Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 20 de outubro de 2012

DILMA ESTÁ SUCATEANDO O BRASIL


As notícias de repetidos apagões de energia no Distrito Federal e em boa parte do território nacional, é apenas amostra de que poderão vir outros apagões nos próximos meses.  Por falta de chuvas, os reservatórios, das usinas que geram energia, estão com níveis críticos, segundo fontes oficiais.  Ainda, segundo Aneel, já estão em operação o sistema elétrico alternativo movido a gás, para reforço.  

Se a situação agravar, poderá repetir o racionamento de energia ocorrido no período do governo FHC.  O Brasil é extremamente dependente de energia produzido por sistema hidráulico, dependente do regime de chuvas. Esperamos que as chuvas do próximo verão, voltem a encher os reservatórios com níveis baixos, para que não repita o apagão do FHC, tão criticado pela presidente Dilma.

Outras notícias preocupantes são sobre desabastecimento dos combustíveis nos estados de Amapá e Rio Grande do Sul.  Não chegou a ser notícia nacional, mas houve desabastecimento de diesel na zona rural do Paraná, além de outros pontos isolados no interior deste Brasil.  Estas notícias, parecem anunciar proximamente o racionamento de combustíveis, como já ocorrera no passado.  

As refinarias da Petrobras estão funcionando em regime de capacidade máxima e não tem projetos de ampliação que entre em operação no curto prazo.  Única nova refinaria em construção no país, a Refinaria Abreu e Lima, deverá entrar em operação somente em 2016.  Enquanto isto, a Petrobras importa combustíveis prontos, gerando déficit comercial no setor de petróleo.  Não se tem notícias de que os portos brasileiros, sucateados, estão preparados para atender a crescente demanda de importação dos combustíveis.  

Como já foi citado em matéria anterior sobre a perspectiva de bom nível de crescimento no ano de 2013, pelo menos acima dos 1,7% do ano de 2012, vai agravar mais ainda as situações no setor de energia elétrica e de combustíveis.  Os setores mencionados são as bases para o crescimento sustentável e não sendo solucionados os problemas tornarão gargalos para os melhoria nos índices de crescimento, nos próximos anos.  

Continuo a afirmar que o país carece de um Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.  Tudo é feito no improviso, escolhendo projetos pontuais para incluir no PAC, Programa de Aceleração de Crescimento, numa tentativa desesperada de "tapa buraco".  Nem assim, a coisa anda.  As obras do PAC estão com cronogramas atrasadas. 

O país errou em acreditar nos discursos do presidente Lula e da própria presidente Dilma, que venderam a imagem da Dilma como se fosse "gerentona" hábil.  Nada disso foi verdadeiro.  A Dilma está prestes a sucatear o sistema elétrico brasileiro, na renovação das concessões, impondo indenizações e tarifas incompatíveis com o nível de investimento do setor.  Tudo pela manutenção da popularidade da Dilma.  

E com a manutenção dos preços dos combustíveis na bomba, está sucateando a Petrobras num processo acelerado, postergando investimentos necessários para acompanhar o crescimento, mesmo que seja pífio.  Tudo pela manutenção da popularidade da Dilma.  Todos as atitudes tomadas pela presidente Dilma se assemelha às do presidente Hugo Chavez da Venezuela. Igual, igual.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  twitter: @sakamori10

Um comentário:

  1. Pois é Sakamori! E dai fica a pergunta que ninguém responde: Onde esta estocado todo aquele Etanol que o Brasil estava produzindo e que o Lula até precisou comprar um avião novo e maior para sair vendendo ao mundo? isso sem comentar que ele sempre alardeou que em seu governo o Brasil já passava de auto suficiência a exportador de petróleo e chegou a revindicar-se como membro da OPEP,Sera que o brasileiro tem memória tão ruim?

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.