Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Joaquim Levy é capacho da Dilma!


Até agora, a nova equipe econômica do governo Dilma não mostrou nada de impacto. O anúncio do Decreto que contingencia em cerca de 33% do orçamento discricionária do Poder Executivo até a aprovação do Orçamento da União de 2015. Segundo Estadão, a economia sobre a rubrica representa economia de R$ 1,9 bilhão por mês. Nada impede no entanto, o pagamento de despesas contingenciadas (retidas) serem pagas após a aprovação do Orçamento da União. Portanto, isto é mais blá-blá-blá do que outra coisa.

O anuncio do corte nos benefícios sociais tais como o seguro desemprego e de outros direitos previstos pelas leis e regras vigentes, que representa segundo informações do governo em R$ 18 bilhões anuais, depende também da aprovação do Congresso Nacional. Na melhor das hipóteses, no ano de 2015, a economia será de R$ 2 bilhões, em função das carências previstas em cada um destes benefícios.

O ajuste fiscal anunciado pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy, de geração de superávit primário de 1,2% do PIB, sendo 1% responsável pela União, não sabemos ainda se será cumprida. Os cortes anunciados até aqui, não viabiliza a meta do governo. O que de concreto temos é a volta do IPI dos veículos ao nível praticado anteriormente. No entanto, o resultado do aumento da alíquota de IPI não refletirá na arrecadação deste item, com grande possibilidade de redução na demanda de veículos automotores.

Resta pouca alternativa para o ministro Joaquim Levy para cumprir meta de superávit fiscal de 1% da parte do governo federal. O corte de gastos nas despesas da União, na prática, é uma ficção. O ministério do Planejamento e da Fazenda sabem que as despesas da União cresce, em termos reais, mais de 6% ao ano. Não tem mágica a fazer para gerar superávit primário prometido. Isto é realidade nua e crua.

Acena a equipe econômica, a geração de superávit primário, com aumento de impostos e contribuições para aumentar a arrecadação do governo federal. No entanto, qualquer iniciativa neste sentido deverá passar pela aprovação do Congresso Nacional.  A entrada em vigor das novas contribuições sociais só trará resultados após vencimento dos prazos de carência e os impostos entrarão em vigor somente no exercício seguinte. Isto é realidade!

Única contribuição que poderá e deverá entrar em vigor no dia seguinte à adoção da media, se refere a CIDE - Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. No momento, a CIDE está teoricamente "zerado" para os combustíveis. O governo Dilma do primeiro mandato, diminuiu mas não zerou a CIDE sobre os combustíveis, deixando percentual insignificante de 0,01% para não extingui-la. A cobrança da CIDE em qualquer percentual depende apenas do Decreto da presidente Dilma para entrar em vigor no dia seguinte. Levy deve carregar na tinta na CIDE, aproveitando que o preço de combustíveis está sobejamente alta em relação ao nível praticado no mercado internacional.

A equipe econômica comandada pelo Joaquim Levy, respaldada pela presidente Dilma, fala-se em vender parte das participações nas empresas do governo como CEF, BB e quem sabe até de um percentual significativo da Petrobras. Tomara que haja sucesso nas vendas pretendidas, porque doutra forma, no final de 2015, haverá outra briga para fechar a conta fiscal como aquela acontecido em 2014. Isto também depende do crivo do Congresso Nacional, para complicar a situação.

Por enquanto, Joaquim Levy mais falou do que fez. Não mostrou para que veio a não ser a sua total e fiel obediência fiel à determinação da presidente Dilma. 

Ossami Sakamori




8 comentários:

  1. As medidas em desfavor dos trabalhadores é o que resta de preocupante.

    ResponderExcluir
  2. Na realidade Profe Saka, todos sabemos que a Presidente precisava de alguem que não fosse de seu partido e que tivesse conceito para acabar um pouco com a farra do seu nome e de seus apaniguados. Escolheu-se um Psdebista que não sabemos o porque aceitou o cargo de acabar com seu nome, pois não tem nada depois que lhe devolva o conceito perdido.Em todos os momentos, mesmo não querendo julgar ninguem, parece que a bandidagem alcança a todos os partidos, quando um está na pior, um outro se sacrifica por ele.......Quem é Quem ? No meu pouco entendimento, penso que CAPACHOS somos nós, os outros, uma grande quadrilha

    ResponderExcluir
  3. O bom líder é aquele que distribui os serviços e confia em seus liderados na execução dos mesmos. A Dilma é centralizadora. Não confia em ninguém e ainda dá palpites em áreas que desconhece só porque ela é a Presidente. Todos os Ministros(as) que trabalham com ela tem que ser submissos(as) sob pena de levarem "pitos" em público e serem trocados. Não tem como uma equipe trabalhar em paz tendo alguém lhe pressionando. Agora, não sei porque Levy aceitou ser "bucha de canhão da Dilma". A Kátia Abreu até compreendo porque ela trocou de lado faz tempo.
    Na próxima eleição Presidencial se o PSDB falar mal da economia, o PT dirá que quem comandava a área econômica era justamente um do PSDB. Estão vendo a mancada que o PSDB deu?

    ResponderExcluir
  4. Como sempre,a rainha da farinhada troca de comandados,como troca peça íntima,mas nada é feito para o povo,senão para dar continuidade à política podre desses PTralhas , tão surradamente falada e comentada.É igual doce de M... Quanto mais mexe,mais fede!

    ResponderExcluir
  5. Quando dilma visitou o Papa e se recusou ficar hospedada no palácio que serve de nossa embaixada com 200 quartos, declarou que quando viajava ao estrangeiro não olhava a despesas.

    Este ano quantas viagens ao estrangeiro vai ela fazer?

    Logo, na melhor das hipóteses, no ano de 2015, a economia será de R$ - 2 bilhões ou mais, muito mais. E ainda faltam as despesas do cartão corporativo dela, sem limites!

    E joaquim levy è mais um moleque, um sem vergonha, ao serviço da ditara bulgara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Complementando,com a devida vênia do colega anônimo das 23:06.
      O Brasil é a casa da mãe joana e os jatos da FAB,que não servem para outra coisa senão carregar a raínha,vão beber toneladas de querosene para levá-la à PQP.
      Os ministros-fantoches dela são apenas para engordar sua conta e a de seu mentor apedêuta.Onde já se viu um país falido e sem projeto ter 39 ministérios(ou mistérios)?Isso aqui é BORDELBRASIL,PIZZARIABRASL,ZONABRASIL ou outro nome novo que se dá ao antigo país,que conhecíamos como Brasil...

      Excluir
    2. 39 bordeis onde vale tudo!

      Excluir
  6. Essa especialista em terrorismo que faliu lojinha de R$ 1,99 não tem competência para cuidar de asilo,quanto mais gerir o Brasil.
    Quebrou a nação e procura um bode expiatório para por a culpa das suas c...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.