Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 31 de maio de 2012

DILMA, SELIC PODE IR PARA 6,5%!

Pelo segundo mês seguido, o Brasil não figura mais no topo da lista dos países com os maiores juros reais (taxa que desconta a inflação), posição que ocupou de janeiro de 2010 até março deste ano. Agora, a Rússia assumiu a liderança do ranking com juros reais de 4,3%, enquanto o Brasil ocupa a terceira posição com de 2,8%. O segundo lugar ficou com a China, com 3,1%.Fonte: Folha.

Na lista dos países avaliados, mais da metade dos países citados, 22 no total, registram juro real negativo. Tanto que a taxa média geral dos 40 países analisados ficou em (-) 0,5% aa.Os dados dos juros reais são de um ranking elaborado pela corretora Cruzeiro do Sul/Apregoa, com 40 das maiores economias do planeta. Da taxa básica, foi descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses.Fonte: Folha.

Diante da análise feita pela corretora Apregoa, a minha afirmação de que a taxa básica de juros SELIC pode cair para 6,5% aa permanece mais viva do que nunca.  O Brasil economizaria cerca de R$ 40 bilhões em pagamento de juros em títulos do Tesouro.  O cenário econômico é perfeito para estabelecer como meta preconizada por mim.  Justifico o número.  O Banco Central do Brasil trabalha com meta de inflação de 4,5%, sendo que piso de 2,5% e teto de 6,5%.  Praticando uma taxa Selic de 6,5% estaria com juros nem negativo e nem positivo, ainda assim acima da média mundial que é de (-) 0,5%, porém concincidente com o teto da meta de inflação.

O Tesouro praticando juros de captação dos seus títulos a 6,5% diminuiria a transferência líquida de renda dos contribuintes para com os mais ricos, beneficiários dos empréstimos do BNDES.  Explico, o Tesouro capta a 6,5%, repassa ao BNDES e este empresta a taxa TJLP de 6,0% para alguns poucos empresários.  O subsídio cairia para 0,5% aa.  Só para entenderem, constam como os maiores beneficiários dos programas do BNDES, as empresas do Eike Batista, JBS do Henrique Meirelles e por aí vai. 

Já chamei atenção nas matérias anteriores, de que para chegar na taxa de juros Selic em 6,5%, tem que remover óbice da taxação de impostos sobre os títulos do governo, que diga-se de passagem já são isentos para especuladores estrangeiros.  Coisa de louco, esse negócio de cobrar impostos sobre o dinheiro que o próprio governo capta no mercado. Como samba de crioulo doido! Funciona mais ou menos assim: eu Tesouro pago juros acrescidos de impostos, mas depois você me devolve os impostos que adicionei nos juros.

Presidente Dilma, já que a Senhora está querendo mesmo rasgar a fantasia, vá fundo e determine a sua equipe econômica seguir os meus pensamentos.  Aliás, ultimamente, a Senhora tem acompanhado a minha cartilha.  Deixar que o mercado realinhe o dólar no patamar próximo do real, saindo do artificialismo do câmbio do Lula é um bom exemplo.  Espero, que continue a trajetória, porque isto é só um cafezinho por enquanto.

Viu, presidente Dilma?  A Senhora, deveria ter tomado todas essas medidas no 1º dia do seu governo.  Hoje, não estaria o Brasil na corda bamba, com crise européia.  Não precisaria, desnecessariamente, xingado a Merkel de canibal, na ocasião. Que falta de elegância, presidente!  Posso concordar com quase tudo, mas não concordo é com roubalheira do seu governo, mesmo diante das atitudes positivas.

Ossami Sakamori, 67, engenheiro civil, foi prof.da UFPR.
Twitter: @sakamori10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.