Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 4 de maio de 2012

DILMA MATOU CADERNETA DE POUPANÇA

A mudança na remuneração da Caderneta de Poupança já vinha sendo defendido por este bloguista, em várias matérias postadas neste blog.  Vamos começar com esta afirmativa, para não confundir os meus leitores de como este bloguista se posiciona à respeito do assunto.

O Brasil paga e sempre pagou juros da dívida interna do Tesouro, a mais alta do planeta.  Isto é sobejamente conhecido.  Com estabilidade da inflação, num patamar relativamente civilizado, isto é próximo da meta de 4,5%, o governo se viu obrigado a reduzir a remuneração das taxas de juros da sua dívida interna, a ponto de não fazendo inviabilizar qualquer orçamento da União.  

Para sentirem o tamanho do buraco, vejam o tamanho da dívida interna. A dívida interna líquida está em R$ 1,85 trilhões e sua dívida interna bruta em torno de R$ 2,2 trilhões. Deste montante, grosso modo , vence nos próximos 12 meses, pouco menos de 25% do total, ou seja próximo de R$ 500 bilhões.  Só para comparar os números macros, o saldo de caderneta, hoje, segundo BC, é de R$ 429 bilhões.  Desta forma, a caderneta de poupança compete, na captação, diretamente com os títulos da dívida do Tesouro, ou seja simplificando. 


Ainda há mais um fator complicador na consideração da remuneração de ambas formas de captação, a incidência descabida de Imposto de Renda sobre a remuneração do próprio título do governo.  É mais ou menos assim que acontece. O Tesouro diz, eu pago 9%, mas você me devolve 1,35% como Imposto de Renda.  Então, porque não paga juros líquidos de (9% - 1,35%) = 7,65% ao tomador do título?  E a caderneta de poupança?  A caderneta também paga Imposto de Renda sobre míseros rendimentos. Se é poupança, significa que o contribuinte já pagou impostos de toda natureza, anteriormente. Deixando de lado esta discussão, vamos o que interessa, que é rentabilidade.


O fato é que, o redutor sobre SELIC de 70%, matou a poupança.  Só serve mesmo, para os pequenos poupadores, que assim são considerados, depositantes com saldos menores que R$ 50 mil.  


Resumo da ópera, sou a favor da redução da taxa SELIC, para o país economizar no pagamento de juros, hoje, de aproximadamente R$ 200 bilhões por ano.  Então, foi preciso mesmo que mexesse na remuneração da caderneta de poupança.  O que discordo é brutal deságio de 70% sobre taxa SELIC.  É uma competição desigual entre duas formas de captação, de um lado Tesouro e de outro lado Caderneta, este último financia diversos programas do próprio governo federal.


Esta medida, tem um pano de fundo.  Nenhuma veículo nacional, como sempre acontece, fez referência sobre a real intenção do governo Dilma.  A presidente Dilma e sua equipe, perceberam depois de 8 anos do Lula + 16 meses da Dilma, que é preciso economizar em pagamento de juros.  Para esta estratégia funcionar, o Tesouro terá que ser monopólio na captação de recursos, para terem condições de pagar as taxas mais civilizadas, ou seja próximo da inflação projetada de 4,5%. É último cartucho!


Para os meus leitores, com redutor brutal aplicado à Caderneta de Poupança, talvez fosse o caso de entrar na onda da Dilma e aplicar no Tesouro Direto, que aceita aplicação à partir de R$100,00.  E vamos orar para que os títulos do Tesouro brasileiro, não leve ao mesmo rumo dos títulos gregos, que afinal, resgataram apenas 50% do valor aplicado.  Vamos cruzar o dedo, e esperar que capitã Dilma, conduza o nau chamado Brasil para o Porto Seguro. Ou será que ela está pensando que o nau se chama Titanic? A minha cruel dúvida.

Ossami Sakamori, 67, engenheiro civil, foi prof. UFPR. Twitter: @sakamori10

2 comentários:

  1. UM TITANIC SOB O COMANDO DE UMA JANGADEIRA? JANGADEIRA PRINCIPIANTE? OH RASGADOOOOOOOOOOOO, Saka.. O VÉI J. Leão PULOU FORA....

    ResponderExcluir
  2. Prof, por que o senhor afirma que a Poupança já paga impostos???

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.