Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Quero vomitar o governo Dilma o mais rápido possível.


É mentira que foi o PT que criou para o povo brasileiro oportunidades de o crescimento. Eu nasci numa família de imigrantes japoneses que veio ao Brasil para se servirem como escravo branco para os barões do café. Nasci na década de 40. O Brasil era pobre mas tinha potencial para crescer. O povo vivia miseravelmente, mas tinha esperança de ver o País alcançar o estágio que iria alcançar nas décadas seguintes. Minha família, a dos meus pais viveu por longos anos, numa choupana como da foto. Mas, o País deu oportunidade para os imigrantes e famílias criarem os seus descendentes. 



Aos 8 anos, meu pai me entregou à uma família que morava na cidade, amiga, para que eu pudesse continuar os estudos, que iniciei na escola rural. Meu pai pagava a minha estadia com os mantimentos que ele produzia no sítio, uma porção pequena de terra, comprado com muito sacrifício. Para mim era a porta de entrada para o mundo, assim como era para muitos brasileiros da época em situações semelhantes. O governo era pobre, o povo tinha que "se virar" sozinho. Foi assim que o Brasil nasceu como nação.

Fiz antigo escola primária, municipal, até 4ª série do ensino fundamental. Lembro-me que todos meninos da escola andavam sem calçados. Ganhei o primeiro par de sapato, na entrega do diploma do primário, ainda me lembro. Fiz o ginásio, no período noturno. O povo à época vivia de esperança de dias melhores. Nada disso me lembro como período de privações, porque a maioria vivia em condições semelhantes. Era o retrato da época. 

Enfim, pude ingressar no curso de engenharia civil na Universidade Federal do Paraná, coincidentemente no ano do golpe militar de 1964. Concluí o curso, me sustentando como estagiário e desenhista. Nada de extraordinário a minha trajetória da vida, porque a maioria dos meus colegas de faculdade faziam jornadas duplas, trabalhavam e estudavam. Eram tempos difíceis, para mim, pessoalmente. Em 1969 fui convidado pela Universidade Federal para lecionar uma cadeira na Escola de Engenharia. Foi assim que me tornei professor da Universidade Federal do Paraná.

Fiz este preâmbulo para dizer que as oportunidades no Brasil não foram inventadas pelo PT, nem tão pouco pelo PSDB. Pelo contrário, o governo PT criou oportunidades para o povo, não pelo merecimento, mas apenas pelo apoiamento ao projeto político, criando um verdadeiro "curral eleitoral". O fato é que a política neoliberal dos sucessivos governos, deixou o povo brasileiro refém do Estado. 

Ao assistir a adesão de vários parlamentares, no derradeiro momento, aguardando o momento de votação do processo de impeachment da presidente Dilma, me causa espanto. É como estarem descobrindo a verdadeira situação do País, após o leite derramado. São dezenas de parlamentares desembarcando da base aliada da Dilma, na undécima hora.

Quando eu estava com 67 anos, há 4 anos, precisamente no dia 15 de fevereiro de 2012, através deste blog comecei a minha cruzada de oposição ao governo Dilma. Estudioso que sou da política macro econômica, percebi que o governo Dilma estava cometendo grande equívoco na formulação da sua própria matriz econômica. Há 4 anos percebi que o quadro econômico poderia desembocar no quadro que estamos a viver hoje, uma verdadeira "depressão" econômica. Não precisava ser especialista para fazer previsões dos tempos bicudos que viriam. 

Em pouco mais de 4 anos, produzi mais de 2.000 matérias, maioria contra a política econômica do governo Dilma. Comecei fazer crítica quando a presidente Dilma gozava de 77% de popularidade, enquanto a dos articulistas econômicos e a própria grande imprensa "bajulava" o governo Dilma. Os empresários que hoje criticam o governo Dilma, são os que mais aplaudiam. 

Igualmente, antecipei com alguns anos, a ladroagem que ocorria na Petrobras e no BNDES. Fiz denúncias sobre outros órgãos, como DNIT, que sequer estão sendo investigados. Fiz denúncias pelo desvio de finalidade pela utilização dos recursos do FGTS para subsidiar o programa MCMV. E tantas outras denúncias, que foram ignoradas pelas autoridade competentes e pelos parlamentares que hoje estão aderindo ao pró-impeachment. 

Fiz denúncia sobre a venda ilegal de participações da Braspetro Internacional nas jazidas de petróleo na costa africana para o BTG do André Esteves. Fiz denúncia da falência da OGX, três meses antes da quebra. Fiz denúncia sobre financiamento privilegiado do BNDES para o grupo JBS/Friboi. Fiz denúncias sobre o caso Lula da Silva/ Portugal Telecom. Fiz denúncias sobre a ladroagem na Petrobras, com pelo menos dois anos de antecipação à Operação Lava Jato. Fiz denúncias sobre ao estado de falência da Petrobras. 



De repente, como que de repente, os parlamentares "descobriram" a ladroagem da facção criminosa que tomou conta do Palácio do Planalto. De repente, como que de repente, muitos parlamentares se tornaram os "paladinos" da moralidade pública. Muitos destes que estão a votar pró impeachment, até ontem, era os "sangue sugas" do governo da Nação. Muitos são parlamentares que estão mudando apenas de "tetas" para mamar. Mas, que sejam. O importante é que estes vão dar o voto SIM para a expulsão do PT do Palácio do Planalto.

Agora, ouvir os parlamentares do PT, aos gritos dizer, que o processo impeachment da Dilma é golpe, já é muito para minha idade. Ouvir dizer que a presidente Dilma é honesta, que não tem conta na Suíça, já é um "pé no saco!" para este quase ancião. Pelo amor de Deus, tirem os parlamentares petistas e de seus aliados como PC do B e PSOL do Palácio do Planalto. Aguentar parlamentares gentalhas do PT, PC do B e PSOL já é demais para mim. 


Publicidade: clique > Brasil tem futuro? 

Quero vomitar o governo Dilma o mais rápido possível. 

Ossami Sakamori







5 comentários:

  1. Parabéns pelo seu trabalho pelo povo do Brasil, sou testemunha de parte dele. Também reconheço os oportunistas de plantão, estes que estão na reta final abandonando o governo, mas infelizmente precisamos deles. Lindebergh Farias é a prova viva deste tipo de gente. Abraços, saúde e sucesso.

    ResponderExcluir
  2. saka / sua trajetória é a prova do sucesso / sucesso de uma carreira exemplar /todo cidadão de bem / deve agradecer um mestre / que se prima pela honestidade / e pode deixar um legado / de todo conhecimento / para os alunos / da futura geração / tem meu respeito.

    ResponderExcluir
  3. Self Made Man.
    Gostei da sua historia de vida.

    ResponderExcluir
  4. "Quero vomitar o governo Dilma o mais rápido possível."
    Quem não quer? Mas se houver golpe da dilma em decretar o Estado de Defesa como ela e o pt e o pc do b querem, então vamos ter de esperar anos e anos.

    "Governo Dilma volta a cogitar decretação de Estado de Defesa

    O Estado de Defesa poderá valer só para Brasília.

    O governo Dilma, Lula e o PT, usam de todas as armas para sobreviver ao processo de impeachment, o que inclui muito falatório, judicialização de tudo que for possível, informação e contra-informação nas redes, mas também alguns canhões de grosso calibre.

    O mais importante dos canhões, seria a edição desesperada de decreto de Estado de Defesa, recurso que depende exclusivamente da vontade da presidente, consultados os Conselhos da República e de Defesa Nacional, que estão sob seu controle. Basta alegar "instabilidade institucional".

    (...)

    O que se comenta dentro e fora do Congresso é que o ministro da Defesa, Aldo Rabello, já teria sido procurado para receber este curto aviso:

    - Não tentem.

    (...)"

    http://polibiobraga.blogspot.com.br/2016/04/governo-dilma-volta-cogitar-decretacao.html

    ResponderExcluir
  5. Meu consolo é que o sapo e o poste vão morrer loucos, babando etc.
    Plantaram vento, fazendo pacto com o demônio e conseguiram o que queriam. Agora, o demônio virá cobrar a conta. Pobres vermes.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.