Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Não haverá intervenção militar!


Alexis de Tocqueville

Nunca tive pretensão de angariar unanimidade em torno das minhas ideias e opiniões. Não sou político e nem tão pouco sociólogo. Não dependo de receita de publicidade para manter este blog. Procuro manter minha independência de opinião tanto quanto possível. Este blog está no "ar" há mais de 5 anos, sem se curvar às eventuais represálias dos que "mandam" no País. Não será desta vez que iria me melindrar com opiniões discordantes às minhas. O espaço destinado aos comentários continuam livres para quem dele quiser fazer uso. 

Em pleno século XXI, tem pessoas que defendem "intervenção militar" no País. Nem sei bem qual é o "formato" dessa intervenção desejada pela população. Ao contrário do que se apregoa, não há nenhum respaldo constitucional para "intervenção militar", a não ser por via de "força". Intervir no STF, no Poder Executivo e no Poder Legislativo, só mesmo em "estado de sítio", conquistado pelo poder de "força". Pedir "intervenção militar" é como pedir para jogar lama na democracia conquistadas às duras penas.

O certo é que o próprio general Mourão, que declarou numa reunião das lojas maçônicas à favor da "intervenção militar", esquiva-se ao assunto. Segundo informações que me fez chegar através de pessoa próxima dele, o general Mourão não vai aventurar-se numa "intervenção militar" como é o desejo de muitos daqui. Segundo a fonte, o general Mourão tem outros projetos em mente com relação à política. 

Aos que defendem o "regime de exceção", recomendo a leitura da obra, a mais consultada, sobre a "democracia". Trata-se do livro: Democracia na América. Livro 1. Leis e Costumes do autor francês Alexis de Tocqueville (1805-1859). O livro é uma coletânea de impressões que o magistrado francês Tocqueville teve dos Estados Unidos da América à época. Vamos lembrar que os Estados Unidos é detentor de uma democracia a mais duradoura do Ocidente. Os Estados Unidos seguem rigorosamente o calendário eleitoral, sem interrupções, desde o seu primeiro presidente George Washington, que tomou posse em 1789, há quase 230 anos! 

O concreto é que não faço parte de nenhuma casta política ou econômica do País, que "manipulam" a política e o destino do País, há décadas. A história recente do País nos mostra que houve algumas tentativas de golpe à "democracia". A tentativa de permanência no poder pelo presidente Getúlio Vargas culminou em suicídio. A tão enigmática renúncia do presidente Jânio Quadros, sugere a leitura de uma tentativa de "golpe" civil. Também, é notório o "golpe militar" de 1964, viabilizado com o apoio explícito do governo dos Estados Unidos. 

General Mourão, certamente, frustará à vontade da população. General Mourão não será "interventor militar". General Mourão será candidato a algum cargo eletivo em 2018, obedecendo rigorosamente os preceitos legais em vigor. Assim foi me dado o recado. E assim, estou a publicar esta matéria para desdizer o que foi dito na matéria anterior. E assim, felizmente, a "democracia" continuará a vigorar no Brasil. 

Não haverá intervenção militar!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



2 comentários:

  1. Pelo amor de Deus Sr Sakamori. O Brasil não é nenhuma republiqueta que um General sozinho toma o poder. O General Mourão e outros Generais da linha dura do Exército nunca iriam fazer o que o pessoal da Esquerda apregoam erroneamente, que é golpe militar. A população brasileira confia em suas Forças Armadas e pedem sua ajuda para extirpar a podridão em Brasília. Só isso. Nenhum militar, desde o General ao recruta quer comandar o Brasil. Um ex: Se um bairro sofre com bandidos assaltando dia e noite, quem está autorizado a prender esses bandidos é a polícia militar e não os moradores e assim; quando a população brasileira sofre com a corrupção desenfreada entre o políticos, e as Instituições que deveriam agir, agem em favor da quadrilha, as Forças Armadas tem o dever de ajudar a população. Como? Não me pergunte pois esses assuntos são sigilosos. O recado do Gal Mourão foi dado como um alerta para que o STF, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal não debochem da população. Mas o General Mourão sozinho não fará nada. Se a cúpula das Forças Armadas não dessem suporte a fala do Mourão, o mesmo já teria sido punido. Ele vai para a reserva daqui a +- 6 meses. Esqueçam o General Mourão pois como ele tem muitos Generais patriotas na ativa e na reserva. Ou os Políticos se enquadram ou sofrerão as consequências. Já se passaram mais de trinta anos desde 1985 que os militares devolveram o Poder aos civis e ficaram quietos nos quartéis, e onde o Brasil foi parar com essa Democracia de araque? Na lama. E a culpa ainda é dos militares? Tenha dó. Isso já é um insulto a nossa inteligencia. Concluo dizendo que respeito a opinião do Sr e agradeço o espaço que nos dá para dialogarmos como "gente grande".

    ResponderExcluir
  2. ..."não faço parte de nenhuma casta política ou econômica do País, que "manipulam" a política e o destino do País, há décadas".

    Isso é democracia? Não se pode confiar numa eleição ao ponto de manipularem a política.

    Sem se curvar Seu Saka. Já demonstrou centenas de vezes que não é um homem que tem medo de expor seu pensamento. Nesta discussão estamos buscando alternativas que sejam verdadeiramente ordeiras e progressistas.

    Atribuo a gestão desastrosa dos PTralhas, que talvez por falta de intimidade com o poder, escancararam a olhos nus histórias que achávamos que fossem estórias. Como exemplo: O homem da mala. Eles fizeram a população perder a crença na classe política. Ficou evidente que o voto não tem o poder de buscar a transformação que a população deseja.

    Entendo também como um retrocesso um golpe militar em qualquer lugar do mundo. Entretanto, no caso do Brasil, uma intervenção se faz necessária pois perdeu-se a crença até no Poder Judiciário.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.