Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Brasil está na sinuca de bico!



Tudo indica que o impeachment da Dilma passará na Câmara dos Deputados, na votação previsto para o final da próxima semana, que inicia na sexta-feria, dia 15. A votação deverá deverá ocorrer entre sábado e domingo, dia 16 e 17. O prognóstico é de que o impeachment será admitido na Câmara.

Se aprovado na Câmara dos Deputados, o processo segue para Senado Federal, que inicialmente votará pela recepção ou não do processo. Recepcionando o processo, será instalado o processo de impeachment da Dilma, que terá prazo de 180 dias para concluir sobre o afastamento ou não da presidente. Neste período, a presidente Dilma será afastada do cargo e assume interinamente, o vice presidente Michel Temer.

Enquanto o Senado Federal julga o impeachment da Dilma, corre paralelo no TSE, o julgamento oriundo do processo de cassação da chapa Dilma/ Temer impetrado pelo PSDB. O processo pode durar alguns meses. Segundo presidente do TSE, Gilmar Mendes, o processo deverá ser votado no mês de agosto. No entanto, não tem prazo legal para a decisão naquele Tribunal.

Em cassado a chapa Dilma/ Temer, assume o cargo de presidente da República, o presidente da Câmara dos Deputados, qualquer que seja, obedecendo  a linha sucessória previsto na Constituição. Se a cassação de mandato pelo TSE ocorrer até 31 de dezembro deste ano, o presidente em exercício convocará uma nova eleição presidencial, em 90 dias. Dependendo da data da cassação, a nova eleição presidencial ocorrer no primeiro trimestre do ano de 2017, para o mandato tampão até 31 de dezembro de 2018. 

De qualquer forma, o quadro político, mesmo com o processo impeachment sendo aprovado pela Câmara dos Deputados, no próximo fim de semana, ficará "indefinido" até o final deste ano. Em consequência, não haverá setor produtivo que se anime em investir nas suas atividades. O País continuará na trajetória de retração na economia, até que vislumbre a data da nova eleição presidencial. Isto deverá ocorrer à partir do mês de agosto, na melhora das hipóteses. Até lá, o País estará no limbo. 

No caso de não passar o impeachment da Dilma, a situação do País continuará cada vez mais grave, por falta de apoio político da presidente Dilma. O Brasil está na sinuca de bico!

Publicidade: Clique >  Proposta de uma nova política econômica 

Com ou sem impeachment o Brasil desce ladeira abaixo!

Ossami Sakamori











8 comentários:

  1. Sakamori, até agosto o Cunha já caiu. Precisamos iniciar uma campanha contra ele, logo após o impeachment.

    ResponderExcluir
  2. O que mais me preocupa é Lula livre para agir. Mesmo não sendo Ministro ele age em Brasília livremente. O PT está "rapando o tacho" no pouco que nos resta na economia(milhões de reais usados na compra de votos), educação(mudança das normas sem passar pelo crivo do Congresso e a sociedade ex: Alunos do Curso de Medicina ter que passar por provões antes de receber o diploma), Segurança Púbica(Pec que reduz salários dos militares da Polícia e corpo de bombeiros), Instituições Públicas(STF maioria petista e age a revelia da Carta Magna), a Dilma participou no Palácio do Planalto de comício petista com ameaças à população brasileira contra o Impeachment. Enfim, o PT está atropelando a Constituição Federal para fins eleitoreiros e para perpetuar-se no poder.
    Dessa forma, Dilma nunca sofrerá o impeachment e se sofrer, Michel Temer continuará a mesmice e se Michel Temer cair, já estão programando outra petista para assumir o lugar: MARINA(da Rede).
    Todas as Instituições estão infiltradas por petistas que ensinaram a quem não sabia a "profissão" de roubar e, uma vez enlameados todos se seguram na voz do "chefe".
    É como os anônimos sempre escrevem aqui: O PT só sairá na po##ada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lamentavelmente, êsse câncer só será estirpado com cirurgia, onde muito sangue será derramado.

      Excluir
    2. Ela nunca vai sair, por que o pt não vai deixar, senão é o seu fim.
      Se o câncer vai provocar rios de sangue, então mata-se o câncer e assim poupam-se rios de sangue.

      Excluir
  3. Na verdade precisamos moralizar todo o sistema político brasileiro. Perde-se 99,99% do tempo e energia, além de fantásticas somas de dinheiro, com tiroteio político que, em primeira e última análise não vão conduzir a nada, senão à troca de 6 por 4. Enquanto se degladiam pelo poder a nação apodrece. Falta patriotismo e vergonha na cara de cada político que aí está. Ou estou errado ?

    ResponderExcluir
  4. O angariador, chamado de presidente, anda, de porta em porta nos gabinetes de Brasília, oferecendo benesses para nossos dignos representantes votarem contra o povo. Na maior cara de pau, circula livremente, enquanto seus pares amargam na prisão.

    ResponderExcluir
  5. NEW COMUNISMO DAS ZELITES

    TCU paralisa reforma agrária por rombo de R$ 2,5 bi. Entre beneficiários irregulares, há um senadorAuditoria feita pela corte revelou que entre os beneficiados do programa federal estão políticos, donos de veículos de luxo, pessoas falecidas e até crianças

    O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a paralisação imediata do programa de reforma agrária do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em todo o país. A medida cautelar emitida pelo tribunal decorre de uma auditoria que identificou mais de 578.000 beneficiários irregulares do programa do governo federal. Nas contas da corte, o rombo potencial é de aproximadamente 2,5 bilhões de reais, por causa dos créditos e benefícios atrelados à previsão de 120.000 assentados entre 2016 e 2019.
    São dezenas de problemas de extrema gravidade identificados pela corte de contas, entre eles a relação de 1.017 políticos que, criminosamente, receberam lotes do programa. A relação inclui 847 vereadores, 96 deputados estaduais, 69 vice-prefeitos, quatro prefeitos e até um senador. O TCU não divulgou a lista desses políticos beneficiados. A auditoria revela centenas de outros casos, como a concessão de lotes para pessoas de alto poder aquisitivo, como donos de veículos de luxo como Porsche, Land Rover ou Volvo, apesar de a regra do programa definir o benefício somente a família com até três salários mínimos. De acordo com o TCU, 26.818 beneficiários ganham bem mais do que isso, sendo que em 202 casos apresentaram renda superior a 20 salários mínimos. Há 37.000 pessoas falecidas cadastradas como beneficiárias do programa.
    As irregularidades atingem praticamente 30% de toda a base de beneficiários do programa, que é da ordem de 1,5 milhão de famílias. Em 11.000 casos, o cônjuge de uma pessoa que já foi contemplada com um imóvel pelo programa é novamente atendido com uma segunda moradia. A precariedade do programa é tanta que há pessoas com idade de um ou dois anos de idade que também receberam imóveis. Milhares de beneficiários pelo programa possuem diversos cargos públicos, o que é proibido por lei. Foram encontrados ainda 61.000 empresários beneficiados pelo Incra. Outros 213 processos aprovados beneficiam estrangeiros.
    Para medir a quantidade de concessão de lotes para pessoas de alto poder aquisitivo, o TCU adotou como critério a oferta de lotes para pessoas que tenham carros com valor superior a 70.000 reais. Foram identificados 4.293 proprietários nessa condição, todos eles donos de carros de luxo.
    Os achados de auditoria já levam em conta explicações dadas pelo próprio órgão federal aos auditores da corte de contas. O ministro relator do processo Augusto Shermann criticou duramente o programa e relembrou que o Incra tem descumprido há anos determinações já feitas pelo TCU em relação à concessão dos benefícios. "É um processo que está sendo feito totalmente à margem da lei", disse o ministro.
    O colegiado do TCU foi unânime nas críticas ao programa e na necessidade de completa reestruturação do Incra e de seu trabalho. Em janeiro, a Controladoria-Geral da União (CGU) já havia demonstrado problemas graves do programa. O tribunal determinou ao Incra que apresente medidas para resolver cada um dos problemas identificados e que submeta essas ações para, após análise do TCU, seguir com as ações de assentamento de famílias e desapropriação de áreas.
    (Com Estadão Conteúdo)
    Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/tcu-paralisa-reforma-agraria-apos-identificar-mais-de-500-mil-beneficiarios-irregulares-incluindo-um-senador

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Incra deve ser simplesmente extinguido.
      "... pessoas com idade de um ou dois anos de idade que também receberam imóveis"
      Esta é demais!!!!!!

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.