Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 5 de julho de 2013

OGX continua falida! Não se iludam!

À medida que o império de Eike Batista desmorona, a sua situação cada vez mais se parece com a construção do Porto do Açu, um dos empreendimentos mais visíveis do empresário e que se assemelha a um monte de areia no meio de um pântano. Fonte: Folha.

Nos últimos meses, a petroleira de Eike viu a cotação das suas ações despencar com a frustração dos investidores em relação a sua produção. O valor de mercado da companhia caiu de R$ 41 bilhões, em junho de 2008 (data de ingresso na Bolsa), para R$ 4,47 bilhões, no mês passado. Fonte: Folha.

Segundo levantamento da Bloomberg, o patrimônio do empresário é estimado agora em US$ 2,9 bilhões. No ano passado, quando ainda figurava entre as maiores fortunas do mundo, Eike tinha um equivalente a US$ 34,5 bilhões. A agência descontou da conta garantias pessoais de R$ 2,3 bilhões oferecidas pelo empresário ao BNDES para empréstimos contratadas nas instituição. Fonte: Folha. 

Comentário.

Volto ao assunto, porque vi ontem na Bovespa, que as ações da OGX sofreram maior valorização entre todas ações listadas.  Não vi motivo nenhum para tanto entusiasmo dos investidores, a esta altura, dos pequenos investidores desavisados.  Tecnicamente, a OGX continua falida.  

O que foi divulgado ontem foi a venda de parte substancial das ações da MPX, uma das empresas do Eike Batista que foi alienada obedecendo os arranjos societários feito pelo BTG Pactual, para se pagar parte dos empréstimos concedidos, de cerca de R$ 2 bilhões.  BTG Pactual ficou como sócia e o Eike Batista ficou com uma fatia de 20%.

Está em negociação, com intermediação do BTG Pactual, uma boa fatia da empresa MMX, nos mesmos moldes da MPX, para resolverem os passivos do grupo de empresas do Eike Batista com os grandes bancos privados.  O foco de grandes tensões ficará assim eliminado.  Os acionistas do Itáu e Bradesco ficarão aliviados.  

Segundo informações do próprio BNDES, os empréstimos às empresas do Eike Batista somam R$ 10,4 bilhões, sem contar com a participação acionária do BNDESpar nas empresas.  Soma-se ao montante da dívida, os empréstimos concedidos pelo Fundo da Marinha Mercante e CEF.  É um número colossal que aproxima dos R$ 20 bilhões, o comprometimento do dinheiro público para com as empresas do grupo Eike Batista.  

Segundo noticiado pela agência de notícia americana, a fortuna pessoal do Eike Batista é de grosso modo R$ 9 bilhões, sem descontar a fiança pessoal no valor de R$ 2,3 bilhões.  A fortuna líquida é de US$ 2,9 bilhões, segundo agência de notícia.  

Os ativos das empresas do Eike Batista só tem valor real, se as empresas estiverem em operação ou se os projetos estiverem em andamento.  As empresas do Eike Batista, por enquanto são como  castelos de papel que uma vez no chão, vale quase nada.

O empresário deve, somente no setor público, cerca de R$ 20 bilhões, sem contar com as dívidas com os bancos privados e fornecedores.  A fortuna pessoal é de R$ 9 bilhões não cobre o total da dívida que carrega as empresas do Eike Batista.  Na contabilmente, isto configura insolvência ou situação falimentar, onde o passivo é maior que ativo.

O certo é que os bancos privados livrarão os eventuais prejuízos com as as composições feitas nos controles acionárias das empresas menos afetadas como MPX e MMX.  Os fornecedores serão pagas com a venda de algumas concessões, incluídas, aquelas do último leilão de exploração do petróleo licitadas pelo ANP.  O empresário Eike Batista sai com ficha limpa, menos no governo federal. 

E assim termina a história do menino Eike Batista em final feliz, com participações minoritárias em algumas empresas e certamente com muito dinheiro depositado em paraísos fiscais. Vai continuar devedor do BNDES, da CEF e do Fundo da Marinha Mercantil, isto ele vai.  Morrer de fome, ele não morre!  Vai continuar aprontando, isto vai!  

Os prejuízos ficarão com os minoritários que terão as suas ações, sobretudo da OGX, micadas.   E nós contribuinte ficaremos com os R$ 20 bilhões de recursos públicos a serem cobrados do Eike Batista nos respectivos vencimentos, sem sucesso, isto vamos! E os poderosos da República não responderão pelo crime de peculato, isto vai!  O Brasil é assim, infelizmente, só vai preso quem denuncia.  Assim, estou na lista.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  E-mail:   sakamori10@gmail.com  

2 comentários:

  1. Caro Saka,....

    Exatamente como venho dizendo há tempos,...na verdade desde o dia do lançamento das ações,...

    Só lastimo o fato de ninguém ser criminalmente responsabilizado por essa fortuna perdida em pouco mais de dois anos. Isso é muito, mas muito criminoso.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.