Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 14 de julho de 2014

BRICS. Sopinha de letras!


Amanhã, está previsto a realização de reunião da cúpula do países membros do BRICS em Fortaleza. Isto é mais um brinquedinho para os países emergentes, entre eles China, Brasil, Rússia, Índia e África do Sul.  Apesar da sigla amplamente divulgada, BRICS, pela imprensa do mundo todo, não passa de sopinha de letras.  Não há nenhuma estrutural formal que represente o BRICS, como a da OCDE, FMI, União Européia ou Mercosul.  

BRICS é um amontoado de dirigente dos países que compõe a sigla, para vender a imagem no front interno. Para os países desenvolvidos é apenas sopinha de letras, que não tem força nenhuma, porque não há nenhuma estrutura formal de representação.  Apenas local de encontro para massagear os egos de cada país membro.

A sigla serve para provocar notícias ao povo dos seus respectivos países.  Serve também para passeio de seus chefes de Estado a cada ano.  Nada mais que isto.  Se alguém disser o contrário, estará mentindo.

Falou-se muito em criar um banco no estilo de FMI, BID ou BIRD.  Mas a coisa ficou nas intenções.  A estrutura do banco que será anunciada amanhã, pela cúpula do BRICS, é apenas intenções de boa vontade entre os países.  Dá-se impressão de que o referido Banco será um organismo que vai dar suporte aos países membros.  Fica só a impressão, porque na prática não terá nem dinheiro e nem força.

O Banco terá capital nominal de US$ 50 bilhões, sendo US$ 10 bilhões para cada países membros.  O Banco deverá dar início às suas atividades em 2016.  A cota parte de cada país, os US$ 2 bilhões em dinheiro e US$ 8 bilhões em garantias deverá ser integralizados em 7 anos, à partir de 2016. Isto é a parte dos US$ 10 bilhões do capital social do Banco.

O restante US$ 40 bilhões que completam os US$ 50 bilhões, serão "cobertos", em tese, pelas garantias pelos membros participantes.  Cabe à China o aporte de garantia de 41%, Brasil, Índia e Rússia com 18% e África do Sul em 5%.  Tudo no prazo de 7 anos, à partir de 2016.  Resumindo, os chineses vão mandar o Banco.

O Banco, em tese, terá capital simbólico de US$ 50 bilhões, sendo apenas R$ 10 bilhões, em 2023.  O restante do capital que é representado pela garantia que só será colocado disponível ao Banco, quando algum dos membros do BRICS ou fora dele estiver em situação de pré-insolvência.  Na prática, não serve para m... nenhuma!

A sede do Banco será em China, nos 5 primeiros anos e terá sede rotativa.  A presidência do Banco terá mandato de 5 anos, rotativamente, sendo o primeiro mandato cabendo a indicação pelo Brasil.  Isto tudo, à partir de 2016.  Presidente Dilma, certamente, vai divulgar aos quatro cantos que o Brasil ocupará a presidência do Banco do BRICS, como se fosse maior trunfo. Mas quem manda no pedaço são os chineses.  Os outros países serão apenas coadjuvantes. 

Pelo contrário do que se imagina, a criação do Banco vai ter mais ônus do que benefícios para o País.  O Brasil terá que aportar US$ 2 bilhões em dinheiro e US$ 7,2 bilhões em garantias, como títulos ou reservas bancárias.  Talvez os únicos beneficiários seriam a Índia e África do Sul ou qualquer outro país que não faz parte do bloco informal BRICS.  Serve para satisfazer a vaidade dos chineses.


Vamos ver o que o marqueteiro João Santana está a preparar sobre o discurso da Dilma, amanhã.  Deve anunciar ao povo brasileiro como se o Brasil fosse líder do bloco informal BRICS.  Bem, vocês pelo menos já sabem que o bloco BRICS não é bem assim.  O Banco serve bem para China continuar mandando nos emergentes, literalmente.  


Vamos ver, o que a Dilma vai proclamar amanhã.

Ossami Sakamori


5 comentários:

  1. A China que se cuide. Se for rotativo, quando chegar a vez do Brasil tendo o PT na Presidência(tenho certeza que não vai), o banco vai falir de vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de o Banco falir,eles(chineses) que são muito mais espertos que os Petralhas,vão pegar a Banania e encher de SOJA ¨MADE IN CHINA¨ brasirera,neh o territorio chinês,russo,venezuelano,cubano,bulgado e quem mais quiser...

      Excluir
  2. Vão vender a Banania para os Vermelhos...
    Queria tanto aprender mandarim para lavar banheiro...
    Ou para apresender a manipular as caixinhas chamadas de urnas eletronicas,para sacanear o satanás de 9 dedos e sua troupe...
    Não sirvo para nada mesmo (nem para votar...)
    Que dó!

    ResponderExcluir
  3. A China já è um parceir comercial privilegiado do Brasil. Portanto, aqui cai toda a merda que eles fabricam com trabalho escravo sem sindicatos.

    Agora, fazerem um banco sem explicarem bem para o que serve, só deixa uma hipotese: vão-se juntar aos politicos corruPTos para também saquearem o Brasil.

    Mas o povo è calmo, pachorrento, uma manada bem dominada com militares de merda que parecem panacas quando se vestem com sua farda de gala e espada para o churrasco. A maneira como andam parece que enfiaram um pau de vassora pelo anûs acima. Para eles o Brasil que se dane! Somos cidadãos de 4ª cstegoria, ou seja, somos um monte de bosta.

    ResponderExcluir
  4. O importante é que a ordem econômica mundial está mudando, a hegemonia do FMI está em xeque com esta nova força mundial que pode representar o Banco BRICS. Mas os reacionários de plantão, alinhados com a velha forma de financiamento mundial, tentarão de tudo desqualificar a criação deste fundo. Os cães ladram e a caravana passa!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.