Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 2 de julho de 2013

Economia BR, dia 2. Déficit na Balança Comercial é preocupante!

A balança comercial brasileira encerrou o primeiro semestre com déficit de US$ 3 bilhões. O resultado divulgado ontem é o pior para o primeiro semestre desde 1995, quando ficou em US$ 4,227 bilhões.  São as notícias da imprensa no dia de ontem.  

A grande imprensa noticia mas não explica.  O resultado da balança comercial é importante para o País.  O Brasil é deficitário em balança de conta corrente que compõe item sobre serviços em geral, juros e royalties.  Segundo última estimativa do Banco Central, o País necessita de US$ 73 bilhões para zerar a balança de conta corrente. Para manter equilíbrio do fluxo de dólares, o Brasil vem zerando a balança de serviços com o superávit na balança comercial e com o investimento estrangeiro direto ou de especulação.

A balança de conta corrente é inexorável, não tem como mexer, senão esperar o resultado.  É coisa do terceiro mundo.  Os países do primeiro mundo apresentam, via de regra, balanço de conta corrente positivo, ao contrário do Brasil.  O Brasil não se estruturou para diminuir a dependência do primeiro mundo neste quesito.  Isto não se conserta com uma canetada.  Depende de medidas de longo prazo para tornarmos independentes, ou pelo menos menos expostos aos riscos.

Com o rebaixamento da classificação de riscos pelas diversas agências de rating, o Brasil ficou exposto no mercado financeiro internacional.  Em linguagem chula, falamos que o País ficou de bunda para fora.  Diante do quadro exposto, o investimento estrangeiro direto tende a dar um delay nos seus projetos.  Vai entrar menos dinheiro até que normalize o quadro econômico. 

Quanto à entrada de dinheiro estrangeiro especulativo vai exigir que o Brasil pague juros Selic cada vez maior.  Talvez seja necessário aumentar a taxa Selic para 9% já na próxima reunião.  O mercado está esperando 0,5% de aumento.  Tomara que não vire pânico de novo.  Aqui configura bem, o que venho tentando dizer para meus leitores, que a taxa Selic não é remédio, mas termômetro.  Se não fosse falta de credibilidade do Brasil, ao contrário do que se apregoa, o País poderia pagar qualquer taxa de juros.  Mas não, somos dependentes do dinheiro especulativo estrangeiro.

O que isto tem a ver com a economia?  Perguntariam vocês.  Tem tudo a ver.  O dólar também obedece a regra clássica do mercado, o preço varia de acordo com a demanda e da oferta.  Se a demanda é maior que a oferta, o que acontece?  Claro, o dólar vai subir.  A tentativa do Banco Central em estabilizar a moeda lançando mão de Swap Cambial tornará inócua.  Queimar Reserva Cambial para segurar o dólar é tiro no pé, além de o País não ter Reserva tão confortável como se apregoa o governo Dilma.  Então, solução é deixar flutuar.  Flutuação levará inexoravelmente para valorização do dólar ou desvalorização do real.  

O Brasil se encontra naquela situação fielmente representada pelo ditado popular: "se correr bicho pega, se parar o bicho come!"

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado não militante do PDT.  Twitter:  sakamori10@gmail.com

Um comentário:

  1. Enquanto a economia despenca ladeira abaixo, enquanto o povão é enganado com a falácia do plebiscito, mais uma péssima notícia: a minuta da reforma eleitoral que chegou à CCJ da Câmara e será apresentada aos líderes é generosa para futuros candidatos. O PL 5.735/13 afrouxa a prestação de contas e permite que candidatos inaugurem obras durante a campanha – o que é proibido hoje e pode beneficiar diretamente a presidente Dilma, e governadores que tentarão a reeleição.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.