Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 6 de março de 2013

PETROBRAS DA DILMA AFUNDA CADA VEZ MAIS!


Apesar do aumento do diesel em 5%

Este blogueiro tinha anunciado em matérias anteriores que a Petrobras necessitava de novos aumentos para não entrar na zona de risco, na classificação de rating da Companhia.  Graça Foster, presidente da Petrobras, à época do aumento em janeiro deste ano, declarava insuficiente o aumento. Ministro Mantega por outro lado declarava, há apenas 1 mês, de que "não haveria novos aumentos de combustíveis".  Diante do quadro, previ que o aumento viria após o mês de julho.  Dilma, contrariou minha expectativa, o aumento veio antes.


A Petrobras anunciou reajuste de 5% no preço do óleo diesel nas refinarias a partir das 0h desta quarta (6), em comunicado divulgado na noite desta terça-feira (5). O anúncio acontece pouco mais de um mês após Petrobras aumentar a gasolina em 6% e o óleo diesel em 5,4%. O reajuste serviria para aliviar as perdas com a diferença dos preços nos mercados externo e interno. Fonte: Folha.

Este é o quarto aumento do diesel desde o início de 2012. A gasolina teve dois aumentos no mesmo período. Segundo a nota, o aumento anunciado hoje "busca alinhar o preço dos derivados aos valores praticados no mercado internacional em uma perspectiva de médio e longo prazo". Fonte: Folha.

Em 2012, o lucro da Petrobras caiu 36,3%, para R$ 21,182 bilhões. Segundo Graça Foster, o resultado se deu "pelo aumento da importação de derivados a preços mais elevados, pela desvalorização cambial, que impacta tanto nosso resultado financeiro como nossos custos operacionais, pelo aumento de despesas extraordinárias como a baixa de poços secos e pela produção de petróleo", afirmou.  Fonte: Folha.

Com o novo aumento do diesel, não resolve ainda, o problema de geração de caixa da Petrobras.  Os preços dos combustíveis ainda está defasado em cerca de 15% a 20%, para que a geração de caixa seja suficiente para investimentos em pesquisa, exploração e refino. Quem paga pato, no fundo, no fundo, são os contribuintes.  Menos investimentos, menos produção.  Menos produção, maior prejuízo.

Nem mesmo as vendas dos ativos "filé mignon" do Golfo do México, não encontra comprador. Será que os tais ativos posto à venda por cerca de US$ 14 bilhões não estão inflados como a refinaria (escândalo) do Pasadena?  De repente, como a refinaria do Pasadena, os tais ativos "filé mignon" foram adquiridos com exorbitantes, acima do mercado? Precisaria MPF entrar na investigação, além daquela da refinaria do Pasadena.  

A produção do petróleo brasileiro estancou nos 2 milhões de barris por dia, enquanto a demanda cresce, mesmo com crescimento pífio.  A produção não só estancou, mas a tendência a curto prazo é de declínio.  Enquanto isso, o número de veículos vem crescendo muito acima do PIB.  A consequência é que a Petrobras precisa importar cada vez mais combustíveis prontos.  

As nossas refinarias já estão no limite da capacidade de produção.  E as novas refinarias, Abreu e Lima ´no Pernambuco e Comperj no Rio de Janeiro, só vão entrar em operação, na melhor das hipóteses, em 2015. Para atrapalhar ainda mais, a capacidade de refino, com a morte do Hugo Chavez, fica cada vez mais distante, o aporte de recursos da PDVSA na refinaria Abreu e Lima, o que afetaria a entrada em operação do "trem" do óleo pesado.

Atenção, atenção! A ANP - Agência Nacional de Petróleo, tanto quanto a Petrobras, não está prestando atenção na capacidade de tancagem de combustíveis prontos, em capacidade necessária, nos portos brasileiros, para atender a crescente demanda de combustíveis importados.  Se não forem tomadas medidas imediatas para ampliação da tancagem, o Brasil entrará inexoravelmente em "racionamento de combustíveis".  

Tudo isto decorre, porque a presidente Dilma, resolveu utilizar a Petrobras como instrumento de política econômica.  Digo com absoluta convicção, de que este aumento do diesel, em nada resolve o problema da Companhia, pelo contrário, o aumento foi insuficiente para Petrobras continuar investindo, sobretudo, na exploração.  Não investindo, a produção cai. Produção caindo, há necessidade de importar cada vez mais.  Importando mais, o prejuízo aumento mais ainda.  Isto se chama, "círculo vicioso".  

Petrobras da Dilma, afunda cada vez mais!

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

Um comentário:

  1. Novamente digo e repito, junto com muitos, a incompetência mostra sua cara e seu mau hálito, na cara de todos. Alardeiam a auto suficiência mas importam cada vez mais. Assim fica muito difícil de se aceitar como competente a administração Foster, que cada vez mais deixa claro que suas rédeas estão nas mãos de verdadeiros ladrões, que levam a empresa para muito perto de um abismo muito perigoso.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.