Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 21 de maio de 2013

Confirmado! MP 595 era dos porcos!


Na semana passada foi aprovada a MP dos Portos, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.  Na Câmara dos Deputados foi aprovado em 2 dias de sessões, que entrou madrugada a dentro, numa dedicação nunca dantes vistas, pelo menos nos últimos 10 anos.  No Senado Federal, o projeto chegou pela manhã e no início da noite foi aprovado, sem emendas, para que a MP 595 não perdesse vigência. Ela vai ser sancionada pela Dilma e virar Lei.  

Normalmente faço meu comentário, após a notícia, mas desta feita, vou fazê-lo antes, para vocês entenderem melhor o assunto.

Na sessão da Câmara, que eu, pessoalmente, assisti, houve uma verdadeira lavagem de roupa suja entre os deputados da situação e da oposição.  Houve baixaria que desceu aos níveis que não condiz com o ambiente do parlamento.  As palavras pronunciadas nas "bocas malditas" de cada cidade, foram amplamente usadas no plenário da Câmara, tais como "porco", "tio patinhas", "ladrão", "deveria estar na cadeia", "sacanagem" e por aí a fora.  

Tem razão o ministro Joaquim Barbosa dizer que o Congresso Nacional está à serviço do Poder Executivo.  MP 595, que tramitava no Congresso Nacional desde 6 de dezembro de 2012, iria expirar a sua vigência no dia 15, quinta-feira passada.  Estava parada com possibilidade de cair a vigência.  A presidente Dilma, fez pressão para aprovação da MP 595, custe o que custasse.  E conseguiu a aprovação da MP dos Portos, colocando a Câmara dos Deputados e Senado Federal de joelhos!

Eu disse, logo após a aprovação da MP dos Portos, de que a MP seria dos porcos.  A MP era dos porcos, porque fedia como pocilgas dos sítios.  Estranhei tanta dedicação dos parlamentares para aprovação da MP dos Portos.  Estranhei, também, a ausência de alguns parlamentares, inclusive dos partidos de sustentação do governo Dilma.  Tinha alguma coisa, que cheirava mal.  Só fui entender o sentido daquelas sessões de obediência à Dilma, quando revelado pela Folha, os motivos, no dia seguinte.  

Independente da discussão do mérito da MP dos Portos e paternidade ou maternidade da Lei de Modernização dos Portos editada ainda no governo Itamar Franco, no que em tese, sou a favor, o que me motiva a voltar ao assunto, é a confirmação de que, realmente, eu não fiz injustiça à MP chamando-a de MP dos porcos. Basta, vocês lerem, os motivos que levaram a presidente Dilma, a aprovar à toque de caixa, para me darem razão na nova denominação que usei para se referir à MP dos Portos.

Notícias.


Um grupo de 28 empresas e famílias que exploram portos no Brasil injetou pelo menos R$ 121,5 milhões em campanhas eleitorais e na direção de partidos políticos em apenas três anos, de 2010 a 2012. Fonte: Folha.

As empresas tinham interesses diversos na discussão da Medida Provisória dos Portos, proposta de alteração das regras do setor apresentada pelo governo Dilma no fim de 2012 e aprovada no Congresso na semana passada. Fonte: Folha.


O grupo empresarial sob controle de Dantas, que inclui o banco Opportunity e a Agropecuária Santa Bárbara, doou mais R$ 3,9 milhões, 97,4% dos quais para a Direção Nacional do PT. O maior doador do setor de portos foi o grupo Odebrecht, com R$ 66 milhões. O PT recebeu 36% desse volume, seguido por PSDB (28,5%) e PMDB (22%). A Libra Holdings direcionou 57,5% de suas doações para o PSB, partido do ministro Leônidas Cristino (Secretaria Especial de Portos). Fonte: Folha.

Bem, o resto é por conta de vocês. Tirem suas próprias conclusões e reflitam bem, em que mãos nós eleitores entregamos a administração do País. Também, aproveitando a fala do ministro Joaquim Barbosa, os partidos políticos, de maneira geral, são de mentirinhas.  STOP!  Antes, que eu vá preso e vocês ficarem sem o meu blog. 

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12


Um comentário:

  1. Não há nada que o governo faça que não tenha motivação em segundas intenções. Lamentável!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.