Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Por que Brasil paga dívida da Venezuela?

Crédito da imagem: d notícias

Volto ao assunto do calote da dívida feito pelo Nicolás Maduro para com o Brasil, especificamente, para com o BNDES, atendendo pedido de leitores. O presidente Temer pediu autorização ao Congresso Nacional para honrar o compromisso de R$ 1,3 bilhão pelo Tesouro Nacional para pagar a dívida vencida da Venezuela, há mais de 90 dias. No mercado financeiro, inadimplência maior que 90 dias é considerado "calote".  Vamos entender, vamos?

1. A dívida contraída pelo governo de Venezuela não é para com o Brasil, mas é com o BNDES, assim como dezenas de obras, sobretudo aquelas financiadas na América Latina e na África, cujas principais obras estão listadas na matéria Brasil paga dívida da Venezuela.  Por que o Brasil paga a dívida da Venezuela, então?  Porque, o governo da União é "avalista" de todos empréstimos externos feitos pelo BNDES. A maior parte da dívida foi feita dentro da política de assistencialistas do governo Lula aos países "parceiros" do PT. Hoje sabemos que estas obras faziam parte de "pacote" de obras que rendiam "propinas" para o PT, pagas pelos empreiteiros beneficiados. 

2. O pacote de obras financiadas pelo BNDES faziam parte da fonte de financiamento das campanhas eleitorais do PT, como foi comprovado pelo Lava Jato. Este pacote de obras faziam parte da "justificativa" das palestras que serviram de fontes de renda referentes às "palestras" do ex-presidente Lula.  As "palestras" eram uma forma dissimulada de pagamento de propina ou juridicamente denominado de "lavagem de dinheiro".  As "palestras" serviram também a uma forma de justificar a repentina acumulação de riqueza do Lula. 

3. O financiamento das obras pelo BNDES, tinha autorização do Congresso Nacional, dentro do programa de "estímulo às exportações de produtos e serviços".  Até aqui tudo bem. No entanto, o Congresso Nacional colocou como pré-condição o aval do governo da União para o BNDES "não entrar" no "risco de inadimplência". Como pode constatar, a inadimplência acabou acontecendo e o Tesouro foi obrigado a repassar o valor da "inadimplência" da Venezuela para com o BNDES.  Isto significa que o Brasil pagou parte vencida da dívida da Venezuela. Desta forma o país Venezuela não mais deve para o BNDES, mas fica devendo para com o país Brasil. Para receber esta inadimplência é uma outra novela. 

4. Venezuela inadimplente com o BNDES, o governo da União, como avalista do empréstimo, pagou ao Banco. No entanto este crédito, agora, do Brasil com a Venezuela não é compensado automaticamente, por exemplo, com compra de petróleo. Isto é uma demanda que leva muitos anos e uma negociação que poderá terminar em receber com desconto considerável.  É igual, qualquer banco cobrar inadimplência dos seus devedores com promoção de "descontos". Na prática, o BNDES recebeu pela inadimplência da Venezuela e o Brasil ficou com o "mico" na mão.

5. A notícia triste é que, os empréstimos concedidos pelo governo Lula, foi feito com cláusulas de confidencialidade, classificado como de "segredo do Estado", num prazo de 25 anos. A pior notícia, ainda, é que essa inadimplência será a primeira de uma série que o governo da União terá que honrar para com o BNDES.  Estima-se, o total de empréstimos externos nesta modalidade ultrapasse os US$ 30 bilhões ou equivalente a mais de R$ 100 bilhões, na cotação de dólar de hoje, 10/5/2018.  

Em outras palavras, o Estado brasileiro terá que honrar com as inadimplências de empréstimos junto ao BNDES feitos pelos países latino-americanos e africanos, por muitos anos. Isto é uma das heranças malditas do governo Lula da Silva, que poucos ousam a falar.  É preciso que, a elite pensante do Brasil, expõe de forma clara, a "lambança" feita pelo Lula da Silva, no cargo e fora do cargo de presidência da República.  Com justiça, o lugar do Lula é na cadeia!

Ossami Sakamori
@BRdemocratico

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.