Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 15 de fevereiro de 2015

É inexorável estagflação em 2015.


Fazer previsão da economia para os próximos 12 meses é como avaliar o perfomance do atleta numa corrida de 10.000 metros nos primeiros 100 metros. Mas, todos querem saber da opinião de quem tem experiência no esporte. Percebo que muitos dos leitores, querem saber do que vai ocorrer na economia do País nos próximos 12 meses ou no mínimo até o final do ano.

Assim como o Ministério da Fazenda e o Banco Central fazem suas previsões, vou ensaiar as minhas.

Dólar. 

A moeda americana deve sofrer valorização até o final do ano, por alguns dos motivos, quais sejam: o destino do investimento estrangeiro direto (IED) para outros países mais confiáveis do que o Brasil.  Aliado à baixa credibilidade do governo Dilma haverá fuga de capital estrangeiro influenciado pelo aumento da taxa de juros dos títulos do Tesouro americano hoje em 0,25% para 2,5% até o final do ano.  O dólar comercial pode fechar o ano em R$ 3,20 e o turismo em R$ 3,45. 

Selic.

A taxa Selic, hoje, de 12,25% ao ano, deve terminar o ano no patamar de 14% ao ano, em função do índice de inflação em processo de alta, devido também à desvalorização do real. Para conter a fuga dos dólares e manter a taxa de câmbio dentro do patamar de R$ 3,20 para comercial e turismo de R$ 3,45, o Banco Central terá inexoravelmente de aumentar a taxa Selic para garantir os juros reais no atual patamar de 5% ao ano.

Tarifa de energia elétrica.

O próprio ministro de Minas e Energia já acenou a possibilidade de aumento médio das tarifas de energia em média 40%. Para se ter ideia, o aumento de tarifa de energia em Roraima neste mês de fevereiro foi de 54%. 

Gasolina.

O sistema Petrobras está com risco alto, conforme já comentei neste blog em matérias anteriores. O combustível ou a gasolina está estritamente condicionado ao preço internacional do petróleo e da própria variação cambial. Pelas condições já expostas, a Petrobras deverá aumentar o preço da gasolina, até o início do segundo semestre em cerca de 10% sobre o preço atual.

Inflação.

O índice de inflação oficial, o IPCA, deve terminar o ano próximo de dois dígitos, na minha avaliação no mínimo em 9% para o ano de 2015. A inflação do bolso, denominação usada por mim, deverá terminar o ano, não menos que 30% no final deste ano. Isto significa que o trabalhador terá seu salário comido em 30%. Isto é um fator grave que fará diminuição de consumo, levando o País para a depressão.

PIB.

Sobre o PIB, já comentei neste blog, já nos primeiros dias de janeiro. A previsão de PIB será negativo em 2% em 2015. Nada mudou o cenário econômico para que reverta a minha posição, pelo contrário, todas variáveis previstas por mim, vem confirmando. O País experimentará depressão de 2% no PIB. Em outras palavras, o Brasil vai encolher 2% no seu Produto Interno Bruto. Com inflação no patamar previsto por mim, nesta matéria, configura a situação que denominamos de "estagflação".

Conclusão.

Que cada um, pessoa física ou pessoa jurídica faça o seu planejamento econômico e financeiro para o ano de 2015, dentro dos parâmetros anunciados aqui para não ser colhido na posição de calça curta ou na posição de calça arriada.

É inexorável a estagflação em 2015.

Ossami Sakamori





11 comentários:

  1. Já estou preparada desde 2o. semestre de 2014, p/ que o impacto não seja tão desastroso p/ mim e p/ minha família. Estamos acompanhando a queda de alguns índices e a elevação de outros... dados vergonhosos. A conclusão do seu artigo dá uma certa leveza, pois depois de ler e se preocupar c/ o futuro do país, só rindo c/ os cuidados c/ as calças! Heheheh

    ResponderExcluir
  2. Dolorosa a situação depois que esse bando assumiu o poder. E cada vez vamos mais para o fundo do poço, pagando esses abusos e cortando de nossa carne. Revoltante. Gostaria de ter tido aula de economia consigo Mestre Saka.

    ResponderExcluir
  3. "É inexorável a estagflação em 2015." Traduzindo: Estamos ferrados em 2015.

    ResponderExcluir
  4. Com todas estas previsões e o povão pulando no Carnaval, pode?
    Parece que a grande maioria dos brasileiros não está nem aí com o que acontece neste país, seja ela eleitora do PT ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, se o povão nem está por aí, mais vale nos preocuparmos mesmo só conosco.

      Excluir
  5. Gente, o importante é não desesperar como fizeram os passageiros daquele filme lindo. Nunca esquecer que nascemos sem dentes, sem roupa, com fome e muitos doentes e hoje a maioria esstá tomando p/baixaraa gordura,pedindo preço melhor no botox. Nós humanos somos iguais animais numa carroceria de caminhão, no inicio é uma gritaria, mas logo depois começa uma roda de samba, que não é nada mal.Saravá,irmão.Divany Silveira-Sete Lagoas-mg PS. vamos rezar p/ o ministro da Justiça não tomar chope com a OASS /Galvon,etc

    ResponderExcluir
  6. O Brasil voltando aos tempos de inflação, marcação de preços, comidas racionadas pelos altos custos,sem contar com o confisco em nossos bolsos dessa politica desastrosa de Dilma,o certo é mesmo ter cuidado com as calças.

    ResponderExcluir
  7. lula e dilma e seus bons amigos ditadores. Bonitas fotos.

    Na primeira foto a branco e preto, certamente que lula transmitiu sublimarmente o que pensava fazer com o Brasil.

    "Feios, sujos e malvados!

    (...)"

    http://libertatum.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.