Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 18 de setembro de 2012

LULA SAIRÁ LIVRE DO MENSALÃO


Sobre o julgamento do mensalão, o Lula não está nem aí.  Ele é a própria encarnação do Al Capone.  Márcio Thomaz Bastos, como ministro de Justiça do Lula, inventou o "não sabia de nada".  E, colou.  Colou tanto que ele, Lula, não faz parte do rol de réus do processo em julgamento no STF.  O então Procurador Geral da República Antonio Fernandes, que formulou a denúncia, ficou constrangido em incluí-lo na denúncia.  Nem tão pouco o Procurador Geral Roberto Gurgel teve a coragem de fazê-lo.  Ambos foram nomeados pelo presidente Lula.  Incluir presidente da República no pleno exercício da República não é tão fácil, compreendo.  

Agora, Lula não é mais presidente da República.  Como afirmara o Procurador Geral da República Roberto Gurgel, Lula é, no momento, um reles cidadão, portanto, se houver motivação para processo, deverá ser feito na 1ª instância.  Por ai, já começa a confusão.  Ele seria processado em Brasília, onde supostamente, foi cometido o delito ou em São Bernardo do Campo, seu domicílio particular?  Um processo desse, leva na melhor das hipóteses mais de 15 anos.  Até lá, todos os crimes estariam prescritos.  Sobretudo, porque Lula está a beira de completar 70 anos.  

O presidente Lula é como o "capo", Al Capone.  Todo mundo tem certeza de que ele é o chefão da quadrilha, mas ninguém consegue indiciá-lo.  Não tem provas materiais ou testemunhais.  Quem seria louco de denunciar ou testemunhar contra o capo?  Ninguém.  A maioria que tem provas testemunhais é conivente. Essas pessoas, receberam de alguma forma benefícios do "padrinho".  Outras tem medo de fazê-lo.  Preferem trafegar na zona de conforto.  Sabem que contra os denunciantes tem os aparelhos do governo.  Como nos velhos tempo da ditadura militar.  Os aparelhos, agora, tem comandos civis, a única diferença.  Lembro-me do velho "sistema" dos anos de chumbo.  Quem vivenciou o período da ditadura militar sabe do que estou a dizer.  Igual, igual.  É uma forma de tentar calar alguns, poucos que são contras.

Fico muito triste em deixar um País com esta situação para minha neta.   Porque, para os filhos só consegui deixar a turma do "capo" comandando os aparelhos do governo. Oxalá, apareça algum corajoso que mude o "status quo".  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, filiado ao PDT, foi professor da UFPR. E-mail: sakamori10@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.