Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 28 de junho de 2013

BRASIL da Dilma. O quadro econômico é GRAVE!

Hoje faz 1 mês do dia fatídico para o mercado financeiro brasileiro. Dia 30 de maio próximo passado foi considerado pelo mercado como "dia do cão".  Foi o dia que o governo Dilma, tomou consciência da gravidade da situação econômica do País e tomou, mesmo que timidamente, medida para corrigir o rumo aumentando a taxa Selic em 0,5% ao invés de 0,25%.  O mercado entendeu o recado dado pelo Banco Central do Brasil.  O País tinha chegado numa situação crítica.

O povo também já vinha sentindo no próprio bolso, a mudança repentina da situação financeira individual, sobretudo nos primeiros meses deste ano.  A inflação de alimentos comeu pelo pé, média de 18% em apenas 5 meses.  A pequena redução da tarifa de energia nem foi sentido pela população pela insignificância do valor absoluto sobre os gastos.  No 1º de junho veio o reajuste de tarifa de transporte coletivo nas cidades de Rio de Janeiro e São Paulo.  O aumento em tempo normal não seria tão significativo, R$ 0,20.  Mas foi a gota d'água.  As consequências vocês já sabem. O povo foi para a rua, um pouco pela tarifa, mas sobretudo pelo quadro geral.

Nestes últimos 30 dias, houve notícias ruins para a economia brasileira.  As duas agências de classificação de risco deu sinal ao mercado financeiro que iriam rebaixar a perspectiva dos ratings para viés de baixa.  Acompanhando a tendência o risco Brasil dado pelo JP Morgan também subiu, após longo período de baixa.  

Para completar às notícias vindo de fora, as notícias no front interno não foram boas como era de se esperar.  O déficit da Balança Comercial continua apresentado número acima do esperado em comparação ao do mesmo mês do ano de 2012.  O investimento estrangeiro direto (IED) e especulativo vem apresentando resultado abaixo do esperado pelo mercado e pelo Banco Central.  

Todas estas notícias ruins pegou o Brasil no contra pé.  Brasil adota política econômica (sic) com grave erro sistêmico.  Vocês podem acessar às minhas matérias sobre o tema escritas desde 15 de fevereiro de 2012.  À época passada fui considerado como o pregador do apocalipse, como alguém irresponsável fazendo contra apenas por conta da ideologia.  Xô!  Não estou nem aí, com o que dizem por aí sobre ideologia.  A prática da economia global tem pouco a ver com a ideologia, vamos falar a verdade.  É pragmático, é dinâmico, o dinheiro é daltônico, não conhece a cor.  Ou melhor, o mercado financeiro conhece a cor verde do dólar.  

Feito o preâmbulo, vamos aos fatos.  O mais grave erro da presidente Dilma foi na condução da política cambial. Ela foi utilizada como instrumento da política econômica no sentido contrário ao que deveria ter sido usado.  Depreciou o dólar ou apreciou o real.  Fez parte da estratégia, errada, de com o real apreciado produzir sensação de "poder econômico" à população.  Tudo isto, visando a reeleição de 2014!

Para agravar ainda mais a política econômica equivocada, a presidente Dilma resolveu utilizar as tarifas administradas, como combustíveis e energia elétrica como instrumento de política econômica, equivocadamente.  Isto é erro sobre outro erro.  Por isto, considero que a política econômica (sic) da Dilma tem grave "erro sistêmico".  Entenderam vocês, o que eu quis dizer com o erro sistêmico?  O erro é sistêmico porque ele está na origem da formulação da política econômica.  

Além de tudo, para agravar mais o erro sistêmico da política econômica, a Dilma vem adotando o mecanismo de estímulo ao consumo via Crédito Fácil e Crédito Barato.  O endividamento do povo brasileiro, passou de 23% do PIB no início do governo Lula, para o espantoso 55% do PIB.  O percentual de comprometimento da renda familiar com os financiamentos, incluído prestação de casa própria, está em 48%.  A Dilma criou mercado interno robusto (sic) via expansão de crédito.  Isto tudo tem data marcada para acabar. Acabar mal, como na Grécia e Espanha.

A Dilma continua insistindo no erro, quer enxugar liquidez do mercado aumentando a taxa de juros do Tesouro ao em vez de atacar pelo lado de consumo, inibindo a oferta de crédito.  Ela faz exatamente o contrário.  Diante desta situação preocupante, teve a ousadia de anunciar programa de oferta de crédito de R$ 15 bilhões para a compra de móveis e utensílios domésticos.  Este governo não é sério!  Estão dando tiro no escuro! Ou melhor, visando eleição presidencial de 2014!

Hoje é última dia útil do semestre.  O Banco Central vai continuar intervindo no câmbio, vendendo dólar spot ou Swap Cambial, para tentar segurar o dólar na cotação média Petax em R$ 2,20.  É o número utilizado para fechamento do balanço, para quantificar em real as dívidas e compromissos realizados em dólar.  A Dilma segura o dólar para o balanço semestral da Petrobras não entrar no vermelho, novamente. No ano passado já ocorreu a mesma situação, quando da apreciação do dólar.  Vamos torcer que o Balanço Semestral da Petrobras dê positivo.  Se der negativo, a vaca vai para o brejo! 

O dólar criou asas, estão a voar para fora do Brasil.  Não adiantou o ministro Mantega retirar impostos incidentes sobre operações de dólar.  Criou facilidade para entrada de dólares e criou facilidade para os investidores ficarem em posição vendida à futuro.  Quero ver se tem investidor que tenha culhões para ficar vendido em dólar.  O último cara que ficou com o dólar vendido e se deu mal, foi o Salvatore Cacciole que não conseguiu honrar e foi preso. Outras foram as famílias Furlan e Ermínio de Moraes em período diferente.  

A Dilma conseguiu desviar atenção da situação grave que passa a economia brasileira.  A presidente lançou o tal plebiscito sobre reforma política.  E Dilma conseguiu.  Hoje não se fala em outra coisa a não ser sobre o plebiscito da Dilma.  Discutir inflação e câmbio?  Isto é só para doido como este que escreve!  A grande mídia entrou na onda do plebiscito.  Dilma e Maquiavel são homônimos.  Ficou nojento, tudo isto!  As grandes mídias, as já carimbadas, só falam do plebiscito, pode isso?

Tenho consciência de que estou a gritar no deserto.  Não haverá coro atrás de mim.  Não haverá montanhas que me darão o eco.  Felizmente, tenho vocês que me dão o ânimo para continuar a escrever sobre a economia, discordando da maioria esmagadora que seguem a cartilha do Palácio do Planalto.  Faço minha parte, apenas como dever cívico.

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT sem ser militante. E-mail: sakamori10@gmail.com

7 comentários:

  1. Caro Saka, bom dia,...

    O plebiscito que por si só é imoral, já que nada mais é do que colocar em prática, as resoluções do PT, referendadas em 2007 no seu 3º Congresso, tem sido o pano de fundo, que esconde uma penca de problemas do governo, a começar(e claro,terminar) em economia. Até os roubos fazem parte da cadeia(ops) econômica, pois alimentam e irrigam todo um sistema.

    Por mais negro que seja o horizonte, percebo uma luz tênue no fim do túnel. O povo acordou! Já não se fazem mais maracutaias como antigamente. Como disse Paul Valery,..."o futuro não sera mais do jeito que era,.." As redes sociais, demoraram 10 anos para maturar,...mas agora estão ai, e as colheitas acontecendo.

    Plebiscito na minha opinião, nada mais é do que um golpe de estado! É o jeito bolivariano do PT tentar operar,...apegar-se ao osso, que de todas as formas, tenta escapar-lhe das garras.

    Maduras as redes sociais, maduras as pessoas que as compõe. Maduras e informadas, com grande poder de comunicação e tudo que a agilidade encerra. Conclusão: Plebiscito não passará!

    E dai? e dai? que mais uma vez, perdemos precioso tempo, escondendo o sol com a peneira, pois os problemas que realmente contam,...esses não serão atacados, por pura incompetência. Não adianta a gente reclamar! O PT caiu do caminhão de mudança e seu GPS é do Paraguai! Todos endereços que contém, são cucarachas,..ou seja, não levam a lugar nenhum.

    Que fazer? Aguardar? ou como dizia o poeta Daniel Cohen(puxa, sou eu!!!) em outras vidas: Vamos aguardar a onda bater na areia e tentar entender que história a espuma nos conta,....

    ResponderExcluir
  2. Amigo Daniel,

    Um belo comentário, com muita clareza, límpida como riacho da serra. A separação em parágrafos fica mais leve para leitura. O café fica para a próxima oportunidade!

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Creio que voce deva continuar a chamar atenção dos economistas, dos que tem a mesma conscientização na área econômica,fonte importantíssima, pois sem ela nao haveria recursos a serem investidos em outras tão importantes e necessárias, a educacao, a saude e a segurança(incluindo melhorias nas estradas estaduais e federais) que parecem ser o que menos interessa ao atual Governo. Parabens por sua perseverança e sua sabedoria!

    ResponderExcluir
  4. Meu medo é que, por conta do populismo, este país possa se transformar em uma Mega-Argentina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Caio,

      Se bobear mais um pouco, Dilma vira Cristina e Brasil vira Argentina. Isto se chama argentinização. Inflação oficial descolada da inflação real. Estamos perto disto.

      Abraço! Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  5. O Brasil decolou com a valorização dos imóveis iniciada após o destravamento da legislação imobiliaria (alienação fidúciaria, etc) e da gradual redução dos juros. Surfou na marolinha do apeduta até flutuar para dentro da bolha imobiliária, inflada pelo tsunami monetário e sustentada pela quadrilha petralha com ainda mais juros reais baixos. As classes pobres ganharam empregos sem qualificação, se tornaram uma classe média fictícia e foram estimuladas a se endividar. As bolsas vagabundagens se proliferaram. Por outro lado a classe média verdadeira foi achatada e continua a pagar a conta. Ainda assim é classificada como rica pelos sociopatas petistas. Eles desorientaram toda a economia e ainda fazem cara de paisagem. Fizeram a bagunça e querem ainda mais. Desejam se perpetuar no poder. Esse plebiscito é golpe bolivariano. Essa proposta é ainda mais imoral que a da PEC 37! Abraços e parabéns pelo blog.
    Ass:Lucke

    ResponderExcluir
  6. O aumento do dólar foi a gota d'água da crise brasileira. E nem falo da bolha imobiliária, que está prestes a estourar e não vejo as pessoas falando sobre isso. Muitas famílias financiaram a casa própria pela Caixa e muitos que fizeram isso já não dormem direito, enfim, fizeram o investimento no momento errado, caíram na propaganda enganosa do PT.As ações das empresas do Eike Batista só caem... Os investidores não sentem segurança ao investir nas empresas do Sr. Eike, que hoje sustenta sua fortuna com dinheiro do BNDES.

    Foi a oferta de crédito o que derrubou as economias dos EUA e Europa. O Brasil não é um país feito para o consumo, mas para a poupança, que rende pouco, mas é seguro. A população da China sabe disso, que o países emergentes devem poupar. os juros altos e agora a inflação vai enforcar empresas e toda a sociedade brasileira.

    Quanto ao plebiscito, a mídia, quer dizer Globo, comprou a ideia do fim da PEC 37, transformando as reivindicações dos manifestantes num mero combate à corrupção. É uma jogada da mídia, que não quer, por exemplo, que seja discutido o Marco Civil da Internet - dentro outros assuntos importantes, como os da economia.

    O plebiscito colocará em pauta apenas questões de interesse do governo. Pior: o PT vai usar o poder da máquina, gastando bilhões em verba publicitária, para conseguir votos ao seu favor. Será um Brasil, definitivamente, das Bolsas, do Congresso, dos neopentecostais, do salário baixo, inflação e juros altos e, enfim, mais dor e protestos nas ruas. Resultado: guerra civil à vista.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.