Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Tarifas administradas. Vamos apostar a favor do Brasil !

O segundo maior erro da política econômica (sic) do governo Dilma, atrás apenas da política cambial, é a administração ou melhor dizendo, engessamento das tarifas administradas, sobretudo de combustíveis e energia elétrica. 

Isto mais parece política econômica bolivariana do Nicolás Maduro. Isto é totalmente absurdo e insano.  Esta política maluca poderá levar o País, no curto prazo, a um caos de apagões.  Apagões de combustíveis e apagões de energia elétrica.

Este desastre, começou no início deste ano, na tentativa de fazer a popularidade da Dilma subir nas pesquisas.  Só para lembrar, o anúncio de redução de tarifas de energia na conta de luz em 20%, no início deste ano.  Típico de medida populista preconizada pelo então Hugo Chávez e com continuidade com o Nicolás Maduro.  Com os combustíveis acontece o mesmo.  A Petrobras paga mais pela gasolina lá fora e vende mais barato aqui dentro, com prejuízo visível.

Utilizar-se das empresas públicas ou semi-estatais para executar política econômica populista, dá no que está dando.  O sistema Eletrobras não tem mais caixa para fazer investimento em expansão e melhoria do sistema.  A Petrobras não tem dinheiro para prosseguir no Plano de Investimento anunciado, insistentemente, na mídia televisiva e impressa, num montante de US$ 236 bilhões.

A situação se configura como caos anunciado.  A deterioração da Eletrobras e Petrobras está visível.  No caso da Petrobras está fazendo celeremente o desinvestimento no exterior para tentar apagar o fogo, de imediato.  Ainda assim, a Petrobras está se endividando cada vez mais em dólares para tentar cumprir com o Plano de Investimento.  Mas, o limite de endividamento já chegou, no limite imposto por ela própria.  São os raios da loucura!

Considerando que as duas Companhias estão em situações críticas, com o dólar depreciado.  Imagine, a situação das Companhias quando houver realinhamento do dólar no patamar já descrito na matéria anterior.  Seria o caos anunciado em dose dupla.  Esta situação não se sustentará no decorrer do ano de 2014.  Não tem como.  É uma bomba relógio, já armada e com o pavio em chamas chegando no dinamite.  E pior, a presidente Dilma, nem tem noção de que está carregando no colo, a própria bomba relógio.

A isto tudo, eu denomino de erro sistêmico da política econômica (sic) se é que pode dizer como política econômica.  Qualquer cidadão, nem é preciso ser economista, já sabe que uma hora o almoço terá que ser pago.  No caso de subsídio nas tarifas de energia elétrica, o Tesouro Nacional está bancando o subsídio.  Somente neste ano, o Tesouro já gastou cerca de R$ 10 bilhões, por conta das térmicas em funcionamento.  Deu-se com uma mão, mas tira-se com a outra.  

Resumindo.  A conta dos subsídios, vários, afinal das contas vai ser pagos pelo mesmo conjunto de população que aparentemente é beneficiário destes.  É um joguinho para manter popularidade da Dilma, à custa dos contribuintes, novamente!  Isto é coisa para maluco ou para maluca, genericamente falando.  

Nós vamos apostar a favor do Brasil, presidente Dilma!  E a senhora, presidente Dilma, vai apostar contra o Brasil?

Ossami Sakamori 




2 comentários:

  1. Isso é muuuito triste. Eles sabem da merda que estão fazendo tanto quanto nós. E o Mundo todo sabe que estão fazendo merda. Hoje saiu mais um update que o outlook do Brasil p 2014 *ainda* é de aumento de risco pra investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E, nesse caso, aumento de risco não é maiores retornos, mas "bota teu dinheiro lá, que ce vai sifú"

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.