Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Occupy é movimento legítimo?

O movimento occupy praticamente nasceu em Wall Street, Nova York, para protestar, pacificamente o capitalismo selvagem, resumidamente, para não "ideologizar" mais um movimento das ruas.

No Brasil, há representação do Occupy internacional, vamos dizer, que se autodenomina Occupy Brazil.  Ao que me parece, o movimento é totalmente pacífico.  Nada garante, no entanto, num movimento desse, sem dono e sem liderança, ajam sempre ordeiramente.  Enfim, são pessoas, em tese, desocupadas, porque "ocupam" um determinado território ou espaço por um período longo.  Com certeza são mais um contingente de desempregado s marginalizados pelo sistema capitalista vigente.

Como qualquer movimento que vem de fora, quando chega no Brasil  ganha coloração diferente.  No Brasil funciona como "ocupação" do espaço para protestar qualquer tema que seja.  Occupy brasileiro é como "jaboticaba", é diferente.  Occupy brasileiro, normalmente, serve para manifestações políticas.  

Se não fosse pela depredação do patrimônio público, até acho que seria um movimento legítimo.  Como tudo que acontece no Brasil, os movimentos sociais em geral deixam rastros de destruição do patrimônio público ou privado.  O MST seria uma espécie de occupy brasileiro.  A tomada da Reitoria da USP é uma forma de occupy.  A ocupação da Câmara de Vereadores pelos manifestantes seria uma forma de occupy.  No Brasil, pelo menos, os occupay tem um traço em comum que tira legitimidade das manifestações, os manifestantes são via de regra predadores.

O acampamento dos manifestantes na frente da residência do governador Sérgio Cabral por seguidos dias, é uma forma de occupy.  A ocupação da Prefeitura de Belo Horizonte seria uma forma de occupy.  Se são legítimas as manifestações é uma questão de tolerância das manifestações. Não vejo tanto problema, desde que por período determinado e sem depredação do patrimônio público.  Mas, as coisas não acontecem como quer.  Todos sabem como começam, mas ninguém sabe como terminam.  

Esse tipo de manifestações, os occupy, está se tornando rotina na vida da população brasileira.  Isto está já está começando a ser um estorvo, um atraso na vida, para o povo que quer ver o serviço público atendido sem interrupções.

O País está vivendo momento delicado.  As manifestações dos Black Blocs quebrando tudo que encontra na frente e agora os occupy tomando conta dos recintos das vias públicas ou dos recintos públicos, vem atrapalhando a vida do cidadão brasileiro que quer apenas viver em paz.  

Que as manifestações legítimas sejam feitas em forma ordeira, sem infiltração dos Black Blocs ou dos occupy.  Por isso proponho o FlagFace, ou seja manifestações ordeiras como escrito na bandeira brasileira: "Ordem e Progresso".  Que os manifestantes dos movimentos legítimos utilizem roupas com as cores da bandeira brasileira, ou seja azul, verde, amarelo ou branco, para diferenciarem dos movimentos já citados e dos vândalos criminosos.  Que mostrem a cara, que mostrem para que estão lá, por isso  proponho o FlagFace.  

Occupy é movimento legítimo? Pode ser e pode pode não ser.  Daqui a pouco vai aparecer patrocinador para mais este movimento e aí saberemos se o movimento tem legitimidade ou não. 

Ossami Sakamori
e-mail:  sakamori10@gmail.com

Black Rio e do Black São Paulo, massa de manobra do PT.

Mais de 50 anos vivenciando a história do Brasil não é difícil sentir e analisar o momento político que vivemos hoje.  Regime civil, regime militar, suicídio do presidente da República, renúncia, impeachment, foram ápices de cada momento histórico.  

O Brasil vive um momento histórico grave, tão grave tantos quantos citei acima.  Existe um processo em marcha.  Existe movimentos sociais que são traduzidos em movimentos de ruas, pacíficas, como tantos que vimos no mês de junho.  Por outro lado, não podemos ignorar que existe um movimentos contrários aos movimentos pacíficos.  São os Black Blocs, movimentos importados de Londres e outros movimentos dos quais farei matéria em separado.

O momento histórico que vive o País, facilita a criação e manipulação de movimentos à margem dos movimentos sociais espontâneos e legítimos.  Os Black Blocs, se movimenta sob o manto da falsa ideologia do anarquismo.  Nada a ver com a história do anarquismo da história do mundo contemporâneo.  Anarquismo é a falsa bandeira que dá certa legitimidade aos movimentos cuja finalidade é apenas vandalismo.  Em Londres, o objetivo final era saques às lojas de luxo, que representavam o simbolo do consumismo.  Lá como cá, os Black Blocs eram e são formados pelos vândalos e marginais. 

Voltei ao tema, porque recebi muitas críticas sobre a matéria postada por mim e vi também muitos comentários favoráveis aos Black Blocs.  A situação se processa na ausência de representação legítima dos anseios da população.  Os Black Blocs estão aparecendo como salvadores da pátria.  É mais ou menos como eleger o comando do tráfico de drogas como representantes legítimos, na ausência do Estado, para suprir as demandas não atendidas por ele.  

Ontem, na matéria sobre o tema, eu disse que os Black Rio e Black São Paulo tem DNA do PT.  Na noite passada, assisti através de TV, pseudo manifestações, apenas 300 pessoas, na cidade de São Paulo, já declaradamente partidárias, contra o governo Geraldo Alckmin, convocado pelos Black São Paulo.  Eram cerca de 20 Black São Paulo e mais alguns gatos pingados desavisados.  Os que fazem parte dos movimentos Black Blocs usam roupas escuras e estão sempre encapuzados para não serem identificados.  

O Black Rio, o movimento é contra o governador Sérgio Cabral.  Como pode ver, os Black Blocs no Brasil sofreu mutações.  A ideologia (sic) pró-forma é contra capitalismo e consumismo, mas o objetivo é nitidamente político.  Através de depredações e saques querem desmoralizar os governos locais, cujo comando das polícias são destes.  Neste objetivo os Black Blocs contam com os simpatizantes dos grupos políticos contrários ao Geraldo Alckmin e Sérgio Cabral, respectivamente.  

A atuação do Black Rio e Black São Paulo mostra claramente o objetivo político.  No Rio de Janeiro para viabilizar a candidatura do Lindberg Faria e em São Paulo para viabilizar a candidatura do Aloizio Mercadante ou Marta Suplicy, coincidentemente todos do PT.  De repente, os atuais governadores do Rio e São Paulo que eram considerados imbatíveis se tornaram reféns do movimento Black Blocs.  

Outros movimentos Black Blocs vão aparecer em outros estados, funcionando como "braço do mal" manipulado pelo PT, para retomada do poder nos estados.  Uma espécie de golpe de estado branco.  Este é um daqueles "diabos" que a Dilma prometeu usar nas campanhas da sua reeleição para presidência da República.  

Cuidado com os Black Rio e Black São Paulo! Vocês poderão ser usados como como massa de manobra do PT, para se consolidar no poder.

Ossami Sakamori
e-mail:  sakamori10@gmail.com

terça-feira, 30 de julho de 2013

Brasil da Dilma tem dívida pública de R$ 3 TRI !

A equipe econômica da Dilma, fugiu da escola.  Não sabe calcular o endividamento do País.  Para inglês ver ou seja para os otários contribuintes ver, o cálculo é feito com várias gambiarras.  Já comentei sobre isto em matéria lá de trás.  Vamos ver o valor correto, sobre a dívida pública do setor público, segundo FMI.  Leiam a notícia sobre contestação do ministro Mantega sobre o assunto e meus comentários na sequência.  

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, enviou uma carta ao FMI (Fundo Monetário Internacional) solicitando que a instituição modifique seu cálculo, pois o seu modelo atual aponta para uma dívida bruta do Brasil maior que a considerada pelo BC. Fonte: Folha.


Pelos parâmetros do FMI, a dívida bruta representava 68% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil no fim do ano passado, comparado com os 58,7% estimados pelo Banco Central. Fonte: Folha.

Comentário.

O PIB brasileiro em 2012, fechou em R$ 4,403 trilhões, já considerado o aumento pífio de 0,9% de crescimento do ano.  São dados do IBGE, para ninguém colocar em dúvida.  

Segundo critério do FMI, que é adotado em todos os países do mundo, a dívida bruta do setor público, somado União, estados e municípios, é de R$ 3 trilhões.  Eu não estava muito longe, em matéria anterior sobre o tema, ter estimado em R$ 2,8 trilhões a dívida pública, somente da União Federal.  

Falam muito em dívida pública líquida, mas isto é apenas amenizar uma situação que é crítica.  O Banco Central estima a dívida pública líquida em R$ 2 trilhões.  O ministro Mantega quer descontar da dívida pública bruta, o valor da Reserva Cambial, pelo valor bruto.  Conceito totalmente equivocada, uma vez que o Brasil tem compromisso de empréstimos que, em tese, deveria ser deduzido da Reserva Cambial, se fosse o caso.  

Lula diz que pagou a dívida com o FMI.  Isto é verdade. O governo do FHC tinha contraído dívida com o FMI em US$ 16 bilhões ou cerca de R$ 35 bilhões.  O governo Lula pagou o empréstimo do FMI com juros baixos, mas fez enormes dívidas no mercado interno.  Junto com os estados e municípios o Brasil tem dívida pública bruta de R$ 3 trilhões.  A dívida com o FMI se ainda não estivesse paga corresponderia grosso modo 1% do total da dívida pública.  

Guardem bem os números, porque o Lula e a Dilma estão dizendo a 4 cantos que pagou a dívida junto ao FMI, como se tivesse quitado  a dívida pública brasileira.  Lula pagou a dívida do FMI porque a contabilidade do Fundo é séria e não permitiria gambiarras.  Resumindo, não permitiria fazer chunchos! 

Agora, Dilma e Mantega dizem que o cálculo do FMI está errado.  A Dilma, em especial, acha que tudo que os outros fazem está errado. Ela, Dilma, com maior cara de pau, pratica o jeitinho "jaboticaba" de fazer a contabilidade.  Só a presidente Dilma, pós graduada em economia, está certo!  

O fato é que a dívida bruta do setor público é de R$ 3 trilhões!  O resto é conversa para boi dormir!  Espero que vocês não sejam os bois da Dilma! 

Ossami Sakamori
e-mail:  sakamori10@gmail.com

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Os "black blocs" tem DNA do PT!

Eu nem sabia que tinha movimento denominado "black bloc". Pesquisando, cheguei a conclusão que tem objetivo "anarquista" para praticar atos de vandalismo. Isto o PT chama de "ideologia". O povo gosta de "ideologizar" qualquer coisa que seja.  Ontem mesmo, fiz matéria sobre isto.  Disse eu que tenho "o direito de ser eu mesmo", para fugir dos rótulos que a mim querem colar. 

Cuidado com os black bloc!  Fiquem longe desta turma. Para justificar vandalismo, inventaram "ideologia anarquista" para um bando de bandidos.  Dizem que tem "ideologia anti-capitalista" ou "ideologia anti-consumista".  A rotulação de um pseudo "ideologia" é para se justificar o vandalismo.  Baseado na "ideologia" conseguem adesão de pessoas do bem.  

Fujam desta turma, dos black qualquer coisa.  Na esteira do movimento contra o governador Sérgio Cabral, inventaram o black Rio.  Em São Paulo, deve ser o black São Paulo.  Já aparecerem até black Argentina. A coisa não é por aí.  Já vi este filme durante o regime militar.  Faziam parte dos black terrorista, termo que seria usado hoje, a presidente Dilma.  

O povo brasileiro é ordeiro, não quer saber de bagunça.  A semana da Jornada Mundial da Juventude, mostrou isso.  Foram milhões de pessoas se manifestando pacificamente, sem deixar nenhum rastro de violência ou de depredações.  Mais de 3 milhões de pessoas reunidas, em Copacabana, sem nenhum incidente.  Independente da religião que promoveu o evento, as manifestações das ruas, ordeiras, demonstraram que o povo brasileiro é pacífico.  O povo está longe dos black blocs O povo não quer saber do vandalismo!

O povo brasileiro quer manifestar a sua fé ou a sua esperança através de manifestações pacíficas.  Refiro-me, agora, às manifestações das ruas, organizadas pelas redes sociais.  As manifestações legítimas são pacíficas, tanto quanto àquelas promovidas pelas diversas crenças religiosas em locais e tempos diferentes.  Os black blocs e os vândalos estão infiltrados no meio do povo ordeiro.  Cabe à inteligência da Polícia Civil, da Política Militar e da Polícia Federal identificarem os black blocs e vândalos infiltrados.  Isto não é tarefa para os manifestantes, lhes asseguro.  

Tanto os black blocs ou vândalos, não querem ser identificados. Estão de uniforme preto e máscaras. São fáceis de separar o joio do trigo.  Bastaria que as autoridades da segurança pública, usem o rigor da lei para coibir as práticas condenadas, teoricamente protegido pela "ideologia".  Isto parece ter DNA do PT! O partido do governo quer desqualificar as manifestações, misturando o joio ao trigo.  Neste jogo sujo, os black blocs são úteis para os propósitos escusos de quem está no poder.  Querem tumultuar para justificar os golpes brancos.  

Os black blocs tem DNA do PT!

Ossami Sakamori
e-mail:  sakamori10@gmail.com

Economia BR, dia 29. Dólar com tendência de alta.

A semana deve iniciar com a moeda americana com tendência de alta e deve prosseguir nos próximos dias.  Fiquem alerta com a cotação do dólar nestes próximos dias.  A economia brasileira está muito atrelada ao dólar.  O pior, está atrelada ao dólar artificialmente controlado pelo Banco Central.  O governo Dilma utiliza o dólar como âncora para estabilidade monetária.

Para o mundo financeiro internacional, o Brasil era a bola da vez, positivamente.  O Brasil se beneficiou com os investimentos estrangeiros diretos (IED) nos últimos 10 anos, com a continuidade da política ortodoxa de governo FHC.  Henrique Meirelles, um banqueiro tomando conta do Banco Central, foi a sinalização da continuidade da política econômica que manteve o Plano Real.

O governo Lula, implementou o plano de emergência para superar a crise financeira mundial de 2008.  Estimulou o consumo e atrás do consumo veio os investidores estrangeiros implantando fábricas.  Houve entrada maciça de dólares no País.  Com entrada de dólares em forma de investimento (IED) a Balança de Pagamentos não teve dificuldade em fechar  em números positivos a favor do Brasil.

O governo Dilma, deu continuidade no plano de emergência do governo Lula sem fazer os ajustes necessários.  Pelo contrário, Dilma deu ênfase ao consumismo.  Congelou tarifas públicas como a de energia elétrica e de combustíveis, notadamente.  O Banco Central fez intervenções sistemáticas no câmbio para manter dólar barato ou seja dólar depreciado.  Com o real valorizado artificialmente, estimulou o consumo de produtos fabricados lá fora, notadamente os oriundos da China.  

Com o dólar demasiadamente depreciado, desestimulou empresários brasileiros investirem no seu parque industrial.  Excepcionalmente  as montadoras de automóveis, que são 100% investimentos estrangeiros, as indústrias brasileiras foram perdendo competitividade no mercado interno e externo.  

Os produtos primários como minério de ferro e produtos agrícolas vem perdendo espaço na pauta de exportação, devido a desaceleração da economia chinesa, sobretudo.  Os ganhos relativos nos produtos agrícolas com eventual apreciação do dólar são, uma boa parte, anulados com a alta proporcional dos insumos agrícolas.  É inacreditável que o Brasil ainda esteja dependente de fertilizantes importados, sendo que se encontra abundantes no território brasileiro.

Segundo estimativa do Banco Central, a última, o Brasil deve fechar a Balança de Conta Corrente, onde engloba todos as receitas e despesas em relação ao exterior, no terreno negativo em cerca de US$ 85 bilhões.  Nos anos anteriores, até 2012, o déficit da Balança de Conta Corrente era coberto basicamente com o fluxo positivo de capital estrangeiro em forma de investimento estrangeiro direto (IED) ou em forma de capital especulativo.  

Com o rebaixamento de notas de riscos sobre o Brasil,  pelas agências de riscos, o humor dos investidores estrangeiros e dos especuladores mudou.  Diante deste quadro, a tendência da entrada de dinheiro estrangeiro vai ficar no mínimo na posição de "stand by" ou seja na posição de espera para ver o que acontece.  Aí que o bicho pega.  O Brasil necessita trazer US$ 85 bilhões para cobrir o rombo da Balança de Conta Corrente para fechar a Balança de Pagamento, pelo menos zerado.  O Brasil terá que fazer esforço enorme para fechar a conta no terreno positivo, para não tornar a situação de risco Brasil ainda pior.

Para piorar ainda mais o humor dos investidores estrangeiros, foi escancaradamente divulgado no exterior, as manifestações das ruas do mês de junho.  Somados aos efeitos já citados, tem mais isso para colocar os investimentos voltados ao Brasil no ponto de "espera".  O dólar é como mercadoria, obedece a regra do mercado, a de oferta e procura.  Não havendo oferta, a tendência do dólar é de alta.  Não há intervenções do Banco Central que segure o dólar no atual patamar.  Onde vai se estabilizar, ninguém sabe.  Por enquanto fico na projeção de R$ 2,40 para dezembro deste ano.  Portanto a tendência do dólar é de alta.

Ossami Sakamori
e-mail : sakamori10@gmail.

domingo, 28 de julho de 2013

O direito de ser eu mesmo!

Hoje, este blog desde sua criação está recebendo a visita de número 200.000.  Quando criei este blog, apenas espaço de manifestações das minhas opiniões, não tive intensão de ter número de leitores tão expressivos. Para os jornalistas, analistas políticos, analistas econômicos, sociólogos ou antropólogos, pode significar número inexpressivo, mas para mim é apenas motivo de satisfação e de dever cumprido.  

Este blogueiro é apenas reles cidadão, de certa forma, incompreendido pela a grande massa da população.  Vim de baixo. Sou filho de imigrante, assim como tantos que formam este País que acolheu os primeiros exploradores portugueses, escravos africanos e imigrantes europeus e asiáticos.  Não sou político e nem tenho pretensão de sê-lo.  Já estou com idade que não me permite, grandes ambições.  Devo-me comportar no meu devido lugar.  Estou quieto no meu canto,  apenas, expressando os meus sentimentos, minhas angústias, meus desejos, minhas ambições sobre o futuro do meu país Brasil.  

Não pertenço a nenhuma ideologia, nem facções políticas.  Para dizer com toda franqueza, não sei o que é ideologia.  O povo fala da esquerda e da direita, mas não sei o que isto significa isto, só sei que o termo veio do parlamento francês, onde os assentos da direita pertencia ao partido do governo e os assentos da esquerda eram  dos partidários contra o governo.  

O termo direita e esquerda, que dizem serem a ideologia, no Brasil,  no regime militar, a direita era usado para se referir ao militares a esquerda aos contras. Assim, conceitualmente, à época, eu pertencia à esquerda.  Tanta bobagem, o termo! Se adotarmos o conceito do parlamento francês, onde originou o termo usado, gramaticalmente, a direita deveria ser o Partido dos Trabalhadores que está no poder há mais de 11 anos e meio e a esquerda as oposições.  

Deixando de lado a "ideologia", o que são capitalistas e socialistas de hoje?  Presidente Hollande da França é socialista?  Xi Jinping é socialista ou comunista?  Angela Merkel é socialista ou capitalista?  Obama não seria socialista, já que os democratas são considerados de esquerda e republicanos os conservadores?  Discussão estéril.  O mundo de hoje, não é esse que os retardados pretendem pintar com as cores ao seus bel prazer.  

O mundo já deu milhões de voltas, mas o comportamento humano não mudou. Houve e sempre haverá os opressores e oprimidos, os nobres e plebeus, os capitalistas e trabalhadores, os partidos do governo e dos opositores.  Vamos reinventar o mundo?  Não vamos.  Vamos conviver como o mundo como ele se apresenta. Então tentemos influir no que e onde podemos mudar, sem ideologia.  Mudar para o melhor, é o eu venho defendendo.  Estou fora desta discussão estéril de ideologia!  Só quero Brasil melhor!

Toda vez que veiculo, meus pensamentos neste espaço, um pedacinho de canto, que a empresa Google me cede gratuitamente, sem censura, recebo xingamento, recebo pechas de portador de ideologia que não a tenho.  Eu sou ignorante e não sei do que trata as ideologias.  

Costumam me pintar de direita, nas redes sociais. Dizem que sou FHC ou que sou do PSDB.  Quanto ao FHC não o conheço pessoalmente, nem sei se ele tem ideologia, só sei que foi presidente do meu Brasil. Quanto ao partido não sou filiado a ele.  Estou filiado, sem participação partidária, no PDT, apesar de não concordar com os atos do dirigente Carlos Lupi, nem tão pouco concordo com a participação do partido na base aliada do governo Dilma.  Vou me desfiliar por isso?  Não, não vou vou continuar para esperar a mudança, o momento de lucidez do dirigente partidário, para deixar de apoiar o governo Dilma.  

Eu quero continuar manifestando os meus pensamentos, livremente. Já sofri inúmeras tentativas de cerceamento de liberdade de expressão.  A liberdade de expressão que foi me tentado calar nos tempos de estudante universitário, 1964/1968 pelo "sistema".  Os que viveram à época, deve saber o que significa "sistema".  Nos tempos mais recentes, justamente no governo do PT, venho sofrendo agressões por conta do "direito de expressão" que reservo o silêncio sobre isto.  Mas, isto tudo, não me atemoriza, apenas sofrer na víscera, o meu desencanto pelos governos que sucedem.  Um dia haverá de terminar o desencanto, como o dia que vivenciei o retorno da democracia após 20 anos de regime militar.   Não perdi a esperança, ainda, da mudança.  

Falta muito para me calar.  Os que se acham "donos do poder" que esperem sentados.  Estou quase na idade de usar bengala, mas os "donos do poder" que me aguardem, porque estarei sempre, denunciando as mazelas dos sucessivos governos.  Já escrevi 797 artigos e continuarei escrevendo tantos quantos necessários, até que o povo volte ao poder, através de quais mãos que forem.  

Para mim, basta que o próximo presidente seja probo e competente, apenas isto. Não quero saber de "ideologia".  E parem de colar rótulos na minha testa, pois não faço papel de bobo da corte, seja de que lado for. Eu sou extremamente egoísta. Estarei sempre na trincheira para defender o meu lado, o lado da minha família, o lado do povo, nada mais!

Que saco, ter que estar explicando isso tudo!  Mas, faz parte do jogo democrático que defendo, não é mesmo? 

Aviso: Aqueles que são contrários aos meus pensamentos, o espaço abaixo para comentários, é reservado para expressar opiniões concordantes ou discordantes.  Se quiserem, podem me xingar, mas aqui no blog, claramente. Não deleto, opiniões contrárias, nem xingamentos.

Ossami Sakamori
e-mail:  sakamori10@gmail.com 

Economia BR, dia 28. Brasil é uma pré-Espanha?

Saiu maioria dos índices referente ao mês de junho ou seja do primeiro semestre de 2013.  Os números de junho reforçam a tendência que já vinha ocorrendo já no final de maio.  O Brasil está entrando na estagnação.  Economia é como trem em movimento, tanto para acelerar o crescimento ou para desacelerar não acontece repentinamente.  Não funciona como freio ou acelerador de carro.  Os economistas dizem que as medidas tomadas hoje, repercute nos 6 meses subsequentes.  

A inflação de alimentos e de produtos de consumo, subiram no primeiro trimestre por conta das medidas de estímulo ao crédito e afrouxamento monetário tomado no segundo semestre do ano passado.  Vocês devem se lembrar da indecisão da presidente Dilma no ano passado, onde ela defendia ainda como prioritário a expansão do consumo ao invés de medida de combate à inflação.  Deu no que deu!

A Dilma ainda está indecisa, para a nossa desgraça.  Ela está com um olho voltado para inflação e outro para eleições do próximo ano.  Não sabe o que fazer.  A Dilma é totalmente incompetente para administrar o País.  Ela não é gerentona como foi passado a imagem para a população.  Pela política econômica (sic) equivocada, nota-se que a Dilma não conhece nem a macro economia e nem a micro economia.  Não entende do mercado financeiro nacional e tão pouco o mercado internacional.  

A presidente Dilma se assessora de pessoas incompetentes e covardes.   A sua equipe econômica composta pelo ministério da Fazenda, Banco Central, BNDES e Petrobras, é de uma incompetência de sair lágrimas dos olhos.  A equipe da Dilma, ao mesmo tempo incompetente é covarde!  A equipe econômica, em tese, se não fugiu da escola, tem pelo menos embasamento teórico para elaborar uma boa política econômica e financeira.  Quero crer que eles tem conhecimento teórico pelo menos, mas não tem a coragem suficiente para implementá-la.  Se são covardes, pior ainda, estamos no mato sem cachorro!

Feito as considerações iniciais básicas e essenciais, passo os comentários dos últimos números.

1. Geração de emprego. A geração de emprego vem caindo paulatinamente.  O Brasil deve gerar menos de 1 milhão de empregos neste ano, diante de aumento da população não menos que 2 milhões de pessoas.  O País precisa de no mínimo 1,5 milhões  de novas vagas de trabalho para atender a demanda que população que todos os anos entra no mercado de trabalho.  

2.  Índice de desemprego.  O índice não guarda relação direta com o número de criação de novos empregos, mas de certa forma, reflete o quadro geral do mercado de trabalho.  Pela primeira vez, após tendência declinante de desemprego, o índice ficou acima de 6%.  Por enquanto não é alarmante, mas é preocupante.

3. Inflação.  O índice de mês de julho que está mostrando em níveis de estabilidade, sobretudo por conta de tarifas do transporte coletivo nas cidades de Rio de Janeiro e São Paulo, que em relação ao mês de junho houve queda ou seja deflação.  Explico, no mês de junho entrou como aumento, mas no mês de julho entra como redução.  Descontado o efeito tarifa do transporte coletivo é de aceleração da inflação.  Os efeitos do aumento do dólar dos níveis praticados até maio que foi de R$ 2,00 ficou estável no mês de junho em R$ 2,25.  Somente o efeito dólar, deve adicionar ao índice de inflação até o final do ano em cerca de 3%.  Adicionado o efeito dólar aos atuais níveis, o índice de inflação no final do ano ficará próximo da minha projeção de 9,0% para este ano.

4. Dólar. A tendência do dólar é ascendente.  O dólar deve apreciar ainda mais, devido ao déficit da Balança Comercial e Balança de Conta Corrente, excluído ingresso de capital estrangeiro.  A projeção do Banco Central é que o Brasil feche a conta Balança de Conta Corrente deficitário em cerca de R$ 85 bilhões, segundo última previsão.  Se o ingresso do capital estrangeiro, seja em forma de capital especulativo ou seja em forma de Investimento Estrangeiro Direto (IED) não alcançar os R$ 85 bilhões, o Brasil apresentará depois de alguns anos Balança de Pagamentos de resultados positivos, resultado negativo.  Isto abala a credibilidade do País.  Vai acender sinal amarelo nas notas de crédito ou de confiança dos investidores estrangeiros.  Digamos, uma situação pré Espanha.  

5. Pelo diagnóstico apresentado acima, o crescimento do País em forma de PIB será muito menor do que o Banco Central projeta, de 2,5% e menor ainda do que o mercado projeta, de 2,3%.  Eu mantenho, por enquanto, sem ajustamento, para o PIB de 2013 em 1,5% para o ano de 2013. 

6. O tradicional jornal Estadão e sua equipe levantou o número de endividamento dos brasileiros, incluído empresas estatais junto ao setor bancário, num montante de R$ 2,5 trilhões.  O endividamento do cidadão brasileiro, genericamente, ficou em 57% do PIB.  Lembrando que o governo Lula, pegou a administração com o nível de endividamento do setor bancário grosso modo em 23% do PIB, mostra que o brasileiro está cada vez mais endividado.  Isto parece uma pré Espanha! 

Os números apresentados aqui são inquestionáveis, não havendo necessidade de abrir espaço para contestações.  

Resumindo, Brasil é uma pré-Espanha? Receio que sim.

Ossami Sakamori
e-mail: sakamori10@gmail.com

sexta-feira, 26 de julho de 2013

A saúde da Dilma me preocupa!

A presidente Dilma Rousseff cancelou ontem todos os seus compromissos oficiais e passou o dia no Palácio da Alvorada, sua residência oficial, se recuperando de uma faringite e de uma gripe. Desde terça-feira, ela reduziu a quantidade de compromissos oficiais.  Na quarta-feira, manteve-se reservada na residência oficial antes de viajar a Salvador, onde se encontrou com o ex-presidente Lula em um evento do PT. Fonte: Folha.

Ontem, ela tinha previsão de receber a bancada do PT do Senado no Palácio do Planalto, mas cancelou a audiência no início da tarde.  A ideia da equipe da presidente é que ela se poupe para ir no próximo domingo ao Rio de Janeiro, onde comparecerá à última missa do papa Francisco no Brasil.  Fonte: Folha.

Comentário.

A fragilidade da saúde da presidente Dilma nos preocupa muito. É a segunda recaída neste ano. A presidente Dilma, praticamente não deu expediente no Palácio do Planalto nessa semana, conforme notícias.  O quadro da economia do País requer atenção especial, o momento, no meu entendimento, é crítico.  Precisamos da presidente exercendo suas funções em plenitude. 

As contas externas do Brasil está numa situação preocupante.  O dólar está sendo contido à custa de intervenções sistemáticas do Banco Central do Brasil, há mais de 1 mês.  O quadro da economia mundial requer atenção, apesar do bom desempenho dos EEUU e  do Japão.  A China, o nosso principal parceiro comercial, está com economia em ligeira desaceleração.  O déficit, tanto em Balança Comercial como no Balança de Conta Corrente estão deficitários.  Qualquer bobeada, o dólar pode disparar.  

A inflação está sendo contido à custa de aumento de taxa Selic, o que é um equívoco.  O mês de julho foi favorecido pela redução de tarifa de transporte coletivo nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, o que ajudou puxar inflação para patamar de quase estabilidade.  No entanto, no mês de agosto não tem setores com deflação para compensar a alta da inflação.  Quais novas medidas serão tomadas até o final do ano? 

Ainda, no segundo semestre os reajustes de combustíveis deverão ser  considerados, sob pena de colocar Petrobras numa situação de compasso de espera, adiando o Plano de Investimento da Companhia programado para o período entre 2013/2017, além de deteriorar a saúde financeira da estatal.  Como Dilma vai contornar esta situação, não sabemos, ainda.  

Todos os fatores, de antemão, dão para serem considerados como problemas difíceis de serem resolvidos.  Além de tudo o mês de agosto, poderá ser marcado com novas manifestações nas ruas.  Isto vai ser mais uma dor de cabeça para presidente Dilma.  A popularidade da Dilma vem despencando.  Esperemos que o quadro não chegue ao da ingovernabilidade.  Esperamos que Dilma, saiba sair-se da situação.

O sistema de governo do País é presidencialista, isto dá pouca margem para o mandatário, titubear-se.  Sobretudo, no olho do furacão da crise política/econômica, exige-se muito da disposição e saúde da presidente da República. Dilma terá que encarar a realidade e enfrentar a crise com o todo vigor mental e físico, de frente.  O País, na situação que se encontra, não se permite medidas de adiamento de soluções, para inúmeras demandas reclamadas nas manifestações das ruas.  

Desejo, sinceramente, que  a presidente Dilma melhore de saúde e retome tão logo a atividade da presidência, na sua plenitude.  O povo brasileiro tem pressa em ver as suas demandas serem atendidas.

Ossami Sakamori
e-mail: sakamori10@gmail.com

EIKE BATISTA não é mais US$ bilionário!

O dono do grupo EBX, Eike Batista, não pode ser mais considerado um bilionário, de acordo com o ranking dos homens mais ricos do mundo elaborado pela Bloomberg. No ápice, estava em 8º lugar na lista. Em março de 2012, a fortuna do dono do grupo X - que inclui a petrolífera OGX e a mineradora MMX, entre vários outros negócios - chegou ao patamar de US$ 34,5 bilhões. Fonte: Estadão.

Agora, no entanto, o empresário só valeria US$ 200 milhões, nas contas da Bloomberg. Ou seja: em pouco mais de um ano, a riqueza do empresário encolheu nada menos do que 99,42%. Fonte: Estadão.

Comentário.

Com alguns meses de atraso, as agências de notícias publicam a situação real do Eike Batista e de suas empresas.  Já em 27/3/2013 elaborei matéria com o título: OGX do Eike Batista está falida!  Agora, como em coro, as agências de notícias e agências de classificação de riscos anunciam a 4 cantos a situação real do menino Eike Batista.

Chamar de menino, o maior estelionatário do Brasil, é pouco.  O empresário estelionatário Eike Batista, vai deixar para nós contribuinte, eu, você e povo, uma conta já anunciada de R$ 10,4 bilhões dos empréstimos concedidos pelo sistema BNDES.  Isto não considerando as participações minoritárias do BNDESpar nas empresas do Eike Batista pelo BNDESpar, que viraram "micos".

Causa-me espécie e descrença com as instituições da República como MPF, Justiça Federal e Polícia Judiciária, por não estarem tomando medidas necessárias para apuração das denúncias, não só apresentado por este reles cidadão, mas estampadas em principais noticiários do País e do exterior.   Em qualquer país do mundo civilizado, como os EEUU, Alemanha, França e Japão, o empresário estelionatário como descrito estaria com prisão preventiva decretada.  

Por muito menos e muitas vezes por razões políticas, pessoas são presas e achincalhadas pela mídia, muitas vezes sem ter nenhuma culpa no cartório.  Não entendo o porque de tanto privilégio dado ao cidadão Eike Batista.  Porque tanto privilégio para quem praticou o estelionato de R$ 10,4 bilhões aos cofres públicos além de outros prejuízos imensuráveis.  Aliás, o cidadão Eike Batista tem jatinho particular para evadir-se do Brasil, em querendo, para a Suíça, onde já tem cidadania.

Pelo precedimento, o empresário estelionatário Eike Batista, deve ter amealhados muitos US$ bilhões no exterior, proveniente do produto do estelionato.  O dinheiro deve estar já devidamente "branqueado" ou "esquentado", para que o braço da Justiça brasileira não tenha alcance.  Resumindo, o cidadão brasileiro Eike Batista está falida, mas o cidadão suiço Eike Batista continua US$ bilionário.  E nós reles cidadão brasileiro, permanecemos no solo brasileiro para pagar as contas deixados pelo empresário estelionatário, que ascende a muitos R$ bilhões.

Vou prosseguir, ainda.  Para que o estelionato fosse praticado, no volume financeiro anunciado, contou com o conluio do presidente do BNES Luciano Coutinho, seu imediato superior ministro Mantega e os presidentes da República Lula e Dilma que respaldaram as operações do empresário estelionatário.  O empresário estelionatário tinha acesso direto ao Palácio do Planalto, sem passar pelo crivo de agenda da Casa Civil.  O crime para todo este time se denomina peculato, que é contrapartida do estelionato do outro lado do balcão.

Nós vamos deixar assim... só assistindo... e contabilizando o prejuízo que vamos ter que pagar?  

Este espaço está aberto para todos os citados, em querendo, fazerem as suas próprias defesas, conforme a lei da imprensa.  O endereço para defesa está citado abaixo deste que assina a matéria.

Ossami Sakamori
e-mail: sakamori10@gmail.com

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Brasil tem dívida externa de US$ 40 bilhões!

O presidente Lula nos enganou dizendo que o Brasil não tinha mais Dívida Externa Federal. O Brasil, em 2005, quitou a dívida externa com o FMI pagando US$ 15,5 bilhões que venceriam até o final de 2007.  Isto não quer dizer que o Brasil quitou a dívida externa brasileira.  Segundo o Tesouro Nacional, Brasil, hoje, tem dívida externa pública federal no montante de equivalente a grosso modo US$ 40 bilhões,  bem superior ao que o Brasil devia para o FMI em 2005. Leiam as notícias sobre o tema.

A Dívida Pública Federal (DPF) apresentou alta de 2,6% em junho, ante maio, e atingiu R$ 1,935 trilhão, segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional na tarde desta quarta-feira, 24. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 18,646 bilhões. A DPF inclui a dívida interna e a externa. Fonte: Estadão.

Enquanto a Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 2,94% e fechou o mês em R$ 1,894 trilhão, a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,88% menor, somando R$ 90,92 bilhões.  Fonte: Estadão.

Comentário.

Eu já tinha dito em matéria anterior de que a dívida pública externa do setor público somava mais de US$ 80 bilhões.  Deste montante, a parte do governo federal é de cerca de US$ 40 bilhões e o restante mais de US$ 40 bilhões são do setor público em geral, como governos estaduais, municipais e empresas públicas como a Petrobras.

Vamos discutir bem sobre o tema, porque tem muito marketing sobre o tema Dívida Pública, sobretudo, a Dívida Pública Externa.  Pelo discurso do Lula e dos membros do PT, dá-se impressão de que o governo federal está livre de qualquer tipo de dívida, interna ou externa.  Dados oficiais do próprio Tesouro Nacional aponta uma Dívida Pública Federal somando a interna e externa, soma R$ 1,93 trilhões, o que corresponde grosso modo quase 50% do PIB.  Nem vamos considerar aqui, a Dívida Pública Federal bruta, porque ascende a R$ 2,8 trilhões.  

Resumidamente, podemos dizer que o Tesouro Nacional tem uma dívida pública externa de US$ 40 bilhões apesar de ter pago o empréstimo ao FMI.  Pronto, está dito.  Brasil trocou dívida do FMI com juros baixos para fazer dívida externa maior, com juros maiores.  

Ossami Sakamori

Brasil cresce 5 vezes menos que Paraguai.

Os hermanos paraguaios vão estar bombando, segundo Cepal, e nós do lado de cá do Rio Paraná, estaremos com projeção de crescimento com viés de baixa.  E ainda assim, a presidente Dilma, vem usando os serviços do marqueteiro João Santana para mostrar que o Brasil é país de mil maravilhas.  Leiam a notícia sobre o tema e meus comentários na sequência.  

Para a Cepal, o Paraguai deve registrar o maior crescimento na região este ano, com expansão de 12,5%, seguido por Panamá (7,5%), Peru (5,9%), Bolívia (5,5%), Nicarágua (5%) e Chile (4,6%). Para o Brasil, a Cepal estima avanço de 2,5% em 2013, inferior aos 3% previstos em abril. A Argentina deverá crescer 3,5%. A Argentina deverá crescer 3,5% e México 2,8%.  Fonte: Folha. 

Comentário.

Estou tão indignado com o quadro econômico que vive o País.  Infelizmente, opiniões como as deste, não teve eco no seu devido tempo.  O País deveria ter mudado o rumo da política econômica (sic), quando a Dilma assumiu o poder.  A presidente Dilma perdeu oportunidade única de promover mudanças, sobre o plano emergencial implementado pelo presidente Lula, pós crise financeira mundial de 2008.  Mas, não fez.  Hoje, não só Dilma, mas o Brasil vive situação muito grave, poucas vezes experimentado na história, tudo por conta da incompetência da presidente Dilma.

Desde final do ano passado a início deste ano, este blog, tem feitas sucessivas matérias, chamando atenção para o equívoco da política econômica e monetária (sic) do governo Dilma.  Fui chamado de pregador do apocalypse now.  Foi me sugerido de deixar o Brasil, minha pátria amada.  Para não ir muito longe, lembro-me da matéria que escrevi com os títulos: Dilma, urge tomar medidas concretas para tirar o Brasil do atoleiro! em 16/2/2013, seria bom fazer a releitura.  Não sou plantonista dos noticiários do momento, apenas reles cidadão brasileiro que quer ajudar construir o Brasil de amanhã.

Estão certos os hermanos paraguaios, eles estão seguindo a vidinha deles, quietos, mas com crescimento.  Expulso do Mercosul, mas novamente convidado para voltar ao bloco, recusou-se a fazê-lo, pelo menos no momento para não se curvar aos poderosos do continente.  Creio que os hermanos estão com medo de serem contaminados com a onda de pessimismo que assola o Brasil.  Estão certos, os hermanos, que tem projeção de crescer 12,5% neste ano, enquanto o Brasil espera crescer 2,3% segundo Banco Central e 1,5% segundo minha projeção.

Paraguai cresce 5 vezes mais que o Brasil !  Notícia que poderia passar despercebido, se o Brasil não estivesse passando por uma grave e séria crise de credibilidade no mercado financeiro internacional.  Más os jornais dão destaque, porque merece reflexão.  Será que o Brasil está no caminho certo?  Será que não chegou o momento de o povo dizer "basta!" ou "dignidade já!" ? 

Ossami Sakamori

terça-feira, 23 de julho de 2013

Petrobras em crise! Desinveste para poder investir!

Quando falo é porque vejo que a situação não está boa.  Com defasagem do preço dos combustíveis na refinaria, a Petrobras está passando fase difícil e está na fase de enxugamento da máquina.  A Petrobras continua sendo instrumento da política econômica (sic) da Dilma.  Em relação aos níveis de lucratividade, antes da crise de 2008, a Companhia opera com defasagem de entre 20% e 25%, segundo estimativa feita pelos analistas, já considerado o dólar no patamar de R$ 2,25.  Leiam as notícias e na sequência os meus comentários.

A Petrobras decidiu parar sondas terrestres e outras operações na Bahia, no norte do Espírito Santo e no Rio Grande do Norte dentro de seu Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop), que visa economizar R$ 32 bilhões de 2013 a 2016. Fonte: Folha.


A empresa precisa aumentar o fluxo de caixa, que até 2016 deve ficar abaixo de sua necessidade de investimentos de US$ 236,5 bilhões (2013-2017). Hoje, a produção de petróleo em terra perfaz 10% de sua produção total, de 208 mil barris diários. Fonte: Folha.

Comentário.

A Petrobras só não deu prejuízo no primeiro semestre deste ano, em função da gambiarra contábil, feito a toque de caixa, para resolver o prejuízo real da Companhia, postergando a contabilização do ajuste cambial dos seus financiamentos em dólar, no futuro, com eventual fluxo de caixa dos dólares positivos.   Vai demorar esta condição chegar! 

Pelas regras anteriores, a atualização dos empréstimos em dólares teria que ser contabilizado com Ptax do último dia útil do semestre.  Gambiarra bem sucedida, o mercado aceitou como correta, uma vez que apesar dos prejuízos efetivos, vai continuar com a perspectiva de receber dividendos sobre lucros virtuais, camuflados. 

A desmobilização dos campos de exploração em terra, a Petrobras nada mais faz do que desinvestir de um lado para investir do outro lado, nos campos do pré-sal.  Com atual projeção de geração de caixa, não é possível cumprir a meta de investimento de US$ 236 bilhões até 2017, conforme anunciado pela presidente Dilma e amplamente divulgado pelas inserções comerciais da Petrobras nas TVs.  A Graça Foster, sob ordem da Dilma, faz gambiarras tentar cumprir o que fora prometido, mesmo que tenha que "desinvestir".  É coisa para malucos ou para malucas!

É a gambiarra que está correndo livremente.  Para cumprir a meta de investimento nos campos do pré-sal, desinveste em campos terrestres.  Para fazer a jogada de marketing vale tudo.  Desinvestir num lugar para investir no outro.  Isto mostra duas coisas.  A total falta de compromisso com a eficiência e o planejamento, tão apregoado pela presidente Dilma e pela presidente da Petrobras Graça Foster.  Ainda assim, ambas, se consideram as melhores gerentonas do mundo.  Na minha avaliação, só se for no Burundi na África.

E tem gente que acredita nellas.  Tem acionistas minoritários que continuam apostando na "administração eficiente" da Petrobras, tanto quanto apostava na "administração competente" da empresa OGX do Eike Batista.  E nós, povo, otários, continuamos dando apoio à gerentona Dilma Rousseff em suas traquitanas!  

Ossami Sakamori

Novas gambiarras do Mantega! Não se deixem enganar!

Com anúncio de cortes no Orçamento Fiscal em R$ 10 bilhões, o governo Dilma apresenta uma contrapartida de gastos extras de R$ 15 bilhões.  As gambiarras foram anunciadas, curiosamente, no mesmo dia, como que um efeito anulasse outro.  Aproveito para apresentar a vocês o futuro ministro da Fazenda da Dilma, num eventual segundo mandato da Dilma.  Veja o resumo da notícia colhida no tradicional jornal Estadão e na sequência os meus comentários.

O governo desistiu de antecipar recebíveis que o País tem a receber da Usina Binacional de Itaipu até 2023 para auxiliar na engenharia financeira que garantiu o corte na conta de luz. Agora, os recursos para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) virão diretamente do Tesouro Nacional. Isto é, em vez de o dinheiro sair de receitas futuras, ele sairá dos cofres públicos.  Fonte: Estadão.

Comentário.

O governo Dilma tinha decidido antecipar a receita oriundo da participação do governo brasileiro na geração de energia da Itaipu Binacional.  Esta receita está prevista até o ano de 2023, num montante total, no valor de hoje, em cerca de R$ 48 bilhões.  Sobre a antecipação da receita, já foi objeto de matéria já postada aqui.

Em resumo, o Tesouro estava autorizado a emitir títulos vinculados aos recebimentos, no mesmo valor, para injetar na CDE, um fundo que foi criado para o desenvolvimento do setor elétrico.  Os recursos existentes já foram utilizados para indenização das Companhias de energia elétrica, na ocasião e por conta da "redução tarifária" promovido pela Dilma, utilizando-se desse recurso público.  Diga-se de passagem, recurso do povo.  

A redução tarifária de energia, como não poderia ser, não veio do nada, mas do fundo constituído durantes anos e anos pelos consumidores para desenvolvimento do setor elétrico.  O fundo não foi constituído para cobrir a política "populista" da presidente Dilma, só para lembrar.  

Acontece que os formuladores da redução tarifária esqueceram de colocar os custos adicionais que o sistema elétrico está carregando, devido a redução tarifária e congelamento desta, também o custo  das usinas termoelétricas.  O custo de acionamento das térmicas está bastante salgado, com quase totalidade das usinas ligadas, é de certa de R$ 1,5 bilhão mensais.   A ideia da antecipação da receita do Itaipu Binacional seria para cobrir este rombo, não previsto pelos técnicos da Eletrobras e Minas e Energia.  

A ideia da gambiarra foi do secretário do Tesouro Nacional do ministério da Fazenda Arno Augustin, futuro ministro da Fazenda do segundo mandato da Dilma, se ela novamente for presidente.  Houve questionamento sobre a legalidade da operação.  Arno Augustin voltou atrás e Dilma mandou executar a alternativa para o caso, injeção do recurso para a CDE direto do Tesouro Nacional.  De qualquer forma, o custo das térmicas vai ser pago com recursos da CDE.  É uma triangulação, para cumprir requisitos legais. Mas, repito, a conta é dos contribuintes.  

Imagino que o desembolso, apenas para este ano, será entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões, do Tesou Nacional direto para a CDE.  A CDE por sua vez vai mandar para o sistema elétrico cobrir o rombo das térmicas.  O valor é maior do que o corte anunciado dos gastos públicos, pelo ministro da Fazenda, anunciada ontem, fixado em R$ 10 bilhões.  A pergunta é que fica: o ministro está "cortando" ou "ampliando" os gastos públicos, para fechar o Superávit Primário?  

Por aí, pode-se ver que tanto os gastos ou os cortes, são disfarçados nos escaninhos do Orçamento Fiscal da União.  Tudo é gambiarra feito pelo futuro ministro de Fazenda da Dilma, Arno Augustin.   Rio ou choro? 

Ossami Sakamori

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Economia BR, dia 22. Os números que BC manipula!

Economistas reduziram novamente a projeção de inflação e de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (22).  O relatório, elaborado pelo Banco Central, reúne as previsões de cerca de cem economistas de instituições financeiras.  A inflação passou de 5,80% para 5,75% e a estimativa para o PIB, de 2,31% para 2,28%, a décima queda consecutiva. Fonte: Folha.

Comentário.

Essa previsão dos economistas respaldada pelo Banco Central do Brasil, causa mais estrago do que benefício.  Muda a cada momento.  Agora, deu de projetar inflação para 5,75% abaixo do teto da meta do Banco Central que é de 6,5%.  A projeção de PIB que era de 3,5% no início do ano, já pela enésima vez, baixa para 2,28%.  Eu não sei donde eles tiram estas projeções.

Hoje, dia 22 do momento que comecei cronometrar a crise brasileira, pós manifestações das ruas do mês de junho.  Ainda mantenho minhas projeções sobre os índices para o final do ano de 2013, assim como segue:

PIB de 2013:                     1,5%
Inflação do ano:                9,0%
Selic em dezembro:          9,5% 
Dólar em dezembro:  R$ 2,40                        

Como faz o Banco Central do Brasil, vou ajustando os números conforme o quadro da economia brasileira e mundial vai mudando.  Por enquanto, nenhuma medida tomada pelo governo e nem tampouco o quadro da economia mundial, altera as minhas projeções.  Assim como faz Banco Central, os números são baseados na evolução da economia, no dia a dia.  

De modo geral, o Banco Central do Brasil, prega números otimistas, para ver se o mercado acompanha na economia real.  Uma mentirinha para ver se pega.  Os meus números são retratos da verdade, a deles, baseado no pensamento dos operadores financeiros do governo Dilma, o ministro Mantega e presidente do BC, Alexandre Tombini.

Nada há no horizonte, motivos que justifiquem tamanho otimismo por parte dos agentes do governo Dilma.  Por enquanto, vamos acompanhando os números apresentados por mim, que será mais prudente. 

Ossami Sakamori

Dilma vai ensinar papa Francisco a rezar missa!

A presidente Dilma, com diversas manifestações nas ruas contra o governo dela e popularidade despencando, não se emenda, continua com a sua soberba de querer dar aulas para diversos chefes de nações.  No caso do papa Francisco, vai ensiná-lo rezar a missa.  Dilma vai dizer que Brasil erradicou as populações miseráveis do país. Vai dizer que temos expertise para dar e vender, sobre erradicação da miséria, justamente para o papa.  

A presidente Dilma Rousseff vai propor hoje ao papa Francisco apoio a projetos internacionais de combate à pobreza e à exclusão social, como iniciativas voltadas para o continente africano. Fonte: Folha. 


O tema fará parte da conversa reservada da petista com o pontífice, na qual Dilma dirá que o governo brasileiro e o Vaticano podem unificar ações internacionais nessas duas áreas, citando as medidas que o Brasil já desenvolve em relação à África. Fonte: Folha.

Comentário.

Creio inoportuno a conversa que a presidente Dilma, divulgado pela equipe de marketing sobre o tema a ser tratado em conversa reservada.  É tão reservada que 195 milhões de brasileiro está sabendo de antemão, o teor da conversa, pela equipe de marketing da Dilma.

Dilma continua achando que R$ 70,00 per capita mês do Bolsa Miséria resolveu a condição de miséria da população.  Só se Dilma consegue sobreviver com os R$ 70,00 per capita mês, porque já fiz milhões de contas e todas elas demonstram a insuficiência do recurso para ter uma vida digna.  O valor equivalente a US$ 1.00 per capita mês, pode resolver a miséria no país como Bangladesh, mas não no Brasil.  Aqui pode servir como complemento de uma renda do subemprego, mas não acaba com a miséria.

Chega a ser ridícula o tema do conversa Dilma propõe ter com o papa Francisco.  Antes, Dilma propusesse erradicar a miséria no Brasil.  Poderia propor ação conjunto para atender as populações mais carentes do País.  Quem conhece a periferia sabe que o Estado brasileiro não chega nas comunidades mais carentes.  As UPAs, tão faladas pela Dilma, estão longe de atender a necessidade da população, isto quando tem.  

Infelizmente, a idealizadora dos serviços de atendimento aos recém nascidos, o Pastoral da Criança da Igreja que o papa Francisco representa, veio contribuir na redução do índice de mortalidade infantil, Zilda Arns não está presente entre nós.  Zilda Arns desenvolveu programa de voluntariado, que ajudou na redução da mortalidade infantil nos rincões do Brasil, com custo de R$ 1,00 per capita mês.  

Fiz referência ao Pastoral da Criança, pela oportunidade.  Quem sabe, poderia ser o tema central com o papa Francisco, já que o programa deu certo aqui no Brasil.  Zilda tinha sonho de que o programa de atendimento à população materno-infantil tornasse programa do Estado.  Infelizmente, ela faleceu antes de ver concretizado o seu sonho.  Para quem não a conheceu, ela é irmã do dom Paulo Evaristo Arns.  

Poderia fazer também do tema da conversa com o papa Francisco, papel importante que as Comunidades Eclesiais de Base, ligados sobretudo à Igreja Católica, que espalharam sobretudo nos anos 1970/80.  Quem não se lembra de Dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo ter lutado junto aos trabalhadores do Brasil, sobretudo os metalúrgicos de São Paulo, como Lula, para conquistar a liberdade democrática e dignidade para classe trabalhadora.

Quem sabe, a presidente Dilma, propusesse uma outra cruzada, a de combate à corrupção que assola o País.  Que Dilma pusesse para o para Francisco parcerias para combate efetivo da miséria no País.  Que propusesse ampliação da parceria no sistema de saúde, com as Santas Casas do Brasil a fora.  Quem sabe, propusesse parceria no combate ao analfabetismo funcional.  Temas, não faltariam, se a presidente efetivamente pensasse no Brasil  

Presidente Dilma, prefere numa ocasião como essa, num país que 57% da população comunga fé da Igreja Católica, que tem eco, falar da África.  Nem o presidente Obama, que é negro, ousaria propor um programa semelhante no continente africano.  O problema lá são outros, não só de miséria.  Tratar do tema África, na visita ilustre ao Brsil, é de no mínimo inoportuno, sobretudo no momento que a crise está explosivo no Brasil.  Nem sequer sabemos como o povo vai se comportar com a visita do papa Francisco.  

Uma coisa é certa, é totalmente inconveniente, sem graça, inoportuno e ridículo ensinar o papa Francisco rezar missa! 

Ossami Sakamori

domingo, 21 de julho de 2013

Caso Eike Batista. Cadeia nelles!

Infelizmente, devo continuar com o assunto do Eike Batista.  As notícias plantadas pelo BNDES e Eike Batista dão conta de que as empresas do grupo econômico EBX estão saudáveis a ponto de ter renovações das dívidas vincendos a curto prazo serem renovados, quase que automaticamente, num montante que beira R$ 1 bilhão, conforme colocado na matéria de ontem.

Lembrando que este blog já tinha anunciado a falência das empresas do Eike Batista, havia 3 meses, antes dos escândalos que vierem ocupar as manchetes dos principais veículos de comunicação.  Uma simples análise dos balanças, analiticamente, deu para diagnosticar o estado falimentar da empresa OGX, carro chefe do grupo EBX.

O empresário afirma ter recebido propostas pela OGX tanto por fatias quanto pelo controle a partir de uma avaliação de US$ 30 bilhões e que colocou mais de um US$ 1 bilhão do próprio bolso na empresa.  "Eu perdi e venho perdendo bilhões de dólares com a OGX", admite Eike.  Fonte: Estadão.

Foi o que deu no tradicional jornal Estadão.  Para uma avaliação rápida de números, pelos meus leitores leigos, vou colocar na sequência grosso modo os valores em reais e o diagnóstico das consequências que deles provém.

O próprio Eike Batista disse que a OGX teve valor no mercado de grosso modo R$ 60 bilhões e que ele teria colocado do seu dinheiro próprio R$ 2 bilhões.  A empresa OGX, pela média das últimas cotações vale no mercado R$ 1,6 bilhão.  E eu continuo achando que, ainda assim, está valendo muito.  Uma empresa falida, em insolvência, não vale nadica de nada, no meu entender.  

Bem, se o Eike Batista colocou R$ 2 bilhões, segundo afirmação dele próprio, see vender hoje sua participação na Bovespa, ele levanta cerca de R$ 1 bilhão.  Para quem investiu R$ 2 bilhões e receber R$ 1 bilhão o prejuízo não é tão alto.  Ele não perdeu os R$ 60 bilhões como ele afirma ter perdido.  A realidade é outra.

Os minoritários da empresa OGX representa cerca de 40% das ações, o que corresponderia no auge, em torno de R$ 24 bilhões, segundo número fornecido pelo próprio Eike Batista.  Numa das matérias anteriores eu já tinha citado um número bem próximo desse valor, portanto bate o que ele falou.  Acontece que se os minoritários quiserem vender as ações hoje, embolsaria uma bagatela de R$ 600 milhões.  Para conjunto de pessoas que investiram R$ 24 bilhões o prejuízo é total.

Se o assunto OGX ficasse restrito ao foro privado, não estaria este blogueiro, insistentemente noticiando sobre o efeito Eike Batista.  Para mim, se ele ganhou dinheiro ou perdeu dinheiro, não vem ao caso.  Se os minoritários acreditaram no fanfarrão menino Eike Batista, em tese, foi porque eles quiseram, tanto quanto o empresário, apostar na aventura que era visível para qualquer analista de mercado.  Como pequeno investidor que sou, nunca comprei 1 ação sequer de qualquer das empresas do Eike Batista.  Os castelos de papel, não me cheiravam bem.

O que é grave nesta questão, não é o que Eike Batista perdeu, enfim o assunto é de foro privado dele, mas sim o que o BNDES vai perder com o grupo Eike Batista.  O número apresentado pelo BNDES é de R$ 10,4 bilhões, cujas garantias são, em sua maior parte, são de ações das próprias companhias que compõe o grupo econômico.  Como grupo econômico está em estado de falência, podemos afirmar que as garantias simplesmente desapareceram, nestas condições o BNDES perderá os R$ 10,4 bilhões emprestados ao Eike Batista.  

É onde está o povo nesta história.  Bem, o povo vai pagar o prejuízo de R$ 10,4 bilhões do Eike Batista, porque o BNDES é 100% do governo federal.  O nosso dinheiro, o meu, o seu, o nosso que compõe o patrimônio do BNDES, portanto quem paga o eventual e quase certo prejuízo do Eike Batista somos nós contribuintes.  Os 195 milhões de pessoas, vai arcar com o prejuízo do empresário estelionatário. 

Tudo bem, o prejuízo nós vamos pagar, porque não tem outra saída. Mas tenho enorme desejo de que os fatos sejam apurados pelas instituições da República e que os responsáveis pela operação, o presidente Lula, a presidente Dilma, o ministro Guido Mantega e o presidente do BNDES sejam responsabilizado pelos crimes de gestão temerária e de peculato.  Prejuízo de R$ 10,4 bilhões nós pagamos, mas queremos ver os nominados sejam responsabilizados.

Achei no dever de publicar mais esta matéria até porque os meus leitores já estão ficando com "peninha" do "bom menino" Eike Batista e estão começando achar que os gestores públicos nominados acima agiram de "boa fé" no episódio.  Pode isso?  Cadeia para eles!

Ossami Sakamori

sábado, 20 de julho de 2013

EIKE BATISTA. Que decretem a falência das suas empresas!

O BNDES e o Eike Batista anunciaram as renegociações das dívidas do grupo grupo econômico EBX, de curto prazo, num montante para não botar nenhum defeito, no valor de R$ 918 milhões, quase R$ 1 bilhão, que vencem nos meses de agosto e setembro deste ano.  São os empréstimos denominados de "empréstimos pontes" que as instituições financeiras fazem aos tomadores enquanto aguarda a conclusão de um empréstimo definitivo maior.

O assunto não seria estranho se renovações destes empréstimos pontes fossem com as empresas do porte e solidez como Votorantim, CSN ou Gerdau, por exemplo.  Acontece que o BNDES, que é banco de fomento federal, já anunciou que vai fazer as renovações com as empresas do grupo do Eike Batista, sabidamente em estado falimentar.  Prorrogar para manter as empresas do Eike Batista em estado de adimplência perante o sistema bancário, esperando socorro dos presidentes Lula e Dilma, deve ser o objetivo.  

Leiam as notícias da Folha e na sequência os meus comentários.

O BNDES aceitou renegociar com o empresário Eike Batista parte das dívidas de suas empresas com o banco estatal de fomento. Uma parcela de R$ 400 milhões referentes a um empréstimo que irá vencer em 15 de agosto será possivelmente prorrogada. Fonte: Folha.

Segundo a OSX, a "rotina da gestão financeira da companhia inclui o equacionamento de dívidas de curto prazo, cujo cronograma de vencimentos vem sendo quitado ou reescalonado", numa negociação que envolve o BNDES e outros bancos. Fonte: Folha.

A LLX está em negociações avançadas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para ganhar mais prazo em um empréstimo-ponte de R$ 518 milhões que vence em setembro, informou a empresa nesta sexta-feira (19). Fonte: Folha.

Em 15 de julho, o banco de fomento afirmou que "termos dos contratos entre as companhias de [empresário Eike] Batista não são de maneira nenhuma diferentes da prática comum do BNDES".  Fonte: Folha.

Comentário.

Imagine se esta situação descrita estivesse acontecendo com qualquer outra empresa brasileira.  Certamente, no estado de saúde que está o grupo, o BNDES não daria a prorrogação dos empréstimos.  Deixaria correr e quando da inadimplência executaria as garantias oferecidas.  Nos bons tempos do BNDES, na época de gestão séria, isto que viria a acontecer aos grupos do Eike Batista e também com o grupo dos empresários Joesley e Wesley Batistas. 

Primeiro de tudo. Os empréstimos que o BNDES alega ser uma operação normal, não são.  O BNDES é banco de fomento e de desenvolvimento do País, até aí, tudo bem.  Acontece que o BNDES financiou projetos no valor expressivo, para o mesmo grupo econômico, num montante de R$ 10,4 bilhões, em cima de projetos castelos de papel.  O BNDES financiou projetos do Eike Batista em diversos setores, sem que as empresas tivessem experiências anteriores no setor para qualquer uma das atividades contemplado com os financiamentos.  Aliás, numa operação inédita, o BNDES financiou empresas "zero quilômetro", que não tinham nenhum faturamento.  Não tinha e não tem.

O segundo ponto importante a destacar nos empréstimos concedidos ao grupo Eike Batista é que as garantias exigidas para os financiamentos bilionários, R$ 10,4 bilhões, são as próprias ações do mesmo grupo econômico.  É coisa inédita isto. Assim, até eu quero tomar R$ 10 bilhões, emprestado! Que conversa fiada isso! Conversa de estelionatários!  Conversa de gângsters! 

As tais garantias de fianças bancárias alegadas pelo BNDES e Eike Batista, todo mundo sabe que são discutíveis.  Quem as emitiu, certamente, se inadimplente o grupo Eike Batista, não vai honrar, baseado na negligência de análise do próprio BNDES.  Enfim, as fianças bancárias vão para o lixo.  As ações do mesmo grupo que estão a garantir os empréstimos não estão valendo nada, por motivos óbvios.  Então, o BNDES, em termos chulos falamos que estará com bunda para fora!

Se, efetivamente tornar concreta a renovação dos tais empréstimos, o Luciano Coutinho do BNDES e os membros do Conselho de Administração do BNDES deverão ser processados pelo crime de "gestão temerária" e no meu entender pelo crime de "peculato", uma vez que está evidente que existe conluio dos agentes públicos na própria concessão dos empréstimos e agora para tentar salvar situação de insolvência do grupo Eike Batista por via não tão convencional.  Operação 171.

O processo normal nos casos como as das empresas do Eike Batista é a recuperação judicial.  A solução deverá vir do consenso entre os credores do grupo Eike Batista, dentro das regras e trâmites que a legislação exige para o caso.  A conta é salgada, vai sobrar para os contribuintes pagar a conta do Eike Batista para com o BNDES, montante de R$ 10,4 bilhões acrescidos de despesas judiciais cabíveis.  Melhor, contribuinte pagar os R$ 10,4 bilhões, do que pagar muitas vezes mais, deixando o processo de estado falimentar prolongar por período longo.

Solução é simples, que decrete a falência das empresas do menino Eike Batista e acabar com a lenga lenga e intermináveis justificativas injustificáveis. Vamos pagar o prejuízo, R$ 10,4 bilhões, mas queremos que prendam os responsáveis pelos empréstimos!  Que os mandantes sejam responsabilizados, seja quem for, do mais baixo ao mais alto escalão da República.  Vamos ver, onde vai parar isto.  Não aguento mais pagar conta dos bandidos! Socorro! 

Ossami Sakamori

Economia BR, dia 20. O que muda e o que não muda.

Hoje, dia 20, do mês de julho do ano de 2013.  O mês de junho foi mês de manifestações das ruas que mudou o rumo do País e da economia em específico.  Os primeiros 5 meses deste ano, foi marcado pela inflação atípica no setor de alimentação, o que ocasionou a aceleração da inflação oficial do País.  Após as manifestações das ruas o Brasil não é mais o mesmo.  

Estou acompanhando de perto, o quadro da economia, dia a dia, para poder transmitir aos meus leitores minha opinião particular sobre o assunto.  Quase sempre, a minha visão sobre a economia brasileira e sobre projeções dela para próximos meses tem divergido das afirmações do Palácio do Planalto.  Vamos analisar hoje, ponto a ponto, questões respondidas pelo ministro Mantega à agência Reuters, publicados no tradicional jornal Folha de São Paulo. 

Para melhor compreensão, vou reproduzindo os trechos da matéria do jornal Folha e na sequência o meu comentário.  Como sempre faço, as matérias extraídas do jornal estão em formato itálico e meus comentários em formato normal.

A economia brasileira pode crescer entre 2,5% e 3% em 2013, afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, diante de um cenário de instabilidade que abateu os mercados recentemente e depois das manifestações populares que eclodiram em todo o país. Até então, as contas dele apontavam para expansão do PIB (Produto Interno Bruto) de 3%.  Fonte: Folha.

O ministro Mantega trabalha com pressuposto de que a economia vai crescer no segundo semestre no mesmo ritmo do primeiro  semestre, no que divirjo.  A economia brasileira, está entrando em compasso de espera, sobretudo em função dos acontecimentos do dia 30 de maio, dia do cão e das manifestações de ruas ocorridos no mês de junho.  Estou cravando projeção para 2013, hoje, do PIB para 2013 em 1,5%.  Torço para que a minha projeção esteja errada.

Disse ministro Mantega. O IOF incide sobre várias coisas, inclusive sobre o crédito... Estava dizendo quais são os tributos que podem ser recompostos, mas eu não vou antecipar porque isso interfere no mercado. No caso do IPI, já tem uma programação. Fonte: Folha.

Pela resposta dada à agência Reuters, está claro que haverá aumento de IOF no sistema de créditos e aumento de IPI pontualmente e programadamente.  A consequência do aumento de impostos acaba gerando inflação pelo lado do custo.  É um ingrediente a mais para consideração da inflação no ano de 2013.

Vamos colocar as coisas em seus devidos termos. O que abalou a confiança dos mercados ultimamente foi a ação do Fed (banco central americano) e, que criou um estresse financeiro na economia mundial quando começou, de forma não muito organizada, a anunciar que iria desativar os estímulos monetários. Aqui (no Brasil) não faltava confiança. Afirmou o ministro Mantega. Fonte: Folha. 

Essa mania do governo Dilma de culpar os outros, nesse caso dos EEUU, pelos fracassos nossos já virou lugar comum.  A própria presidente Dilma é campeã neste assunto.  Se antes culpava a Angela Merkel, agora põe culpa no Obama.  Isto é mais do que declaração da incompetência em administrar a economia brasileira. O foco principal da falta de confiança do mercado financeiro com relação ao Brasil reside na evidente falta de plano econômico (sic) consistente e de longo prazo do governo Dilma.  Já comentei neste blog, as medidas contraditórias tomadas pela Dilma, muitas vezes, em momentos simultâneos, numa atitude bipolar. demonstra claramente a falta de rumo.

Disse Mantega. No início, o Fed foi pouco claro na trajetória, muitos diretores falaram ao mesmo tempo, às vezes em direções confusas e contraditórias, mesmo a ata do Fed não era clara, dava margem a várias interpretações. Na quarta-feira, Bernanke fez pronunciamento mais claro dizendo que não iria necessariamente diminuir estímulos no curto prazo... Com isso os mercados se acalmaram. Porque quando há volatilidade no câmbio, isso atrapalha todos os negócios.  Fonte: Folha. 

Essas afirmações do ministro Mantega mostra claramente que a economia brasileira ou a política econômica brasileira depende muito dos fatores externos, ao contrário do que a Dilma diz.  Sempre tem o causador dos nossos males.  Hoje são EEUU, ontem era os europeus, amanhã será a China.  A Dilma, nunca vai admitir a sua incompetência em administrar a nossa economia.  Para Dilma, sempre haverá a quem destinar a causa dos nossos males.

Os câmbios dos países emergentes não voltarão aos patamares anteriores, ficará todo mundo com um câmbio um pouco mais desvalorizado do que estava antes do início dessa turbulência e teremos competitividade maior para exportamos para os EUA, disse Mantega. Fonte: Folha. 

Com a declaração, o governo Dilma, dá sinais de que o dólar fixou como piso a atual cotação do dólar, que está girando em torno de R$ 2,25.  Diante da afirmação, fica bem factível a minha projeção de câmbio para dezembro deste ano em R$ 2,40.  

Diante das declarações do ministro Mantega, mantenho as minhas projeções sobre economia já feitas anteriormente:

PIB do ano de 2013:                           1,5%
Inflação anualizada em dez de 2013:   9,0%
Selic em dezembro de 2013:               9,5%
Dólar no fechamento do ano:          R$ 2,40

Economia BR, dia 20. As minhas projeções continuam as já feitas no início do mês.  Como faz, o Banco Central do Brasil, este blog, também, vai as ajustando conforme o andamento da economia e a cada fato novo ou cada medida nova.

Ossami Sakamori