Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Economia BR I. Por que não saimos do PIBinho?


Já vou avisando que esta matéria não é para quem milita na área econmômica, que insistem em pensamento ortodoxo.  Estou cansado de ouvir teorias e teorias, análises e análises, sempre baseados em premissas equivocadas.  Vou tentar mostrar aos leigos, que é a maioria da população, o que está acontecendo com a economia no Brasil e por que não conseguimos fazer o PIB crescer nos mesmos níveis de países emergentes.  

Ponto número 1.  A política econômica da presidente Dilma é intervencionista, ao mesmo tempo que quer praticar as teorias neo-liberais (sic) de livre concorrência.  A establidade da moeda é conseguido às custas de intervenções em diversos pontos nevrálgicos da economia, como o câmbio e tarifas administradas.  Esta política iniciou-se após a crise financeira mundial de 2008, com orientação do ainda presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles.  Valeu a medida para a época.

Ponto número 2.  O equívoco da política econômica (sic) da Dilma é dar continuidade da solução provisória adotadata pelo Henrique Meirelles, no momento de extrema gravidade em 2008.  O mundo já vem se adaptando aos novos tempos.  Os principais atores globais já tomaram medidas que aos poucos vem surtindo efeito na economia real.  Os EEUU voltaram a crescer ao nível de antes da crise, nos níveis de 2,5% ao ano.  O Japão, também, com nova política econômica implementada no início deste ano, prevê crescimento de 2,5% ao ano, após quase 2 décadas de estagnação.  A Alemanha está paulatinamente saindo da crise financeira que também a abateu.

Ponto número 3.  A presidente Dilma acaba de determinar que o Banco Central cuida da inflação e o ministro da Fazenda o crescimento econômico.  É uma tremenda besteira que ela fez.  Da maneira como está, o Banco Central vai pisar no freio do crescimento e o ministério da Fazendo o acelerador.  A consequência é que um efeito mata o outro.  Dessa maneira, não conseguimos segurar a inflação e nem tão pouco o crescimento do PIB.  É uma atitude "bipolar" que não é permitido na área econômica.  Vai desaguar em "estagflação", isto é inflação com crescimento pífio do PIB.  

Ponto número 4.  Não se faz economista como antigamente.  Não há economista que alerte o "erro sistêmico" da política econômica da Dilma.  Os ícones dos empresários, nem piam porque são beneficiários do Bolsa Empresário, com juros subsidiados a 3,5% ao ano.  Os analistas econômicos, se é que eles são, só comentam sobre taxa Selic, que é apenas 1 dos muitos mecanismos da política monetária.  Paramos de olhar o horizonte, só olhamos onde vamos pisar no dia de amanhã.  Viramos todos lobotomizados à serviço da nossa rainha Dilma Rousseff.  Tudo pela reeleição dela em 2014.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12  

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.