Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 5 de abril de 2012

DILMA É POPULAR?

Conforme notícias divulgadas pelo Diário do Pernambuco, publicadas ontem, dia 4 de abril de 2012, a popularidade da Dilma presidente cresceu em relação ao dezembro de 2011, conforme transcrevo abaixo.
A popularidade da presidente Dilma Rousseff aumentou cinco pontos percentuais, passando de 72%, em dezembro de 2011, para 77%, em março de 2012. Os dados fazem parte da pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Ibope, divulgada hoje (4).

O percentual de pessoas que confiam em Dilma subiu de 68% para 72%, no mesmo período. Já a parcela da população que considera o governo ótimo ou bom manteve-se estável em 56%.

As áreas que foram pior avaliadas foram: impostos (65% desaprovam), saúde (63%) e segurança pública (61%). Além disso, 60% dos entrevistados consideram o governo Dilma igual o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O fato de um dirigente ou uma dirigente de uma nação ser popular, não guarda relação direta com a qualidade da administração pública.  Se a popularidade retratasse fielmente a situação de cada país, o que poderia ter sido a Líbia do Kadafi? Será que a vida do povo cubano é fácil com mais de 5 décadas de administração do Fidel Castro?   Presumo que o país Venezuela está indo a mil maravilhas com Hugo Chavez, ou não? O povo iraniano deve estar satisfeitíssimo com o presidente Ahmadnejad, imagino eu. Será mesmo que o critério de administração se mede pela popularidade do seu presidente?

Curiosamente, a mesma pesquisa encomendada pelo CNI, mostra a outra face da história, a triste realidade brasileira. Vejam que interessante, mais de 60% da população, segundo a mesma pesquisa, desaprovam o governo Dilma, nos itens: Impostos, Saúde e Segurança Pública.  Não é contra senso? Mas, não é.  Funcionou assim com Kadafi e continua funcionando com Fidel Castro, Hugo Chavez e com o Ahmadnejad.  Tal qual funcionou com o Lula e agora funciona com a Dilma. 

 A Dilma, como fez Lula e como fazem Fidel Castro, Hugo Chavez e Ahmadnejad, vendem um mundo imaginário para o povo, baseado em discurso padrão enganação.  Até por esta razão, o Brasil de Dilma está alinhado com Cuba, Venezuela e Irã. Nada é por acaso, Dilma segue o mesmo padrão deles. Cria-se o inimigo externo.  No mundo de fantasia da Dilma são os "canibais" europeus, que querem explorar o Brasil com a fantasiosa "guerra cambial". Tudo padrão estabelecido pelo seu guru Marco Aurélio Garcia. 

As personagens em questão, se utilizam de marketing pessoal muito bem elaborado, vendem a imagem de "salvador da pátria". O Lula dizia: "eu faço o que nunca dantes foi feito".  Poderia ter sido verdadeiro ou não, mas a frase caiu como uma luva para a camada de população menos esclarecida. Agora, a presidente Dilma, usa retórica semelhante, que causa o mesmo efeito.  Ela inicia seus discursos, sempre, com a frase: " Meu governo..." como que ela dissesse ao povo que ela é a única responsável por algum feito do governo. Quando é malfeito, não é como ela, como dantes fazia o Lula.

O mundo de fantasia, que me referi anteriormente, constam de programas assistencialistas como Bolsa Sem Miséria e outros tantos, que trazem graves consequências econômicas, mas que no curto prazo enebriam a população como CréditoFácil e DólarBarato.  E para acalmar os empresários dão como "tapa boca" oferecem empréstimos subsidiados via BNDES, para alguns poucos privilegiados, alinhados ao governo, numa verdadeira operação Robin Hood ao inverso. 

Então, vocês vão me dizer que a imprensa no Brasil é livre para opinar posições contrárias.  Teoricamente, sim. Na prática, isto se torna difícil porque a imprensa de modo geral recebem "verbas publicitárias" do goveno federal e financiamento subsidiados pelo BNDES. Olha, que se eu fosse dono da Globo ou Record, pensaria duas vezes em criticar o governo. Portanto a imprensa no Brasil não é livre!

Não tem almoço de graça. Um dia a casa cai. O governo, com diversos programas de assistencialismo e de programas de subsídios, somado ao custeio próprio da própria máquina, gastam mais de 40% do PIB. Pergunto: E donde vem o dinheiro para esta gastança? Resposta: Da iniciativa privada que representa o restante do 60% do PIB. Pode estar matando a galinha dos ovos de outro. Isto tudo, para que? Para o projeto de perpetuação no poder, de partido da situação.  Assim foi a administração do FHC, Lula e agora Dilma. Uns mais outros menos. Quem paga a conta é sempre o povo. 

Deus me deu a graça de, neste momento, não estar filiado a nenhum partido político e nem ser beneficiário de nenhum programa assistencialista nem tão pouco dependente do financiamento subsidiado para poder opinar com certa independência. Represálias são inexoráveis, estou consciente.

Ossami Sakamori, 67, engenheiro civil, foi professor da UFPR, cidadão comum.
Atende pela rede social twitter: @sakamori10

2 comentários:

  1. Na minha opinião ela é sim popular entre os eleitores mais eu acho que ainda Lula e mais popular que a Dilma.

    ResponderExcluir
  2. O comentário acima é a prova de que não adianta falar nesse país de analfabetos, o comentário é sobre cura o cara vem e fala da doença.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.