Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Temer aplica dogma do FMI


Já sabemos, pelas entrelinhas das declarações da equipe econômica, que a política econômica a ser adotada pelo governo Temer é aquela fórmula ortodoxa do FMI. Eu tinha tênue esperança de que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tivesse mudado de "hábito". Não tem jeito, o monge não muda o seu "hábito", tão facilmente. 

Henrique Meirelles não fará nenhum choque para reverter a situação econômica do País. Vai ignorar que o quadro da economia é de extrema gravidade. Vai aplicar a fórmula clássica do neoliberalismo de combate à inflação via taxa de juros Selic. Vai tentar salvar o País, sem mexer nos lucros dos bancos e de grandes corporações. É a aplicação pura e simples da fórmula clássica do FMI.

Sob a argumentação de manutenção da saúde do sistema financeiro brasileiro, não vai mexer no raiz do problema, que é a transferência de renda da população para o sistema bancário. Esta soma de transferência de renda soma cerca de R$ 200 bilhões anuais. Coincidência ou não, o número é muito próximo do "rombo" das contas públicas do governo federal que é de R$ 170 bilhões, anunciado há poucos dias.

Não havendo rebaixamento da taxa de juros Selic para níveis de inflação, o País continuará sangrando. Os investidores diretos ao sistema produtivo, tanto nacionais como estrangeiros, não se animarão a colocar dinheiro na produção. O Brasil continuará sendo, com Meirelles na Fazenda, um país que pratica a taxa de juros reais a mais alta do mundo, fora Turquia, dentre 40 maiores economias do mundo. Continuaremos sendo vice-campeão em termo de taxa de juros reais dos títulos públicos.

Diante da política econômica e monetária desenhadas pelo Henrique Meirelles, a taxa Selic deverá terminar o ano ao redro de 12,50%, o PIB fechará o ano próximo de 4% negativos, a inflação deverá fechar o ano acima do teto da meta de 6,5% e o número oficial de desempregado em torno de 14 milhões no final do ano. 

Como alternativa à política econômica neoliberal, recessiva, estou apresentando no meu e-book Brasil tem futuro?, uma política econômica e monetária que tirará o País do estado de paralisia e de marasmo. Vale a pena conferir. 

Ossami Sakamori






5 comentários:

  1. O que irá acontecer quando o nosso país se afundar no mais profundo colapso econômico?
    henrique meirelles não fará nenhum choque para reverter a situação econômica do País. Vai ignorar que o quadro da economia é de extrema gravidade, logo não será a última vez em que testemunharemos o colapso de uma economia socialista.

    "O colapso da Venezuela não irá acabar com o poder sedutor do socialismo - e há explicações para isso

    (...)

    A saúde pública foi apenas uma das áreas destruídas pelas políticas socialistas do governo venezuelano. Atualmente, não há comida, os supermercados são diariamente saqueados, e os venezuelanos estão recorrendo à prática da caçar cachorros, gatos e pombos nas ruas para tentar saciar sua fome (veja os mais recentes relatos aqui).

    (...)

    Não creio que crianças morrendo como moscas nos hospitais públicos são motivo de piada. Assim como não faço chacota quando leio sobre os famintos chineses que tiveram de comer seus próprios filhos durante o governo comunista de Mao Tsé-Tung. Também não acho nenhuma graça quando leio sobre as 14,5 milhões de mortes causadas por Stalin e seu Holodomor na Ucrânia. Tampouco caio na gargalhada quando leio sobre como os soldados do Khmer Vermelho, no Camboja comunista, assassinavam crianças com baionetas.

    Muito menos achei qualquer graça quando testemunhei com meus próprios olhos crianças reduzidas à inanição pelo ditador marxista do Zimbábue, Robert Mugabe.

    Com efeito, não há absolutamente nada de engraçado nesse quase incompreensível grau de sofrimento que o socialismo impôs — e segue impondo — aos seres humanos em todos os locais em que foi tentado.

    (...)"

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2412

    ResponderExcluir
  2. Seria até anti coerente que um Lulista usasse uma política econômica neo liberal para salvar o Brasil. Mudou-se os artistas mas a porcaria apresentada é a mesma. O fundo do poço ainda ñ chegou.

    ResponderExcluir
  3. Seria até anti coerente que um Lulista usasse uma política econômica neo liberal para salvar o Brasil. Mudou-se os artistas mas a porcaria apresentada é a mesma. O fundo do poço ainda ñ chegou.

    ResponderExcluir
  4. Neste pé parece que estamos ferrados. Mesmo com redução de ministérios e o bilhões que possivelmente serão recuperados com as condenações de tantos mafiosos?

    ResponderExcluir
  5. A Marina ainda é um símbolo de honestidade na política. Pode ser frágil, mas ninguém pode contestar o caráter dela.
    Síndrome de Estocolmo foi uma das maiores idiotices que eu já li.
    Abre um blog próprio

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.