Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 30 de junho de 2013

Economia BR. Atenção máxima para próximos 30 dias!

Última sexta-feira, dia 28, foi o dia de fechamento do semestre para o setor público e setor privado.  Sobretudo na área de câmbio, o preço de fechamento do dólar americano servirá para atualizar a contabilidade em real, a moeda brasileira.  

Sem considerar os recebíveis em dólares que também serão reajustados conforme fechamento da cotação do dia 28, todas dívidas em dólares ou em outras moedas, equivalentes em dólares, deverão ser reajustados à cotação do dólar do último dia útil do semestre.

O Banco Central faz a média da cotação do dólar até uma determinada hora do dia para definir o Ptax, que é a cotação que deve ser utilizado em balanço das empresas públicas ou privadas.   Ptax fechou em R$ 2,2156 com alta de 1,42% no dia, apesar da intervenção do Banco Central com a venda do Swap Cambial num total de US$ 3,9 bilhões, o que de certa forma segurou a cotação do dólar no final do pregão em média R$ 2,23.

Os analistas do mercado e a imprensa falam muito em situação econômica dos EEUU, claro, favorável para eles.  O temor do mercado financeiro global é de que a FED, Banco Central americano, para de dar liquidez ao mercado comprando títulos americanos à vencer, num montante de US$ 85 bilhões mensais.  E o mercado financeiro global trabalho com a perspectiva de que a FED aumente os juros dos títulos americanos para conter a expansão da economia, dos atuais 0,25% para algo como 0,50% ao ano.  

Bom para os americanos que estão a viver novamente crescimento real de 2,5% ao ano, ou seja PIB de 2,5%.  Para um país com moeda estável, crescimento de 2,5% é algo como Brasil crescer a 5% ao ano.  Pior para brasileiros que terão a moeda local, o real, desvalorizar cada vez mais frente ao dólar.

Analisemos o reflexo da alta do dólar no mercado interno.  Como já foi dito quinhentas vezes, o dólar depreciado ou o real apreciado está sendo usado como âncora para estabilidade da economia ou seja o dólar barato está sendo usado para segurar a inflação.  Em quase tudo, o dólar tem influência no mercado interno, alguns setores em menor intensidade e outros em maior intensidade.  Há uma distância enorme a percorrer até que chegue à cotação de equilíbrio do dólar.  Alguns analistas acham que seria R$ 2,45 e outros acima.  Pelas minhas contas, a cotação de equilíbrio seria entre R$ 2,60 e R$ 2,70.  

O Banco Central, diante da situação criada, tanto no front interno como no front externo, tenta segurar o dólar na atual cotação, ou seja o dólar sendo negociado no patamar de R$ 2,20.  Tanto o ministro Mantega ou o Alexandre Tombini, sabem que os próximos 30 dias  o controle da cotação do dólar vai ser determinante para a trajetória da inflação no País, para o próximo semestre.  O dólar já subiu 10% nos últimos 30 dias.  Isto vai trazer um adicional de 2,5% no aumento da inflação nos próximos 6 meses, por razões já expostas no parágrafo anterior.

Creio que o Banco Central não vai conseguir segurar a cotação do dólar no patamar de R$ 2,20.  O próximo pit-stop será R$ 2,40.  No final de julho o dólar deverá estar batendo os R$ 2,40.  A conjuntura é totalmente desfavorável para estabilidade da moeda.  O superávit da Balança Comercial está com o acumulado do ano em terreno negativo.  Os investimentos estrangeiros diretos (IED) deram um stop temporário, até por conta das ondas de movimentos do povo nas ruas.  Investidor estrangeiro quer segurança no País que quer por o dinheiro.  Os preços dos alimentos vão ser pressionados no mercado interno, por conta da valorização do dólar, dos commodities, apesar de cotação destes, em dólar, estar na trajetória descendente no mercado internacional.

Aliado aos fatores já descritos, o Brasil está perdendo credibilidade no mercado financeiro internacional.  As agências de classificação de riscos estão anunciando viés de baixa.  Isto para completar a desgraça, faz afugentar a entrada do dólar no País, apreciando ainda mais o dólar.  Resumindo, todas forças puxam o dólar para cima.  Tenho apenas 1/10 para errar nas minhas previsões sobre a cotação de dólar no final de julho em R$ 2,40.  

O problema não é valorização do dólar frente ao real, ou desvalorização do real perante o dólar.  Em todas matérias anteriores, defendi o dólar mais ajustado à realidade do mercado.  Pode parecer contradição eu chamando atenção pelo fato de dólar estar a R$ 2,40 se eu próprio defendo o dólar entre R$ 2,60 e R$ 2,70.  Explico.  O ajuste repentino do dólar em níveis previstos, corresponde a um "maxidesvalorização" do real em 20% que é o problema.  

O Brasil já viveu o fenômeno da maxidesvalorização do dólar.  Foi na época do Delfin Neto, no ministério da Fazenda.  As experiências não foram nada boas, quebraram muitas empresas que estavam endividados em dólar.  Enfim os efeitos foram desastrosas.  Quando se apresenta uma situação desta, GRAVE, várias medidas de compensações deverão ser tomadas, sob pena de valorização do dólar vir acompanhado de uma explosão inflacionária.  

Pela trajetória e histórico vivido pela equipe econômica, posso afirmar categoricamente que a equipe da presidente Dilma e ela própria não tem competência para enfrentar a situação econômica que considero de GRAVE para GRAVÍSSIMO.  Embora, sou radicalmente contra um banqueiro tomando conta do Banco Central, talvez seja necessário chamar o banqueiro Henrique Meirelles ou um operador de mercado como Armínio Fraga para tomar conta do pedaço.  Afirmo isto, penosamente, pois é como entregar a chave do galinheiro para o lobo.  Fazer o que?  Erramos, então, pagamos!

Pergunto: Vocês ainda querem ficar perdendo tempo discutindo plebiscito?  Não estão vendo que em pouco tempo, vamos ter uma GRAVE crise econômica?  Vocês decidem se colocamos em foco a economia ou plebiscito!  

Afirmo: Para quem vai sobrar a fatura da incompetência para pagar? Bingooo! Acertou quem disse que a conta vai sobrar para mim, para você e para o povo em geral, seja pobre ou remediado.  Os banqueiros e afortunados, novamente, vão ganhar na crise!  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado não militante do PDT.  E-mail: sakamori10@gmail.com

4 comentários:

  1. Prezado Saka, eu não tenho o conhecimento que você tem sobre finanças.
    Mas vendo a lambanças que dilma e Mantega fazem, com band aids para estancar hemorragia, infelizmente é isso mesmo. Tem que chamar especialista, na verdade alguém para administar a dose de remédio bem amargo e dar uma sobrevida ao quase defunto.

    ResponderExcluir
  2. Caro Saka,...

    Outro dia escrevi aqui mesmo algo parecido. Se o operador de cambio no Brasil, não for alguém que olhe a banca nos olhos, exprimindo necessário respeito(que pode ser traduzido em medo de perder dinheiro), pode esquecer controles. Banqueiro só respeita uma coisa: O medo de perder seu dinheiro! E eles sabem que do lado de cá, só tem gente frouxa! Mantega Rançoso, é tido por eles, como um reles otário, no que estão cobertos de razão! Tombini é técnico,...vai bem na gestão? Vai sim! muito bem! Mas gestão é algo que é feito por alguém acima,...alguém que dê o norte e trace o rumo! "Hay que tener un capitan, asi como cojones" - Tombini seria sempre um maravilhoso imediato, jamais um capitão comandante. Só tem uma coisa em comum com Mantega Rançoso: Homens errados, nos lugares errados, na hora errada,....

    Dilma, se fosse algo mais inteligente e não devesse satisfações tanto ao Lulla como ao PT, tivesse ela autonomia, há muito teria chamado, como ambos dissemos(basta ver registros aqui mesmo, no teu blog), alguém de mercado, que tenha bala intelectual na agulha.

    Dolar a 2.60/70? Não sei! Seguramente para manter a 2,50, bilhões serão torrados, pois os apalermados acreditam que só injetando moeda seguram as cotações. Típico dos idiotas monosaturados mentais. Dizia um filósofo(sei lá qual) - Quando todo problema que vc enxerga é prego, toda solução vira martelo!

    Dólar,.."só" a r$2,50,..tem seu lado bom,..bem controlado eu chego a dizer que é desejável. Mas, tem o lado cruel da inflação, ao menos no primeiro momento. Isso bate forte na parte mais sensível do corpo humano,...o bolso!

    Infelizmente o governo é incompetente! E pior, é um incompetente gerindo uma tremenda nave espacial ao meio de uma turbulência, seguida de chuva de asteroides. E o comandante aciona o piloto automático e vai tirar uma soneca,...(melhor que o anterior que nessas horas tomava uma 51,...)

    Como vc diz, próximos 30 dias, ver os patetas fazendo besteiras, seria até cômico,...não fosse trágico,...

    ResponderExcluir
  3. O governo mente ao divulgar o índice inflacionário. Ele já passou dos dois dígitos. E o Guido Mantega, ministro da Fazenda, anuncia cortes de despesas nos Ministérios. Mas na verdade eles tinham é que cortar o tamanho dessa máquina federal, reduzindo a quantidade dos Ministérios para 12 e cortando vários cargos comissionados. Seria um bom primeiro passo para organizar as contas e direcionar essa sobra para educação e saúde pública. Quanto a bolsa família deveria ter um controle e tempo para que os assistidos pudessem, com ajuda do governo, fazer cursos profissionalizante e ter uma colocação em algumas empresas privadas. Isso seria uma boa demonstração de querer fazer e de que ouviram as vozes roucas das ruas.

    ResponderExcluir
  4. Sakamori, verdade, quando a inflação sobe, o dólar cresce e o real cai, o Brasil afunda. Já disse e repito: este filme eu já vi, em 1998, na época de FHC - mas agora será pior. Sakamori, o senhor tem razão ao dizer que é uma tremenda perda de tempo discutirmos esse papo de plebiscito, que é um meio de tirar o povo das ruas o mais rápido possível e e tenho medo de ver os manifestantes caírem nesta arapuca. Hoje, o mais importante é discutir a economia, algo que só o executivo tem de resolver. As ruas têm que pautar questões que passam pelo Congresso. A queda do real fez cair as ações de Eike Batista e outros empresários menos votados, mas empresario falido é apadrinhado pelo BNDES, então, só essa gente está bem - é só aqui no Brasil que temos essa coisa de empresa falida administrada por empresário rico...

    Guido Mantega é um fracasso, o jeito é chamar o banqueiro internacional Henrique Meirelles e/ou até o Antônio Palocci(!!!). Agora, vamos ter de chamar i incendiário para apagar o incêndio... O que fez o Brasil crescer foi a valorização da commodities, não só aqui, mas no mundo. Agora, há uma queda nas exportações, o crescimento dos EUA e um freio na economia da China. O bicho já tá pegando.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.