Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 9 de abril de 2012

OBAMA X DILMA, VISITA DE HOJE

Será hoje, a agenda oficial da presidente Dilma nos EEUU. Segundo noticiado na imprensa brasileira, a Dilma vai tratar da "guerra cambial", do assento permanente no Conselho de Segurança da ONU e das bolsas de estudos aos estudantes brasileiros nos EEUU. No entando, ao que parece a agenda fugiu do foco que a presidente gostaria de dar à viagem.

Dilma, muito mais discreta na sua atuação internacional que Luiz Inácio Lula da Silva, pode não despertar em Obama o mesmo entusiasmo que seu predecessor. Entretanto, eles podem ser bons colegas de trabalho, avaliaram os especialistas.  Fonte : Folha

Obama foi recepcionado no Brasil pela presidente Dilma como visita do chefe do Estado, mas a a nossa presdiente terá tratamento de visita oficial.  Será encontro de 1h para troca de memorando e almoço oficial na Casa Branca. Não terá tratamento dispensado para David Cameron ou Hu Jintao, tais como, a visita à Camp David em Maryland. Justifica-se, o Brasil não está alinhado com os EEUU.  Brasil está politiamente, do lado do Hugo Chaves, Fidel Castro, Ahmadnejad e do Bashar Al Assad. E de quebra quer comprar os jatos Rafale da Dessault francesa, como que em confronto com os Super Hornet da Boeing americana. Assunto "enterrado": Brasil não vai ganhar assento no Conselho de Segurança da ONU.

Entre as áreas contempladas estão aviação (na qual os dois países são líderes mundiais), segurança alimentar (para atuação conjunta em outros países), cooperação descentralizada (relativa a Estados e municípios), além de uma troca de cartas para reconhecimento dos nomes internacionais da cachaça brasileira, e do bourbon e uísque do Tennesse.  Fonte: Folha.


Como pode ver pela agenda oficial, informalmente anunciada, a presidente Dilma, nada vai tratar sobre o que ela disse que iria tratar, ou seja sobre "guerra cambial" e vaga no Conselho de Segurança.  Vai ficar na defesa da "cachaça" brasileira e ajuda de cooperação dos EEUU para implantação da Bolsa Miséria na África.

Os dois maiores e mais influente países do continente têm uma longa história de cooperação, mas uma desconfiança mútua e divergências políticas impossibilitaram o aprofundamento das relações bilaterais. Entre 2001 e 2011, na década que viu a emergência da China como potência e parceira comercial do Brasil, o comércio entre Brasil e EUA cresceu 120%, para US$ 60 bilhões. Entretanto, representa hoje 12% do comércio brasileiro com o exterior --metade do patamar em que estava dez anos atrás. Fonte: Folha

É uma pena que nesta viagem não esteja tratando da venda dos Super Tucanos da Embraer ou de plásticos biodegradáveis da Braskem.  Ou em matéria de agricultura, sobre indústria do álcool proveniente do milho. Este sim, será o commodities do futuro que os EEUU vai impor ao mercado. Não duvidem também, que o Obama, sem microfone ligado, vai tentar impor a venda de Super Hornet da Boeing.  Não duvidem também, que Dilma vem com Super Hornet em baixo do braço, bagatela de US$10 bilhões à troco da venda do nosso Super Tucano, uma encomenda de US$300 milhões. Nada contra, acho razoável, porque os Super Hornet são melhores que os Rafale e são mais baratos, incrível que pareça. Só diferencia, o fee, dos intermediários. Para bom entendedor...


Em encontro com empresários brasileiros em Washington, a presidente Dilma Rousseff afirmou neste domingo que o Brasil deve priorizar o registro de patentes como meta de avaliação científica. Segundo ela, o modelo atual é muito focado em publicação de artigos.  Fonte : Folha.

Dito acima pela presidente Dilma, tal qual foi dito por mim na matéria minha publicada aqui no blog sob o título de "As universidades caminham a reboque da sociedade". Imagino eu que se o Brasil aparelhace melhor as nossas próprias Universidades, é bem provável que o país não tivesse que gastar dinheiro para mandar 101.000 bolsistas no exterior, à pretexto de "inovação" tecnológica. Metade destes bolsistas vão ser contratados pelos americanos e europeus para trabalharem por lá mesmos.  

O restante da agenda, após o almoço, a programação da Dilma fica focada na iniciativa privada. As universidades e ou institutos com os quais a Dilma vai firmar convênios são da iniciativa privada. Agenda de visita oficial, termina no almoço com o Obama. Para o país que vota, sistematicamente, contra os interesses dos EEUU, soa como que "colocado no escanteio", para reflexão.  

Se o Brasil não agir com pragmatismo, deixando de lado, a ideologia política, vamos ficando no meio do caminho do desenvolvimento.  O mundo da inovação tecnológica caminha muito mais rápido do que se possa imaginar.  O Brasil tem potencial, mas não sabemos utilizá-lo adequadamente, sempre envoltos em teses ideológicas, como fazem Cuba, Venezuela, Irã e Síria.  Acorda, Dilma!

Um comentário:

  1. Amigo Sakamori, o presente em questão: "a cachaça", não fere o ambiente da boa educação, mesmo sendo o agraciado um não alcoólico porque é um presente para o ESTADO. Inteligentemente, a DILMA, nossa Presidenta, vai colocar o assunto em destaque na mídia internacional, fazendo com que nosso produto original ganhe merecidamente espaço e reconhecimento. Abraço. AMARAL

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.