Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 26 de março de 2013

BNDES da DILMA está BICHADO!


Uma das manobras contábeis feitas pelo governo federal para garantir o cumprimento da meta fiscal em 2012 vai dificultar a vida do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Fonte: Estadão.

A ressalva, que colocou um entrave às captações externas do banco, foi feita pelos auditores porque uma decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN), tomada às vésperas da virada do ano, permitiu inflar o lucro do BNDES em R$ 2,38 bilhões. Fonte: Estadão. 

A medida adotada permite que um quarto das ações na carteira da instituição não precise mais ter valor de referência atualizado quando há grandes oscilações de mercado. Dessa forma, o lucro do banco não foi afetado pela queda das cotações das principais papéis que detém. Fonte: Estadão.

Com as portas mais fechadas no mercado internacional, o BNDES fica ainda mais dependente do Tesouro Nacional para se financiar. Somente no ano passado, o Tesouro repassou R$ 55 bilhões de empréstimo ao banco de fomento. Fonte: Estadão.

Comentário.

O tradicional jornal Estadão, foi benevolente nos adjetivos com referência a "gambiarra contábil" mandado fazer pelo ministro Mantega, certamente, com anuência da presidente Dilma.  O Estadão denomina de "manobra contábil" que a própria auditoria externa a KPMG fez destaque.  Estadão foi muito diplomata. Respeito posição do Estado. Baseado na matéria do Estadão que me permitiu tecer comentários. Obrigado, Estadão! 

Em linhas gerais, vou explicar a "gambiarra" do Mantega.  A boa prática contábil, manda que o ativo financeiro, sobretudo, as ações negociadas na bolsa, sejam contabilizadas no balanço anual,  atualizando os valores das ações da carteira de ativos financeiras, ao do fechamento do negócio do último dia útil do ano, para empresas com exercício financeiro coincidente com o ano civil.  São os casos dos BNDES, BNDESpar e CEF.  

Acontece que o ministro Mantega, mandou que o CMN baixasse resolução, permitindo que 25% dos ativos financeiros, ficassem fora do critério de atualização dos valores ao do último dia útil do ano. Neste pacote de 25% das ações "congelados", com certeza, estão as ações dos "Batistas" e Petrobras que caíram violentamente no exercício de 2012.  Isto significa que os valores das ações citadas, ou estão com o valor de dezembro de 2011 ou valor de aquisição em 2013.  Isto parece mais "maracutaia" do que "gambiarra", no meu entender.

Com a "gambiarra" ou a "maracutaia", apesar de BNDES e BNDESpar, estarem com o "prejuízo real" em 31 de dezembro de 2012, produziram lucro de R$ 2,38 bilhões.  Se essa "gambiarra" fosse na empresa privada, certamente, o seu administrador iria para cadeia.  Nas empresas privadas tem mecanismos de "camuflagem" de prejuízos, que as legislação permite.  São as "camuflagens" que os "Batistas" utilizam para fazerem "parecer" suas empresas "sadias".  

Se o ministro Mantega deixarem de fazer as "gambiarras" e os "Batistas" deixarem de "camuflar" os prejuízos, o povo vai perceber que estamos vendo um verdadeiro relíquia de móvel com "cupinzeiro", por fora bonito de ver, mas por dentro todo corroído e podre.  O BNDES da Dilma está bichado! 

Para não dizerem que estou puxando sardinha para um lado, posso dizer que nos áureos tempos da ditadura, o BNDES quase quebrou por conta dos empréstimos e participações malsucedidos. Isto foi na ditadura militar.  O que ocorre hoje é coisa pior, os empréstimos são concentrados nas mãos dos "Batistas".  "Batistas" são ícones das figuras notórias da vida empresarial, donos de 70% dos empréstimos "subsidiados" concedidos pelo sistema BNDES, que tem merecido atenção especial dos presidentes Lula e Dilma.  

Aproveitando a matéria, o que aconteceu com a CEF, que está em situação semelhante é que parte dos ativos dos "Batistas" que estavam no BNDES foram parar na CEF.  A "gambiarra" foi feita, por conta do aumento de capital, para justificar o enquadramento ao acordo de Basileia. Motivo pelo qual a CEF, também, recebeu o rebaixamento da nota pela agência de ratings Moody´s.  Portanto, a CEF é outro cupinzeiro!  

O espaço no rodapé, de comentários, está livre para os que foram citados fazerem suas defesas, se acharem convenientes.  Se não fizerem é porque consente.  O espaço próprio para o diálogo é aqui.  Ofensas via redes sociais, significam que estou certo nas minhas convicções.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

2 comentários:

  1. Bom dia Sakamori, não tenho conhecimento dos bastidores, as manobras contábeis possíveis, sei o Muito rico seus artigos, este espaço, onde podemos nos familiarizar conhecer melhor as tramoias que estão submetendo as empresas e bancos que estão nas mãos do governo.

    ResponderExcluir
  2. Saka,....

    O BNDES e BNDESpar, a muito deixaram de ser simples instrumentos de fomento; ou por outra, fomentam aquilo que nossa porca política de acobertamentos, sejam contábeis ou de caixas fraternos lhes exigem. Uma entidade dessa, ter tamanho grau de exposição em duas ou três empresas, é algo que em qualquer lugar decente do mundo, daria cadeia para todos. Como no Brasil do PT, a decência foi extirpada do dicionário, assim como das práticas correntes de administração, a turma usa e abusa dos nossos recursos.

    O uso político do BNDES, assim como da Petrobrás, Eletrobrás, etcs,...é só a ponta visível desse nefasto iceberg. Em breve,muito breve, essa situação desnudará-se por inteiro e aí, no momento em que essa conta apresentar-se-á a nação, nós os trouxas que sempre entramos com o dinheiro, saberemos o quanto fomos dilapidados. Nessa triste hora, o PT lançará alguma nova bolsa "qualquer merda"(perdão leitores, não me contive), que levará mais uns 3 bilhões, mascarando os 60/70(ou mais) desviados. Pão e circo, desde a antiga Roma, vem acalentando as plebes,...assim continuam,...

    O principal fator disso tudo: A quedas das notas de rating! Isso fará com que a imprensa especializada internacional, diga claramente que o rei esta nu! e aí não adianta, não há circo que segure o rojão! As consequências dessas classificações abaixo, são a dura realidade dos juros mais altos, da desconfiança de investidores que deságuam na fuga de capitais, o que diga-se de passagem, já estamos vendo acontecer. E essa é, uma das tais partes do iceberg que por estar submersa, só especialistas conseguem enxergar.

    BNDES deveria ser, o principal instrumento de fomento; hoje é instrumento de "fominhas" é parecido, mas não é igual,...ao contrário, é bem diferente!!!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.