Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Entenda o significado da taxa Selic de 12,25%


A noticia do aumento de taxa Selic para 12,25% ao ano pelo me remete ao início do ano de 2012, ocasião em que inauguramos este blog. O ambiente político e econômico era de "oba-oba" com a aprovação da administração Dilma, ocasião em que comecei escrever o equívoco ou ainda pior o "erro sistêmico" da política econômica.

O ano de 2014, vocês bem sabem como terminou. O Brasil praticamente ficou parado no tempo, com crescimento próximo do "zero", com inflação batendo no teto da meta de 6,5% e com estouro nas contas fiscais do governo federal. 

O início do ano começou com medidas de ajustes nas contas fiscais anunciado pelo ministro Joaquim Levy da Fazenda, as quais farei matéria à parte. A deterioração do quadro da economia está tão evidente que o próprio ministro anuncia estabilidade no PIB ou seja crescimento "zero" na economia do País para este ano.

Ao povo dá impressão que o ministro da Fazenda com os ajustes fiscais anunciados e com realinhamento de tarifas administradas de energia elétrica e combustíveis a economia do Brasil, com sacrifício, voltará a crescer após o período de ajustes. Mas, isto não é verdadeiro. 

A presidente Dilma continua errando nos fundamentos da política econômica, como esteve errado todo este tempo, desde o primeiro dia do seu governo no dia 1º de janeiro de 2011. A matriz da política econômica continua errada. Não se resolve o problema macro econômico do País, apenas por via equilíbrio nas contas públicas e do realinhamento de preços administrados. Tem muito mais coisas para serem mexidos, sob pena de medidas tomadas resultarem inócuos.

Pois bem o equívoco da política econômica não está somente no equilíbrio das contas públicas, mas sobretudo na política de financiamento da dívida pública federal e na execução política cambial. Eu insisti durante 3 anos sobre estes temas, mas o governo Dilma continua insistindo no equívoco, para manter a "sensação de bem estar" e a "sensação do poder de compra" da população num projeto político de permanência no poder. Que se dane o futuro do Brasil, pensa e age a presidente Dilma.

Hoje, falaremos sobre a taxa de juros de referência Selic. O Banco Central, equivocadamente, insiste em aumentar a taxa de juros reais das dívidas públicas internas. Com taxa de juros Selic de 12,25% ao ano e inflação batendo no teto da meta de 6,5%, os juros reais passou para incrível taxa de 5,75% ao ano. Os juros reais do País disputa com a da Turquia considerando os juros reais entre os 40 maiores PIB do mundo. 

Argumenta o governo Dilma e a grande mídia brasileira se associam à presidente, como se a medida de aumento da taxa Selic fosse a solução para controlar e manter a inflação dentro do teto da meta de inflação de 6,5% ao ano. Lembrando que o centro da meta de inflação é de 4,5% ao ano. Mas parece que a equipe econômica passou a usar como referência a taxa de inflação de 6,5% como centro da meta.

Os juros reais de 5,75% ao ano, expõe a fragilidade da economia do País. É mentira do governo Dilma, justificar o aumento da taxa básica de juros Selic como medida de contenção da inflação. O fato é que o Brasil tem dívida interna bruta próxima de R$ 3 trilhões, com vencimento no prazo médio de 4 anos. O Brasil precisa "rolar" sua dívida interna, anualmente, em torno de R$ 750 bilhões. Isto é o verdadeiro motivo para o aumento da taxa Selic.

O País com inúmeros problemas estruturais, além do desequilíbrio financeiro, carrega problemas como da ladroagens do dinheiro público, envolvendo agentes públicos do primeiro escalão. O Brasil perdeu credibilidade no cenário internacional, perdeu credibilidade no mercado de investimentos.  

O aumento dos juros Selic, pagando os juros mais altos do mundo tem como única finalidade atrair capitais especulativos ou dinheiro dos agiotas internacionais. Oferecem os juros mais altos do mundo nos títulos do Tesouro e títulos do Banco Central, sob pena de Brasil entrar na situação de "default", o que seria pior para o País. A situação do País é semelhante ao Portugal, Espanha e Grécia de ontem.

PS: O Tesouro dos EEUU pratica taxa de juros básicos de curto prazo de 0,25% ao ano. Ontem, a Zona de Euro aprovou a taxa de juros básicos de títulos a curto prazo em 0,05% ao ano. O Brasil paga taxa de juros básicos, desde ontem, 5,75% ao ano em termos reais descontado inflação.

Ministro da Fazenda Joaquim Levy, Alexandre Tombini presidente do Banco Central e Dilma Rousseff presidente da República, parem de mentir para a população sobre o motivo que leva o País a pagar os juros mais altas do mundo. 

Parem, também, a imprensa e articulistas econômicas concordarem com a Dilma e sua equipe como se o aumento da taxa Selic fosse uma medida corretiva para a economia do País.  A verdade é bem outra!

Taxa Selic de 12,25% é para Brasil não entrar em "default". 

Ossami Sakamori




12 comentários:

  1. Mais do que você alerta sobre esse desgoverno é impossível.
    Lamentavelmente,a presidência do país é ocupada por uma mentirosa ardilosa, uma insana e também corrupta que só quer quebrar de vez o Brasil e se perpetuar no poder; sem falar nos devassos que compõem seus ministérios , a mídia e a imprensa compradas por ela.
    O povo que pague as contas das roubalheiras deles. Só mesmo um milagre para nos salvar!!!

    ResponderExcluir
  2. Boa notícia para quem estava com saudade do Fundo Monetário Internacional,nosso sócio de longa data.Olha aí sua volta triunfante.

    ResponderExcluir
  3. A dívida interna bruta total do Brasil é de R$ 2.4 trilhões, aumentando e rolado. Nas taxas praticadas os superávitis são insuficientes.

    ResponderExcluir
  4. Amigo Dimas,

    Lamento informar, mas a dívida interna bruta da Fazenda e do Banco Central é cerca de R$ 3 trilhões.

    Dívida interna líquida do Tesouro .......... R$ 2,2 trilhões
    Dívida interna referente PSI/BNDES ..... R$ 0,46 trilhão
    Dívida do BC - swap cambial ................ R$ 0,26 trilhão

    Esta informação tem finalidade de restabelecer a verdade.

    Obrigado, participação!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a Virginia só mesmo um milagre.. Ninguém é sério neste desgoverno. pouco importa para eles a situação do País, eles sabem o caminho certo, porém o que vale são medidas para manutenção do poder como bem disse Mestre Saka.. O PT não está nem aí para o Brasil eles querem é a união da América Latina em torno de um objetivo...para isso precisam estar no PODER... já começou a articulação.. para 2018..o PT já começou a criticar Dilma.. vai endurecer.. Dirceu já ressurgiu do conforto do seu lar.. O País vai ao capengando,, o povo pagando a conta da farra. em 2018 lançarão o Salvador... E as urnas fraudadas e o povo tolo, garantirão mais uma eleição.. Talvez até o final 2026, esteja tudo dominado os blogs como este calado.. E o povo nem vai perceber.Continuará gritando Gol e salvando seu empreguinho..

    ResponderExcluir
  6. Pra mim equilíbrio fiscal começa nas cadeias produtivas e termina nas exportações...

    ResponderExcluir
  7. Podemos perceber que o aumento de tributos não recaiu sobre aplicações financeiras

    ResponderExcluir
  8. Eles não conseguem parar de mentir porque são mentirosos compulsivos, relapsos e contumazes.
    São psicopatas, apesar de governantes, são doentes mentais vivendo num delírio orgíaco governativo que nos levou à ruína.
    Se o que o senhor diz não è a ruina deste pais, então não sei como o consertar.

    ResponderExcluir
  9. Concordo que tiveram que aumentar a SELIC para rolar a dívida. Mas o Brasil não entraria em default porque a dívida é em Reais e o governo pode a qualquer momento imprimir mais dinheiro para pagar. Isto nos levaria a uma hiper-inflação como a dos anos 80 e 90.


    ResponderExcluir
  10. "O Brasil perdeu credibilidade no cenário internacional, perdeu credibilidade no mercado de investimentos."

    Por isso a búlgara se recusou ir a Davos, diminuiu o cambio do dólar, subiu o real e foi assistir á posse do cocaleiro evo morales em uma cerimônia ridícula onde se fez a apologia da coca.

    Temos o que merecemos, infelizmente!

    E os militares têm do ministro da defesa que è fã declarado de carlos marighela fez da sua amante, uma enfermeira obstreta, a número 2 do ministério da defesa ...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK....só mesmo eles engolem toda a merda! Só falta ver se os generais estão gravidos!

    ResponderExcluir
  11. Armando da Silva16 de maio de 2016 19:19

    Gente vamos imaginar o seguinte:O Brasil baixa a taxa Selic para no máximo 5%, aumenta o PIB para 3,5 trilhões, mexe na Constituição para desobrigar investimentos e despesas, diminui a taxa de desempego, usa a tributação para rolar a divida ate zerá-la. Cria uma poupança interna nos próximos 5 anos. Os investimentos tem uma redução mas para termos essas porcarias que se produz por aqui não fariam falta,a não ser, para os políticos e suas ladroagens. Seriam 5 anos sem investimentos do governo, abre-se espaço para as Privatizações, diminui-se o tamanho do Estado, baixa-se essa tributação atual.... e o sonho continua...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.