Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sábado, 22 de dezembro de 2012

QUE DEUS PERDOE PRESIDENTE DILMA


Assisti a fala da presidente Dilma, hoje na TV, numa inauguração de obra qualquer no Rio Grande do Sul.  Visivelmente abatida, falou sobre a esperança de PIBão no próximo ano.  Argumentou do dólar alinhado e dos juros baixos.  Creio que ela está fora de si, desesperada, com ineficácia das medidas tomadas por ela neste ano de 2012. Pois o dólar não está alinhado e nem os juros estão baixos relativamente ao mundo desenvolvido. Para uma presidente com super poder, num regime presidencialista como do nosso País, não parecia estar passando por bons momentos. 

Muitas vezes, as pessoas pensam que com o poder na mão, manda no mundo.  Chegam a acreditar que mandam no próprio destino como ser humano.  Esquecem-se de que somos, todos, reles ser humano cuja vida está ungido por um ser superior.  Seja qual nome que lhe for dado ao ser superior, Deus, Cristo, Maomé ou Buda, continuamos sendo apenas um ser humano.  Muitos que acreditaram possuir o poder como o de Deus, sucumbiram impiedosamente, de formas muito tristes. A história está cheio de exemplos. 

Ela, Dilma Rousseff, carrega um peso na sua consciência.  O peso do malfeito dela própria, que redundou na conquista da presidência da República em 2010.  A ideia partiu do seu padrinho Lula, mas na condição de chefe da Casa Civil, a ordem do malfeito partiu dela própria.  Isto martela, martela, martela na cabeça dela.  Este fato, ligado, indiretamente, aos assuntos tratados na recente CPMI a deixou muito preocupada.  O caso já está na PGR e isto lhe tira o sono.  Tira também o humor.  Quer se sobrepor a fase negra com frase de efeito que nem produz mais a empolgação de antes.  Ela diz que espera para o ano de 2013, um "PIBão grande" (sic), frase que nem ela própria acredita.

Os ídolos revolucionários da Dilma, como Fidel, Kadafi, Hugo Chavez, vão sucumbindo diante da realidade da vida.  Eles vieram ao mundo como Deus quis e deixará o mundo como Deus quer.  Dilma como seu padrinho Lula, criou um mundo de fantasia que pensou nunca acabar, mas a fantasia um dia acaba.  O mundo é feito de realidade, que a presidente Dilma deveria ter dado atenção, como a educação, a saúde e a segurança pública.  Não fez dever de casa.  Não tem mais como escondê-la com espumas e blá-blá-blás.  Um dia, a máscara cai.  Pois, a cara da presidente na última aparição parecia um rosto sem máscara, rude e ao mesmo tempo triste.  

Que Deus perdoe a minha presidente Dilma, a quem devo obediência constitucional.  

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  Twitter: @sakamori12

5 comentários:

  1. Perdoe-me, mas não consigo "dever obediência constitucional" a um ser que fez parte nos últimos 10 anos a todos desmandos que hoje impávidos assistimos. Dilma é parte integrante desta quadrilha, que nada mais fez do que colocá-la na cadeira onde esta, a fim de buscar, não resolver os problemas da nação e sim manobrar seu espúrio projeto de ganancioso poder. A cada dia que passa, mostra-nos a "Gerentona Apagona", uma absoluta incompetente para lidar com os reais problemas que seu cargo exige. Viveram e nadaram de braçadas na maré da herança bendita de FHC, mas tanto fizeram, que exauriram a fonte.

    Agora meu caro Saka, veremos que a rainha esta nua,..e que tudo que nos apresenta, é muito feio!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sakamori! Como não deixo de comentar aqui em seu blog badalado, preciso reafirmar o que você mesmo escreveu lá no começo do seu texto: "Muitas vezes, as pessoas pensam que com o poder na mão, manda no mundo. Chegam a acreditar que mandam no próprio destino como ser humano. Esquecem-se de que somos, todos, reles ser humano cuja vida está ungido por um ser superior. Seja qual nome que lhe for dado ao ser superior, Deus, Cristo, Maomé ou Buda, continuamos sendo apenas um ser humano. Muitos que acreditaram possuir o poder como o de Deus, sucumbiram impiedosamente, de formas muito tristes. A história está cheio de exemplos."
    Penso que um título, como o de presidente da República, não significa ter sempre a palavra final para qualquer decisão que seja, pois além dos excelentíssimos em Brasília que compõem com a presidente o poder do governo, nós, o povo, já demonstramos sermos muito mais que meras ovelhas... E tem mais uma coisa, todos os presidentes que já passaram tiveram em seus governos problemas advindos de outros anteriores, que não podem desaparecer de uma hora para outra como mágica. Acredito que pelo fato de termos hoje uma presidente (mulher), ainda existe certa resistência mesmo que inconsciente, e muito mais exigências para que as coisas saiam bem feitas.

    Abraços e um bom natal.

    ResponderExcluir
  3. Destaco do comentário acima, de Daniella Caruso Gandra a frase "E tem mais uma coisa, todos os presidentes que já passaram tiveram em seus governos problemas advindos de outros anteriores, que não podem desaparecer de uma hora para outra como mágica".
    Isso é uma realidade, mas não é por ser mulher que Dilma Rousseff está sendo duramente criticada por causa dos apagões de energia elétrica que estão ocorrendo com bastante frequência nos últimos dias.
    Os petistas estão há dez anos no poder, Dilma foi ministra de Minas e Energia, o sistema nacional está obsoleto e aparece gente para falar em herança maldita de FHC.
    Por favor! Em dez anos não melhoraram nada por pura incapacidade, e desses dez anos, oito foram com Lula, ou seja, são 80% por culpa de um homem. Não há discriminação com mulher nenhuma, Daniella.

    ResponderExcluir
  4. Dilma não é representante do Brasil.Ela se acha no direito de ser mas o resultado está aí; Desastre total. Ela é fruto do sonho de Lula de voltar a ser presidente em 2014 e usa Dilma como bucha de canhão. Ele sabia que ela não tinha e nem tem competência. Por isso a colocou esperando que dando errado, o povo o retornaria ao poder.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.