Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 17 de maio de 2016

Ilan Goldfajn é um bom nome para Banco Central


O presidente Michel Temer indica o economista chefe do Banco Itaú, Ilan Goldfajn, para a presidência do Banco Central do Brasil. O nome dele foi indicado pelo ministro Henrique Meirelles da Fazenda. A indicação do Ilan já era esperado pelo mercado financeiro. O mercado financeiro entende que ele é um bom nome para trabalhar em conjunto com Henrique Meirelles, na área econômica.

No meu entender, o quadro da economia em estado de "depressão" como que encontra o Brasil, o papel do Banco Central é muito mais importante para tirar economia do marasmo e criar um ambiente propício para investimentos no setor produtivo. 

Ao contrário do que a maioria imagina, não serão as medidas do Ministério da Fazenda que fará com que os investidores institucionais e empresários em geral voltem a injetar o dinheiro no setor produtivo. O investimento no setor produtivo que cria novos empregos ou pelo menos estanca as novas demissões.  O papel do Banco Central será determinante, para a volta de confiança do empresariado. Na atual conjuntura, o empresariado não acredita no governo. 

Ao contrário do que afirma o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não será o ajuste fiscal ou reforma na previdência social que farão os investidores mudarem de posição do status de "stand by" (esperando). Qualquer medida de ajuste fiscal ou reformas de cujo resultado é de médio a longo prazo, não animará o mercado. No meu entender, estas providências são importantes e necessárias, mas não deverá trazer resultados no curto prazo.

Só mesmo a politica de juros dos títulos da dívida pública somado à política cambial adequada poderão mover os investidores diretos a sair da sua zona de conforto e passar a fazer investimentos no setor produtivo. A política monetária da presidente licenciada Dilma, estava promovendo a maior transferência de renda dos pobres para ricos . Nunca houve transferência de renda, em valor brutos tão expressivos com no governo do PT dos últimos 13 anos. 

Tem uma expressão que é muito usado no mercado financeiro: "o buraco é mais para baixo". O recém nomeado presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn sabe disso. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles sabe também. Há que ter coragem para reverter este quadro, indo contra o "establishiment", dos quais fazem parte os dois. 

Só as medidas do Banco Central poderão reverter o quadro de "depressão" que o País atravessa em prazo curto.  Uma medida correta do Banco Central dispensaria recriação da famigerada CPMF. Meirelles sabe disso. Ilan Goldfajn sabe disso. As condições de ambos estarem, até a véspera, atuando no setor bancário são fatores inibidores para tomada de medidas de ajustes adequada ao momento político econômico. Vamos dar um voto de confiança para que ambos tomem "atitude, coerência e transparência" na política econômica e na política monetária, para que o Brasil entre na rota do desenvolvimento sustentável.

Por enquanto, é muito cedo para entregar "cheque em branco" para os formuladores da política econômica do governo Temer. Vamos avaliar as medidas que serão tomados por ambos, para minha opinião. Os leitores deste blog ficarão sabendo de cada medida, na área econômica, do governo Temer. 


Conheça uma nova matriz econômica > Brasil tem futuro?

Por enquanto, Ilan Goldfajn é um bom nome para Banco Central do Brasil.

Ossami Sakamori












14 comentários:

  1. O governo(des) deitou e rolo com dinheiro que não tinha e, com toda certeza, de maneira sutil (ou não) o governo de transição vai mandar a conta para o povo pagar, em forma e nomes pomposos, como contribuição temporária (já ouvi isso antes), colaboração expontânea (nem tanto) e outros quetais.
    Nosso país não muda nunca.
    Quem quer viver num país sério já está se mudando daqui.
    TRISTE REALIDADE !

    ResponderExcluir
  2. DAVA PRA SER UM JOÃO DA SILVA NÃO? NÃO CONSIGO PRONUNCIAR ESSE NOME

    ResponderExcluir
  3. Se meirelles e este sabem que o Banco Central dispensaria recriação da famigerada CPMF, se ambos têm esse conhecimento, então se a CPMF aparecer, temer estará jogando tão sujo quanto eles.
    Com um punhsdo de "ses", metia o mundo dentro de uma gota de água por que a CPMF vai mesmo voltar a viver.

    ResponderExcluir
  4. Por que meirelles não vai buscar á Friboi os R$ 40 bilhões qua dilma perdoou?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. dilma perdou á Friboi R$ 40 bilhões aqui no Brasil, para ela se mudar para Irlanda.
      Com isso, a Friboi esté fechando frigorificos aqui, causando despedimentos.
      Se tem tanto dinheiro, por quê o perdão de R$ 40 bilhões da BNDES?

      http://outroolharamargosa.blogspot.com.br/2015/06/friboi-compra-subsidiaria-irlandesa-da.html

      Excluir
  5. "Conselho a Meirelles: feche o BNDES e acabe com suas quatro consequências nefastas

    (...)

    Henrique Meirelles, portanto, pode resolver seus três problemas — controlar os gastos, estancar o crescimento da dívida pública e até mesmo reduzi-la — com uma só medida.

    Ao fechar o BNDES, ele irá, no longo prazo, impor uma maior disciplina aos gastos do governo e estancar o crescimento da dívida. E, para reduzir a dívida, ele não tem de recriar a CPMF e nem nenhum "imposto transitório": basta ele exigir que as grandes empresas que foram privilegiadas com empréstimos subsidiados do BNDES — imorais por todos os motivos acima, mas principalmente porque pagos pelos cidadãos brasileiros — devolvam o dinheiro.

    Só com o PSI foram gastos R$ 362 bilhões em empréstimos. Dinheiro do povo jogado fora. Por que somos nós que agora temos de arcar com essa fatura? As empresas privilegiadas — que majoritariamente fizeram obras no exterior com esse dinheiro — que se virem para devolver o esbulho. E observe que isso seria apenas a devolução do principal. Nem se está considerando os juros.

    Tal quantia faria maravilhas em reduzir a dívida pública, que é a intenção declarada de Meirelles.

    Como exatamente ele irá equacionar isso é problema dele, e não meu. O Ministro é ele e não eu. Capacidade para resolver problemas ele tem de sobra, como comprova sua exitosa carreira.

    É claro que, ao fazer isso, ele estaria prejudicando diretamente seu ex-empregador, o grupo J&F, que controla a JBS/Friboi. Hora de provar que sua postura e sua fala de durão são realmente pra valer."

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2407

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É tudo teatro.
      O homem já foi da confiança do Lula.
      Esperar o que além de discurso bonito?

      Excluir
    2. Anônimo das 19:43

      Pode resolver seus três problemas... pode mas não vai resolver nada que prejudique seus amigos e seus clientes.
      Lá discurso bonito faz ele pois tem o dom da palavra, mas nada mais que isso.

      Excluir
  6. Penso que o BNDES seja essencial para o desenvolvimento de nosso país. O que precisa é corrigir seu rumo e para isto acredito em sua nova presidente.

    ResponderExcluir
  7. A profunda amizade entre meirelles e lula, captada na foto deste artigo.

    "Medidas de Meirelles são a continuidade de Dilma

    Juro alto, assalto ao dinheiro da Previdência e CPMF

    O neoliberalismo é o reino da ilegalidade, porque não dizer, da ladroagem e do privilégio.

    O então presidente Lula elevou o então presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, ao status de ministro, para conceder a ele "foro privilegiado", diante das investigações do Ministério Público e da Polícia Federal sobre suas empresas de fachada.

    Até hoje Meirelles não explicou as transações dessas empresas – a Silvania Empreendimentos e Participações, a Silvania Holdings, a Goiânia Ltd., a Silk Cotton Investiments, a Yametto Corporation, a Silvania One LLC, a Silvânia Two LLC, a Boston Administração Comercial e Empreendimentos e a Boston Comercial e Participações (cf. STF e PGR, Inquérito 2.206-3/DF).

    Mas garantiu sua sobrevivência fora da cadeia, através do "foro privilegiado" que lhe concedeu Lula – o mesmo Lula que queria colocá-lo no Ministério da Fazenda de Dilma.

    Para quê?

    Vejamos, então, o mesmo Meirelles, agora ministro da Fazenda de Temer.

    (...)"

    http://www.horadopovo.com.br/?gclid=CIrtnNW9nswCFQEmhgodalUKkQ

    ResponderExcluir
  8. Mudam as coleiras mas os cães são os mesmos (me desculpem os animais que não merecem a comparação, mas trata-se de um dito popular).

    ResponderExcluir
  9. COITADO DO ZÉ! CONSEGUIU ESCAPAR DA DITADURA MILITAR E AGORA VAI ENCARAR POR MAIS 23 ANOS A "DITA" DURA DO TIÃO PÉ DE MESA

    ResponderExcluir
  10. Não quero ser insistente em malhar Michel Temer mas na entrevista dele no Fantástico, Michel disse querer nomear sua esposa Marcela para um cargo na área social. A entrevistadora perguntou-lhe se a Marcela tinha experiência na área e Michel respondeu que a Marcela era advogada. Agora descobriram que, na verdade, Marcela tem o curso de advogada mas não tem o registro na OAB. Não consta no Cadastro Nacional de Advogado o nome da Sra Marcela Tedeschi Araújo Temer.
    Michel Temer mentiu. E aliás, para Marcela ajudar o Brasil, basta fazer como a Sra Ruth Cardoso, esposa de FHC que o ajudou na Área Social sem precisar ser nomeada para nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso que o sr. Camilo falou.
      Quem quer ajudar, ajuda, quem quer ajuda se encosta...

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.