Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 3 de agosto de 2013

O escândalo Geraldo Alckmin, entenda o que é.

O tradicional jornal Folha, divulga em sua manchete, o escândalo de atuação do cartel nas obras do metrô de São Paulo.  O caso não é novidade, já é um desdobramento do outro escândalo envolvendo uma das empresas do suposto cartel a francesa Alstom.  

A notícia guardada a sete chaves até então, vem à tônica coincidindo com as manifestações de ruas dos Black Blocs e Occupy contra o governador Geraldo Alckmin.  Estranho para outros, mas para mim, não é.  Vejam as notícias e meus comentários para entender melhor o mais novo escândalo na área pública. 

Um lobista investigado pelo por envolvimento num esquema de propinas é apontado em documentos em poder do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) como intermediador do cartel que atuou em licitações para manutenção de trens urbanos de São Paulo. Agora, é apontado como intermediador do encontro que definiu o acerto que resultou no superfaturamento dos contratos de manutenção dos trens, segundo relato da multinacional Siemens.   Fonte: Folha.

No mês passado, a Siemens delatou às autoridades antitruste brasileiras a existência de um cartel - do qual fazia parte - em licitações de trens e metrô de São Paulo. Em troca, a empresa assinou um acordo de leniência, que pode livrá-la de punição ao fim da investigação. Fonte: Folha.

Comentário.

O escândalo denunciado pela Folha, já é desdobramento do outro caso, mais antigo, o caso Alstom, empresa francesa, fornecedora de equipamentos para o metrô de São Paulo. Ainda, noticiado à época, o Ministério da Justiça teria mandado ao Ministério da Justiça no período de 1998 a 2001, denúncia sobre 34 milhões de francos franceses que teriam sido pagos em propinas a autoridades governamentais do estado de São Paulo. 

Ainda segundo notícias da época, os contratos de consultoria teria sido autorizado pelo David Zylbersztain, secretário de Energia do Estado de São Paulo, que comandava a Eletropaulo.  David Zylbersztain era genro do presidente FHC, presidente da República à época.  O valor correspondente a propina era de 34 milhões, segundo notícias da época.

Agora a empresa Siemens vem denunciar o cartel da qual diz fazer parte, para fornecimento de equipamentos ao metrô de São Paulo, desde o ano de 2008.  É fogo amigo entre os cartelizados.  É a briga entre as hienas que respingou no governos do PSDB.  Curiosamente, os fatos ocorrem desde 2008 e somente, agora, depois de 5 anos vem ao público.  

O documento da denúncia está nas mãos do CADE, mas não se sabe se foi tomada alguma providência.  Pelas notícias, única iniciativa tomada, até agora, foi pelo Ministério Público do Estado de São Paulo.  Segundo Folha, em 2009, o consultor Arthur Gomes Teixeira teve os sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça em ação apresentada pelo promotor Silvio Marques, do Ministério Público estadual.  Pelas notícias, o consultor Arthur Gomes Teixeira teria sido o elo de negociação entre o cartel e os gestores do Metrô de São Paulo.

Apenas para esclarecimento, o cartel, supostamente paga propina para agentes públicos.  No caso noticiado, paga para os nomeados pelos governos PSDB de São Paulo.  Há outros tantos carteis funcionando no Brasil entre os quais o das distribuidoras de combustíveis fiscalizados pelo ANP, muito mais escandaloso do que sobre o dos fornecedores de equipamentos de metrô.  Há cartel das empresas aéreas, onde somente 2 empresas dominam 80% do mercado doméstico, fiscalizado pela ANAC.  Há cartel, até no setor de frigoríficos comandado pela empresa JBS.  

Em que pese a estranheza do momento da denúncia, já que o tema não é novidade, os fatos suspeitos devem ser apurados com rigor da lei, seja de que cor partidário ou o governo para qual pesa a denúncia.  No caso presente, mexe com o PSDB e em especial o governo Geraldo Alckmin do Estado de São Paulo.  Que não fique apenas no denuncismo e que os fatos noticiados sejam apurados com o rigor da lei, doa quem doer, imediatamente.  

Eu particularmente, não tenho compromisso com as falcatruas, seja de que partido for, PT, PSDB, PSB, Rede, PMDB ou outro qualquer. Errou quem imaginou que eu iria defender o Geraldo Alckmin. Meu partido é Brasil !

Ossami Sakamori

3 comentários:

  1. Mas isso e o retrato original brasileiro.De todo o canto dessepaiz tem roubalheira,pagamento de propina por parte de empresarios.Esse eh o ponto principal da corrupcao:os empresarios e o banqueiros que se deparam com a fragilidade de carater dos politicos.Mas,infelizmente,aqui no Brasil nem quem corrompe vai preso,muito menos o corrompido.O que urge na verdade eh a mudanca no Codigo Penal.Estive lendo o art.349 do CP, e nao acreditei.Abracos

    ResponderExcluir
  2. A ESTRANHEZA QUE ME OCUPA É A SIEMENS SE INDISPOR CONTRA AS OUTRAS FORNECEDORAS. PARECE QUE QUER SER A ÚNICA A ENTRAR NAS COTAS DAS FERROVIAS E DO TREM BALA QUE SERÃO LICITADOS LOGO MAIS. HUUUUUUUMMMMM! TEM ALGO DE PODRE NO AR.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns.... pelos seus comentários, o Brasil esta cheio de podridão e o povo não está aguentando mais. abraços.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.