Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O "pessimismo econômico"

Discussões medíocres! Não há oposição!

O tema principal do povo brasileiro é o "pessimismo econômico". Como de repente, o tema virou centro de atenção dos agentes econômicos públicos e privados.  Os notórios formuladores da economia do País, começam botar a boca no trombone. Nada mais hipócrita!

Quanto comecei fazer crítica ao "erro sistêmico" da política econômica (sic) do governo Dilma, fui taxado de "pessimista" e "pregador de apocalipse".  Muitos me fizerem convites pra sair do País. Enfrentei as críticas de dentes cerrados, quase solo.  A presidente Dilma estava com a popularidade nas alturas, 77% de aprovação.

Como eu previ, o grande equívoco da política econômica (sic) viria trazer consequências funestas, fosse no médio ou longo prazo.  A economia é assim, os resultados das medidas são sentidos ao longo dos meses.  Mas a economia é previsível dentro de uma relativa estabilidade política e econômica no cenário externo.  A conta veio para pagar.

Como já disse neste blog, 1.200 vezes, o "pessimismo econômico" era previsível.  Na minha visão era como 2 + 2 = 4. As medidas equivocadas trariam consequências, inexoravelmente.  O período do oba-oba acabou.  As improvisações veio para serem pagas.  E a Dilma vai pagar pelos próprios erros cometidos.  

Seja como for, depois de descoberto leão, todo mundo vira caçador.  Agora, todos são cientistas e analistas econômicos.  Falam do "pessimismo econômico" sem entender bem as causas que nos levam ao estado de espírito.  Depois de descoberto o leão, discute-se as armas para abater o leão.  À essa altura, todo mundo é caçador. Até mesmo quem tem estilingue quer demonstrar como matar o leão.  

É aqui que esconde o outro equívoco.  Diagnosticar o quadro econômico dentro do quadro negativo registrado é relativamente fácil.  Criticar é fácil.  Os novos formuladores de economia, em sua maioria, erram novamente nas armas. Leão solto, as armas terão que ser certeiras.  Não se brinca com o felino solto.  Novamente, há muito blá-blá-blá!

Tenho ouvido opinião de formuladores da economia dos principais candidatos.  Eles são bons de diagnósticos, mas não tem visão da economia para promover crescimento sustentável.  O Brasil é rico em ingredientes.  Não seria necessário um sábio, um novo ícone, para consertar o País. Basta seguir os receituários dos países que crescem a 7,5% ao ano.  Não precisa reinventar a roda. Basta um economista que tenha sido aplicado no curso de economia em qualquer universidade do País para formular o plano econômico.

Sei que poucos lerão esta matéria.  Poucos lerão, porque já descobriram o "pessimismo econômico" que se instalou no País.  É uma pena!  É uma pena mesmo!  O País é feito de muitos economistas medíocres, ícones da imprensa.  Os bons se calam.  Calam-se, os bons, porque não encontra o real ambiente de mudanças, politicamente.  

Assim como muitos, vou me recolher, no meu canto, donde saí em 15 de fevereiro de 2012 para alertar sobre a perspectiva do "pessimismo econômico" que iria configurar. Vou deixar os abutres da onça morta por atiradores de plantão. Vou me embrenhar no meio dos medíocres para assistir a mediocridade das discussões. 

Sempre haverá quem queira posar de caçadora!

Cansei de lutar pelo País!

Ossami Sakamori

10 comentários:

  1. Oh Ossami, achei seu discurso pessimista. Não jogue a toalha, lute! Vamos dar nomes aos bois, isto é, fulano não vai resolver...beltrano tem que contratar o sicrano para a economia, este eu aprovo! Otimismo, meu caro, e renovadas esperanças de que a coisas mudem. Valeu o conselho "Basta copiar o modelo de um país que cresce 7,5% a.a." Talvez somente a China.

    ResponderExcluir
  2. Querido Saka,
    Mandei uma mensagem de aniversário mas só agora entendi que fala sério quanto a parar o blog.
    Em um de seus posts ainda em 2012, você questionava o país, que um país sério não poderia ser assim, e eu comentei que -infelizmente- o Brasil não é mesmo um país sério. Nunca foi, e este governo atual está acabando de destruir o pouco que havia de virtudes.
    Acompanhei durante todo esse tempo o perfil de seus textos se alterando, o tom de esperança passando para o de descrença. As contas nas redes sociais sendo caçadas, os absurdos que só aumentam...
    Não sei se posso pedir para que continue, pois sinto o quanto tem sido dura a disciplina de sempre denunciar e com (aparentemente) poucos resultados práticos.
    Mas te digo: o que você já fez acrescentou argumentos ao meu repertório, amadureceu minha visão, e agradeço imensamente!
    Saiba que este trabalho foi(é) muito importante! Quando(se) a esperança reflorescer, volte a escrever, mesmo que esporadicamente... pois quando todos os bons se calarem, será o fim. Precisamos de você!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Sakamori:

    Não faça o que você não gostaria de fazer.

    É justamente isso que muitos medíocres estão esperando.

    É fácil?

    Com certeza, não.

    Não tenho (nem deveria ter) a intenção de achar que está errado, afinal, você tem uma vida brilhante dando testemunho de você.

    Com certeza fará uma falta enorme para nós que nos acostumamos com você e com o que você pensa e como nos diz isso tudo do seu modo todo especial.

    Sei que não é fácil, repito, vermos triunfar tantas nulidades.

    Que pena desse nosso país.

    Abração, meu amigo.

    ResponderExcluir
  4. Prezado Sakamori,

    Permita-me uma humilde sugestão.
    Não deixe de se comunicar com seus seguidores.
    Necessariamente não precisa falar de politica,pois nosso país nem de quinto mundo é:é de outro mundo mesmo.
    Tanta miscigenação,nossa origem e perpetuação de uma cultura podre como a nossa onde nosso lema deveria ser (na prática é,mesmo) ¨QUEM PODE MAIS CHORA MENOS¨ e não ¨ORDEM E PROGRESSO¨.
    Infelizmente,as pessoas só pensam no enriquecimento fácil,a qualquer custo.
    Um país que não previlegia o estudo sistemático,sem técnicos a altura do desenvolvimento mundial e que,com ¨CURSINHOS WALITA¨(quem é mais antigo,sabe o que é isso) não pode sair do lugar.
    Aqui,quem tem é e quem é nada vale.
    Continue,quem sabe mudando a tônica,mas continue.
    Quem sabe,daqui 5 anos seremos a mais nova estrela vermelha na América,simbolo do comunismo e,fatos falam por si.
    Estamos com você,torcendo por você.
    Deus o abençoe (e a nós também).

    ResponderExcluir
  5. "... vou me recolher, no meu canto..."

    Vai nada, pô! Que merda è essa? Desistir sempre foi sempre apanágio dos fracos e o senhor e fraco nada tem!

    Sabemos que estamos praticamente na banca rota por causa dessa louca búlgara, mas não podemos deixa-la tranquila!

    E quanto ao PT, por que deixa-lo bater palmas satisfeito?

    Pense e medite antes de cometer esse erro!

    ResponderExcluir
  6. PÔ SAKAMORI, AGORA QUE TÁ FICANDO BOM VOCE VAI JOGAR A TOALHA?

    ResponderExcluir
  7. Pessimo econômico! Existe sim!

    "O alto custo da eletricidade no Brasil e incertezas sobre o abastecimento desse insumo ameaçam tornar-se mais um freio para a economia, alertam analistas consultados pela BBC Brasil.

    De acordo com Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), é difícil quantificar com precisão o impacto dessa combinação sobre o PIB, "mas ele certamente será significativo, principalmente na indústria".

    "Já temos até empresas inadimplentes, que ameaçam fechar as portas por não estarem preparadas para esse aumento em seus custos de energia."

    (...)"

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/07/140721_sistema_eletrico_ru.shtml

    ResponderExcluir
  8. Do Blog Alerta Total.

    "MPF pode denunciar ministros do TCU por improbidade que livrou Dilma de responder por Pasadenagate

    Deputados do PSDB ameaçam acionar o Ministério Público Federal para pedir que os membros do “Tribunal” de Contas da União sejam enquadrados em crime de improbidade administrativa, por terem tomado a decisão política – e não técnica – de enquadrar a diretoria executiva e livrar conselho de administração da Petrobras pelo prejuízo de US$ 792 milhões de dólares na compra da refinaria Pasadena, no Texas, EUA. A bronca pode atingir os ministros Augusto Nardes (presidente), Aroldo Cedraz (vice e corregedor), Valmir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Raimundo Carneiro, Benjamim Zymler, Ana Arraes, José Jorge e José Múcio Monteiro Filho.

    A tese contra os ministros do TCU é objetiva. Eles não poderiam ter ignorado o Estatuto da Petrobras. Nele está escrito que a responsabilidade sobre a aquisição de ativos cabe ao conselho e não à diretoria executiva. Por isso, não tem validade jurídica a decisão unânime dos conselheiros do TCU de poupar Dilma e demais conselheiros envolvidos no caso Pasadena. Desviar a culpa apenas para a diretoria foi um “gol de alemão”.

    A bronca maior dos tucanos recai sobre dois membros do TCU. O relator José Jorge preferiu poupar Dilma e demais conselheiros, sendo providencialmente seguido acompanhado, na votação, pelos demais ministros. O ministro José Múcio Monteiro fez ainda pior, por ter se reunido com o ex-Presidente Lula da Silva, na véspera de o caso ser avaliado pelo “tribunal” (que não é tribunal no sentido judiciário do termo, mas apenas um órgão auxiliar de fiscalização das contas públicas, tecnicamente vinculado ao Poder Legislativo, mas cujos membros são indicados pelo Executivo, no pior estilo do Capimunismo brasileiro).

    (...)"

    ResponderExcluir
  9. Desistir é covardia e voce não é um covarde, está sempre enfrentando e lutando. Agora é a hora! como diz a música....."Quem sabe faz a hora não espera acontecer...vem vão bora!!

    ResponderExcluir
  10. sugiro que use a sua cátedra para desenvolver uma ideias econômica única para a realidade brasileira , não faça só a critica coloque em pratica os seus pensamentos , seja inovador ! não faça com FHC que copio um plano econômico alienígena no molde americano (NEW DIAL ) boa sorte !

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.