Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Economia. Por que e onde a Dilma está errando?


Vocês devem estar se perguntando porque o japonês (eu) está tão preocupado com o rumo da economia do País.  Sem utilizar linguagem economês, vou tentar explicar as minhas razões.  Estou longe de ser o pessimista como disse há alguns dias a presidente Dilma.  A minha formação de engenheiro e com experiência de ter militado no mercado financeiro, enxergo a economia brasileira tão claramente como ver pedras fundo do riacho de águas cristalinas.

O que é que o mercado, os empresários, os analistas econômicos, estão a falar?  Tudo mundo está preocupado com a inflação que, dizem, estourou o teto da meta de 6,5%.  Houve grita geral, como se a casa tivesse caído.  Agora, em uníssono, defendem o aumento da taxa de juros básicos Selic, como se fosse a solução do problema da inflação.  Ah, se a taxa Selic resolvesse a inflação, nem precisaria de ministro da Fazenda ou presidente do Banco Central.  Bastava ir calibrando a taxa Selic, toda vez que inflação atingir o teto da meta.

Acontece que atrás dessa briga toda, desse alarde todo, em torno da inflação e Selic, esconde o erro sistêmico da política econômica da Dilma.  É mais ou menos, o médico diante do paciente, ficar discutindo com a enfermeira sobre calibragem do termômetro.  Esquecem do diagnóstico da doença, no caso do Brasil a sua economia.  Esquecem de receitar remédios, porque os remédios são sempre amargos para o paciente.  Preferem enganar o doente, com improviso, com gambiarras, com espumas, esperando que ele se cure sozinho, como milagre do apóstolo Valdomiro Santiago.

O problema todo é que a Dilma e equipe, deram Red Bull para o doente, o povo, para ficar "eufórico" e esquecer que existe doença.  O nosso Red Bull, tem o nome de câmbio.  O governo Dilma, vem controlando o câmbio em patamares irreais.  Com o real apreciado ou valorizado, provoca sensação do "poder de compra".  A Dilma acostumou a população com Red Bull e agora não sabe como tirá-lo.  A população poderá sentir a falta.  A Dilma que dá uma de médico gerentona, descobriu que o quadro do paciente deteriora a cada dia, mas não acha saída para tirar Red Bull da população.

O quadro do Brasil é mais ou menos parecido com o doente apresentado acima, o povo ficou viciado com o dólar barato.  Só que o dólar barato, está provocando desindustrialização e desnacionalização dos produtos.  Importamos dos chineses, desde tomate ao feijão preto.  E para importar tais produtos, que antes produziam no País, o Brasil tem que entregar aos chineses, cada vez mais quantidade de minérios de ferro para pagar a conta.  

O dinheiro não dá na árvore.  Com a gastança em importações de produtos essenciais como combustíveis e em serviços não essenciais como gastos em viagens internacionais, vai queimando a reserva.  Vai chegar ao ponto em que a Dilma vai ter de reajustar o dólar, desvalorizando o real, sob pena de queimar as Reservas Cambiais e tornar o Brasil vulnerável economicamente no mercado financeiro internacional.  Exemplo dessa situação já viveram e vivem ainda os países como Portugal, Grécia, Espanha, Itália.  O resultado é o desemprego e empobrecimento da população.  

Resumindo, o foco do problema do Brasil, não é controlar inflação com o aumento de taxa Selic.  O problema, de agora em diante, passa a ser de como segurar a inflação com ajustamento do dólar em patamar realista, isto é desvalorizando o real.  Vai ser uma gritaria geral.  A reeleição da Dilma, até agora considerada com líquida e certa, passa a ser duvidosa.  Isto, nem mesmo as oposições a Dilma estão enxergando.  Se as oposições, não defendem o realismo cambial, a troca de comando do País, é como trocar seis por meia dúzia, não adianta nada!  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.