Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 26 de julho de 2014

Economia BR. Dilma nos faz de asno!

É assim que a Dilma nos enxerga!

Os economistas tanto falam em balança de pagamentos, balança de transações correntes, balança comercial, investimento estrangeiro direto (IED), balanço de contas financeiras, etc. que os leigos ficam perdidos no meio do cipoal de números e designações.  

Vou tentar explicar aos leitores deste blog, o que se passa com as finanças do Brasil, sem entrar nos detalhes de economês.  Fiquem tranquilos, não vou explicar o que significa cada designação.  

O Brasil na época colonial vendia ouro, minérios de outras espécies e madeiras para pagar a importações de produtos manufaturados, sobretudo vindo de Portugal.  A balança comercial ficava mais ou menos com números empatados. Muitas vezes pagavam os produtos importados com empréstimos feito à cora portuguesa.

Já no início da República, o Brasil continuavam comprando produtos importados e pagavam com o dinheiro das exportações de café e de minérios.  A conta das importações eram maiores do que de exportações.  O Brasil continuou a a fazer empréstimos para pagar a conta do consumo.  

No passado recente, sobretudo com a vinda de montadoras no País, as contas de importações eram pagas como o dinheiro das exportações de café e de minérios e agora com o dinheiro do investimento estrangeiro.  Nem sempre, os dinheiros de investimentos estrangeiros não conseguiam cobrir a conta das importações, então faziam-se novos empréstimos no mercado internacional.

Hoje, o Brasil continua importando produtos manufaturados e produtos de consumo, como dantes.  Pior, nos últimos 12 anos do governo PT, a produção de manufaturados no Brasil decresceu de 26% do PIB para 12% do PIB, portanto, importamos mais do que antes.  Hoje, o Brasil compra de tudo, desde quinquilharia chinesa até produtos agrícolas como trigo e feijão preto.

Devido a desvalorização artificial do dólar, o Brasil gasta mais do que recebe em turismo internacional.  Mesmo no mês de junho, com a realização da Copa das Copas, os brasileiros gastaram no exterior mais de US$ 2 bilhões, enquanto turistas estrangeiros internaram no Brasil cerca de US$ 800 milhões.  No item turismo, já se percebe que tem algo de errado.  Se o País depende de capital estrangeiro e de empréstimos, por que gastamos tanto em turismo no exterior?  Isto é um indício forte do equívoco da política econômica!

O Brasil gastou "a mais" em dólares no exterior nos últimos 12 meses cerca de US$ 81 bilhões.  Eu disse: gastou a mais! Significa que se os estrangeiros não fizessem novos investimentos de capital nos últimos meses, cerca de US$ 63 bilhões, o Brasil estaria inadimplente no mercado financeiro internacional.  Ainda assim, para fechar a conta da Balança de Pagamentos "zero a zero", foi necessário o País buscar o dinheiro faltante US$ 18 bilhões em empréstimo com os agiotas internacionais, pagando os juros mais alto do mundo.  

O que eu chamo de erro sistêmico da política econômica?  É justamente, a dependência do Brasil do dinheiro estrangeiro para a própria sobrevivência. Brasil não consegue pagar a conta da própria sobrevivência com o dinheiro da produção brasileira.  O Brasil está refém dos investidores estrangeiros e dos agiotas internacionais.

É mais ou menos como o cara que tem uma lojinha e não consegue pagar as contas.  O que ele faz? Ao invés de aumentar o faturamento, vai buscar um sócio para injetar o capital.  Acontece que o Brasil, faz como se o cara da lojinha, vai buscar o dinheiro de um novo sócio ou do sócio antigo para se sustentar.  O Brasil como o cara do lojinha, não se preocupa em aumentar a produção para poder gastar.  Gasta-se o dinheiro que não tem.  

Resumindo, o Brasil vive eternamento do capital estrangeiro para a própria sobrevivência.  É mais ou menos aquela história de que alguém come "mortadela" e arrota "caviar". Para estrangeiros o Brasil é um maná para ganhar dinheiro. Mas, para o brasileiro continua a carregar a sina de explorados!  Não por culpa dos exploradores, mas sim pela culpa própria.  O Brasil de hoje, não se prepara para ser independente amanhã.  Pelo contrário, estamos afundando cada vez mais. 

E o povo, continuará sempre explorado como colônia, mudando apenas de donos. Se ontem eram os portugueses que dominavam o País, hoje é a China que domina o Brasil. Saímos de uma mão para cair numa outra.  Por pura incompetência nossa, porque o Brasil tem potencial para tornar-se potência mundial.  Só não temos vontade de conquistar o devido lugar no mundo. 



Preciso desenhar?

Ossami Sakamori


2 comentários:

  1. "E o povo, continuará sempre explorado como colônia, mudando apenas de donos."

    Concordo! Já não temos remédio nem solução!

    Só podemos dizer fazendo uma profunda vênia com a nossa coluna: Sim patrão, para qualquer FDP político brasileiro e mesmo qualquer general. Eles adoram serem adulados, lisonjeados servilmente; bajulados, incensados e sabujados!

    Enfim, feitios!

    ResponderExcluir
  2. Antes fosse só isso o que cultivamos é o #CapitalismoLiquido leia
    http://t.co/5QhW1RXJGh, e entenderá o que acredito.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.