Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

JBS/Friboi. ROBERTO CARLOS & Cia vendem carnes Friboi

O grupo JBS/Friboi apelou de vez por toda.  O grupo, contratou o cantor Roberto Carlos, por cachê não revelados e os atores globais Fátima Bernardes, Tony Ramos e Ana Maria Braga, respectivamente por R$ 5 milhões, R$ 3 milhões e R$ 1 milhão, mensais, para fazer propagando dos produtos do grupo Friboi.  É o começo do fim do JBS/Friboi. As ações da JBS vem caindo na Bovespa.  A apresentadora Fátima Bernardes foi contratada pela agência WMcCann que atende especificamente a Seara, pertencente ao grupo JBS/Friboi. 


Só para lembrar, o grupo JBS/Friboi deve ao BNDES e bancos privados, R$ 30 bilhões, conforme demonstra o balancete de junho de 2013.  O patrimônio líquido da empresa JBS/Friboi, descontado os ativos intangíveis, é de R$ 8 bilhões.  O endividamento está totalmente fora dos padrões normais de uma empresa com boa governança corporativa.  Tal qual tinha acontecido com a OGX do empresário estelionatário Eike Batista.  O Friboi é dos outros Batistas.
O que fica evidenciado é de que a empresa JBS/Friboi tem seu índice de alavancagem em relação ao patrimônio líquido fora dos padrões de grandes corporações com ações na Bolsa de Valores. 

Além de tudo, o endividamento junto ao BNDES, dentro do programa PIS, com juros subsidiados, está concentrado demais para um grupo empresarial só, no caso JBS/Friboi.  O grupo JBS/Friboi tem sozinho, cerca de 5% do valor total de recursos do programa PIS - Programa de Investimentos Sustentáveis.  Este programa, eu o denomino de Bolsa Empresário, porque o Tesouro toma no mercado dinheiro pagando taxa Selic (hoje, 10,75%) e empresta aos empresários à uma taxa média de 3,5% ao ano. O Tesouro e ou BNDES paga a diferença de juros de empréstimos concedidos aos empresários bolsistas.

Além do setor de carnes, o grupo dos Joesley Batista e Wesley Batistas, está pedindo recuros de R$ 2,8 bilhões aos fundos de pensão Previ, Petros e Funcef para dobar o tamano da Eldorado, indústria de celulose controlada pela família Batista.  Além dos recursos dos fundos de pensão, a Folha, noticiou que os Batistas tem pretensão de emprestar R$ 4,8 bilhões do BNDES e do fundo de desenvolvimento regional do Centro Oeste.

Como foi dito por mim, numa das matérias anteriores ao grupo JBS/Friboi, o envolvimento do grupo dos irmãos Batistas com os poderes da República, está mais do que evidente.  O "modus operandi", tanto no aspecto empresarial como na vida particular dos irmãos Batistas se assemelha muito com outro Batista, o empresário estelionatário Eike Batista que levou a empresa OGX a situação de recuperação judicial, a falência.  

Não há como negar que o grupo JBS/Friboi é favorecido aos financiamentos subsidiado do BNDES, com interferência direta dos poderes da República de antes, o Lula e da atual, Dilma.  Muitos que são favoráveis à administração Lula & Dilma, dizem que tomar dinheiro emprestado do BNDES é uma operação normal.  Normal seria, se não houvesse concentração de recursos emprestados a um grupo empresarial e também é anormal a relação endividamento/ patrimônio líquido. Experimento, você pequeno empresário pedir emprestado não o R$ 4,8 bilhões, mas apenas R$ 4,8 milhões.  Com certeza, encontrará muita dificuldade, se conseguir.

Ao que parece, o JBS/Friboi dá a última cartada para tentar recuperar a credibilidade.  Vão lançar o Júnior, o irmão mais velho dos Batistas ao governo de Goiás, bem como, obviamente financiar a campanha da Dilma Rousseff para presidência da República.  Para alcançar o objetivo, vão contar com a credibilidade do Roberto Carlos para vender coxão mole como picanha.  Além de contar com o concurso dos atores globais Fátima Bernardes, Tony Ramos e Ana Maria Braga para ajudar eleger Dilma Rousseff.  

A coisa deve estar mesmo como na hora da morte para o grupo JBS/Friboi.  Ter que vender os seus produtos contando com os prestígios do cantor como Roberto Carlos, além dos atores globais nominados, é porque tenta esconder o maior escândalo de lavagem de dinheiro da América Latina, segundo Tuma Júnior.  Com certeza os artistas nominadas, moralmente, terão que alavancar a candidatura do Júnior para governo de Goiás e ajudar na reeleição da Dilma.

Está na hora do povo acordar com o Friboi!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori
 
                       

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

STF. Mensalão. Liberou geral. Soltem o Fernandinho Beira Mar!

Agora, a coisa escancarou mesmo!  Não existe mais crime de quadrilha!  O STF assim decidiu, hoje, os embargos infringentes dos 8 condenados do processo 470, denominado de mensalão.  Eles foram absolvidos no crime de formação de quadrilha.  Segundo os ministros favoráveis, não houve configuração de quadrilha. 
É uma vergonha odiosa!  Um acinte para qualquer neurônio mediano!  Nem é preciso entender sobre as leis que os fatos narrados no processo mensalão, demonstra que o grupo de réus condenados no processo mensalão, agiam sob orientação do presidente Luís Inácio Lula da Silva e do seu lugar tenente, José Dirceu, o condenado por corrupção ativa e outros crimes conexos.  
Esta história é mais ou menos assim.  Tem coisas que as atitudes não precisam de provas materiais.  Vejamos, por exemplo, um casal entrando num motel.  Qual é a conclusão que chega?  Por certo, o casal não foi jogar baralho ou mesmo tratar de negócios.  O certo é que não precisaria, em tese, de provas materiais para comprovar a relação que houve no recinto.  Isto se chama, associação para crimes.  Tem nexo, pensar que todo processo de compra de votos, via mensalão, fora executados, cada um per si.  Só faltava dizer que os 25 réus do processo mensalão, cada um agia em nome próprio.
Já que para os réus do processo mensalão, não houve crimes de formação de quadrilha, é de pressupor que o Fernandinho Beira Mar e sua turma, agiam cada um separadamente, sem comando e sem coordenação.  No caso do Fernandinho Beira Mar, bastou um caderninho de anotações de um dos traficantes para considerá-lo como chefe de quadrilha e seus subordinados como quadrilheiros.
Já que a lei brasileira deve ser aplicado, segundo os ministros, sempre a favor dos réus, por que não solta o Fernandinho Beira Mar?  Uai, ele é diferente destes outros quadrilheiros do processo mensalão?  Isonomia por isonomia, soltem o Fernandinho Beira Mar, também!  Eles, os ministros que votaram pela absolvição, irão saber o que é bom para tosse!
Ossami Sakamori
@SakaSakamori
 

Brasil da Dilma está no olho do ciclone!

Ainda tem gente que acredita no que fala a presidente Dilma sobre a situação econômica do Brasil.  Paciência.  O povo prefere acreditar no que a imprensa divulga e o que a presidente da República diz.  É tudo meia verdade ou mentira inteira.  É tudo jogo de marketing político para Dilma se reeleger em 2014.

Pior, o pior de tudo que o povo acredita.  Só pode ser isto, porque segundo a Data Folha, a Dilma ganha eleições no primeiro turno.  Ou segundo Ibope, Dilma teria 39% de preferência dos eleitores, no primeiro turno.  Não, não são beneficiários do programas sociais do governo, o Bolsa Miséria.  São agentes do governo federal, os economistas e jornalistas de plantão no Palácio do Planalto que fazem o povo acreditar no País das maravilhas.  

Os tais agentes e além de um enorme cordão de puxa sacos, que incluem, economistas renomados, analistas de mercado, empresários beneficiários dos Bolsas Empresários, são os que estão fomentando o falso otimismo.  Estão fazendo o jogo para reeleger a Dilma, para não perder a boquinha da mamata.  E a imprensa, de modo geral, vai atrás.  O Brasil é país das maravilhas!

Nestes 3 últimos dias, aconteceram fatos que por si só, demonstram a fragilidade da economia brasileira.  Demonstram que o quadro da economia é grave.  Eu disse, o quadro da economia brasileira é grave!  Só para citar 3 fatos, entre tantos que já enumerei vários em várias matérias postadas neste blog.  Então, aos 3 fatos.

As ações da Petrobras, no fechamento de ontem, esteve cotado a R$ 13,68 os papeis PN.  Só para lembrar que o papel esteve cotado a R$ 54,00 pré crise financeira de 2008.  Isto é apenas sintoma da doença acometida pela Petrobras.  A Petrobras está pagando pelo erro sistêmico da política econômica (sic) da Dilma.  A Petrobras está bancando a defasagem de preço entre o mercado internacional do petróleo e o que vende nas refinarias.  Combustíveis são preços administrados pela Dilma para segurar a inflação.  Agora, está explodindo no colo da Companhia.  

As ações da Vale, também, despencaram.  Dizem que é motivo privado da Vale.  Em parte, pode ser.  Em parte, por conta da assunção do tributo que estava sendo discutido na justiça, mas assumido no final de 2014, aderindo ao programa Refis.  Muito, por conta da menor demanda por parte dos chineses.  Mas, o grande problema, não só da Vale, mas de várias empresas exportadoras está na defasagem do câmbio.  Dentro do equívoco da política econômica (sic) da Dilma, está a desvalorização do dólar.  Com o dólar desvalorizado as empresas brasileiras perdem competitividade no exterior.  A desvalorização do dólar ou valorização do real, faz parte da política de "sensação de poder de compra" da Dilma.

Ontem, o Banco Central, anunciou o aumento da taxa Selic para 10,75% ao ano, no mesmo patamar do início do governo Dilma.  Com inflação corrente, no patamar de 6%, segundo o próprio governo, o Brasil paga o maior juro real do mundo, tirando os países do terceiro mundo.  Basta fazer a conta: 10,75% - 6% = 4,75%.  Isto é o Brasil paga 4,75% de juros reais.  Eu já disse 500 vezes que o juro Selic não é remédio para inflação, mas termômetro da economia.  Então, é mentira, o que a Dilma diz.  Dilma diz que a economia do País está sob controle.  Sob controle onde, Dilma?

Bem, para não ser cansativo, vou ficar nestes 3 motivos.  Os demais, ou já disse inúmeras vezes ou serão dito em matérias separadas. Diante dos fatos, posso afirmar, sem constrangimento e sem possibilidade de erro, que a economia do Brasil está cada vez mais feia!  Onde vai parar não sabemos.  Só sabemos que estamos no olho do furacão.

Ossami Sakamori
@SakaSakamori


quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Economia BR em frangalhos!

Um leitor deste blog reclamou que não escrevo mais matérias consistentes sobre os temas nacionais.  Ele, o leitor que reclamou no espaço de comentários, tem toda razão.  Continuarei a escrever neste espaço os meus pontos de vistas sobre os temas árduos, sim.  Temas que a mídia vende meia verdade, mas esconde a outra metade para a população.  Infelizmente, todos vão atrás, de agentes do governo, analistas do mercado, empresários e articulistas de renome. Não dão muita pelota para os meus artigos.  

Eu acompanho o mercado financeiro global, há anos!  Poucos analistas do mercado, tem visão que eu tenho.  Eu a tenho, não pela minha visão aguçada ou pela minha inteligência (sic).  Não, não sou excepcional.  Muito contrário, sou medíocre, no mundo de negócios.  Não sou R$ bilionário como muitos são.  Mas, eu tenho formação universitária.  Não sou acadêmico, mas sou da academia da vida.  

Milito, como cliente e ou operador do mercado desde 1971.  Já vi, quase tudo que aconteceu no mundo moderno.  Só não vi acontecer a crise financeira mundial de 1929 e a reunião da cúpula dos grandes em Bretton Woods em julho de 1944. Por coincidência nasci no mesmo mês e ano do ano do acordo que celebrou as Regras de Relações Comerciais e Financeiras entre os países.  O acordo vigora até hoje.  Pela vontade divina, estou ainda vivo, junto com as Regras.

Vem esses babacas, os analistas econômicos e os jornalistas de plantões nos Palácios do Planalto e Papuda, dizerem que a economia do Brasil está em caminhando sob controle.  Não, não está!  A economia brasileira está em frangalhos!  Não, não é de hoje que venho alertando sobre este momento que vivemos.  Venho produzindo matérias sobre o erro sistêmico da política econômica do governo Dilma, desde inauguração deste blog, isto é, desde fevereiro de 2012.  E adiantou alguma coisa?

As últimas notícias na economia são graves para o País.  Déficit comercial, a maior dos últimos 20 anos!  O endividamento bruto do governo, a maior dos últimos 20 anos!  A previsão de crescimento do PIB, divulgado pelo Banco Central, recuando a cada boletim.  A previsão de inflação para o ano de 2014, cada vez maior, a cada boletim.  Só falam de reserva cambial alto, mas não fala da dívida externa do País.  Eu nem sei como o Planalto consegue produzir tantas notícias espumas, para os plantonistas do Planalto reproduzirem!

A última notícia é sobre a reunião de cúpula entre Mercosul e União Européia.  A Dilma fala como se o acordo está prestes a ser celebrado, mas é tudo espuma.  Levou, ao contrário, o pito da União Européia sobre a renúncia fiscal R$ bilionários da Zona Franca de Manaus.  O que ficou acertado é uma reunião técnica entre os dois blocos para o mês de março.  Na minha opinião, o acordo se sair, não será em 2014, nem que a vaca tussa! 

A Bovespa, que se chama BMFBovespa, deu demonstração ontem, da fragilidade da economia brasileira.  Os papeis da Petrobras e Vale do Rio Doce caíram novamente.  O patrimônio medido pelas cotações dos seus papeis, a Petrobras vale menos do que a metade do que valia há 5 anos!  Metaaade!  A Vale tem o seu valor patrimonial, grosso modo, menos de 60% do que valia há 5 anos!  Isto não são reflexos do estado das companhias, elas sentem diretamente, na carne, o erro sistêmico da política econômica (sic) da Dilma.  E não vê perspectiva de melhora no curto prazo.

Adiantou eu falar sobre a situação traduzidos em números?  Adiantou eu demonstrar que 2 + 2 = 4?  Não, não adiantou.  Não adiantou, porque ninguém deu bola para este blogueiro mequetrefe!  Preferem acreditar no Estadão, na Folha, no Valor, no Exame, etc.  Mas, uma coisa é certa.  Vocês já perceberam que a mídia noticia fatos que já contei antes aqui neste blog?  Quando li a última Veja, dei risada, de satisfação, as notícias sobre JBS/Friboi que eu já tinha opinado e postado neste blog mequetrefe há mais de 1 mês!

Pelo amor de Deus! Parem de me chamar atenção de que eu não produzo matérias atualidade da economia e política brasileira!  Tudo que escrevi aqui, são 1.093 matérias, estão na mesma linha es ão sobre economia e política brasileira.  Normalmente, em posição mais radical do que a grande mídia e muitas vezes em posição antagônica. Não posso ficar batendo no mesmo teclado todos os dias.  Chega um dia que me cansa fazê-lo e cansa os leitores deste blog.  Vale sim, alguns pit stop para acalmar os nervos.  Não sou máquina, sou ser humano, também! 

Obrigado, amigos, pela paciência de me aguentar!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori




O ESQUERDISTA, quem é ele?

Este material me foi enviado por um colaborador, reproduzo na íntegra para não perder a originalidade.  A autoria deste pode ser um nome verdadeiro ou apenas um pseudônimo, que não vem muito ao caso.  De qualquer forma, estou dando crédito ao autor, seja nome verdadeiro ou pseudônimo.  

Isto se chama sátira ao que se vê no mundo político brasileiro, em menor ou maior grau, do que é narrado aqui.  Vamos à sátira.  

Por Anatoli Oliynik

O esquerdista é um doente mental que precisa de ajuda e não sabe. Um sujeito miserável que necessita da piedade humana.  Mas cuidado com ele. Por ser um ser desprezível, abjeto, infame torpe, vil, mísero, malvado, perverso e cruel, todos sinônimos é verdade, mas suficientemente para definir seu verdadeiro perfil, ele é perigoso e letal.

É um sociopata camuflado, um psicótico social que imagina ser Deus e centro do mundo. Na sua imaginação acha que é capaz de solucionar todos os problemas da humanidade e do mundo manifestado, mas que na verdade quer solucionar os seus próprios, que projeta nos outros para iludir-se de ser altruísta.

É um invejoso. A inveja é a sua marca registrada. Sente ódio doentio e permanente pelas pessoas de sucesso, notadamente aquelas realizadas financeira e economicamente. O sucesso alheio corrói suas entranhas. É aquele sujeito que passa pelo bosque e só vê lenha para alimentar a fogueira de seu ódio pelo sucesso alheio.

É um fracassado em todos os sentidos. Para justificar o seu fracasso busca desesperadamente culpados para a sua incompetência pessoal, profissional e humana. No seu conceito, a culpa é sempre dos outros, nunca atribuída a ele mesmo. É um sujeito que funciona como uma refinaria projetada para transformar insatisfações pessoais e sociais em energia pura para promover a revolução proletária.

É um cínico. Não no conceito doutrinário de uma das escolas socráticas, mas no sentido de descaramento. Portanto, um sujeito sem escrúpulos, hipócrita, sarcástico e oportunista. Para justificar seu fracasso e sua incompetência pessoal, se coloca na condição de defensor do bem-estar da sociedade e da humanidade, quando na verdade busca atender aos seus interesses pessoais, inconfessos. Para isso, se coloca na postura de bom samaritano e entra na vida das pessoas simples e desprovidas da própria sorte, com seu discurso mefistofélico.

É um ateu. Devido a sua psicose, já comentada anteriormente, destitui Deus e se coloca no lugar d’Ele para distribuir justiça, felicidade e bem-estar social, solucionar todos os problemas do mundo e da humanidade, dentre outros que-jandos. É um indivíduo que tem a consciência moral deformada e deseja, acima de tudo, destruir todos os valores cristãos e construir um mundo novo, segundo suas concepções paranóicas.

É um narcisista. A sua única paixão é por si mesmo, embora use da artimanha para parecer um sujeito preocupado com os outros, no fundo não passa de um egoísta movido pelo instinto de autoconservação.

É um niilista. Um sujeito que renega os valores metafísicos divinos e procura demolir todos os valores já estabelecidos e consagrados pela humanidade para substituí-los por novos, originários de sua própria demência. Assim, ele redireciona a sua força vital para a destruição da moral, dos valores cristãos, das leis etc. Sua vida interior é desprovida de qualquer sentido, ele reina no absurdo. É o “profeta da utopia” e o “filósofo do nada”.

É um genocida cultural. Na sua vasta ignorância da realidade do mundo manifestado, o esquerdista acha que o mundo é a expressão das idéias nascidas de sua mente deformada e assim se organiza em grupos para destruir a cultura de uma sociedade, construída a custa de muitos sacrifícios e longos anos de experiência da humanidade.

Agora que você conhece algumas características do esquerdista, fica um conselho: jamais discuta com um deles, porque a única coisa que ele consegue falar é chamá-lo de reacionário, nazista, capitalista e burguês. Ele repete isso o tempo todo e para todos que o contradizem, pois a única coisa que sua mente deformada consegue assimilar, são essas palavras. Com muito custo ele consegue pronunciar mais um ou dois verbetes na mesma linha aos já descritos, todos para desqualificá-lo e assim expressar a sua soberba.

Os conceitos atribuídos ao esquerdista se aplicam em gênero, número e grau aos socialistas, marxistas, leninistas, stalinistas, trotskistas, comunistas, maoístas, gramscistas, fidelistas, chevaristas, chavistas e especialmente aos membros da família dos moluscos cefalópodes.


Para finalizar, porém longe de esgotar o assunto, o esquerdista é aquele sujeito cuja figura externa é enormemente maior que a própria realidade. Sintetiza o cavaleiro solitário no deserto do absurdo, cuja ambição diabólica é querer mandar no mundo.

Anatoli Oliynik

.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Socialismo é a filosofia do fracasso! por gal. Paulo Chagas.

Antes de ler o pronunciamento do general do Exército, proferido aos seus comandados, que na íntegra, publico, coloco minha posição pessoal, sobre função do Exército brasileiro.  

O Exército tem sua função, claramente, prevista na Constituição de 1988, sendo assim cabe ao Exército, tanto quanto a todos civis, cumprir as determinações legais da nossa Carta Magna.

Discordo de muitos que advogam o retorno do regime militar.  Sou total e absolutamente, contrário à ideia da volta das Forças Armadas, a ocupar Poder Executivo, por mais necessário que pareça estar a exigir.  Nunca mais, quero a volta do regime militar! Nunca mais quero a volta de 1964/1984, triste episódio para história brasileira.  

Nunca mais, nunca mais mesmo!  Não quero a volta do regime militar ou ditadura militar no nosso País, qualquer que seja motivo, a não ser para "dever constitucional e aos interesses daqueles de onde, legitima e legalmente, demanda o poder" como disse o General Paulo Chagas.  Palavras equilibradas do general.  Por este motivo, a transcrição da mensagem dele aos seus comandados.  

Por General Paulo Chagas
em 29/JULHO/2.013 

Caros Amigos.

A chegada do PT ao poder e os dez anos de sua permanência na direção do País criaram, além do caos social, moral e econômico, a incerteza quanto ao futuro das instituições republicanas, uma vez que o partido não deixa de alimentar a intenção de transformar o Brasil numa República Socialista Bolivariana. 

A reação recente da sociedade nas ruas, em que pese o "show da guerrilha urbana" que tenta desvirtuá-la, mostra que o povo deu-se conta dos males que representam para seu futuro o aparelhamento do Estado, do primeiro ao último escalão; o domínio completo do aparato sindical; a concentração de meios, a logística, o treinamento, o dispositivo e o incentivo dados às ações e pretensões dos chamados “movimentos sociais”; a concentração de recursos financeiros, visíveis e invisíveis, nas mãos dos “corruPTos”; a cada vez mais evidente ligação do “ParTido” com o crime organizado; e a coordenação e o controle exercidos pelo Foro de São Paulo sobre os horizontes de seus associados.

Todo este potencial reunido nos induz a considerar a possibilidade e a probabilidade de que grandes tumultos, demonstrações de força, quebra-quebras, greves ilegais e tudo o mais que compõe o repertório destrutivo da esquerda radical venham a ocorrer, se as pesquisas de opinião indicarem com clareza a derrota de Dilma no processo de reeleição. 

O primeiro objetivo do tumulto será inviabilizar o pleito e o segundo será fazer crer aos desavisados e aterrorizados cidadãos de bem que a situação da ordem pública e a "pacificação nacional" dependem da permanência dela e dos corruPTos no poder!

Por imposição do partido, com o aplauso dos parceiros do Foro de São Paulo e com o apoio dos eternos oportunistas, no Congresso e fora dele, e dos “intelectuais orgânicos”, sempre a serviço da enganação, "as eleições serão adiadas até que haja clima favorável e seguro para realizá-las"! Esta conjectura, com certeza, alimenta as mentes insanas dos canalhas que, inebriados pela exacerbação da ambição e pela subestimação da tolerância do povo, imaginam ser possível, desta forma, a instalação definitiva da "ditadura do proletariado" em Terras de Santa Cruz! 

Tratam-se apenas de conjecturas, apocalípticas, é verdade, mas acreditar que haja qualquer tipo de honestidade nos propósitos dos homens e mulheres que integram e apoiam o atual governo, dentro e fora do País, é, também, fugir da realidade.

Seja como for, vale o alerta e fica a imagem como válida também para depois do pleito, pois, se derrotados e contrariados em seus anseios, venderão caro a estabilidade e a governabilidade, como fizeram no Rio Grande do Sul durante a administração de Yeda Crusius. 

Por outro lado, caso sejam ainda vencedores, premidos pelo tempo e pela caótica situação produzida por sua incompetência e reconhecida vilania, tentarão, agravando a desordem e o desmando, consolidar as condições objetivas e, com elas, introduzir a componente subjetiva do golpe. 

Em todos os casos, imaginam que a circunstância adversa e a “disciplina” das Forças Armadas farão com que elas, para evitar uma guerra civil, aceitem e respaldem a "solução da casa", ou, no mínimo, que se omitam diante do golpe. Ledo devaneio! 

Conhecendo e confiando em meus comandados, sugiro aos que alimentam tais esperanças que façam uma melhor e mais realista do comprometimento das FFAA, porquanto, caso decidam pela quebra das estruturas legais da república, as encontrarão aliadas, como sempre, à democracia, ao seu dever constitucional e aos interesses daqueles de onde, legitima e legalmente, demanda o poder. Em nome deles, elas lhes negarão respaldo e, mais uma vez, frustrarão a traição!


Que Deus nos proteja como protegeu o Papa Francisco durante sua estada no Brasil e que estas "conjecturas" não ultrapassemos limites da presunção! "O socialismo é o evangelho da inveja, o credo da ignorância e da filosofia do fracasso."

Paulo Chagas
General do Exército 





segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

PT é INTERNACIONAL SOCIALISTA!

Matéria enviada por colaborador deste.

Em razão de concordar com o ponto de vista do colaborador e não podendo este pronunciar-se pelo dever funcional, posto aqui para conhecimento dos leitores, assumindo inteira responsabilidade sobre a opinião dada pelo mesmo.  Segue abaixo, o relato. 
Vou relatar algo inacreditável ocorrido na data de ontem (11/02/14) durante uma missão policial pelo NSD/RJ. Tona-se fundamental a análise dos fatos por todos nós. É singular o momento em que vivemos na administração pública.

Fui designado com outros dois policias para realizarmos a segurança física da Ministra Maria do Rosário, Secretaria dos Direitos Humanos. Em que pese o fato da pessoa da ministra, ser de uma gentileza e educação muito pouco comuns nas esferas do Governo Federal, vide o temperamento irascível da atual mandatária da nação.

Ao chegar com a dignitária em uma solenidade pública na sede da OAB/RJ, fomos ao plenário onde seria realizado o o ato inaugural da desapropriação da denominada "Casa da Morte" situado no município de Petrópolis, estado Rio de Jane iro.Essa residência segundo relatos de presos políticos, serviu de base de operações para agentes do DOI-CODI durante os anos 70.

Não entrarei no mérito se ocorreram torturas ou não no local citado.

Após as apresentações de praxe, foram compor a mesa de debates a citada ministra, o presidente da OAB-RJ Wadih Damous, o ex-frei Leonardo Boff, a ex-primeira dama Maria Thereza Goulart e o procurador geral do município de Petrópolis Marcus Vinicius de São Thiago.

Discursos inflamados com conotação ideológica não seriam surpreendentes, até pelo tema central do evento. Em seguida, foi anunciada a apresentação de um coral composto por adolescentes da cidade de Petrópolis. O maestro inicia com um discurso de exaltação ao guerrilheiro argentino Che Guevara e emenda com canções de cunho ideológico. Primeiro uma música lembrando a America Latina, os países libertos do "jugo imperialista" bem ao gosto dos presentes. A segunda música foi a interpretação de Cálice de autoria de Chico Buarque e Gilberto Gil. Aplausos.
Ao término da segunda música, aconteceu o inacreditável. O maestro barbudo (quase um fundamentalista) pede a atenção de todos e brada em alto e bom som, com a sua voz grave, que a apresentação final seria especial. O momento mais esperado. E anuncia a INTERNACIONAL SOCIALISTA.

Surpreendido, fiquei em estado catatônico. Adolescentes da platéia e adultos levantam-se, erguem os punhos cerrados e bradam a plenos pulmões o ode à esquerda. Fiquei envergonhado. Não foi entoado o HINO NACIONAL BRASILEIRO em um evento público, com autoridades representativas de segmentos diversos da sociedade, do judiciário e do executivo.

Por toda a sua história de luta em defesa das garantias constitucionais, a OAB não merecia ser palco de um evento direcionado para um setor sectário e que não me representa. Fico preocupado com os adolescentes envolvidos em uma atmosfera deturpada e com valores míopes. Finalizando o meu relato, o evento foi gravado por emissoras estatais e privadas. Se alguém possui dúvidas da veracidade dos fatos acima, solicitem o vídeo. É chocante!!!
Ou mudamos, pelo voto, a cúpula intervencionista e comunista que ocupa o Brasil, ou seremos engolidos por ela !!!

Anônimo, por dever funcional.

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



domingo, 23 de fevereiro de 2014

Felizmente, estou morrendo... por Osmard Andrade Faria, 91.

Transcrevo abaixo na íntegra, o depoimento do autor do texto abaixo, embora eu não esteja totalmente alinhado com os pensamentos de esquerda e de direita deste País, nem tampouco a favor dos regimes citados no texto.   Mas, vale a leitura para reflexão.  

Por OSMARD ANDRADE FARIA, 91 anos.


           Leio no “Estadão” de hoje, 14 de Dezembro, página 12,
notícia que me atinge como um soco no estômago: “A Escola Estadual Presidente Emilio Garrastazu Médici passou a chamar-se Escola Estadual guerrilheiro Carlos Mariguella”. 
        
           Parece  que estamos chegando ao fim e a República 

Federativa do Brasil também mudará de nome: seremos República Popular Democrática do Brasil, que este é o apelido usual de todos os países comunistas à volta do mundo.

           Passado o impacto, obrigo-me a uma volta ao passado. Como dizia Augusto dos Anjos, “sou uma ameba, venho de outras eras...”. Era ginasiano em 1937 quando Getúlio Vargas implantou o “Estado Novo” e espancou os comunistas que, à soldo de Moscou, tentavam criar na América do Sul um satélite da União Soviética. 

             Foram daquela época o famigerado cavaleiro da esperança Luiz Carlos Prestes, (Em caso de guerra entre o Brasil e a União Soviética, lutarei por eles”),  Harry Berger, Garota, Olga Benário e outros militantes bolchevistas, saía-se recentemente da chamada intentona comunista que buscou arrasar o terceiro regimento de Infantaria da Praia Vermelha com dezenas de oficiais mortos, o Partido Comunista Brasileiro e a UNE (esta, sempre foi no Brasil uma célula do partidão) foram fechados, o país respirou aliviado.

           A partir de 1939, fui radialista e jornalista, escrevendo
para rádios e jornais.  Em 1943 participei da Força Expedicionária Brasileira lutando pela democracia mundial. 
Nos anos de 1951 e 1952, produzi para as rádios Ministério da Educação, Roquette Pinto,  Mauá e uma rede de 48 emissoras no interior do país, uma série de rádio-reportagens sob o título de “Paisagens da Vida”, um teleteatro de contra-propaganda comunista, na qual, com a colaboração de um militar foragido da URSS, Anatoli Mickailovich Granovski, contava as atrocidades que eram sofridas pelo povo soviético nas mãos dos líderes vermelhos Stalin, Lenin e quadrilha. Esses programas foram gravados pelo NKVD de Moscou e de lá veio a ordem para o Tribunal Vermelho do Brasil, vivendo na clandestinidade, me condenando à morte. 

           O DOPS, (Departamento de Ordem Política e Social) do segundo governo do Getúlio, teve ciência do fato. Chamaram-me. Avisaram-me que tinha a vida em perigo. E o máximo que me podiam oferecer eram uma arma e o seu porte, nada mais. Duas vezes tentaram os comunistas matar-me. Meu elenco de artistas era substituído a cada mês, tal a natureza das ameaças que sofriam por telefone.

           Deixei tudo em 1953 quando entrei para a Marinha como
médico. Em 1961 fui transferido para Florianópolis. E aqui, como militar, vivi os episódios históricos da renúncia do Presidente Jânio Quadros com posse do esquerdista João Belchior Goulart e sua deposição em 1964 ao tentar incendiar o país com sua participação ativa nas tentativas de implantação do regime comunista no governo brasileiro.  Neste último episódio, como antigo jornalista, fui nomeado relações públicas do Estado Maior da 5ª. Região Militar. Mais uma vez lutei contra a barbárie vermelha.

           Em 1968, durante o governo militar, os bolchevistas
insistiram em transformar o Brasil numa ditadura vermelha. É dessa época a famosa guerrilha do Araguaia na qual pontificaram líderes esquerdistas como José Genoíno, Dilma Roussef, José Dirceu, o primeiro dos quais matando a marteladas na cabeça um oficial do Exército, mas todos eles se fazendo passar hoje como heróis da “democracia”, vítimas da ditadura militar. 

            São sabujos dos Castros  cubanos, irmãos de fé dos bolivarianos da Venezuela, dos norte-coreanos, doadores das economias brasileiras para os demais países comunistas do mundo, autores dessa farsa de importação de médicos cubanos afrontando todas as leis do país e as reais necessidades da saúde pública.

           E o que querem esses bandidos fazer do Brasil?
Transformá-lo em uma outra Cuba, o melhor país do mundo em que se pode viver desde que se tenha um apartamento em Paris, o país onde  se pratica a melhor medicina das três Américas desde que se tenha um Hospital Sírio-Libanês quando qualquer companheiro adoece, país cuja principal matéria-prima é mão-de-obra escrava exportada para todo o mundo, país onde se passa fome, paraíso do qual todos querem fugir mesmo correndo o risco de morrer no mar?

           Esquerdismo é isso? Nenhum regime político já acontecido no mundo matou mais patrícios seus e pessoas de outras origens que o comunismo da União soviética. Mais de 600 milhões de cadáveres.  Ao fim de 70 anos, nem eles mesmos suportaram mais. Mas nos bolsões de resistência como em Berlim Oriental, construíram muros para evitar que os felizardos que viviam no “paraíso” fugissem para o inferno ocidental.

           Ouçamos, a  respeito, a opinião do grande Fernando Pessoa: “O comunismo não é um sistema: é um dogmatismo sem sistema  -  o dogmatismo informe da brutalidade e da dissolução. Se o que há de lixo moral e mental em todos os cérebros pudesse ser varrido e reunido, e com ele se formar uma figura gigantesca, tal seria a figura do comunismo, inimigo supremo da liberdade e da humanidade, como o é tudo quanto dorme nos baixos instintos que se escondem em cada um de nós”.

           Ho Chi Ming, líder comunista chinês matou mais de 3 milhões de patrícios.  Na Coréia do Norte já morreram mais de um milhão. Mas os esquerdistas brasileiros ´representados pelo PT,  PSB, CUT, MST,  UNE e outras quadrilhas  redigiram uma carta de apoio aos camaradas da Coréia onde afirmavam, entre outros besteiróis: “Incentivaremos a humanidade e os povos progressistas de todo o mundo e que se opõem à guerra, que se manifestem com o objetivo de manter a paz contra a coerção e as arbitrariedades do terrorismo dos EEUU”.

           O líder cubano Che Guevara em quem os jovens de hoje e  a quadrilheira Dilma Roussef vão buscar inspiração  era claro quanto às suas intenções pacifistas e socializantes: “Um revolucionário deve se tornar uma fria máquina de matar apenas pelo ódio. Banharei minha arma em sangue e, louco de fúria, cortarei a garganta de qualquer inimigo que me cair nas mãos. E sinto minhas narinas dilatadas pelo cheiro acre da pólvora e do sangue do inimigo morto. Aqui na selva cubana vivo é com sede de sangue, estou escrevendo estas linhas inflamadas em Marti”.

           É este o governo que os patriotas esquerdistas querem   para o Brasil? 

           Costumam dizer que quem não é socialista na juventude não tem coração e quem ainda é socialista na idade adulta não possui cérebro. Digo-lhes eu: mostrem-me um adolescente que não seja socialista e eu lhes mostrarei um alienado do seu grupo; mostrem-me um homem de mais de 30 anos que ainda seja comunista e eu lhes mostrarei um canalha. Paulo Francis achava que todo mundo tem o direito de se portar como um débil mental até os trinta anos.

           Infelizmente a escória vermelha do Brasil, que tanto
ajudei a combater, está de volta, tomou conta do país, vai nos levar à infâmia da cubanização, não sossega enquanto não humilhar os militares que os combateram nos anos 60 e 70, obrigou recentemente esses mesmos soldados a prestar honras militares ao cadáver do comunista que desalojaram do poder em 1964 e agora, conforme está no jornal, trocaram pelo nome de um criminoso bolchevista o  de uma escola de Salvador.

           Como já estou no fim da vida aos 91 anos, não viverei o
suficiente para suportar esse castigo, mas lamento pelos meus filhos e netos.  Que me perdoem o mau gosto da frase mas, felizmente, estou morrendo.

Osmard Andrade Faria


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Para governador de Pernambuco, Paulo Camara!

Por Chico Sales Queiroz
colaborador do blog

Eduardo Campos é um candidato moderno e diferente! EC lançou para ser seu candidato a Governador de Pernambuco, o jovem Paulo Camara, Secretário da Fazenda e técnico concursado do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco! Distante da política, esse moço, bem afeiçoado, de trato fino e de uma discrição e correção exemplar, é um presente para a política de Pernambuco! 

Eduardo mostra com a indicação, a exemplo do que fez com o atual prefeito de Recife, Geraldo Júlio, que pretende modificar as estruturas arcaicas da política e desenvolver uma Revolução na forma da gestão pública! Paulo Camara tem competência, desenvoltura e foco em gestão! Paulo Camara tem a cara limpa, é leve e vem avalizado pelo grande Governo de Eduardo Campos. 

Vai impulsionar o desenvolvimento do Estado, desenvolver os projetos educacionais e de forma incansável, como o fez na Secretaria de Administração e como o faz na Secretaria da Fazenda, o fará com absoluta certeza em Pernambuco! Deixando bons nomes políticos e optando pelo técnico Paulo Camara, o povo de Pernambuco ganha um presente pra hoje e para o futuro, pois os laços que faziam dos políticos, candidatos hereditários, foram quebrados! 

Em Pernambuco a modernidade em fazer política chegou, com Eduardo Campos no comando, sendo o maestro desse novo tempo e já dando o seu recado ao Brasil, que está vindo pra mudar, pra Revolucionar e plantar sementes que deem frutos de uma nova Nação! Podem apostar, Eduardo Presidente, isso é urgente.

Chico Sales Queiroz
franciscosales.queiroz@gmail.com 


IBOPE. Dilma não ganhará eleições de 2014!

Estado, ontem (atualizado às 21h45). A taxa de aprovação ao governo Dilma Rousseff teve neste mês a primeira queda desde as manifestações de junho do ano passado. Segundo pesquisa Ibope/Estado, a parcela de brasileiros que considera a administração do País boa ou ótima diminuiu de 43% para 39% entre o início de dezembro e a metade de fevereiro.

Comentário.

Os números apontados pelo IBOPE/Estado, segundo o Estado de ontem, aponta a queda da aprovação do governo Dilma para 39%, número que comprova a rejeição do seu nome nas redes sociais e nos comentários postados neste blog.  Vamos lembrar que a taxa de aprovação da Dilma no início do governo era de 77%.  A atual taxa, embora reflita a boa aprovação no momento, houve queda de 50% em comparação ao número de 2 anos atrás.  

Tenho afirmado aqui por inúmeras vezes que a presidente Dilma não ganhará as eleições deste ano.  O número apresentado mostra ser factível ter o segundo turno em 2014.  Havendo segundo turno, as costuras feitas, segundo imprensa, pelos candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos, poderá levar um deles à vitória no segundo turno.  Isto é a lógica do engenheiro funcionando, como 2 + 2 = 4.  

Nas eleições de primeiro mandado da Dilma em 2010, no segundo turno, foi decisivo o apoio da Marina Silva com cerca de 20 milhões de votos conquistados no primeiro turno daquelas eleições.  Querendo ou não, o fator Marina Silva favorece o lado das oposições, hoje.  Além de tudo, não há no cenário provável, um candidato que, eventualmente, poderia estar ao lado da Dilma, a não ser o senador Randolfe Rodrigues do PSOL.  Se não houver hecatombe, o senador pelo Amapá, não dará à Dilma o voto necessário para superar as oposições. 

Pois, Celeste, você não precisa mais sair do País.  Pois, Marilda, sua luta diária, desde que conhecemos, não terá sido em vão.  Pois, Marisa, a sua luta será recompensada.  Se fosse para eu citar os nomes de cada um dos leitores, com os mesmos desejos para próximas eleições, necessitaria de páginas e páginas deste blog. Permita-me dizer então aos três, extensivo a todos que leem este blog, que o Brasil ainda vai brilhar.  O Brasil será digno de todos nós.  O Brasil será melhor que de todos governos anteriores.  

Tenho certeza de que após a apuração do segundo turno das eleições presidenciais, o Brasil terá mudado a sua face.  O Brasil será de todos nós, não mais da quadrilha de assaltantes que tomou contado país.  O Brasil voltará a brilhar no cenário internacional.  O Brasil voltará nas mãos do povo honesto e ordeiro.  

O Brasil será orgulho de todos nós!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Polícia Federal por Juvência da Silva.

Por Juvêncio da Silva

As recentes manifestações populares em todo o Brasil reacenderam o debate sobre o papel de nossas forças policiais. Muitas manchetes de jornais e opiniões de especialistas destacaram a desmilitarização da polícia como tema central.

Na verdade, essa questão é apenas a ponta do iceberg. Somente uma abordagem abrangente, a partir de uma visão global e sistêmica do problema, poderá resultar em uma melhoria efetiva da estrutura policial brasileira. Entre outros pontos, três merecem destaque como símbolos de nosso atraso, na comparação com as principais polícias do mundo:

1) A polícia brasileira é a única que investiga por meio de um procedimento burocrático, inquisitivo e ineficiente: o inquérito policial. Enquanto nos outros países a polícia procura implantar medidas para agilizar e integrar o ciclo de investigação, no Brasil insistimos num instrumento que anda na contramão da moderna técnica de investigação por apresentar baixíssimos resultados na elucidação de crimes e na produção de provas materiais e periciais. Ademais, pela rigidez de seus procedimentos, o inquérito policial contribui para afastar os policiais das ruas e as ruas dos policiais, já que exigências cartorárias acabam prevalecendo sobre o escopo do trabalho investigativo.

2) O Brasil também é o único país em que a chefia da investigação policial é reservada a uma determinada categoria profissional. Enquanto aqui limitamos o acesso, a gerência e a inteligência policiais aos bacharéis em Direito, a polícia nos demais países do mundo recruta profissionais com formação em diferentes especializações. Isso porque o combate ao crime organizado, em mundo baseado no conhecimento, precisa ser feito por uma equipe multidisciplinar. O FBI, a polícia federal americana, por exemplo, seleciona profissionais de diversas áreas, como: Contabilidade, Finanças, Línguas Estrangeiras, Direito, Ciências, Informáticas, etc.

3) No Brasil não temos uma carreira policial, mas sim diferentes unidades policiais (civis e militares) integradas por comandantes e comandados. Essas estruturas, centralizadoras e pouco flexíveis, não possibilitam o desenvolvimento dos trabalhadores do setor, pois, na contramão dos princípios da administração moderna, não permitem que o talento e o mérito sejam reconhecidos. Além disso, contribuem para a ineficiência, a corrupção e a desmotivação funcional, já que a falta de perspectivas profissionais resulta em baixa qualidade na prestação de serviços à sociedade. Do ponto de vista gerencial, destaca-se a falta de sinergia entre as nossas forças policiais, já que o modelo atual estimula a competição, o retrabalho e o aumento de custos decorrentes da separação das atividades de polícia judiciária (Polícia Civil) e de polícia ostensiva (Polícia Militar).

Em resumo, o Brasil precisa reorganizar o seu sistema policial, adotando princípios testados e aprovados em outros países do mundo. Não é possível que os nossos indicadores de desempenho sejam mantidos nos patamares atuais. Afinal, basta comparar o índice de elucidação dos crimes de homicídio no Brasil, de menos de 8%, com o de outros países (90% no Reino Unido, 80% na França e 65% nos Estados Unidos), para se verificar a ineficiência do nosso sistema policial. Como consequência deletéria deste quadro, temos que a quase certeza da impunidade leva ao aumento da violência e da criminalidade no País.

Vale destacar ainda que, em quase todo o mundo, a polícia possui uma estrutura de ciclo completo, isto é, que concentra numa mesma corporação policial as atividades de prevenção aos delitos, de investigação policial e de polícia judiciária. Além disso, a atividade policial é exercida por civis, os quais ingressam na carreira para realizar funções de policiamento ostensivo e, com o passar do tempo, podem se desenvolver atuando em cargos de investigação e, posteriormente, alcançando cargos de direção na mesma polícia.

Infelizmente ainda estamos muito distantes destas práticas modernas de fazer polícia. Existem, inclusive, muitas propostas em debate no Congresso caminhando no sentido contrário, ou seja, aprofundando o modelo atual. Há pouco tempo foi aprovada a Lei nº 12.830/13, e se tentou aprovar a PEC 37, o que só não aconteceu pela pressão exercida pelo Ministério Público e pelas manifestações populares contra a proposta. No entanto, outras emendas em trâmite tentam afastar, cada vez mais, a polícia de suas funções típicas, por meio de projetos que representam o interesse de grupos e não os da sociedade brasileira.

Pode-se concluir afirmando que o dever de casa é imenso para que tenhamos no Brasil uma força policial compatível com os desafios do século XXI. Mas, com a mobilização e a participação de todos, é possível vislumbrar um futuro melhor. Quando teremos uma polícia de Estado e não de governos. Quando teremos uma maior integração entre a Polícia, o Ministério Público e a Justiça. Quando, enfim, teremos os direitos de cidadania consagrados como fundamentos do Estado Democrático de Direito, inscritos em nossa Constituição Federais, verdadeiramente respeitados e protegidos.


Juvencio da Silva



Sou a favor da PEC 51 sobre carreira da Polícia Federal

Antes de ler as as agruras dos membros da corporação Polícia Federal, que abaixo descrevo na íntegra, deixe-me colocar a minha posição pessoal sobre a corporação que respeito.  

Fui indiciado pela Polícia Federal do Paraná, por 7 vezes.  Em 6 processos que envolviam o direito de pensamento e expressão e 1 sobre o direito de propriedade.  Em 6 processos, a justiça brasileira mandou arquivar o processo pela inépcia da denúncia.  Em 1 deles, aguardando o arquivamento, pelos mesmos motivos de arquivamento de outros anteriores.  Louvo a postura correta dos policiais federais, pelo menos, do estado do Paraná.  

Eu já me manifestei inúmeras vezes, aqui no blog, que os fracos são os focos da justiça brasileira, infelizmente.  Imagine, quem não pode pagar advogado para defender suas causas legítimas!  Os grandões da República, incluindo a presidente, ousam em roubar dinheiro público em R$ bilhões, sem que o Ministério Público denuncie os fatos de lesa pátria.  Perdeu tempo e dinheiro comigo, em atazanar a minha vida pessoal e empresarial.  Mas, não perde tempo com os grandões da República.

No entanto, pela postura e seriedade que tratam os policiais federais e funcionários do segundo escalão da corporação Política Federal, não poderia deixar de advogar como se fosse minha causa, pelos pleitos que a corporação exige da presidente Dilma.  

Segue a seguir matéria mandada por Leo Oliveira a este blog.  

Por Leo Oliveira

Desde a apresentação da PEC 51, que versa sobre, principalmente, o reajuste das instituições policiais brasileiras em polícias de ciclo completo, carreira única e desmilitarizadas, houve desde pronto diversas manifestações contrárias.
Em especial, muitos delegados federais olham com asco a carreira única, atribuindo que esta seria, na verdade, um “trem da alegria” para que Agentes, na visão deles uma carreira auxiliar, ascendessem para o cargo de Delegado.
Sobre isso, é importante frisar certos pontos.
Em primeiro lugar, os Agentes Federais NÃO são carreira auxiliar na Polícia Federal. Em termos legais, tanto Delegados, quanto Agentes, Escrivães, Papiloscopistas e Peritos Criminais Federais são cargos que compõem uma mesma carreira, a chamada Carreira Policial Federal. Isso pode ser constatado de modo amplo no art. 144 §1º da CF e de modo específico no art. 1º da Lei 9266/97.
Em termos práticos, carreiras auxiliares não exercem as atribuições que levam execução da atividade fim de um órgão ou "poder". Os Magistrados, e só esses, julgam, dão a palavra final e decidem sobre o destino da vida de pessoas, empresas, entidades, seus bens e patrimônios. Ou já viram uma sentença assinada por um oficial de justiça? O Procuradores e promotores membros dos MP’s, e só esses, são detentores da Ação Penal (Dominus Litis), ou já viram um técnico do parquet acusando no tribunal do Júri?
A função precípua de todo a polícia do mundo é INVESTIGAR, produzir, colher e demonstrar provas e indícios que mostrem a materialidade do crime e indiquem sua autoria. E quem faz isso, por óbvio, de forma absoluta, não pode ser considerado auxiliar. Em resumo: "QUEM INVESTIGA?", quem faz a atividade policial fim por essência? A resposta, na prática, é o Agente. Isso porque o atual responsável (no caso o Delegado) não se dispõe a ir a campo realizar a investigação (salvo raras exceções). Ele espera que o Agente retorne com o resultado da diligência e relata o IPL baseado nessas informações e nas oitivas. Logo, a função investigativa em si é feita pelo Agente.
Isto é fácil de observar quando comparamos com carreiras policiais de outros modelos do mundo: os Detectives ou Special Agents, por exemplo, como responsáveis por uma investigação, não requerem que outro cargo realize as diligências, eles mesmos vão a campo buscar a informação. Função análoga no Brasil é feita pelo Agente e não pelo Delegado.
De fato, a carreira auxiliar da Polícia Federal na verdade é a dos Agentes Administrativos, pertencentes ao Plano Especial de Carreiras. Estes, sim, não atuam na atividade fim, de investigação policial, mas na atividade meio.
Resolvido este ponto, quanto ao fato de o Delegado não exigir experiência policial anterior no seu processo seletivo: retomando as comparações, o cargo de Promotor e Juiz REQUEREM EXPERIÊNCIA MÍNIMA de 3 anos na área. Ou seja, é necessário ter experiência profissional afim anterior (ex:http://www.cespe.unb.br/concursos/MPE_TO_12_PROMOTOR/arquivos/ED_1_2012_MPE_TO___ABT.PDF)... ehttp://www.cespe.unb.br/concursos/TRT5_12_JUIZ/arquivos/ED_2_2012_TRT_5___JUIZ_DO_TRABALHO_ABERTURA_REPUBLICA____O.PDF) .
Para Delegado NÃO É NECESSÁRIA EXPERIÊNCIA policial nenhuma, podendo um aluno que acabou de sair da faculdade sim ser o responsável por uma investigação criminal (ex:http://www.cespe.unb.br/concursos/DPF_12_DELEGADO/arquivos/ED_1_2012_DPF_DELEGADO.PDF). E como já foi dito pelo próprio Superintendente da PF de São Paulo, "investigação não se aprende em faculdade de Direito e nem se executa em gabinete". Assim, apenas faculdade de direito não garante em nada que o aprovado em concurso de Delegado tenha capacidade para presidir uma investigação, e com a prática usual de o Delegado não ir a campo realizar a diligência, continuará sem dominar os aspectos fundamentais da investigação.
Novamente comparando com modelos internacionais, os Detetives precisam ter tempo de experiência policial prática antes de serem considerados habilitados ao cargo de responsável pelas investigações. O que é, no mínimo, normal. Apenas no Brasil ainda se perpetua esse modelo em que chefias são alcançadas sem a experiência necessária para esse cargo.
Numa proposta de carreira única, o delegado nem precisa deixar de existir, mas a terminologia que for dada para ser chefe de investigação venha a respeitar um posicionamento hierárquico que deflua da organização estrutural e funcional do órgão que corresponda aos feixes de atribuições de cada cargos (não carreira) ou funções providos em confiança, em decorrência da natureza dos seus encargos, porque inexiste, por si só, subordinação funcional entre os ocupantes de cargos efetivos. (PARECER Nº GQ – 35 da AGU: http://www.agu.gov.br/sistemas/site/PaginasInternas/NormasInternas/AtoDetalhado.aspx?idAto=8206&ID_SITE
Quanto à formação em Direito. Concordo que deve haver precaução com a manutenção da legalidade das investigações, mas exigir que apenas o formado em direito possa ser responsável por uma investigação é um excesso. Nos outros modelos policiais fora do Brasil, não há essa exigência. O que é, no mínimo, curioso, se tal formação fosse realmente imprescindível. De fato, há uma preocupação que os investigadores tenham formações em diversas áreas, que possam ser aproveitadas nas investigações dos diversos tipos de crime. Não só isso, se fosse necessário ser formado em Direito para garantir a legalidade de todas as atividades policiais, TODO policial deveria ter essa formação, o que vemos mundialmente não ser verdade. A legalidade, por sua vez, pode ser mantida via controle interno pelas corregedorias e externo pelo MP, que já detém essa função. Ainda mais, o trabalho policial é altamente direcionado para dar subsídio para o Ministério Público iniciar a ação penal, e é ele quem decidirá pela tipificação e quais elementos são necessários para embasar tal ação.
Ademais, a necessidade e exigência de conhecimentos sobre legislação é pré-requisito para o ingresso e o exercício das atividades de todas as carreiras de Estados, e desconheço um cargo de nível superior (lembrando aqui que TODOS os cargos policiais da Polícia Federal exigem nível superior) que não tenha essa exigência nos seus programas de concursos para ingresso.
Mesmo nas funções de polícia administrativa, o Agente, quando atua como "agente de migração", se vale do uso de inúmeras e complexas legislações e atos administrativos internos e tratados internacionais para decidir sobre entrada e saída de viajantes estrangeiros, ou multá-los por infrações administrativas pertinentes à esse trânsito, processos de permanência e inquéritos de expulsão; O Escrivão com todos os normativos aplicáveis a atividades cartorárias; O Agente atuando na análise da concessão, fiscalização e punição de atos relativos ás atividades de segurança privada, químicos, e controle de armas; Os auditores da receita no uso de complexa legislação tributária quando aplica uma milionária multa ou suspende as atividades de uma empresa; Auditores do Bacen no uso da legislação financeira nacional; O fiscais alfandegários, agrícolas, de portos, etc, nas suas atividades que interferem na produção de milhares de empresas, sempre usando diversos dispositivos normativos.
Ou seja, os exemplos deixam claro, que saber direito e a necessidade de o quanto se exigir esse conhecimento numa carreira é variável e não é isso que torna um cargo mais importante que o outro. O tanto desse conhecimento na carreia pública é adquirido de acordo com a necessidade em 3 momentos: 1- O que se exige como programa de concurso, que deve se valer da real necessidade desses conhecimentos no exercício da atividade, 2 - Da formação que se dá ao servidor que ingressa no cargo (PF's na ANP, Auditores e analista da receita em seus cursos de formação, etc) e na prática. 3 - não menos importante para o servidor, a LICC, que exige que ninguém pode alegar desconhecimento da lei, muito menos o responsáveis públicos pela aplicação dela.
Em resumo, todo servidor público deve possuir conhecimento de direito, legislação, atos administrativos, etc. A formação em Direito é necessária para Advocacia, Ministério Público, Magistratura, Defensorias e Procuradorias Públicas etc., porque são atividades que envolvem primordialmente discutir e decidir sobre aplicação da lei. Não é o caso da Polícia. A Polícia tem sim que observar e aplicar a lei, mas sua função primordial é investigação e segurança pública, e não discussão da lei em si.
Concluindo, a carreira única nada mais é que um ajuste do modelo policial brasileiro aos modelos internacionais que já se comprovaram mais eficientes. A carreira única garantirá que o policial responsável pela investigação tenha conhecimento prático da atividade e seja o mesmo que realize a diligência, que toda chefia seja ocupada por servidor necessariamente experiente e que todo policial tenha perspectiva de crescimento no órgão, diminuindo a evasão e as chances de corrupção. O princípio constitucional do concurso público será garantido para ingresso no início da carreira e a progressão se dará através de processo seletivo com requisitos objetivos.
Ou seja, não há motivo para resistência a essa mudança, a não ser para se manter uma segregação social-funcional que privilegie castas ao invés da eficiência. E disso o Brasil já está farto.
CARREIRA JURÍDICA - Verdade
Os membros das carreiras jurídicas, ao menos conforme lição que tivemos quando acadêmico de direito, seriam aqueles que “promovem” a justiça e “falam” no processo, “operando” o Direito.


Portanto, aqueles profissionais que fazem parte da trilogia processual e que são essenciais à Justiça! Vejamos: Advogados(atuam na tríade processual, apesar de não serem "carreira pública"), Advogados públicos(Defensores - DPU, DPE), Procuradores Estaduais, AGU(Procuradores Federais e Advogados da União), Ministério Público da União(MPF; MPT; MPM; MPDFT), Ministério Público Estadual(Promotores e Procuradores de Justiça), Magistrados(Juízes e Desembargadores Estaduais e Federais, inclusive o de "Paz").

Não existe definição doutrinária ou conceitual, do que seja “carreira jurídica”. Mas, a Constituição, traz quais as carreiras essenciais à promoção da justiça, e nela não está a de delegado de polícia. 


Logo, conclui-se que as carreiras jurídicas são apenas as referidas na Constituição Federal.

Leo Oliveira