Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

DÓLAR DEPRECIADO VAI QUEBRAR O BRASIL



Após dados sobre o desempenho da economia europeia terem desapontado os investidores, ampliando o sentimento de cautela sobre uma recessão global, o dólar negociado no mercado à vista --que é utilizado como referência para as negociações no mercado financeiro-- fechou esta quinta-feira (14) em baixa de 0,31%, cotado a R$ 1,959 na venda. Fonte: Folha.

Esse é o menor nível de fechamento desde 11 de maio de 2012, quando a divisa encerrou a R$ 1,945 no mercado à vista. O dólar comercial --usado para transações entre o Brasil e o exterior, como importações e exportações e remessas de empresas estrangeiras para seus países de origem-- também registrou queda de 0,3%, cotado a R$ 1,958 na venda.  Fonte: Folha. 


O câmbio no Brasil está num patamar bastante razoável e "dá certa competitividade" à indústria, segundo o ministro Guido Mantega (Fazenda). Se dizendo satisfeito com o patamar atual, ele disse que a apreciação da moeda norte-americana registrada no início deste ano, quando a cotação do dólar saiu de algo em torno de R$ 2,10 para um nível ligeiramente abaixo de R$ 2, ocorreu "dentro de uma margem razoável". Fonte: Folha.

"Estamos com câmbio que dá certa competitividade para as exportações brasileiras e que não permite tanta invasão de produtos a preços artificialmente baixos", afirmou. O ministro disse ainda que o câmbio não será instrumento para controlar inflação e que os juros ainda são a principal arma do Banco Central contra alta de preços. Fonte: Folha.

Comentário.

O ministro Mantega afirma que o dólar vai ficar na banda cambial informal entre R$ 1,90 e R$ 2,00.  Ao contrário do que ele afirma, o câmbio está funcionando como âncora da política econômica do governo Dilma.  A competência de balizar o câmbio não seria do ministro Mantega, mas sim do Alexandre Tombini, presidente do Banco Central.  A presidente Dilma criou situação que colocou a economia brasileira no círculo vicioso.  

A âncora do câmbio está funcionando como ´tabua de salvação para a sobrevivência da Petrobras, mesmo com a defasagem no preço dos combustíveis.  A Companhia não vai aguentar a manutenção dos combustíveis por muito tempo.  Mesmo, mantendo a banda cambial informal na atual faixa, a alta dos combustíveis deverão vir até agosto deste ano.  Graça Foster, presidente da Petrobras já mandou avisar, via imprensa a data limite para o novo aumento.

O efeito nefasto, o círculo vicioso, é que a apreciação demasiada do real vai provocar déficit comercial, sobretudo pelas importações de combustíveis prontos.  Esta situação de abastecimento, com combustíveis prontos, permanecerá, na melhor das hipóteses até o final de 2014, quando as refinarias em ampliação e a refinaria Abeu e Lima entrarão em operação.  

O déficit comercial nos próximos meses, vai deteriorar a situação da Reserva Cambial, no momento, confortável.  Com a queima da Reserva Cambial, vai haver saída de capital especulativo do País.  Como bem disse ministro Mantega, o governo vai lançar mão de aumento nas taxas de juros Selic, para tentar atrair o capital estrangeiro, para financiar a dívida interna.  

No médio e longo prazo, já foi dito por mim, em diversas ocasiões, a "compressão" do câmbio no atual patamar, vai trazer efeito danoso à economia.  O processo de "desindustrialização" que se iniciou no governo Lula, vai continuar em processo mais rápido do que antes.  A consequência é que o PIB brasileiro vai cair, novamente.  Não se pode esperar o PIB melhor que o do ano de 2012.  

É um jogo perigoso praticado pela dupla Mantega/ Tombini.  Estamos num círculo vicioso, portanto qualquer deslize ou erro, poderá agravar cada vez mais o processo de "estagflação" que se instalou no País.  Precisamos urgentemente colocar o paciente Brasil na UTI, para recuperar-se de "overdose" de equívocos.

Mantega tenta mitigar o círculo vicioso que o País se meteu, mas a situação não se manterá por muito tempo. Uma hora explode!

Dólar depreciado é mortal para economia brasileira.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT. Twitter: @sakamori12

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.