Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Por trás da queda de 6,9 % das ações da Petrobras.

Folha. Para Leandro Ruschel, diretor da Leandro & Stormer, a interferência do governo em diversos setores afasta os investidores externos do país.  "O governo tem agido contra os interesses do mercado, e esse jogo, além de perigoso, não tem funcionado. É o caso da Petrobras: a resistência ao reajuste nos preços dos combustíveis visa conter a inflação, mas, mesmo assim, o índice oficial de preços no país continua em patamar elevado", avalia Ruschel. 

Comentário.  Bingo!  Alguns analistas do mercado e a imprensa tem dado destaque sobre política econômica equivocada do governo Dilma.  Ainda bem.  Não estou sozinho nesta luta diária.  Nada como um dia atrás do outro para os analistas e o público perceberem tão nefasta é a política econômica que visa apenas interesse eleitoreiro da presidente Dilma.  Isto já está dando água no barco.

Destaca-se da notícia da Folha as interferência do governo  Dilma sobre os preços administrados que tem afastado os investidores externos.  Outra observação é que as medidas tomadas, equivocadamente, para segurar a inflação não está produzindo efeitos que se esperava.   Foi dito por um leitor deste blog, que inflação se deve à expansão da base monetária, independente de medidas pontuais equivocadas.  

Folha. O Banco Central deu continuidade pela manhã ao seu program de intervenções diárias no câmbio para aumentar a liquidez do mercado e segurar a alta da moeda americana.  A autoridade monetária já tem feito esses leilões com frequência no mercado para tentar conter a alta da moeda americana. 

Comentário.  O que eu tenho dito é confirmado pela Folha.  O governo Dilma, vem segurando a alta do dólar, como parte da política econômica.  As intervenções do Banco Central desde junho último vendendo os títulos do Tesouro atrelados à variação cambial, num montante de US$ 100 bilhões, já não está mais fazendo efeito.  Até porque os títulos denominados de swap cambial tradicional, embora seja atrelado à variação cambial, não é venda futura de dólares.  Digamos que é um dólar falso, um dólar virtual.  

O mercado vem absorvendo com facilidade as vendas diárias destes papeis, é outro sinal de que o mercado acredita na alta do dólar.  Isto traz consequências paradoxais. 

O dólar no patamar mais alto ajuda os setores de commodities e setor industrial brasileiro que terão preços dos produtos competitivos no exterior, voltando gerar o superávit na balança comercial, como era tradicional no Brasil.  No entanto, como o País se tornou "dependente" dos produtos importados, dentro da política econômica que visa apenas dar "sensação" de poder de compra para a população, a alta do dólar influi devastadoramente no índice inflacionário.  Digamos, que seria inflação devido ao custo e não propriamente da demanda.  

Todas estas notícias vieram na esteira da expressiva queda da cotação dos papeis da Petrobras na Bovespa, ontem.  Os papeis da Petrobras tiveram queda de 6,9%, somente ontem.  Esta instabilidade dos preços deverá continuar até reunião do Conselho de Administração da Petrobras na próxima sexta-feira.  Curiosamente, ontem de manhã, antes da abertura do pregão, postei matéria sobre queda de braço entre Dilma e Graça Foster acerca do tema de aumento de combustíveis.  

A minha percepção é de que o mercado financeiro nacional e internacional já estão cansados de ver as gambiarras feitas pelo governo Dilma para tentar equilibrar a já desequilibrada e econômica brasileira.  Brasil da Dilma simplesmente perdeu a credibilidade.  E as consequências virão na sequência, no curto prazo.  O início de 2014, será marcada com o rebaixamento de nota pelas agências de classificação de riscos.  Se bobear viramos Grécia ou Espanha.  

Vamos apostar no Brasil, sem Dilma, vamos?

Ossami Sakamori


Um comentário:

  1. Não vejo grandes diferenças entre o o governo do PT e o do FHC. Dilma repete os erros de FHC, mas, pior, agravando-os. O que perpetua o PT no poder foi aquilo que fez com que o Lula se diferenciasse, positivamente: a valorização do salário mínimo. Entretanto, o que era vantagem, tornou-se calvário, já que o PT desistiu de investir no Brasil, se contentando com políticas de contenção da inflação, que já não é mais possível.

    O Brasil está enferrujado, repleto de trabalhadores subempregados, com poucos trabalhadores qualificados, no setor técnico e acadêmico. Sakamori, a política da Dilma está mais desprestigiada do que o estádio do Corinthians, que desabou - coincidência?

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.