Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 28 de outubro de 2012

NO BRASIL, NÃO HÁ LIBERDADE DE IMPRENSA!



O jornal "The New York Times" anunciou ontem que apoia a candidatura de reeleição de Barack Obama, repetindo endosso dado ao democrata na disputa de 2008. "Apoiamos com entusiasmo um segundo mandato do presidente Barack Obama, e expressamos esperança de que sua vitória seja acompanhada de um novo Congresso disposto a trabalhar a favor das políticas de que os americanos necessitam", diz o editorial de hoje, antecipado no site do jornal ontem. Fonte: Folha.

O texto cita como motivos para escolher o democrata a reforma no sistema de saúde promovida por Obama e as medidas que evitaram recessão mais grave na economia americana, entre outros.

Sem contar o "New York Times", o Projeto Presidência Americana, da Universidade da Califórnia, contabilizava na sexta que 18 jornais declararam apoio a Obama, contra 16 de Romney. Fonte: Folha.

O Brasil ainda não chegou lá, como os EEUU.  Os principais jornais do nosso País, ainda não se manifesta sobre a preferência a um determinado candidato, sob pena de serem taxados de petistas ou tucanos.  A nossa democracia, na nova fase, que tem menos de 30 anos, não está madura para acatar como normal o posicionamento dos donos do jornal ou das revistas sobre eleições.  Eu acho que deveria estar, depois de 20 anos de mordaça imposta pela ditadura militar. Tenho a mesma sensação que experimentei nos anos 64/68, época dos meus estudos na UFPR.

Os jornais, mesmo os de maior circulação como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo ou Valor Econômico, só noticiam os fatos.  Os jornais brasileiros não opinam.  No máximo que faz é reproduzir opinião de algum agente do governo ou agente do setor privado.  E, quando o faz, é veementemente criticado e de sobra levam a pecha de petista ou tucano.  Para mim, tudo isto é estranho.  Muito estranho.  A imprensa, que teoricamente tem jornalistas preparados, deveria dar opinião sobre cada matéria que publica, não apenas divulgar os fatos acontecidos apenas como flash back.  Hoje em dia, ninguém lê o editorial, porque as opiniões expostas lá, são geralmente, de pouca importância e contundência.

Diante da realidade vivida no nosso País, algo parecido como Cuba e outros com pouca liberdade de expressão de idéias, de repente, ganha importância a opinião de bloguistas.  E no vácuo dessa falta de liberdade, ganha também a importância as redes sociais, tal qual acontece no Irã ou na China.  E de quebra, o atual governo dito "socialista" fala-se em "controle social" da mídia.  Percebe-se que estamos mais próximo do Irã do que dos EEUU.  Talvez, por esta razão, a imprensa brasileira está com a barba de molho.  Está esperando maior abertura democrática no País para exercer o seu verdadeiro papel.  Triste, isto.

Definitivamente, não há liberdade de imprensa no Brasil.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori10    

2 comentários:

  1. O dia em que as mídias não dependerem tanto de verbas públicas talvez comece a mudar a situação.

    ResponderExcluir
  2. Se tem uma coisa que me deixa irritado é exatamente isso! Porque aprendi e levo a serio que, fazer certo não é virtude, é obrigação! fazer errado é que é defeito!! E é justamente quando o governo erra (e como erra!) que a imprensa tem que fazer valer seu poder, não só noticiando mas também comentando e opinando que é sim, não só de direito mas obrigação. Em minhas broncas tenho cobrado isso, mas fazer o que num país com tanto rabo preso.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.