Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 31 de janeiro de 2015

Dilma quebra a Petrobras e nós pagamos a conta!


Infelizmente, amanhã deverá ser anunciado o aumento de combustíveis em nível da refinaria, segundo o governo, devido a entrada em vigor da CIDE nos próximos 90 dias. Até a entrada em vigor da CIDE, o governo vai aumentar a contribuição do PIS/COFINS nos mesmos níveis de arrecadação até vigorar o recolhimento da CIDE.

Segundo o Banco Central, no seu relatório, o aumento dos combustíveis na bomba deverá impactar em 8% sobre a média de preços praticados, hoje. O preço da gasolina deverá ser reajustado na bomba, na região sudeste, para a média de R$ 3,20 o litro. O governo Dilma determina que a Petrobras cobre preço bem acima da "paridade" com o preço internacional do petróleo no mercado internacional. 

Vamos lembrar que à partir do último aumento de combustíveis promovido pela Petrobras em novembro do ano passado, o mercado internacional de petróleo teve baixa de cerca de 40%. Se o governo e a Petrobras praticasse a política de "paridade" com o preço internacional de petróleo, o litro de gasolina deveria estar sendo praticado, na região sudeste, em média, a R$ 2,20 o litro.


O motivo do aumento de combustíveis pela Petrobras, decorre não só da ladroagem revelada pela Operação Lava Jato, mas sobretudo pela superavaliação dos seus ativos em R$ 61,4 bilhões, já descontado o subavaliação de alguns, revelados mas não contabilizados pela Companhia. 

A grande mídia, não noticiou mas ainda terá que considerar no balanço de dezembro de 2014, a avaliação da perda de cerca de R$ 110,6 bilhões sobre os 5 bilhões de barris de petróleo do campo Tupi, que União colocou na Companhia na capitalização, numa operação de cessão onerosa, por US$ 8,51 o barril. 

Como o custo de exploração do pré-sal pela Petrobras, conforme número fornecido pela Companhia é de US$ 50, acima do preço internacional do petróleo, o ativo contabilizado do Tupi torna-se nulo, na data base de 31 de dezembro de 2014.  Lembrando que o mesmo tipo de petróleo do campo Tupi está sendo negociado no mercado internacional de petróleo a US$ 45, abaixo do custo de exploração do pré-sal pela Petrobras.

Esta consideração é necessária para Companhia que se compromete com a boa governança corporativa. Em 31 de dezembro de 2014, o ativo do campo Tupi é igual a "zero", devendo baixar os R$ 110,6 bilhões dos ativos da Petrobras. É certo que a mesma consideração deverá ser feito, quando, e se o preço do petróleo no mercado internacional alcançar patamares acima do custo do Tupi que é de US$ 58,51 o barril. Mas, é certo que em 31 de dezembro de 2014, deve lançar como prejuízo os R$ 110,6 bilhões.

A Petrobras tem o prazo até o dia 1º de junho de 2015, para apresentar o balanço referente ao exercício de 2014, devidamente auditado pelos auditores independentes, seja qual for o auditor, pelo atual ou por um novo contratado pela Companhia. Em tese, em não apresentando o balanço auditado pela auditoria externa, de comprovada capacidade, a Petrobras sofrerá penalidades que vão desde a multa, mas sobretudo pela antecipação dos vencimentos das suas dívidas. A Petrobras se encontra na sinuca do bico!



Enquanto nós pagamos pela incompetência da dupla Dilma/Graça Foster!

#DilmaExijoGasolina220

Ossami Sakamori
@SakaSakamori





4 comentários:

  1. Se o PSDB estivesse governando, nesses dias o PT convocaria o povo para ir ás ruas e os trabalhadores ficariam em greve em oposição a essas medidas. Mas com essa oposição que temos, o PT deita e rola. Haverá uma passeata e talvez greve mas é do pessoal do PT(Lula) contra o PT(Dilma). O PSDB só faz discursos para universitários entender. Tem que usar a linguagem do povão. O PSDB tem que dizer que subindo o preço do combustível, tudo subirá; inclusive o preço dos alimentos aumentando ainda mais a inflação. Aí quem não tem veículo entenderá que ele, também, sofrerá no bolso.

    ResponderExcluir
  2. #QueroGasolina220 é uma boa hashtag. O petróleo no Brasil é muito mal administrado. Hoje, a Petrobrás é uma empresa que dá prejuízo. Então, quem cobre os danos financeiros somos nós, consumidores. Com preço alto ou barato, o petróleo no Brasil é caso de polícia. De que adiante ter combustível barato com petróleo batizado ou administrado por uma empresa mal gerida? Pior: pagamos caro por uma gasolina impura, que vem de uma empresa loteada de ladrões. Nós, brasileiros também estamos numa sinuca de bico...

    ResponderExcluir
  3. De todo lado que olhamos só o nosso é sem saída. Se os "camêlos" fazem parte do Oriente Médio, agora migraram para cá com fé e coragem. Petróleo eles estão acostumados a ouvir falar e não ver, água precisam muito e só conseguem pouca, na realidade vão estranhar porque lá existe, aqui é só mentira. O que é verdadeiro aqui é que CAMELO trabalha para sustentar ladrão e assassino e tem que pagar imposto de LEÃO,carrega carga de JAMANTA e se quebrar sacrifica-se, sua carcaça vai pro lixo, por que aqui ABUTRE é o dono do pedaço e só come carne gorda , bem nutrida , e olha lá, não produza não, que pelo menos a mordida dos CÃES SARNENTOS da DILMA VOCE VAI LEVAR. Pobre Camelo enganado

    ResponderExcluir
  4. O Decreto n.º 8.243/2014, ainda não derrubado no Senado e agora muito menos com a reeleiçao de renan calheiros, abriu um enorme espaço ao criar conselhos populares (Poder Popular, sabem o que é isso? O Poder Executivo nas mãos do pé descalço e idiotas úteis manipulados pelos soviéticos, bolivarianos ou petistas) a serem aparelhados pelo PT para impor sua hegemonia à sociedade, objetivo declarado na resolução política emitida pela comissão executiva nacional do partido no final de 2014.

    O Executivo promove o enfraquecimento do Legislativo e do Judiciário, desequilibrando os Poderes da União, alicerces da democracia.

    O que restará? Nada! Haverão perseguições políticas pelos MST, bolivarianos e toda a merda de grupelhos da esquerda radical brasileira.

    Enfim, uma mais que prevista guerra civil com seus genocidios e massacres de inocentes.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.