Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

BRASIL É DE TODOS NÓS!


Fim do ano chegando e graças a bom Deus, passamos mais um ano sem sobressaltos.  Não assistimos nem o crescimento estupendo, nem uma recessão profunda.  Mas, pudemos assistir, um lento crescimento, pífio, mas o suficiente para levamos o País um pouco para frente, independente da desastrada e equivocada política econômica do governo federal.

Assistimos noticiários, durante o ano, muita espuma lançada pela presidente da República, mas vimos poucas coisas concretas acontecendo no País, apenas inaugurações de alguns estádios com vistas à realização no ano que vem, da Copa das Confederações.  Infelizmente, a visão míope dos governantes, não puderam fazer com que o País exercesse a sua vocação natural de crescimento reservada apenas a gigantes como Brasil com suas condições geográficas e de riquezas naturais.  

O que se viu ocorrer, sobretudo nestes primeiros anos do novo governo, foi repetição de culto à personalidade do mandatário da República.  Como na administração anterior, muitas promessas de realizações de obras, que nem sequer tem os seus projetos executivos completos.  As tão propaladas grandes obras como transposição do Rio São Francisco, Ferrovia Trans-nordestina e Refinaria Abreu e Lima, estão longe de vê-las concluídas no curto prazo.  Único projeto bem sucedido, o Minha Casa Minha Vida, os recursos de financiamento e de subsídios provém do dinheiro privado dos trabalhadores, o FGTS.  Vamos lá, poderia ser pior.

Felizmente, o Brasil não é apenas governos.  O Brasil é composto de 60% do PIB, de iniciativa privada, que provisionam recursos para manter andando os 40% do setor público.  Apesar de governos privilegiarem apenas poucos amigos dos Palácios, o grande contingente de pequenas, médias e micro empresas, garante o recolhimento dos tributos que sustentam a máquina pública.  Os governantes de plantão, dispõe de impostos recolhidos, 40% do PIB, por conta dos quais anunciam os projetos e realizações conjugando invariavelmente o verbo na primeira pessoa do singular: Eu faço, meu governo, eu mandei e por aí a fora.  Um verdadeiro culto à personalidade, com o dinheiro do contribuinte, com único objetivo de manter-se no poder por períodos longos.

Felizmente, esta brava gente, composto por 194 milhões de pessoas, apesar de ser pisadas, usadas, espoliadas, respondem pelo crescimento do País.  Os impostos são do primeiro mundo, mas o que os serviços públicos, como educação, saúde e segurança pública são de terceiro mundo.  Digo mais, os serviços essenciais da população, se assemelha à uma republiqueta de quinta categoria.  O Brasil tem vocação para crescimento e sempre soube trilhar o caminho do crescimento, qualquer que seja matizes e formas dos governos de plantão.  O Brasil é um País pródigo em natureza, que mesmo espoliados pelos agentes públicos, ainda tem fôlego suficientes para o crescimento.  O Brasil, felizmente, é composto de pessoas do bem, em sua maioria.  Convém lembrar que  o Brasil é de todos nós!

Em tempo: Ontem, mais um perfil twitter meu, @sakamori12, foi suspenso.  Censura? 

Ossami Sakamori, 68, engenheiro civil, foi professor da UFPR, filiado ao PDT.  E-mail: sakamori10@gmail.com

2 comentários:

  1. Quando todas as coisas parecem que escurecerão, podemos vislumbrar que, existe sempre a ESPERANÇA, unida a FÉ e coligada ao AMOR que geram belezas infindáveis a todos quanto sabem que a VERDADE e a JUSTIÇA haverão de reninar nos corações ansiosos de todos os brasileiros que amam suas FAMÍLIAS e amam esse NAÇÃO. 2013 tem o MELHOR DE JESUS para todos os que O buscam com sinceridade de coração.
    Que sua família sempre desfrute da gratitude de DEUS e da ALEGRIA de CRISTO JESUS> PAZ

    ResponderExcluir
  2. O que nos resta é continuarmos remando, para continuarmos vivos...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.