Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Dilma prefere olhar umbigo dos outros do que do próprio.

Presidente Dilma voltou a fazer declarações que merece reparos.  Em itálicos estão as declarações atribuídas à Dilma Rousseff, pelo tradicional jornal Folha de São Paulo. Em cada declarações, faço os reparos necessários, para que os leitores leigos em economia, não deixem de se enganar pelas meias verdades ditas pela presidente.  

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira (28) que o Brasil tem "bala na agulha" para enfrentar a situação de variação cambial que afeta o real. Ela reafirmou que o câmbio é flutuante, mas que as intervenções no mercado feitas pelo Banco Central são para impedir que essas flutuações sejam "abruptas". Fonte: Folha.

Comentário.

A afirmação de que o câmbio é flutuante é uma meia verdade, pois ela própria admite intervenções diárias do Banco Central no mercado de câmbio, embora com instrumento denominado de swap cambial tradicional.  No Brasil o câmbio não tem livre flutuação, pelo contrário o Banco Central exerce o poder de calibrar o mercado de câmbio, mediante instrumento próprio.

"Nós estamos entre os cinco, seis países com maior volume de reservas do mundo. É como se a gente tivesse um colchão. Sabe aquela história de guardar dinheiro no colchão? A gente não guarda no colchão, mas o Brasil tem US$ 372 bilhões de reservas", afirmou. Fonte: Folha.

Comentário.

A presidente Dilma, disse meia verdade sobre a disponibilidade da reserva cambial de US$ 372 bilhões.  Esqueceu-se de referir à dívida  externa pública e privada de US$ 315 bilhões, que deveria ser deduzida da reserva para livre negociação sem que o mercado financeiro colocasse dúvidas sobre a liquidez da reserva cambial brasileira.  Se as reservas cambiais fossem de livre movimentação, o Banco Central não estaria vendendo swap cambial que é uma moeda fake do dólar, mas estaria vendendo o dólar à vista, queimando parte da reserva cambial.  Por que não faz?  

Com relação ao crescimento do PIB, Dilma não citou possíveis números das previsões para o Brasil, mas disse que nos Estados Unidos a previsão é de 1,7% em 2013 e que a Europa ainda está em recessão, embora alguns países estejam saindo disso. Fonte: Folha. 

"Você tem um quadro internacional nas economias de muito baixo crescimento e de recessão. A própria China está passando por um período assim. Nós estamos em uma situação de manter o crescimento e de manter as conquistas também", disse ela, citando ainda o controle da inflação. Fonte: Folha. 

Comentário.

Fazer referência do crescimento dos EEUU como termo de comparação para justificar o pífio crescimento do PIB, parece como comparar nota de um estudante universitário com o de um estudante do ensino fundamental.  O Brasil tem enorme gap para vencer até chegar no nível de desenvolvimento dos EEUU.  Se o Brasil quiser alcançar o nível de desenvolvimento dos EEUU, teria que crescer no mínimo o PIB da China, isto é 7,5% ao ano.

A comparação do Brasil com a China, em termo de desenvolvimento, também, presidente Dilma foi infeliz.  A China cresce há duas décadas acima de 7,5% ao ano, sem interrupção.  Na recessão, a China cresce a 7,5% ao ano, número de fazer inveja aos brasileiros.  Quanto ao desenvolvimento tecnológico da China, também foi infeliz.  O Brasil importa tudo da China desde produtos de consumo, até insumo para o parque industrial nacional.  Enquanto Brasil tenta colocar 480 Km de trem-bala, a China possui várias milhares de Km daquele meio de locomoção.

Falta para a presidente Dilma a humildade de reconhecer os nossos próprios erros e as próprias mazelas e encontrar o rumo para economia do País, do que ficar ficar fuçando os defeitos dos outros países desenvolvidos ou não.  A Dilma prefere olhar o umbigo dos outros do que do seu próprio. 

Ossami Sakamori

3 comentários:

  1. Caro Saka,...

    Ninguém entende a PresidANTA. Ela esta certa! Nós temos sim, bala na agulha! Ela só esqueceu de dizer que a bala esta em uma arma, que se encontra apontada para o povo brasileiro, que mais uma vez, há de pagar os desmandos de uma nefasta administração que só olha os horizontes eleitoreiros, de seu projeto de poder.

    O povo, pela sua pouca capacidade de compreensão dos meandros da economia e por estar anestesiado pelas incontáveis prestações do automóvel e da TV Plana, aliado as bolsas esmola, acha que assim esta bom, e vai levando.

    Como fazê-los entender, por exemplo, que a baixa da conta de luz, será paga em dobro, pelo erário, dinheiro de todos, e que claro, será desviado de outros fins, tais como saúde, educação e outros sumamente importantes. O povo esquece a fila do SUS, assim que chega em casa e liga sua super 42 polegadas a Led e sei mais o que,...

    Pão(pouco e agora mais caro pelo aumento brutal do trigo) e circo, cada vez mais raro e menos engraçado,...

    ResponderExcluir
  2. Para uma mini crise um NANO GOVERNO!

    ResponderExcluir
  3. Dilma está copiando o seu patrão, Lula, que também tinha essa mania de olhar para o rabo dos outros... A economia da D. Dilma é tão "fake" quanto os produtos baratos da China - a melhor comparação entre o Brasil e China só pode ser esta....

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.