Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Política econômica do Bolsonaro.

Crédito de imagem: Gazeta do Povo

O discurso do provável ministro da Fazenda Paulo Guedes, se eleito candidato à presidência Jair Bolsonaro, é liberal da escola da Chicago University, onde se doutorou. O cento do discurso do principal formulador da política econômica, embora não confirmado, mas não negado pelo candidato à presidência Bolsonaro é privatiza tudo! No final do texto os leitores verão uma certa contradição no que ele afirma. 

Paulo Guedes foi sócio fundador do Banco Pactual e atual sócio do grupo financeiro Banco Bozano. Este último grupo financeiro está envolvido no esquema de dólares em investigação pela Polícia Federal. Vamos deixar claro que o Paulo Guedes não foi objeto de investigação, até o momento. Nem o candidato Jari Bolsonaro não se pronunciou à respeito do assunto do seu "guru" da política econômica. 

Paulo Guedes é à favor da privatização de todas empresas estatais, incluindo a Petrobras e Correios.  Defende a reforma da Previdência, que considera uma bomba-relógio nas contas do País. Defende a redução de ministérios em até 10, não indicando o que vai resolver com os funcionários públicos federais estáveis, quando do enxugamento da máquina pública. O discurso está, de acordo com o seu pensamento liberal, porém, de improvável implementação devido à legislação em vigor. Uma coisa é discurso e outra é coisa é a prática. 

Apesar do pensamento liberal, Paulo Guedes é favorável à manutenção do Bolsa Família. Ele quer cortar os gastos públicos fazendo ajuste fiscal, mas diz donde vem o dinheiro para manter programas sociais. Apesar de Paulo Guedes se considerar liberal, o plano econômico mais parece o ideário neoliberal que tanto ataca como chavões nos seus discursos. 

Paulo Guedes defende a independência do Banco Central com mandato fixo de 4 anos, independe do Executivo. O banqueiro economista, também, é favor de um novo pacto federativo com partilha maior de recursos para estados e municípios. Para Paulo Guedes falta a experiência na administração pública para implementar o plano econômico que que sugere ao candidato Jair Bolsonaro. 

Com o recente episódio envolvendo o grupo financeiro Bozano na operação Lava Jato, não está certo que o candidato Jair Bolsonaro confirme a indicação do nome do Paulo Guedes como principal formulador da política econômica do seu governo, se eleito for. 

Ossami Sakamori

Compartilhe a matéria nas redes sociais:

3 comentários:

sergio luiz buchmann disse...

BOM DIA! Este último grupo financeiro está envolvido no esquema de dólares em investigação pela Polícia Federal? Onde existe fumaça tem fogo. privatização de todas empresas estatais, incluindo a Petrobras e Correios?Algo que tem quer ser bem estudado. Defende a reforma da Previdência? SIM! DESDE que comece cobrando todos os maiores DEVEDORES DA PREVIDÊNCIA.Defende a redução de ministérios em até 10? ÓTIMO! Resolver com os funcionários públicos federais?ACABAR COM A ESTABILIDADE E se livrar e inúmeros vagabundos sugadores desses estabilidade.Manutenção do Bolsa Família?SOU CONTRA ,ISSO ESTA NOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS.Paulo Guedes? UM HOMEM A se estudar seriamente.

Ivan Figueiredo disse...

Profwssor , o currículo do Paulo vai de encontro aos apoiam In neoliberalismo, a exemplo de 98% dos empresários , das grandes mídias e consequentemente dos eleitores não esquerdistas ...
Eu gostaria de saber se ele atende bem ou não atende a sua expectativa na escolha para a política econômica , pois isto referenda o Bolsanaro ou não ...
Obrigado .

Ramon Freitas disse...

O mais importante é ter pensamento liberal na economia e devagar empurrar o centro ideológico para a direita deslocando a extrema esquerda.