele na semana passada à reeleição em 2014. Fonte: Folha.

A proposta é que Lula percorra pelo menos dez Estados até maio. Nesta semana, ele participa, em Fortaleza, do primeiro seminário da série programada pelo PT para celebrar os dez anos do partido no governo federal. Fonte: Folha.

Comentário.

Presidente Lula, no fundo, no fundo, pretende sair candidato à presidência em 2014.  O fato de ele pretender fazer périplo pelo Brasil a fora, fazendo campanha para reeleição da Dilma 2014, na realidade oculta interesses que diz respeito a ele próprio.   Lula sabe que o País passa por dificuldades no campo econômico, diagnosticado pelo seu então presidente do Banco Central Henrique Meirelles.  Ele sabe que a Dilma vai entrar no ano de 2014, com popularidade em queda, por conta do baixo crescimento.

Ele vai fazer campanha para Dilma, hoje, mas sabe ele que ele estará na mídia em fazendo campanha para Dilma, E nem estaria ferindo a legislação eleitoral, pelo menos contra ele próprio.  Assim, sai ileso da prática de campanha antecipada a favor dele próprio.  A peregrinação será feita à favor da Dilma.  Mas o holofote vai cair sobre ele, nos périplos.  

Em encontrando Dilma com popularidade em baixa, seria única solução para o PT, o lançamento da candidatura do Lula, em alternativa à candidatura da Dilma.  Tanto hoje, como lá em 2014, Lula reúne consenso para sua indicação à eleição presidencial, pelo partido da situação, PT.  Dilma só viabilizaria sua reeleição se a conjuntura econômica do País, em 2014, estiver francamente favorável.  Isto parece que não irá acontecer.  Lula aposta, na crise econômica em 2014, para viabilizar a sua candidatura. Podem escrever! 

Lula será candidato à sucessão da Dilma!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

BRASIL, PARAÍSO DOS CORRUPTOS E CORRUPTORES.


O Brasil está reticente em assinar acordo no âmbito de G20 sobre negativa de refúgios aos corruptos, corruptores e seus familiares, mediante negativa de vistos de entrada e permanência nos países membros.  Os motivos são óbvios, sobretudo, com a condenação de figuras notáveis na política brasileira, como Paulo Maluf, José Dirceu, José Genuíno, João Paulo Cunha e tantos outros.  Há ainda, possibilidade concreta de Lula ser indiciado em crime de corrupção.

O Grupo dos 20 (G-20) estuda uma proposta para barrar a circulação de corruptos e corruptores nos seus países-membros a partir da negativa de vistos e de refúgio. A proposta, encabeçada pelos Estados Unidos, é vista com reticências no governo brasileiro. Fonte: Estadão.

Desde o ano passado, membros da Controladoria-Geral da União (CGU), do Ministério das Relações Exteriores, da Advocacia-Geral da União (AGU) e do Ministério da Justiça estão envolvidos no debate, considerado "sensível", "polêmico" e "difícil". Fonte: Estadão.

O Brasil quer parâmetros sobre quem se enquadraria no termo "corrupto" e quem sofreria as penalidades. Não há entendimento, entre as autoridades locais, sobre se a norma valeria apenas para condenados ou também para aqueles que não foram julgados. Fonte: Estadão.

O Brasil tem até o próximo ano para debater o assunto, que ganhou força depois de os Estados Unidos alterarem sua legislação – autorizando a autoridade alfandegária a barrar a entrada de corruptos, familiares e pessoas associadas. O tema também avança no Canadá, onde um projeto de lei criando restrições para o acesso ao território de pessoas corruptas já foi apresentado. Fonte: Estadão.

A medida teria reciprocidade e afetaria o universo de corruptos brasileiros que tentassem entrar nos países do G-20. Dados do Ministério Público Federal revelam que mais de 5 mil inquéritos foram abertos nos últimos anos para investigar práticas de corrupção no País. Cerca de 700 pessoas cumprem pena hoje no Brasil por esse crime. Fonte: Estadão.

Esta enrolação do governo brasileiro, justifica-se, pois conforme o critério adotado pelo G20, daqui a pouco, nenhuma figura do governo Dilma estariam imunes às novas regras. Na prática, não poderão sair do País.   Explico, o Brasil sendo signatário do acordo, devido ao princípio da reciprocidade, estariam os corruptos e corruptores brasileiros impedidos de entrarem nos países membros do G20.  

Falta muito pouco, para que o governador Sérgio Cabral, o empresário Fernando Cavendish, o bicheiro Carlos Ramos, o governador Marconi Perillo entrem na lista de impedidos de viajarem aos países membros do G20.  Se as investigações da CPMI aprofundarem no âmbito do MPF, tem forte indício de que a presidente Dilma terá que responder pela utilização em forma de Caixa 2 para financiar a sua campanha em 2010.  Imaginem se o governo vai assinar o acordo!  Lula e Dilma na lista! Nem pensar!

Dentro do contexto, o Brasil acaba sendo o "paraíso para os corruptos e corruptores".

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12 

domingo, 24 de fevereiro de 2013

MICHEL TEMER, CANDIDATO À PRESIDÊNCIA 2014!


Michel Temer o 5º pedaço do bolo? Na política tudo pode acontecer.  Michel Temer candidato à presidência da República é uma possibilidade concreta.  Sim, à presidência da República, em confronto com a própria Dilma.  Quem imagina que o páreo vai ser entre Aécio e Dilma, poderão estar equivocados.  As duas candidaturas, a da Dilma e do Aécio já estão na rua.  Não tem como parar. Vejam os noticiários abaixo.  Após as notícias, comento sobre o Michel Temer.

Após se enfrentarem nas eleições de 1994 e 1998, os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso voltarão a protagonizar a disputa pelo comando do País. Serão os padrinhos dos candidatos do PT, Dilma Rousseff, e do PSDB, Aécio Neves. Nesse período de duas décadas, Lula não deixou o palanque. A novidade, agora, é o resgate de FHC pelos tucanos. Fonte: Estadão.


FHC, apresentado como "o pai do Plano Real" e da estabilização econômica brasileira, vai correr o País para promover o senador mineiro num momento delicado para o governo petista, de baixo crescimento do PIB - algo que pode se tornar um dos principais percalços da campanha à reeleição da presidente no ano que vem. Fonte: Estadão.

Já Lula será o principal articulador político da campanha de Dilma com um discurso de comparação com o governo tucano, inclusive no que se refere a desempenho econômico, apresentando números favoráveis à gestão petista no Planalto. Vai voltar a explorar, inclusive, a rejeição a medidas como as privatizações. Fonte: Estadão.

Comentário.

O PMDB é o maior bancada no Congresso e em número de prefeitos municipais.  É o partido que atraiu José Sarney, PDS, que era do partido da oposição para concorrer à vice-presidência da República em parceria com o Tancredo Neves, PMDB, como candidato à presidência da República.  Hoje, o partido ocupa, a presidência do Senado e da Câmara, numa demonstração de hegemonia.  Dar função subalterna para um partido com tanta força é subestimar o PMDB.

Falam-se muito que o PMDB é um partido sem ideologia e sem programas.  Esta argumentação não passa.  E o que são outros partidos, senão conglomerado de interesses, sem ideologia e sem programas?  O fato de os principais partidos, PT e PSDB, utilizarem-se dos apoio dos seus ex-presidentes para começar a campanha 2014, com peregrinação de ambos, é sinal de que os atuais postulantes são fracos.  Paciência, doa quem doer!

Como seria possível executar o plano Michel Temer 2014?  Muito fácil, basta Michel Temer renunciar ao cargo de vice-presidente da República, para desincompatibilizar-se do cargo executivo até o dia 4 de abril de 2014.  Se não houver desincompatibilização só poderia concorrer à reeleição como vice-presidente da República na chapa da Dilma Rousseff.  

Michel Temer nem teria problema ético com a presidente Dilma em se candidatar ao mesmo cargo da Dilma, pois o PT vem discutindo à luz do dia, a eventual substituição do Temer na vice, para eleições de 2014.  Enfim, vai atender interesse da Dilma, de certa forma. Deixando a vaga, a Dilma fica livre para fazer chapa com o Eduardo Campos (PSB) ou Gilberto Kassab (PSD), por exemplo.

Para não haver constrangimento numa eventual substituição na ausência da Dilma, o deputado Henrique Alves, PMDB, renunciaria ao cargo de presidência da Câmara e Renan Calheiro PMDB, a mesma medida.   Explico, na renúncia do vice Michel Temer, a segunda e terceira pessoa na linha de sucessão cairiam para o PMDB, no entanto, com a renúncia de ambos, a linha de sucessão cairia em André Vargas, PT e Aníbal Diniz, PT.  A renúncia aos cargos de presidente da Câmara e do Senado irá acontecer de qualquer jeito, ambos são candidatos ao cargo de governador dos respectivos estados de origem.  Juridicamente, resolvido!

Michel Temer candidato à presidência da República, pelo PMDB, terá como aliado principal o governador Sérgio Cabral do Rio de Janeiro, candidato à reeleição.  Candidato à vice-presidência não vai faltar.  Temer poderá escolher, nome no nordeste que não esteja ligado aos postulantes atuais, Dilma, Aécio, Campos e Marina.  Isto é fácil.  Vai fazer fila de partidos que oferecerão nomes para compor a chama do Temer 2014.  

Esta possibilidade só não acontecerá, se por algum motivo, houver a renúncia ou impedimento da Dilma Rousseff como presidente, neste caso, possível no imaginário, seria o próprio Temer no exercício da presidência candidatar-se à sua própria reeleição.  É um jogo de xadrez muito singular.  Vamos dizer que é um jogo de damas, sem querer fazer qualquer alusão ao promotor Michel Temer.

Michel Temer, tem um fator muito positivo para efeito de exposição em mídia.  A esposa Marcela Temer é uma bela mulher e é extremamente discreta, adequando-se ao cargo de primeira dama, numa eventual ascensão do Temer à presidência da República. A imprensa noticiou que a família da Marcela estaria já de mudança para capital da República.  O contraste da beleza e juventude da Marcela com a atual presidenta pode ser um "fator" diferencial de outros candidatos.  Marcela será a principal âncora para Temer 2014!

Michel Temer é, seguramente, o 5º pedaço do bolo de sucessão!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12 

sábado, 23 de fevereiro de 2013

ACORDA DILMA, ESTAMOS NA BEIRA DO ABISMO!


DÉFICIT NAS CONTAS EXTERNAS, US$ 11,4 BI, PIOR RESULTADO DESDE 1947.

As contas externas do Brasil, que incluem balança comercial e balança de serviços (remessas e viagens), se deterioram em janeiro. O déficit em transações correntes ficou em US$ 11,371 bilhões, informou nesta sexta-feira, 22, o Banco Central. É o pior resultado para todos os meses desde o início da série histórica da autoridade monetária, que teve início em 1947.  Fonte: Estadão.

Apesar do resultado negativo das transações correntes, de US$ 11,371 bilhões, o saldo positivo da conta de capital de financeira (R$ 12,355 bilhões) fez com que, no final, o balanço de pagamentos do País registrasse superávit de R$ 1,376 bilhão. Fonte: Estadão. 

Para fevereiro, a expectativa do BC é de saldo negativo de US$ 5,7 bilhões. Ele disse que essa estimativa reflete um resultado ainda fraco da balança comercial, que deve se recuperar. Fonte: Estadão.

E para completar: 


O Brasil criou 28,9 mil novos postos de trabalho com carteira assinada em janeiro, número 75,7% inferior ao do mesmo período do ano passado (118,895 mil). É o pior resultado para o mês desde 2009, quando foram fechadas 101.748 vagas. Naquele momento, o país começava a sentir os efeitos da crise financeira internacional. Dados do Caged, MT.  Fonte: Folha.

Comentário.

O que eu falei ontem, na matéria sobre bolha imobiliária?  Os articulistas devem tentar antecipar os acontecimentos futuros, baseado em dados e atitudes presentes.  Infelizmente, a imprensa brasileira, noticiam apenas os fatos presentes.  Poucos são veículos de comunicação que se preocupam em apresentar análise das consequências que poderão advir de medidas tomadas, sobretudo pelo governo. Apenas noticiam as medidas.  Não apresentam análises.

A imprensa noticiam com estardalhaço, o resultado das medidas tomadas ao longo dos tempos passados.  Na economia, o resultado das medidas aparecem no decorrer dos 6 meses seguintes à sua implementação.  É certo que fatores variáveis acontecido no cenário nacional e internacional poderão afetar nos resultados para melhor ou para pior.  Creio dever do articulista apresentar, mesmo correndo o risco de não acertar no alvo, as consequências de cada fatos que se apresentam no cotidiano.

O déficit das contas externas histórico do País, matéria de hoje, é consequência do erro sistêmico da política econômica da presidente Dilma.  Venho alertando sobre isto desde a criação deste blog.  Os agentes econômicos e financeiros dentro do governo como fora do governo, não tem dado devida importância à excessiva apreciação do real ou depreciação do dólar.  Isto é falha da imprensa.  Isto é falha dos articulistas econômicos.  Por enquanto, este blogueiro vem fazendo denúncia, solo.  

As consequências estão aí.  Enorme déficit na balança comercial e em serviços, somente compensado com o investimento estrangeiro direto (IED).  Ainda bem.  No entanto, quanto menos exporta, que é o caso presente, menos emprego cria.  O resultado da criação de novos empregos é o pior dos últimos 4 anos.  Isto já mostra que, seguindo a trajetória, o PIB do ano de 2013, vai repetir o PIBinho de 2013.  Vamos torcer que seja no mínimo igual ao do ano passado.

Não importa muito, se este blogueiro acertou ou não nas previsões. Fico triste, quando acerto as previsões negativas.  Fico mais triste ainda, quando vejo que a Dilma poderia ter tomado medidas corretivas, lá atrás, quando este blogueiro ainda chamava atenção para as consequências que poderiam advir da inércia da equipe econômica.  Leite derramado, infelizmente.  

Já o saldo da conta das viagens internacionais ficou em US$ 1,598 bilhão - resultado de gastos de brasileiros em US$ 2,293 bilhões e de US$ 695 milhões dos estrangeiros no País, afetando negativamente a conta de serviços. "O brasileiro continua viajando ao exterior de uma maneira frequente", disse ele. Fonte: Estadão. Fonte: Estadão.

Está aí, a comprovação de que o real está demasiadamente apreciado ou o dólar está muito depreciado.  É ilusão pensar que, de repente, os europeus, os americanos e os asiáticos ficaram pobres.  No máximo, eles estão na mesma situação do Brasil, com crescimentos pífios, mas mantendo o gap.  Claro devemos fazer exceções aos tigres asiáticos, mais Índia e Rússia.  Isto interessa à presidente Dilma. O real apreciado é "lança perfume" para o povão.  Esta sensação de poder, que as drogas dão ao povo, mantém a popularidade da Dilma em alta.   Isto, diz respeito à sua própria reeleição em 2014.

A presidente Dilma, nem está aí, que o País caia no abismo.  Pensa ela, ganha-se eleições e depois conserta o estrago.  A lógica do processo político nem sempre são coerentes com a lógica da política econômica.  Denota-se que há um processo político de permanência no poder por mais 10 anos, idealizado pelo José Dirceu, ex-dirigente e hoje condenado do mensalão.  Por outro lado, o presidente Lula torce para o pior, quer que isto tudo dê errado.  No caos, Lula entra como "salvador da pátria", novamente.  

Infelizmente, tenho pouca esperança na mudança do rumo, com a permanência da presidente Dilma no poder.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

ESTOUROU A BOLHA IMOBILIÁRIA EM CURITIBA


Em termo de mercado imobiliário, o estoque de imóveis em Curitiba é dobro da demanda anual, é esta a conclusão da ADEMI/PR.  Um empreendimento imobiliário, demora na maturação.  Desde a compra do terreno, elaboração do projeto e construção, leva no mínimo 2 anos e meio.  Quando anunciei a existência da "bolha imobiliária" no País, há cerca de 8 meses, previa-se um resultado divulgado pela imprensa.

Não é minha função como blogueiro, anunciar os fatos já acontecidos, isto cabe a imprensa, como faz o jornal Gazeta do Povo de Curitiba.  As outras praças, com exceção de algumas como Rio e Brasília, a situação é semelhante.  Nas demais praças, seguem mais ou menos o padrão de Curitiba.  Fatos que foi previsto por este blogueiro há algum tempo.  À época, foi rechaçado por alguns que tiveram seus interesses contrariados.  

Estão aí, os fatos confirmados pelas entidades do setor.  A bolha imobiliária em Curitiba já estourou.  Está aí, a oportunidade de compradores, exigirem descontos substanciais.  Quem tem 2 imóveis para vender e só tem 1 comprador, vai fazer o possível para "desovar" o estoque.  A manutenção dos imóveis em estoque, os juros comem pela perna.  


O aumento da oferta de lançamentos e dos estoques está provocando um fenômeno novo no mercado imobiliário: a liquidação de imóveis. Algumas incorporadoras e imobiliárias começam a investir em descontos e promoções para livrar-se de unidades que não foram vendidas ou retornaram para as empresas. Fonte: Gazeta do Povo.

O estoque de imóveis novos em Curitiba bateu recorde. Estimativa da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ade­mi) no Paraná é que 11,5 mil unidades estejam nas mãos das incorporadoras – cerca de duas vezes a demanda anual, que fica entre 5 mil e 6 mil unidades. Fonte: Gazeta do Povo.

A intenção das incorporadoras e imobiliárias é vender o encalhe e liberar espaço para os novos lançamentos. Segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil no estado (Sinduscon-PR) cerca de 9 mil unidades devem ser lançadas em 2013 – o mesmo volume de 2012. Além disso, 2013 coincide com o “pico” de entregas do boom imobiliário iniciado em 2009. Cerca de 14,3 mil imóveis ficarão prontos nesse ano. Fonte: Gazeta do Povo.

Segundo o presidente do Sinduscon-PR, Normando Baú, as liquidações não são generalizadas e estão concentradas nas empresas de capital aberto. “Elas [construtoras] precisam transformar tijolo em dinheiro novamente. Há uma preocupação com os resultados e imóvel sem vender carrega um custo financeiro importante”, diz ele. Fonte: Gazeta do Povo.

Aproveitem da oportunidade e façam bons negócios.  Vale ainda, a recomendação dada em matérias anteriores.  Não comprem imóveis em planta.  Comprem somente imóveis em pronta entrega.  Muitas empresas do setor estão mal das pernas.  Os compradores, poderão ficar com o mico na mão.  O dinheiro ganho com suor, deve investir com parcimônia, com muito cuidado, para não perdê-lo.

Estourou a bolha imobiliária em Curitiba!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

EDUARDO CAMPOS E MARINA SILVA, OS NOVOS PEDAÇOS DO BOLO


Após o lançamento das candidaturas da Dilma Rousseff e do Aécio Neves ao posto de presidente da República, apresentam-se como virtuais candidatos, Marina Silva e Eduardo Campos, respectivamente ex-ministra do Lula e atual governador de Pernambuco.  Ainda bem que, pelo que configura, a repartição do bolo não vai feita em, apenas, duas partes.  Vejam o que eles disseram e em seguida comento sobre o desdobramento.


A ex-ministra e ex-senadora Marina Silva disse na noite desta segunda-feira (18) que a Rede Sustentabilidade, seu partido em fase de criação, se antecipa à reforma política no Brasil. "Nós resolvemos antecipar algumas coisas que já podem ser feitas no sentido de mudança do sistema político e da forma de se fazer política no Brasil", disse Marina, que participou hoje do programa "Roda Viva", da TV Cultura. Fonte: Folha.

No último sábado, Marina disse que a Rede Sustentabilidade não será nem de esquerda nem de direita, mas estará "à frente" das outras legendas. Marina Silva foi ministra do Meio Ambiente na gestão de Lula, mas rompeu com o governo e deixou o PT em 2009. No ano seguinte, concorreu à Presidência da República pelo PV e teve 20 milhões de votos, ficando em terceiro lugar. Fonte: Folha. 


As declarações de Eduardo Campos ocorrem um dia depois de um embate entre os principais nomes de PT e PSDB para a disputa eleitoral de 2014. Fonte: Folha.


Potencial candidato do PSB à Presidência, o governador Eduardo Campos (PE) criticou ontem a antecipação eleitoral de PT e PSDB e afirmou que atualmente não é possível ter certeza de que, em 2014, os dois partidos irão polarizar de novo a disputa pelo Palácio do Planalto. Fonte: Folha.

"O país não precisa dessa velha rinha, não precisa discutir o passado, discutir coisas que não dialogam com a pauta do povo. A população está preocupada com um Brasil que não cresceu como se esperava. Não é possível eleitoralizar a política brasileira assim", disse o governador. Fonte: Folha.

Muito estranho a afirmativa da Marina Silva, de dizer que o partido Rede Sustentabilidade dela não seja nem de esquerda e nem de direita (sic).  Pelo que eu me lembro, Marina Silva, se exonerou do cargo de ministra do governo Lula, discordando da cooptação do partido do Lula à ideia "neo-liberal" (sic).  Portanto, até onde a gente sabe, ela é de esquerda.  No entanto, ela se lança como a fatia do bolo do meio.  Nem para um lado, nem para outro lado, situação de "tico-tico no fubá".  

Por outro lado, o Eduardo Campos, lança a mesma ideia exposta por mim, na matéria de ontem, sobre Dilma e Aécio, que passo a reproduzir a frase na integra: "O país não precisa dessa velha rinha, não precisa discutir o passado, discutir coisas que não dialogam com a pauta do povo."  Dizer que conheço Eduardo Campos, estaria mentindo.  Conheço-o de passado recente, via noticiários na imprensa, sobre sua popularidade como governador de Pernambuco.  

Atrás de cada figura, a da Dilma Rousseff e do Aécio Neves, estão as figuras fortes na mídia, FHC e Lula.  Ambos seguem a linha dos seus antecessores.  Dilma defendendo o legado de Lula, do programa social Bolsa Miséria e tentando rotular o Aécio como defensor da ideia "neo-liberal" (sic). Aécio defendendo o legado do FHC, do Plano Real e Lei da Responsabilidade Fiscal e tentando desconstruir os programas de obras.  Discutem sobre o passado, como se fossem discussões sobre o resultado de jogo de futebol de véspera, em qualquer bar da esquina.  

Que os pretensos candidatos apresentem propostas para o futuro, preferencialmente, que atendem novas demandas da população.  As mazelas correm soltas, nos campos de educação, saúde e segurança pública.  O que tem os candidatos a oferecer como saída para os segmentos, os mais importantes, para a população.  Isto sim, mexe com o cotidiano do povo.  O povo não quer saber da dicotomia, dito na matéria de ontem.  Quer saber, o que cada um tem a oferecer para as demandas de hoje.  Só isso!

Eduardo Campos e Marina Silva, são os novos pedaços do bolo!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

DILMA E AÉCIO SÃO IRMÃOS SIAMESES!



Nas comemorações dos 10 anos no poder pelo PT, houve lançamento da candidatura à reeleição da presidente Dilma, antecipando o calendário eleitoral.  Pelos discursos pronunciados, não foi bem uma comemoração do aniversário da tomada do poder, mas foi o lançamento da Dilma Rousseff à presidência da República nas eleições de 2014.  

Por outro lado, o Aécio Neves, virtual presidente do PSDB, fez um pronunciamento na tribuna do Senado, criticando a administração petista, elencando 13 falhas nestes últimos 10 anos.  Ao que o senador Lindemberg Faria, petista, considerou o discurso como lançamento da candidatura Aécio Neves à presidência da República nas eleições de 2014.

Segundo legislação, o pouco que eu sei, o lançamento de candidatura aos cargos eletivos em 2014, só poderão ser feitas, explicitamente, após convenções partidárias, ratificando as candidaturas no mês de julho de 2014.  Creio que ambos, tanto a presidente Dilma como o senador Aécio Neves estão pisando na bola.  É um jogo de vale tudo, para conquistar o poder.  Que se lixem a legislação eleitoral !  

Leiam o noticiário estampado no jornal Folha de São Paulo e se quiserem podem ler o prosseguimento do meu comentário.

Em discurso no ato de comemoração dos 33 anos do PT e dos dez anos da sigla à frente do governo federal na noite desta quarta-feira (20), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma menção indireta ao mensalão ao dizer que a sigla não deve temer o debate sobre a corrupção. Em sua fala, Lula também fez críticas ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), virtual candidato dos tucanos à Presidência em 2014, e à imprensa. Fonte Folha.

"Eu não vou responder a eles. Só queria dizer que a resposta que o PT deve dar é dizer para eles que eles podem se preparar, que eles podem juntar quem eles quiserem. Porque se eles têm dúvida, nós vamos dar como resposta a eles a reeleição da presidente Dilma. Essa é a retaliação na política." Fonte: Folha.

 Última a falar no ato de comemoração dos 33 anos do PT e de seus dez anos à frente do governo federal, a presidente Dilma Rousseff fez um longo discurso em que defendeu suas ações sociais, citou várias bandeiras do governo e fez pesadas críticas à oposição. "Nós não herdamos nada, o [ex-]presidente Lula. Nós construímos", disse Dilma. Fonte: Folha.

A frase foi uma resposta ao discurso que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) fez na tarde desta quarta-feira (20). O virtual candidato tucano à Presidência disse que o PT está "exaurindo a herança bendita" que recebeu de Fernando Henrique Cardoso.  Fonte: Folha.

Venho afirmando há algum tempo que o Brasil não tem divisórias.  Os principais atores da política e da sociedade brasileira, insistem em dividir o País em dois pedaços.  É, isto mesmo!  Como se fosse dois pedaços de um bolo chamado Brasil.  E fazem questão de criar abismo entre os dois pedaços do bolo, senão vejamos.

Um pedaço é branco, outro pedaço é negro.  Um pedaço é elite, outro pedaço é pobre.  Um pedaço é direita, outro pedaço é esquerda.  Um pedaço é banqueiro, outro pedaço é setor produtivo. Um pedaço é serviço público federal, outro pedaço é estados e municípios.  Um pedaço é progressista, outro pedaço "neo-liberais" (sic). Um pedaço é PT, outro pedaço é PSDB.  

E onde ficam o povo que não fazem partes desses pedaços? Não sou nem branco, nem negro, sou amarelo. Não sou nem esquerda, nem direita.  Não sou banqueiro, nem sou do setor produtivo, sou pequeno investidor. Não faço parte da administração federal, nem estadual ou municipal.  Não sou filiado ao PT, nem ao PSDB, sou filiado ao PDT. Ideologicamente, não sou progressista, nem neo-liberal (sic).  Fiquei sem pai, nem mãe, na divisão do bolo!

Discurso besta essa de ambos partidos, PT e PSDB fazerem comparações entre si.  Para nós, povo, não interessa quem esteja no poder.  Nós queremos é governo correto, sem roubalheira, seja de que partido for, do PT, PSDB, PSB ou PV.  O povo quer o governo que coloque o Brasil como "centro" do objetivo, não como "meio" para alcançar os objetivos "espúrios" dos seus participantes.  Garanto que não tem nenhum santo nesses conglomerados políticos, nem mesmo no partido que estou filiado. Lembremo-nos que o Brasil é de todos nós!

Dilma e Aécio são irmãos siameses!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

YOANE SÁNCHEZ, CUBA É AQUI !


A imprensa brasileira dá destaque à chegada da blogueira Yani Sánchez, jornalista cubana, como "pop star".  Nada contra ela, mesmo sabendo que ela se auto-financia, segundo as suas próprias palavras, de rendimentos sobre os artigos e publicações que faz à midia internacional sobre a situação política do seu país, Cuba.  

A situação da Yani Sánchez em Cuba dá uma certa inveja para os blogueiros independentes aqui do Brasil.  Apesar de algumas restrições, como ela própria descreve, foi possível a Yani participar ativamente do seu blog e das redes sociais, sem ser impedido pelo governo de Havana.  E ela, como ativista político, obteve do Raul Castro, visto de saída como uma cidadã comum.  

Já vou afirmando que não sou ideologicamente e nem politicamente alinhado com o socialistmo cubano.  Pelo contrário, sou visceralmente contra o regime cubano, tanto quanto o regime do Hugo Chávez venezuelano.  Quero dizer, nas linhas acimas, que Yane Sánchez desfruta de uma "liberdade" concedida do regime cubano de Raul Castro.  Se não fosse, ela estaria na cadeia como tantos outros dissidentes políticos.

O Brasil não se acostumou com a democracia.  Deu para notar sobre notas da imprensa brasileira, sobre manifestação pró-Cuba demonstrado por meia dúzia de "gato pingado" à recepção da blogueira.  Uma vez por toda! Democracia é isto, tanto não pode tolher liberdade de elogiar à blogueira Yani, quanto impedir a liberdade de manifestar contrariamente à sua atuação.  

O Brasil não é nem do branco e do nem negro.  O Brasil não é nem do PT e nem do PSDB.  O Brasil não é da elite e muito menos da classe economicamente pobre.  O Brasil não é dos conservadores e nem dos progressistas.  O Brasil não é dos banqueiros e nem da classe produtiva.  O Brasil não é dos militares e nem dos militantes. O Brasil é de todos nós!

Posto isto, quero fazer denúncia sobre "censura branca" que impera no Brasil.  Posso afirmar que não há observancia do Artigo 5° da Constituição no País.  Não quero abrir polêmica, mas digo com conhecimento de causa de que existe represálias aos que contrariam os interesses de governos instalados desde 2002.   Refiro-me às ameaças explícitas e não explícitas, que espero não venha se concretizar.  Já passei a fase de ter medo! 

Não há liberdade de expressão no Brasil, Cuba é aqui !

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

BOLSA MISÉRIA É PROGRAMA DE "EXSCLUSÃO" SOCIAL


Enganei-me em números, ao apresentar os beneficiários do Bolsa Miséria, que engloba todos os programas sociais do governo Dilma. Tinha entendido que era 19,5 milhões de chefes de famílias, mas não era, são 22 milhões de chefes de famílias com "sub-emprego", porque o programa contempla pessoas com renda "per capta" inferior a R$ 70,00.  As minhas conclusões seguem após o noticiário do Estadão, em itálicos.

O governo vai anunciar nesta terça-feira, 19, em cerimônia no Palácio do Planalto, a retirada de 22 milhões de brasileiros da miséria. A presidente Dilma Rousseff também deverá assinar Medida Provisória garantindo um complemento em dinheiro para 2,5 milhões de pessoas com renda per capita inferior a R$ 70 - patamar estabelecido para o enquadramento na faixa de extrema pobreza. Fonte: Estadão.


O benefício é para pessoas que recebem o Bolsa Família, mas possuem renda per capita inferior a R$ 70 e, além disso, não se encaixam nas regras do programa Brasil Carinhoso, que só contempla quem tem filhos de até 15 anos. Fonte: Estadão.

Por meio do Brasil Carinhoso, saíram da situação de extrema pobreza 16,4 milhões de pessoas. Outras 3,1 milhões ultrapassaram essa condição com o reajuste no valor do Bolsa Família, levando em consideração o número de filhos e a ampliação dos benefícios concedidos a famílias incluídas no programa. Agora, com os 2,5 milhões beneficiados pelo complemento de renda - variável até alcançar o patamar de R$ 70 per capita --, o governo baterá o bumbo na marca de 22 milhões. Fonte: Estadão.

Na solenidade com o slogan "O fim da miséria é só um começo", de autoria do marqueteiro João Santana, Dilma apresentará números para mostrar que está cumprindo a promessa de erradicar a pobreza extrema. O tema vai embalar sua campanha à reeleição, em 2014. Fonte: Estadão.

Conclusão.

Não tiro o mérito dos programas sociais do governo federal.  A existência de 22 milhões de famílias vivendo no "sub-emprego" já é um fator de sub-desenvolvimento do País.  E por essa e outra que o IDH, índice de desenvolvimento humano, do País está sempre disputando posição de média para baixo entre todos os países do mundo.  

A minha crítica, não se refere propriamente aos programas sociais do governo federal, pagos com dinheiro do contribuinte.  Estes programas sociais já existem há 10 anos e o que me chama atenção é de que o número de beneficiados aumenta a cada ano.  Para alguns isto é bom sinal, mas para mim, isto é péssimo indicador.  

Rateando o dinheiro disponíveis para diversos programas, grosso modo R$ 22 bilhões, distribuído para 22 milhões de beneficiários, representa R$ 1 mil per capita ano.  O número representa um adicional de menos de R$ 100 mês, para cada chefe de família. Curiosamente, é o que muitos políticos gastam para "comprar votos" dos seus eleitores.  

O governo denomina os programas de "programa de inclusão social". Para mim, estes programas, é uma marca de "exclusão social", porque escravizam os beneficiários com "esmolas".  Não existe, nenhum programa de "saída" aos programas Bolsas Misérias.  Isto tudo é muito semelhante aos antigos "currais eleitorais" dos coronéis de usinas de açúcar nos tempos longínquos.  Isto é um retrocesso!

Alguns leitores, me disseram que o governo federal tem programas de capacitação como PRONATEC, PROUNI e bolsa de estudos para 100 mil estudantes no exterior.  Estes programas são para os estudantes que terminaram o ensino fundamental.  Não são programas de "saída" dos programas sociais.  A maioria dos beneficiários dos programas sociais são "analfabetos funcionais".  

A saída dos Bolsas Misérias, na minha visão, seriam aquelas semelhantes desenvolvidos pelos sistemas S, mantido com contribuição dos empresários comerciais, industriais ou rurais.  Se realmente, a intensão do governo é "incluir" socialmente deveria fortalecer os programas já existentes no sistema S, sem gastar R$ bilhões e R$ bilhões.  Creio eu, só assim, estará o governo tirando os miseráveis da zona de "exclusão" da sociedade.  Pensem nisto, seriamente!

Para mim, as Bolsas Misérias, são programas de "exclusão" social.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12