Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

DILMA MENTE SOBRE JUROS DA DÍVIDA PÚLBICA!


Segundo levantamento feito pelos repórteres Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, da Agência Estado, por sinal um trabalho bem feito, mostra que a taxa Selic mascara a referência usada pelos noticiários em geral, sobre o custo de carregamento da rolagem de juros do Tesouro Nacional.  Lembrando que a taxa Selic está em 7,25%, enquanto o custo médio de juros da Dívida Pública Mobiliária Federal em janeiro estava em 11,77%.  Leiam o noticiário e comentário na sequência.


Apesar da queda da taxa Selic, o custo médio da Dívida Pública Federal (DPF) está em alta. O custo médio em 12 meses até janeiro subiu de 11,55% em dezembro para 11,77% em janeiro. Já o custo médio da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) em 12 meses passou de 11,30% para 11,31% no mesmo período.Fonte: Estadão.


De acordo com divulgação feita nesta segunda-feira pelo Tesouro Nacional, a participação de investidores estrangeiros na DPMFi subiu de 13,72% em dezembro de 2012 para 14,41% do estoque em janeiro deste ano, totalizando R$ 264,85 bilhões. Fonte: Estadão.

O grupo previdência apresentou também um crescimento na participação do estoque da DPMFi subindo de 15,98% para 17,14% no período. As instituições financeiras, por outro lado, apresentaram queda na participação no estoque da dívida de 30,09% em dezembro para 26,71% em janeiro. Fonte: Estadão.

Os fundos de investimento aumentaram a participação de 24,65% para 25,24%, apesar do valor absoluto em estoque ter caído para R$ 463,84 bilhões. Fonte: Estadão.

Em relação aos títulos que compõem a dívida, a parcela atrelada à taxa Selic (taxa flutuante) subiu para 22,92% do total. Em dezembro, o estoque desses papéis, que o governo quer reduzir para 14% até o fim do ano, estava em 21,73%. Fonte: Estadão.

Comentário.

Atrás dos fatos levantados pela Agência Estado coloca em dúvida as declarações, repetidas vezes, feitas pela equipe econômica e pela própria presidente Dilma de que os juros estão em baixa.  É uma meia verdade ou melhor uma mentira inteira.  Como pode ver na reportagem acima, no que eu já tinha conhecimento, a média de juros que o governo Dilma pagos para para manter a Dívida Pública Federal está em alta.  Enquanto a taxa referência é de 7,25%, a taxa real é de 11,77%.  E o juro real está em trajetória ascendente.

E o que tem isto a ver com isso com o restante da economia?  Tem muito a ver.  Significa que o Brasil dispende, considerado somente a dívida líquida, cerca de RS$ 225 bilhões ao ano em juros para manutenção do seu endividamento.  Como pode ver, o famigerado Superávit Primário de cerca de R$ 140 bilhões, nem de longe cobre os jutos do estoque da dívida.   

As distorções já aparecem quando o governo anuncia o estoque da DPMF ou DPF, em R$ 1,925 trilhões.  O número foi usado por mim para cálculo do dispêndio dos juros pagos pela União acima.  O número da dívida pública federal, na realidade, é resultado de "gambiarra" feita pela equipe econômica, pois que do montante da dívida pública é descontado a Reserva Cambial. Portanto, a dívida pública bruta é muito maior.  Diga-se de passagem, a parte da União da Reserva Cambial, é aplicado em título do tesouro americano à taxa de 0,25% ao ano.  A Reserva Cambial muda diariamente, mas está beirando os US$ 400 bilhões.  Então, já viu, não é?  

A consequência mais grave nesta história, é o montante do Bolsa Empresário, concedido, sua maior fatia, a uma meia dúzia de empresário chegado ao Palácio do Planalto, entre os quais Henrique Meirelles do JBS e menino Eike Batista do EBX.  Desde 2009, o governo já injetou cerca de R$ 400 bilhões no BNDES, com finalidade específica de atender a estes empresários, a juros subsidiados de 3,5% ao ano.  Dilma é Robin Hood ao inverso. Tira dos pobres (contribuintes) para dar para os ricos (Meirelles, Eike e companhia).

Se o governo paga 11,77% ao ano pelo dinheiro repassado, o prejuízo é (11,77% - 3,5%) = 8,27% ao ano.  Na prática, Robin Hood ao inverso, no montante anual de R$ 33 bilhões.  Dinheiro que poderiam ter ido para edução, saúde e segurança pública. Curiosamente, o número é maior que o dispêndio em Bolsa Miséria de RS$ 22 bilhões.  Não tenho razões de denominar os empréstimos subsidiados do BNDES de Bolsa Empresário?  Estou certo ou não?

Viro "macaco" se alguém da equipe econômica da Dilma, contestar os números apresentados.  Não adianta vir com os "jeitinhos" para contrapor os números apresentados.  Não adianta usar da "semântica" para tentar mascarar ou justificar os "considerandos" dos números apresentados por mim.  Posso ter errado em alguns décimos os números, pois que o governo Dilma os guarda a "sete chaves".  Só BC e Fazenda sabem exatamente o número real.  Os números passado ao povo são aquelas que já sofreram ajustamentos "na coxa".  Tudo para manter a popularidade da Dilma em alta.

E aqui vou tecer críticas aos principais candidatos à presidência pela oposição.  Nenhum desses candidatos, atém-se aos números dos "jeitinhos" para fazer crítica contundente.  Ficam discutindo o genérico, mas sobre o essencial nada se fala.  Pode ser que eles, os candidatos à presidência, quando conquistarem o poder façam exatamente como faz a Dilma, vai dar "jeitinhos" para enganar o povo.  Cadê os articulistas e comentaristas "ícones" da televisão para  fazer a análise dos fatos?  Claro, tem algumas exceções.  Ainda bem, não estou solo. 

Não tenho pretensão de ser o dono da "verdade".  Qualquer contestação poderá ser feita no rodapé deste, no espaço reservado para comentários.  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, com habilitação em economia e estatística. Twitter: @sakamori12

Um comentário:

  1. MAS È MAIS DO QUE CLARO QUE OS JUROS,TAXAS E TUDO QUE SE REFERE AOS NUMEROS DE NOSSA ECONOMIA SÃO FALSOS E MANIPULADOS DE ACORDO COM AS CONVENIÊNCIAS DOS GOVERNOS E ASSIM A ECONOMIA VAI AOS TRANCOS E BARRANCOS SEMPRE COM UM BURACO COBERTO POR UMA DIVIDA ARRUMADA PARA ISSO GERANDO OUTRO BURACO NOVA DIVIDA COMO NUM MOTO CONTINUO .OS NUMEROS APRESENTADOS PELAS AUTORIDADES ECONOMICAS SÃO COMPLETAMENTE ABSTRATOS È UM JOGO IMPRESSIONANTE DE UM TOMA CÀ DÀ LÀ E AS CONTAS QUE NÃO FECHAM SÃO ARTIFICIALMENTE ACEITAS SEMPRE COM ALGUMA DESCULPA ESFARRAPADA OU COMO SE DIZ NA MODA ATUAL<FOI UM FATO PONTUAL.CLARO E OBVIO QUE O GOVERNO TIRA DO INVESTIDOR BRASILEIRO UMA PARCELA IMENSA AO REMUNERAR SEUS INVESTIMENTOS COM TAXAS RIDICULAS E OS EMPRESTA AOS RICOS EMPRESARIOS QUE OS SUSTENTAM COM TAXAS BAIXISSIMAS GANHANDO EM AMBAS AS PONTAS COM A VANTAGEM QUE DINHEIRO EMPRESTADO A RICOS RETORNAM AOS SEUS BOLSOS EM FORMA DE PROPINA E QUANTO A NÒS FICAMOS SEM ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO E SUJEITOS AO HUMOR DO MERCADO POR ELES MANIPULADO.RESUMINDO NÃO SABEMOS E NUNCA IREMOS SABER PARA ONDE CAMINHA NOSSA ECONOMIA E ELES TALVEZ SAIBAM MENOS AINDA MAS O PROPIO MERCADO UM DIA SE ENCARREGARÀ DE FAZER COM QUE TUDO VENHA A TONA E AÌ O PREZUISO JÀ ESTARÀ SE CONSUMADO E PEQUENAS CABEÇAS DE BAGRE ROLARÃO MAS OS PEIXES GRAÙDOS FICARÃO E TUDO RETORNARÀ NOVAMENTE È ASSIM QUE FUNCIONA E NÃO VAI SER DIFERENTE.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.