Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Política econômica do Bolsonaro.

Crédito de imagem: Gazeta do Povo

O discurso do provável ministro da Fazenda Paulo Guedes, se eleito candidato à presidência Jair Bolsonaro, é liberal da escola da Chicago University, onde se doutorou. O cento do discurso do principal formulador da política econômica, embora não confirmado, mas não negado pelo candidato à presidência Bolsonaro é privatiza tudo! No final do texto os leitores verão uma certa contradição no que ele afirma. 

Paulo Guedes foi sócio fundador do Banco Pactual e atual sócio do grupo financeiro Banco Bozano. Este último grupo financeiro está envolvido no esquema de dólares em investigação pela Polícia Federal. Vamos deixar claro que o Paulo Guedes não foi objeto de investigação, até o momento. Nem o candidato Jari Bolsonaro não se pronunciou à respeito do assunto do seu "guru" da política econômica. 

Paulo Guedes é à favor da privatização de todas empresas estatais, incluindo a Petrobras e Correios.  Defende a reforma da Previdência, que considera uma bomba-relógio nas contas do País. Defende a redução de ministérios em até 10, não indicando o que vai resolver com os funcionários públicos federais estáveis, quando do enxugamento da máquina pública. O discurso está, de acordo com o seu pensamento liberal, porém, de improvável implementação devido à legislação em vigor. Uma coisa é discurso e outra é coisa é a prática. 

Apesar do pensamento liberal, Paulo Guedes é favorável à manutenção do Bolsa Família. Ele quer cortar os gastos públicos fazendo ajuste fiscal, mas diz donde vem o dinheiro para manter programas sociais. Apesar de Paulo Guedes se considerar liberal, o plano econômico mais parece o ideário neoliberal que tanto ataca como chavões nos seus discursos. 

Paulo Guedes defende a independência do Banco Central com mandato fixo de 4 anos, independe do Executivo. O banqueiro economista, também, é favor de um novo pacto federativo com partilha maior de recursos para estados e municípios. Para Paulo Guedes falta a experiência na administração pública para implementar o plano econômico que que sugere ao candidato Jair Bolsonaro. 

Com o recente episódio envolvendo o grupo financeiro Bozano na operação Lava Jato, não está certo que o candidato Jair Bolsonaro confirme a indicação do nome do Paulo Guedes como principal formulador da política econômica do seu governo, se eleito for. 

Ossami Sakamori

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

3 comentários:

  1. BOM DIA! Este último grupo financeiro está envolvido no esquema de dólares em investigação pela Polícia Federal? Onde existe fumaça tem fogo. privatização de todas empresas estatais, incluindo a Petrobras e Correios?Algo que tem quer ser bem estudado. Defende a reforma da Previdência? SIM! DESDE que comece cobrando todos os maiores DEVEDORES DA PREVIDÊNCIA.Defende a redução de ministérios em até 10? ÓTIMO! Resolver com os funcionários públicos federais?ACABAR COM A ESTABILIDADE E se livrar e inúmeros vagabundos sugadores desses estabilidade.Manutenção do Bolsa Família?SOU CONTRA ,ISSO ESTA NOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS.Paulo Guedes? UM HOMEM A se estudar seriamente.

    ResponderExcluir
  2. Profwssor , o currículo do Paulo vai de encontro aos apoiam In neoliberalismo, a exemplo de 98% dos empresários , das grandes mídias e consequentemente dos eleitores não esquerdistas ...
    Eu gostaria de saber se ele atende bem ou não atende a sua expectativa na escolha para a política econômica , pois isto referenda o Bolsanaro ou não ...
    Obrigado .

    ResponderExcluir
  3. O mais importante é ter pensamento liberal na economia e devagar empurrar o centro ideológico para a direita deslocando a extrema esquerda.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.