Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 30 de junho de 2012

CRÉDITO AGRÍCOLA. DILMA, VAMOS FALAR MENOS E FAZER MAIS?

O maior Plano Safra da história (sic), anunciado com estardalhaço pela presidente Dilma, corresponde correção de 7,7% ao plano de safra anterior, conforme noticiado pela imprensa, nestes últimos 2 dias. Os recursos adicionais virão da liberação da parte do depósito compulsório dos bancos e da poupança rural.

Anteontem, o governo anunciou o que foi classificado como "o maior Plano Safra da história", no qual dará R$ 115,25 bilhões de crédito agrícola para a safra 2012/2013, com redução média de 18,5% nas taxas de juros cobradas do produtor. Os quase R$ 15 bilhões liberados pelo CMN, ontem, fazem parte desse montante, que é superior aos R$ 107 bilhões liberados pelo governo federal para a safra anterior. Fonte: Folha.

O governo alterou as regras que determinam como os bancos têm de aplicar parte dos seus depósitos e, com isso, liberou R$ 14,8 bilhões para o financiamento da safra agrícola 2012/2013. Boa parte dos recursos, R$ 10,2 bilhões, virá da liberação dos chamados depósitos compulsórios - montante que os bancos são obrigados a deixar depositado no Banco Central. 

Uma boa parte do insumos agrícolas está atrelada em dólar, então, os recursos adicionais servirão para compensar parte do aumento destes insumos, se mantida mesma área plantada em relação a safra anterior.  

Notícias vindas de fora, com a solução parcial do problema de liquidez dos bancos europeus e injeção de cerca de EU$100 bilhões para incentivo ao consumo, o mercado sinalizou positivo.  Em consequência os preços dos commodities subiram ontem no mercado internacional.  Porém o efeito não será duradouro, uma vez que o montante destinado ao incentivo não é expressivo a ponto de dar guinada no panorâma econômico da Europa.  De toda forma, para os produtores agrícolas a notícia da Zona de Euro é positiva, com reserva. 

Sempre estou à esquerda da presidente Dilma, não propriamente pelas medidas, mas sim pela forma como são anunciadas.  A cada medida é dada a publicidade como se aquela fosse a salvação da pátria.  O que não é.  Segundo contagem da imprensa, o pacote agrícola é a 8ª medida de estímulo à economia implementada pela presidente Dilma, somente neste ano.  Se a propaganda correspondesse ao fato real, o Brasil estaria "bombando", já neste ano.  O que está ainda longe de acontecer.

Ossami Sakamori, 67, engenheiro civil, foi prof.da UFPR.
Twitter: @sakamori10

2 comentários:

  1. Este governo fala muito, faz pouco, gasta demais em propaganda, o povo acredita no blá, blá, blá, e a popularidade da presidente só aumenta, passa a impressão q todos estão hipnotizados, a única coisa q vai bem e aumenta de verdade é a corrupção!

    ResponderExcluir
  2. O modelo de marketing do atual governo foi herdado do governo Lula, que, tendo um projeto, o lançava como se já houvesse sido executado. Vide o Pré-Sal, quando se veiculou a notícia de que o Brasil ingressaria na OPEP diante de sua auto suficiência e excedentes de petróleo. Pura balela, pois na época já se sabia que o Pré-Sal somente produziria em escala comercial dentro de 10 a 15 anos. Assim tem sido todas as matérias de lançamentos de projetos, muitos sem sequer saírem do papel e já sucateados após consumo de muitos reais. Nosso povo ama a frase " Me engana que eu gosto!". Os governos populistas do PT fazem isso a torto e a direito, a pedidos do povo, claro!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.