Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

GRIPE SUÍNA. SAÚDE PÚBLICA EM ALERTA!

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, admitiu que o Brasil errou na política de combate à gripe suína. "Em vez de usarmos uma estratégia que já se mostrava eficaz (o uso do antiviral oseltamivir), ficamos discutindo quem vacinar, se vamos vacinar jovens ou não. A gente não aprendeu com os ensinamentos de 2009", afirmou, referindo-se ao ano da pandemia. Fonte: Estadão.

Maneira dos governos petistas de governar o país.  Ficar no eterno blá, blá e blá.  Discussões intermináveis sobre matéria vencida.  O que aconteceu com a vacinação da gripe suína, acontece em outros setores da gestão pública.  Apenas para citar, a última discussão se refere ao Código Florestal.  Muita espuma para coisa já estudada e relatada. 

"O Chile, que possui um inverno muito mais forte, teve um terço das mortes das Regiões Sul e Sudeste do Brasil - a taxa de mortalidade no Chile ficou em 0,8 por 100 mil habitantes e aqui, em 3,2 por 100 mil habitantes. A diferença básica é que o Chile usou o oseltamivir em larga escala. O Chile perdeu uma grávida; o Brasil, 200", afirmou Jarbas Barbosa. Fonte: Estadão

No Chile morreu 1 grávida e no Brasil 200.  Quando o ser humano vira apenas estatística, me preocupa muito.  O desdém pelo caso de saúde pública é coisa de louco.  Inadmissível acontecer tais coisas, num país que quer se portar como 6ª economia do mundo.  Tudo isto é incompatível com postura da Dilma em querer ensinar os governantes do primeiro mundo.  Não ganhamos nem do Chile!  Ensinar o que?

Neste ano, até o dia 20 de agosto, o País registrou 2.398 casos da doença e 307 mortes. Desse total, 1.786 pessoas adoeceram e 177 morreram na Região Sul. Fonte: Estadão.

Resumindo. A estratégia utilizada em 2009 foi eficaz, segundo secretário da Vigilância em Saúde do ministério da Saúde.  A mudança de postura decorrente das infindáveis discussões resultou na morte de 307 pessoas, sendo que destas 200 grávidas.  Uma afirmação como esta, em qualquer país do primeiro mundo, cairia o ministro da Saúde.  Aqui a cultura é diferente.  Os doentes morrem nos corredores de hospitais, mas ninguém é responsabilizado.  Triste sina nossa, a do povo, povão que não tem recursos do Plano de Saúde Complementar.  Até onde, o povo vai aguentar, silenciosamente, este estado de coisas?  

Saúde pública em alerta !

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, filiado ao PDT, foi prof. da UFPR. Twitter: @sakamori10 e @SakaBrazil  E-mail: sakamori10@gmail.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.