Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Brasil sofrerá efeito tango, com certeza!

Folha, hoje.  A queda mais forte do peso argentino, ocorrida nos dois últimos dias, colocou em alerta investidores do mercado brasileiro.  Ontem, o dólar subiu e fechou no maior preço (R$ 2,395) em cinco meses em relação ao real e a Bolsa registrou uma queda 1,98% do seu principal índice. 

Comentário.

Os analistas de modo geral dizem que o que acontece na Argentina não tem nada a ver com o Brasil.  Afirmam que a política econômica (sic) dos argentinos é completamente diferente da politica econômica (sic) brasileira.  Comentam que o tamanho da economia da Argentina é tão pequena em relação ao do Brasil que não tem termo de comparação entre o que acontece lá e aqui.

Pois bem.  Neste momento, com a Argentina em crise, diria que o que acontece lá, tem tudo a ver com o Brasil.  Poderá, sim, vir o efeito "tango" contaminar a economia do Brasil, já em dificuldade, contrariando tudo que os analistas estão a dizer.  Senão vejamos os meus argumentos.

Primeiro de tudo, a política econômica (sic) da Cristina Kirchner é altamente intervencionista tal qual a política econômica (sic) da Dilma Rousseff.  A Cristina, lá, se mete a tentar intervir em economia como Dilma, cá, intervém na economia com os preços administrados.  Em tese, é a mesma política econômica equivocada de intervenção do Estado na economia.

Quanto ao efeito "tango" na economia, ela é mais real do que possa imaginar.  A Argentina responde por 8% das exportações brasileiras, atrás apenas da China (19%) e EEUU (9%).  Os argentinos, ao contrário da China e EEUU que compram produtos primários, commodities, compram produtos industrializados.  Isto, sim, afeta sobremaneira o setor industrial brasileiro, já combalido.

Na Argentina da Cristina Kirschner controla o câmbio ou melhor tenta controlar o câmbio, através de intervenções do Banco Central. A Dilma Rousseff controla o câmbio com venda diária de swap cambial tradicional, um artifício que o Banco Central está utilizando desde agosto do ano passado.  Já pôs no mercado  equivalente a US$ 100 bilhões, que embora em moeda brasileira, apenas atrelado à variação do dólar, não deixa de ser intervenção importante no setor de câmbio.

Se a situação econômica do Brasil fosse outra, talvez, não teria o efeito "tango", mesmo Argentina consumindo 8% de tudo que a indústria brasileira produz (13% do PIB).  Acontece que o Brasil se encontra na situação econômica que classificaria como "sinuca do bico".  A economia brasileira, com inflação ameaçando voltar, estamos a caminhar sobre o fio da navalha.  Qualquer descuido, o espiral inflacionário poderá voltar.  Haja coração, neste momento!

Sim, o efeito "tango" poderá afetar a economia brasileira!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.