Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 10 de julho de 2015

O fardo seguinte por Mônica Torres

Por Mônica Torres


"O desaquecimento da economia, pelos motivos já expostos, ainda está longe de terminar", por Ossami Sakamori em artigo anteior, me dá calafrios. É meio sinistro ter que encarar mais um tempo, que não sabemos direito quanto, o monstro da inflação de inflação de frente.

A indiferença que se tem pela leitura dos números desses indicadores é própria das pessoas que em geral não têm muita noção do significado deles. Não é pra todos, mas para aqueles que têm uma noção mais clara sobre economia. Não é caso das massas, apreciar esses números, e em sua grande maioria nem se importam com isso como informação. 

O fato é que isso chega na mesa de cada um, tanto em forma de cebola 23,78% mais cara (vide.. A Culpa é da Cebola), como nas discussões acaloradas e entre famílias que começam a se digladiar quando lhes falta com o que manter seu orçamento. Não dá pra fechar os olhos para aumentos gritantes de um lado do cabo de força, como gasolina, todos os itens das prateleiras de supermercados, remédios, serviços, impostos, etc, e do outro lado.. as contenções, nossos bolsos escassos e a perspectiva triste de nos vermos ainda mais deprimidos com a crise, debaixo de sorrisos debochados e um cinismo sem fim dos poderosos. 

Uma coisa que me chamou atenção, mas é comum passar despercebida pelo leitor do artigo anterior é “....até final do semestre, índice de pessoas desocupados em 8% ou equivalente a 8 milhões de trabalhadores....”, Quando olhamos para o número em percentual, nos vem à cabeça um pequeno valor absoluto de alguma coisa. Em geral pensamos... apenas 8 em 100.., mas prestando melhor  atenção, são “8 milhões de pessoas... 8 milhões apenas nos 6 primeiros meses”. É de se entrar em parafuso. São 8 milhões de pessoas que começam a entrar em depressão, pelas consequências de um conjunto de medidas econômicas irresponsáveis sob o comando da equipe de uma pessoa inapta. 

Olhando um pouquinho pra trás e lembrando das discussões acirradas entre os dois candidatos, durante as eleições, um saltando nas pontas dos pés e outra a ter baixas de pressão, a proferirem sentenças de derrota um ao outro, não posso deixar de lembrar aqui que a “situação” acusava a “oposição” de governar para os ricos e precisamente.. para os banqueiros. Não era assim? Pois bem,  hoje o governo faz “de forma péssima” (porque nem capacidade para administrar de forma errada eles têm), o que acusava a oposição de planejar para o povo brasileiro. 

Mas vamos adiante, porque isso terá fim. A pergunta é... o que virá depois? O que acontecerá depois que esse erro for erradicado da nossa história? Afinal, o governante seguinte encontrará na melhor das hipóteses, inflação anualizada na casa de 2 decimais (lembrando que isso é meta estourada), taxa básica de juros na casa de 14%, como citado no artigo anterior, e a cebola... ainda culpada, com certeza.

É claro que o próximo governante amargará dias difíceis e talvez ainda seja visto como vilão, porque refazer a economia, querendo ou não, significa aperto, e passa por esforços da população, contenção, ajustes, arrochos, e outras medidas dolorosas para o povo já maltratado. A diferença, será a esperança.

Possivelmente a “situação” de agora, que naquele então será “oposição”, fará discursos de críticas ao novo governo, e desses discursos se servirá para se aproximar novamente do eleitor, querendo induzi-lo a acreditar que os “reaças” não estão conseguindo levar a economia aos trilhos..., que quebraram o plano que “poderia dar certo”, e que estão apenas servindo aos próprios interesses. 

Assim, tenho a sensação de que ainda não será o próximo governo a nos fazer esquecer esses dias ruins de agora, e que ainda comeremos muita cebola culpada.


Mônica Torres













33 comentários:

  1. Concordo contigo. Os brasileiros(as) que nasceram um pouco antes de 1994 em diante, (época que FHC e notáveis, no governo do Itamar Franco, criaram o Plano Real), não conhecem inflação. Estão conhecendo agora. Outro assunto é que se as Forças Armadas tivessem apoio das nossas Instituições, esse temor do PT e aliados serem oposição no novo governo não existiria, pois essas Forças expulsariam esses "comunas ladrões" do Brasil ou dariam apoio para que democraticamente fossem processados e presos. O mais correto seria o PT ter seu registro cassado para evitar futuros transtornos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas as FFAA poderia dar uma força nessa tentativa de ordem. Mas nossa parte terá que ser feita em socorro do país, tanto para corrigir os erros, como para evitar os que poderão vir.

      Excluir
    2. As FFAA são bolivarianas assumidas, logo expulsariam esses "comunas ladrões"? Esses "comunas ladrões", seus compadres e amigos do peito? As FFAA que só defendem a soberania do Brasil nas favelas misturados com putas, drogados e barões da droga? Esqueçam esses cabras. Não são mais que servidores publicos.

      Excluir
  2. Já apresentamos quadro da patologia de depressão circunstancial chegando à exaustão. Nossas noites não são dormidas. Solução a curto e médio prazo passa a ser doce ilusão. Ainda temos o Natal e o carnaval com receitas a curto prazo. A seguir as despesas a curto/médio e longo prazos. E dizer que o carnaval trás prejuízos é caso de até ser agredido. Porque ninguém acredita, nem consegue parar e pensar, quantas mortes, quanta droga, DST, gravidez indesejadas, crianças sem pais, adolescentes mães sem escola. Não há estrutura para festejar o espetáculo, o feriado prolongado que é bom, mas traz prejuízos de toda natureza. O folião chega cansado/atrasado ao trabalho, não rende como nos dias rotineiros. Mas, deixemos isto para lá. O povo precisa desta rentável diversão. Os USA tentaram acabar com o tabaco entre os séculos XXVIII-XIX e não conseguiu, pois gerava emprego. E então ficou o vício. Vaidade vai, vaidade vem e cá estamos nós, atados pelos gastos inconsequentes dos últimos 13 anos de nauseante governo. Se não fosse verdade, seria uma série de melodrama o Brasil apadrinhando outros países. Que sejam julgados, condenados e devolvam as tantas cifras aos cofres públicos e PT/aliados extintos, eliminados, se possível da nossa memória para que haja esperança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata, amiga, por sua preciosa contribuição. Precisamos ser realistas que mesmo depois de corrigir tudo, ainda sobrará uma ansiedade do qual a oposição que vier se aproveitará.

      Excluir
    2. HELENO PINTO NOBRE11 de julho de 2015 00:23

      BELA DISSERTAÇÃO SENHORA MARILENE ; OBRIGADO .
      MUITO BEM ESCRITO E DESCRITA A SITUAÇÃO INFELIZMENTE EXISTENTE NO BANANÃO O PAIS DES+MORALIZADO QUE ESTAMOS VIVENDO .

      E REALMENTE TEREMOS MUITO A SOFRER ANOS A FRENTE E PIOR AINDA SE ESTE DES+GOVERNO LADRÃO E PERDULÁRIO CONTINUAR DANDO AS CARTAS ATÉ O FIM DE SEU TRÁGICO PRAZO.
      QUEM VIVER VERÁ . E SALVE-SE QUEM PUDER .!

      Excluir
  3. Monica não se esqueça da previsão do nosso amigo Saka de que ela sai em Agosto. Se isso ocorrer ainda teremos uma réstia de luz no fim do túnel nos dando a esperança de que não comeremos tanta cebola.. Vamos aguardar o mês de Agosto: Faltam só 21 dias...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querido Raphael. Não eu não me esqueço. Penso que esperamos ansiosamente por uma mudança para melhor. É nosso dever trabalhar por isso. Abçs!

      Excluir
  4. Na verdade, não dá pra zerar tudo e começar de onde parou a "oposição" que era "situação". Então, os encargos destes dois últimos mandatos infelizes certamente recairão sobre o próximo Presidente (que espero em fé não seja Lula!), que deverá dar prosseguimento no pagamento de dívidas estrondosas que serão deixadas para trás, mesmo onerando o povo como agora.
    Importa e muito que a casa toda seja limpa da desonestidade política, antes de ser retomada por alguém. E isso, caros, não será tão fácil.
    Por outro lado, sem nos livrarmos de toda escória, jamais teremos como arrumar os "móveis e utensílios", a não ser de forma caótica, como tem sido feito. Não pode haver ordem na bagunça.
    Resta saber se há realmente alguém que queira fazer um trabalho de gari, para muito tempo depois passar a ser heroi da Nação!
    Alguém se habilita?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, Fernanda! é isso mesmo! é disso que falo. Não será fácil limpar a casa e reorganizar tudo a contento. Por isso a imagem do fardo.

      Excluir
  5. Penso como vc Fernanda, para se ter limpeza e ordem tem quem queira faze-las......tenho passeado pelo nossos arrumadores da Nação e ainda não encontrei nenhum capaz ou realmente com vontade de fazer a limpeza que deve ser feita. Parece que a vontade ainda ñ se manifestou

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E não acredito q vá se manifestar, enqto a limpeza política não se der. Todos estão muito comprometidos com seus egos, não querem arrumar a casa primeiro!

      Excluir
    2. A falta de líderes decentes nos tem sido muito prejudicial. Minha esperança é que no meio desse caos, possa se levantar alguém o suficientemente honrado para inspirar as pessoas e reconstruir nosso país de volta

      Excluir
    3. Monica, estes líderes já existem, não completamente aperfeiçoados. Mas existem. O cenário é que não dá oportunidade deles se exporem com veemência!

      Excluir
  6. FERNANDA...CÉLIA CONCORDO COM VOCÊS, SÓ SE SURGIR UM NOVO LÍDER, PQ NESTE MOMENTO Ñ VEJO NENHUM PREPARADO NEM DETERMINADO A MUDAR O CAOS INSTALADO NESTE PAÍS. MINHA SENSAÇÃO É QUE TODOS ESTÃO AMARRADOS, FAZENDO JOGO DE CENA PRA NOS ENGANAR...DE NOVO PQ ESTÃO ATRELADOS AO Q DE ERRADO ACONTECE HJ POR AQUI. B NOITE!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse líder ainda não se deu conta, mas acho que já existe sim. Só que trabalhar na arrumação e limpeza, para ser herói apenas na História... isso lá é outra coisa...

      Excluir
    2. No entanto, não nos desanimemos! que isso seja lição para nós, que possamos tirar proveito dese aprendizado para conduzir nossos destinos depois.

      Excluir
  7. Desemprego, menos renda, menos impostos, mais INFLAÇÂO......um filme q já cansamos de assistir aqui no Brasil. Parabéns pelo texto Monica..... Infelizmente esse é o resultado de uma politica de faz contas....Se não choramos com a cebola na cozinha, choraremos o preço de mais esta irresponsabilidade social.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata pela presença, Oliveira. Estamos cansados mesmo, mas eles não parecem considerar isso. Assim, é ainda preciso tocar essa música muitas vezes, porque o povo, infelizmente, sente a dor mas em seguida esquece a causa. Abçs!

      Excluir
    2. Mônica e o lado pior dessa história ainda existe....rsrsrsrrrs é q gente ter que aturar governos que não nos representam...Não votei em nenhum deles.....rsrsr mais ainda assim sou obrigado a assistir este filme...rsrsr ainda bem q não nos calamos...rsrs Até

      Excluir
  8. Bem, eu vejo assim: PMDB, prefere "fritar" PT em gordura fria, para que Dilma e seu partido, Lula incluso, sofram mais e mais desgastes, para tentar assumir só depois que, por desespero, a população aceite qq coisa como melhor que PT. PSDB, sabor diferente da mesma coisa, sempre votou com o PT em todos os projetos bolivarianos, desarmamento, aborto, casamento gay, ideologia de renego etc.. Disputam entre si o mando, mas seguirão sempre no esmo rumo, seria uma péssima opção, troca seis por meia dúzia, só haveria mudança de métodos, mas na pratica, é a aplicação da teoria das tesouras. Solução seria o surgimento de um partido realmente à direita do centro, capaz de aglutinar todo o eleitorado liberal/cristão/conservador, para mudar de vez os rumos do pais, enterrando o projeto bolivariano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gil, gratíssima por seu comentário, muito pertinente. É verdade sim que estamos à beira de trocar 6 por meia dúzia e foi muito boa sua colocação. Quanto à criação de um partido... bem, penso que é necessário trocar muitas coisas, voto facultativo, urnas convencionais, fim de impunidade, fim de imunidade... enfim, como precisamos começar, acabamos caindo no "qualquer coisa é melhor que o PT". Difícil..

      Excluir
  9. Se o assunto não fosse tão deprimente a leitura seria muito gostosa mesmo. Parabéns Monica.
    O pior é que eu acho que n~]ao é inépcia da búlgara. eu acho que esta crise é calculada e tem alguma serventia.
    Toda essa dinheirama desviada. Para onde? É muita grana. Estes psicopatas devem ter investido em alguma coisa terrível que ainda não sabemos.
    Deus nos proteja!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado Ari, hoje estava comentando o tamanho do desvio de dinheiro feito somente em nome do Mais Médicos, pelo BNDES. Sabe quanto? quase 1bi. Imagine os que saíram ilegalmente?

      Excluir
  10. O sr escreveu bem: Projetos bolivarianos. Todos os países que seguem esses projetos estão sendo falidos.. O povo venezuelano está amordaçado. Os equatorianos estão mais coesos e saem em mega manifestações não aceitando seu líder. Aqui, no Brasil, queremos dialogar com os petistas! Eles só conhecem a força. É só ouvirmos os discursos de Lula e da Dilma para entendermos que são truculentos. Se o Juiz Sérgio Moro "se for"; o PT nunca mais sairá do poder, a não ser que façamos como na década de 60 à 80.. As Forças Armadas, com a ajuda do Tio Sam, deram duro nesses comunas, que eram ajudados pela URSS e Cuba. Porém, com a anistia, voltaram todos: José Dirceu, Genuino, José Serra, FHC,.... Lula nunca saiu daqui porque sempre foi traíra. Dilma só tinha e tem "papo". Esses e outros, que diziam que queriam a Democracia de volta é que estiveram e estão no Poder nos infernizando. Por isso o povão sozinho não conseguirá limpar o Brasil. É preciso a ação das Forças Armadas pois os Partidos Políticos e as Instituições estão de comum acordo com o Governo e enrolam a população. Não precisamos ter medo das FAs. É igual a Polícia Militar: Só a chamamos quando é preciso o uso da força física mesmo porque Dilma não sairá de bom grado. Ela já disse: -Não saio. E, se deixarmos, eles mudam nossa Constituição e ficaremos igual à Venezuela. Contudo, torço para estar errado. será melhor para o Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse meu comentário é uma resposta ao Sr Gil Celidonio Jr.

      Excluir
    2. Nem uma palavra fora de lugar, Daniel. Parabéns pelo comentário!

      Excluir
  11. PARABÉNS. Ótimo artigo. Além da exposição perfeita dos fatos, está muito bem redigido. A questão que me preocupa é saber se o que vier depois da atual resolverá o problema da nosso economia. Se a presidente sair agora, quem fica no lugar dela? O Vice? Em tese continuariam os mesmos no poder. Será que resolverão os problemas da nossa economia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cassiano, muito obrigada por sua presença e comentário. Eu penso que qualquer coisa que venha depois, não será ainda o melhor estado. Como eu disse no artigo.. a diferença será a esperança, mas creio que levaremos muito tempo pra nos refazer desse estrago de agora. Abçs e seja bem vindo.

      Excluir
  12. O próximo fardo do povo brasileiro será igual,ou pior que o atual fardo carregado pelo povo Venezuelano.O PT vendeu o Brasil,sem consultar os brasileiros.Hoje,os Estados Unidos não têm mais interesse em nos defender por que não existe mais o Brasil,como nação e sim como possessão comunista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vindo, anônimo! nossa missão é resgatar. Se perdermos a esperança, estaremos mortos. Em todo caso, nosso renascimento nascerá pela quebra da economia. Assim tenho dito em artigo anterior chamado A Queda (http://ossamisakamori.blogspot.com.br/2015/04/a-queda-por-monica-torres.html) aqui mesmo em 28 de abril. Convido-o à leitura. Abçs!

      Excluir
  13. Socoooooorro!!! Fluminense contrata Ronaldinho Gaúcho!

    AGORA PAGAREMOS A SÉRIE B DE QUALQUER JEITO

    ResponderExcluir
  14. De longa data,o Brasil é o maior mico internacional.
    País de faz de conta,sem rumo e sem futuro (povo).;

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.