Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O que são ninjas no Brasil.

Isto eu falo de boca cheia.  Sou descendente de terra do sol nascente onde originou a palavra que tão comumente é utilizado nos movimentos das ruas no Brasil, na atualidade.

Ninja no Brasil é uma palavra que dá impressão de guerreiro. Mas, no Japão, onde a palavra se originou é depreciativa.  Os ninjas de revista em quadrinhos são habilidosos em camuflagens e exercem um certo papel de "mocinhos", o que na realidade não foram.

Os ninjas no Japão da época dos samurais, que tinham brios e eram senhores feudais, admitidos pelo império do sol nascente, eram sujeitos mercenários sem qualificação social, para matar membros das famílias rivais dos feudos inimigos.  

Os ninjas não faziam parte da estrutura militar dos samurais.  Eram pessoas do povo, com habilidade em praticar camuflagens para executar as funções específicas de se infiltrarem no território ou residência dos senhores feudais, normalmente samurais, com o fim específico de assassinar um membro da família, normalmente descendentes daqueles.  

Os nossos ninjas, que se denominam como tal ou como anonymous ou black blocs ou com o designação de ninjas propriamente ditas, exercem funções semelhantes ao dos ninjas verdadeiros.  Os nossos, são contratados pelos senhores do poder constituído como feudos, para sob forma secreta, tal qual os ninjas originais, com o fim específico de criar discórdia entre os inimigos.

Agora, os nossos ninjas são mais ousados. Os ninjas e assemelhados no Brasil tiram fotos com os seus contratantes, recebem os seus honorários camuflados, diretamente dos cofres públicos sob forma de salários protegidos com a estabilidade de empregos.  Outros tantos, são pessoas humildes que são pagos para servirem de vândalos, minando o território inimigo, fingindo-se um deles.  

Os nossos ninjas são mercenários pagos, não para matar os descendentes dos feudos inimigos, mas para tumultuar o processo  político infiltrando entre os membros do feudo inimigo camuflados como se fossem um braço auxiliar dele, mas executando atos de vandalismo para denigrir imagem dos movimentos das ruas.  

É uma pena que não apareceu no Brasil, os samurais que lutavam pelas suas causas, justas ou não, mas com a cara lavada, sem camuflagem, se expondo aos fogos do inimigo de peito aberto.  Os covardes precisam de camuflagem porque não tem coragem de se expor.  

Constatamos que nos movimentos de ruas, os verdadeiros samurais, estejam infiltrados os ninjas, como se fossem os autores das demandas dos feudos inimigos, como se fossem uma linha auxiliar destes, mas prestando serviço para os feudos no poder, que lutam com todas armas inimagináveis para se perpetuarem nele.

Os nossos senhores feudais, cada vez mais presentes nas instituições da República, valem-se de todo e qualquer artimanhas para defenderem e assegurarem os seus feudos, como no velho e novo Japão, onde originou a palavra ninja.

Ossami Sakamori

Um comentário:

  1. A humanidade desde sempre nao esconde a sua insatisfacao, tanto nas altas rodas como nas mais humildes, so com uma diferença uma da outra. A das altas rodas, tem o poder que e o dinheiro que com ele faz o que quer,dependendo do seu carater, apenas pensando em si mesmos. A outra parte, faz por dignidade, apenas exigindo ser respeitada em seus direitos, nunca respeitados pela elite, e muito menos pelos politicos. Infelizmente, teremos muito que lutar pela educacao, pela saude e pela segurança desse Pais, ate chegar um verdadeiro guerreiro, ninja original que seja, e faca uma grande faxina em toda essa sujeira na qual estamos vivendo. Fico muito desolada vendo nosso Pais tão bonito sendo arrastado em mares de lama, e me sinto impotente.Por isso que me bate a vontade de abandonar tudo, como muitos estão fazendo. Que Deus nos ajude!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.