Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 23 de setembro de 2012

DILMA, SUBTRAINDO DINHEIRO DAS ESTATAIS?



A administração petista voltou a se amparar nas empresas estatais para inflar as receitas do Tesouro Nacional, mas os resultados obtidos ainda estão muito aquém das metas fixadas para o ano. O expediente foi inaugurado no final do governo Lula, quando a arrecadação de impostos começou a sofrer os efeitos da crise internacional e deixou de ser suficiente para sustentar sozinha a escalada dos gastos públicos. Para evitar cortes de despesas que trariam desgaste político e desaceleração econômica, a saída foi extrair parcelas crescentes dos lucros das empresas controladas pela União. Fonte: Folha.

No mês passado, o pagamento de dividendos das estatais ao governo atingiu o maior valor desde o início do mandato da presidente Dilma Rousseff. Foram R$ 5,8 bilhões, o equivalente a, por exemplo, quase o triplo dos investimentos programados para o ano na rede de aeroportos. Para engordar as cifras, o Tesouro Nacional usou uma manobra heterodoxa: resgatou antecipadamente títulos de sua dívida em poder de dois bancos federais, contabilizando o valor como dividendo recebido.  Fonte: Folha.


Como pode ver, Dilma fez "gambiarra contábil" para subtrair dinheiro das estatais, sob título de dividendos antecipados, para poder continuar com a gastança pública, sem cortes.  Se o presidente Lula era analfabeto funcional, como ele própria o denominava, a presidente Dilma tem "esperteza" de sobra.  Faz as manobras contábeis para fazer parecer que ela, Dilma, é a autora dos benfeitos do governo.  Mostra através do seu marqueteiro que atitudes tomadas classificadas como "benfeitos", sempre são de sua autoria.  São na verdade, via de regra, as contas são pagas pelo contribuinte.  Faz muita espuma para os "malfeitos" parecerem "benfeitos".  Típica manobra que a sua colega Cristina faz com o povo argentino.  

Lembrando também, que a manobra contábil serve para manter a meta de Superávit primário, o nome feio, para pagar parte dos juros da dívida interna do governo federal.  No final do ano, a Dilma e seu ministro da Fazenda, vão anunciar que o governo conseguiu atingir a meta do Superávit primário, como se isto fosse o melhor troféu do mundo.  E o povo engole.  Dá-se impressão pelo nome que o Superávit primário é "sobra" de dinheiro em caixa.  Nada mais mentiroso do que isto, o dinheiro é destinado a pagar "parte" dos juros da dívida pública.  Fiquem atentos para mais este fato.  

Dilma, chega de gambiarra na administração pública, vai !

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, filiado ao PDT, foi professor da UFPR.  Twitter: @sakamori10 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.